Click here to load reader

Revista Pilotis 07

  • View
    223

  • Download
    7

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista interna do Colegio Sao Luis, Jesuitas - Sao Paulo - SP - Brasil

Text of Revista Pilotis 07

  • 1www.sao

    luis.org

    /rev

    istapilotis

    nmeroseteRevista Pilotis - n 07 - agosto/setembro de 2008Produo interna dos alunos e educadores do Colgio So Lus

    ComPensando para a vidaMEIO AMBIENTE

    nesta edio:

    Escolha

    Vestibular

    Estudo do meio

    Iniciativa

    Projeto

    Mercado

    Frum de Profisses

    Preparao nota 1000

    A prtica do conhecimento

    Cidadania no CSL

    Aprendendo a consumir

    Alunos executivos

  • 2.3comunidade

    Ser melhor para os demais

    .4 Aconteceu

    .6

    escolha

    Crebros e pra-quedas s funcionam bem abertos

    .8mercado

    Executivos em ao

    .9vestibular

    Preparao nota 1000

    .10meio ambiente

    ComPensando para a vida

    .14viagem

    A prtica do conhecimento

    .15evento

    Troca de idias

    .16iniciativa

    Cidadania no CSL

    .18projeto

    Aprendendo a consumir

    .20integral

    Dinossauros no Integral

    .22cultura

    Dicas imperdveis!

    .23 Agenda

    Na Bblia, conhecemos a criao do mundo e do homem.

    Deus criou o mundo e tudo que nele h e o entregou ao

    homem para que dele tomasse conta.

    A nossa responsabilidade sobre tudo o que existe e que

    foi criado por Deus deve ser guiada pela tica. Como

    seres humanos racionais, ns somos os responsveis pela

    natureza, pelo outro e pela vida.

    Hoje, no podemos nos omitir do papel de trabalhadores

    em prol do desenvolvimento consciente, preservando a vida.

    A destruio do meio ambiente no responsabilidade

    somente dos pases desenvolvidos. O nosso trabalho deve

    ser realizado com respeito ao mundo que nos cerca e com a

    conscincia do nosso dever.

    A educao tem papel fundamental nesse contexto. As

    novas geraes precisam crescer conhecendo a realidade

    do mundo e sabendo que a todos ns pertence a chance

    de recuperar a beleza e a importncia da natureza. Dela

    dependemos para viver e a ela pertencemos.

    Na matria de capa, nesta edio da nossa revista,

    conheceremos um pouco mais sobre a compensao de

    carbono e o trabalho que o Colgio So Lus realiza,

    acreditando no futuro, investindo na educao e na

    conscientizao de nossos alunos.

    O reflorestamento possvel, assim como possvel

    mudarmos o mundo. Cada um fazendo a sua parte.

    Boa leitura!

    Abraos fraternos,

    Pe. Mieczyslaw SmydaDiretor Geral do Colgio e da Faculdade So Lus

    :: editorial

    Revista Pilotis - n 07 - agosto/setembro de 2008

  • 3.3comunidade

    Ser melhor para os demais

    .4 Aconteceu

    .6

    escolha

    Crebros e pra-quedas s funcionam bem abertos

    .8mercado

    Executivos em ao

    .9vestibular

    Preparao nota 1000

    .10meio ambiente

    ComPensando para a vida

    .14viagem

    A prtica do conhecimento

    .15evento

    Troca de idias

    .16iniciativa

    Cidadania no CSL

    .18projeto

    Aprendendo a consumir

    .20integral

    Dinossauros no Integral

    .22cultura

    Dicas imperdveis!

    .23 Agenda

    bora diz que ficou com vontade de ter

    passado a infncia l, onde permitido

    andar descalo o dia todo e brincar fora

    de casa.

    Aprendizadoe saudadeO carinho recebido das famlias faz com

    que os laos construdos no se percam

    com o tempo. Dbora e outras amigas

    planejam voltar a Montes Claros em ja-

    neiro do prximo ano. J telefonei para

    a minha me de l e no pretendo per-

    der o contato, conta a aluna, com sau-

    dades.

    Refletindo sobre o que foi mais importan-

    te nessa vivncia, Dbora diz: A expe-

    rincia foi muito forte pra mim. Aprendi

    que sou capaz de realizar mais coisas

    do que imaginava que no conseguiria

    por medo. Entendi que as preocupaes

    podem ser deixadas de lado para que

    possamos seguir em frente.

    comunidade ::

    Ser melhor para os demais

    Todo ano, durante dez dias das frias de

    julho, um grupo de cerca de 20 alunos

    do Ensino Mdio do Colgio So Lus

    viaja para um intercmbio especial e di-

    ferente.

    A Experincia de Comunho e Participa-

    o acontece h trinta anos e j propor-

    cionou essa vivncia em locais diversos

    como Lunardeli (PR), Missal (PR) e Ilha de

    Maraj (PA). Hoje, ela acontece em Mon-

    tes Claros, interior de Minas Gerais.

    Durante os dias em que vivem na casa de

    moradores dessa comunidade, os jovens

    participam da sua rotina, conhecem seu

    modo de vida, trocam afeto e aprendem

    muito com a experincia.

    Voltei uma novapessoa Dbora, aluna da 2. srie EM, voltou

    das terras mineiras encantada com a

    sua nova famlia e, em especial, com

    uma garotinha de 8 anos que conheceu

    l. As pessoas so muito transparentes

    e sinceras. Em poucos dias voc j os

    conhece bem e sabe que pode confiar

    neles.

    A estudante, que realizou a viagem sem

    expectativas do que viveria, perdeu o

    medo e viu sumir a sua ansiedade em

    poucos minutos. Quando cheguei co-

    nheci a dona Cota, uma senhora que

    lembrava minha av. S de olhar para

    ela eu j me sentia bem, diz Dbora.

    A rotinaLevantar s 6h30, almoar s 10h30 e

    jantar s 18h fez parte do dia-a-dia do

    grupo. So hbitos totalmente diferentes

    dos que esto acostumados na cidade

    grande, porm a disposio e a alegria

    dos moradores da regio fazem com

    que o grupo queira participar de todas

    as atividades durante o perodo em que

    l esto.

    Mesmo sendo natural de Minas e gos-

    tando do contato com a natureza, D-

  • 4:: aconteceu

    EM participa do Frum FAAPDe 30 de abril a 03 de maio, um grupo de estudantes da 3. srie EM participou do IV Frum FAAP de Discusso Estudantil. Os alunos

    assumiram os papis de delegados e ministros durante os dias do evento.

    Missa da FamliaNo domingo, dia 11 de maio, as famlias do Colgio So Lus se reuniram no Salo Santo Incio para celebrar o Dia das Mes.

    Um dia de comemoraesNo dia 12 de maio, alunos e educadores comemoraram o Dia da

    Comunidade e o aniversrio do Colgio So Lus (141 anos). A Educao Infantil e o 1. ano/9 assistiram pea A formiguinha

    Zoz, representado por professores e auxiliares do segmento.

    Crisma 2008No sbado, dia 14 de junho, aconteceu no Salo Santo Incio, a

    celebrao da Crisma de 2008. Familiares, educadores e assessores de Formao Crist partilharam desse momento especial para os

    jovens.

    Exposio Arte BarrocaNo 1. bimestre, os alunos da 1. srie EM noturno estudaram a arte barroca, realizando uma pesquisa de campo sobre o assunto. Durante as aulas de Arte, os alunos elaboraram e confeccionaram esculturas, utilizando materiais diversificados.

    Futsal Feminino do CSLAs equipes Mini, Mirim, Infantil e Juvenil de Futsal Feminino participaram do amistoso no Colgio Mackenzie SP nos dias 15, 17 e 24 de abril. Valeu o esprito da equipe das meninas do So Lus!

  • 5Arrai do Colgio So Lus Colgio So Lus, ASIA (Associao de Antigos Alunos) e APM (Associao de Pais e Mestres) realizaram a Festa Junina do CSL, no dia 07 de junho, contando com a participao, durante todo o dia, de 5 mil pessoas.

    aconteceu ::

    Chaplin na 6. srieOs alunos da 6. srie trabalharam com o tema Heris em Lngua Portuguesa. Leram e interpretaram textos com heris mitolgicos, heris do cotidiano (os pais) e anti-heris. Para fechar o bimestre, criaram pequenas peas com Carlitos, o imortal personagem de Chaplin.

    Shakespeare at SchoolAlunos da 7. srie EFII leram durante o 2. bimestre, sob a

    orientao da professora de Ingls, Vera La Mar, uma das mais famosas tragdias de William Shakespeare: Hamlet, Prince of

    Denmark. Alm da leitura, os alunos desenvolveram um projeto para conhecer um pouco mais sobre o estilo de vida das pessoas no

    sculo XVI.

    Criao divinaOs alunos da 1. srie EM diurno, ao estudarem escultura,

    trabalharam com concreto celular e grosa, lapidaram a pedra bruta e criaram formas que assumiram o papel de objetos, figurativos ou

    abstratos.

    Worskshop do Projeto Conexes De 30 de maio a 1. de junho, aconteceu o Workshop de Imerso da 2. edio do Projeto Conexes. Dezessete grupos de teatro jovem estiveram presentes no Colgio So Lus, onde a atividade se realizou. O projeto conta, este ano, com seis peas (trs brasileiras e trs britnicas).

    Oitavida na Vila Gonzaga Nos dias 30 e 31 de maio, os alunos da 8. srie EFII participaram do Oitavida, uma proposta de autoconhecimento e interao entre

    as turmas, que acontece pelo terceiro ano consecutivo na Vila Gonzaga.

  • 6Como quem caiu de pra-quedas na pa-

    lestra, essa foi a primeira frase que ouvi

    ao chegar ao Frum de Profisses deste

    ano. Evento j tradicional do Colgio

    So Lus e organizado pela ASIA (Asso-

    ciao dos Antigos Alunos), ele tem a fi-

    nalidade de auxiliar os alunos do Ensino

    Mdio no que diz respeito escolha pro-

    fissional. Acordei atrasada, sa correndo

    de casa, e consegui chegar na hora.

    Mas foi s mais tarde que descobri que

    fiz mais do que chegar na hora, cheguei

    a tempo de ouvir o que viria a resumir o

    evento inteiro.

    O segredo : flexibilidadeO professor Jos Arnaldo Favaretto, bi-

    logo e autor de diversos livros didticos,

    citou James Dewar em sua palestra para

    ilustrar a tese que tentava passar aos v-

    rios alunos que o assistiam aten-

    tamente: s se tem sucesso

    sendo flexvel, ou seja,

    se no deu

    certo de um jeito, tente de outro. Nas

    palavras dele: a vida profissional lin-

    da e enriquecedora assim [...] justamen-

    te porque no linear, ou ento, mais

    diretamente, a gente aprende dando

    cabeada.

    De fato, apesar de

    outras competncias

    como o trabalho

    em equipe, o uso

    prtico do conheci-

    mento e tecnologia, a

    responsabilidade social,

    o domnio das diferentes lin-

    guagens e o esprito crtico tambm se-

    rem fundamentais, a flexibilidade pautou

    todo o Frum, ainda que de formas dife-

    renciadas.

    Para comear...Os ministrantes das duas palestras que

    iniciaram o evento, o j citado professor

    Jos Favaretto e a executiva da Accentu-

    re, Clia Reis, afirmaram ser fundamental

    a clareza de que o nome do curso que

    escrito naquele nfimo espao em branco,

    na ficha de inscrio para o vestibular,

    no ser a escolha definitiva na vida de

    ningum. Na verdade,

    ambos disseram que uma mdia de 53%

    dos formandos brasileiros no exerce a

    profisso da qual fizeram curso.

    Compartilhando incertezasAinda na segunda parte do even-

    to, pde-se notar que o foco

    continuou. Durante um bate

    papo, nas salas de aula

    do 4. andar, divididas

    de acordo com as profis-

    ses, 26 antigos alunos

    do CSL, que agora so

    profissionais com carreiras j

    direcionadas, contaram como fo-

    ram suas escolhas, faculdades e empre-

    gos, alm de ajudarem a resolver as fre-

    qentes dvidas que surgem, medida

    que a temida data de inscrio se apro-

    xima. Profissionais de economia, admi-

    nistrao, engenharia, direito, medicina,

    agronomia, arquitetura, artes, entre ou-

    tros, lembraram das mesmas dvidas em

    relao carreira que hoje queremos:

    que curso escolher? Qual rea? Ser que

    eu vou gostar? E se eu descobrir que es-

    colhi errado? Vai ser tarde demais?

    quase inacreditvel para os alunos,

    mas muito bvio para os profissionais,

    :: escolha

    Por Renata Rog Ferreira, aluna da 3. srie EM

    Crebros e pra-quedas s funcionam bem abertos James Dewar

    Cada escolha que

    vocs fizerem ser um

    acrscimo s suas vidas,

    no far vocs perderem

    tempo.

  • 7Dicas pr-vestibular

    Para acalmar o nervosismo pr-vestibular dos

    alunos, os profissionais deram algumas dicas

    prticas, muito apreciadas pelos presentes:

    * ter sempre humildade e disponibilidade nos

    primeiros empregos;

    * saber que qualquer oportunidade uma gran-

    de oportunidade e que, no comeo, qualquer

    experincia vlida;

    * procurar um diferencial fundamen-

    tal, seja em cursos de lngua, de arte,

    de computao, etc., no Brasil ou

    no exterior;

    * na hora de escolher qual faculda-

    de cursar, bom pesquisar sobre os

    professores que daro as aulas, para

    ver com quais h uma maior identifi-

    cao por parte do aluno.

    escolha ::

    que tais d-

    vidas pare-

    cero pequenas

    uma vez passados

    o desafio e a pres-

    so do vestibular. A

    escolha no eterna

    diz Renata, psicloga e

    antiga aluna que participou

    do bate-papo. Fiquem tranqi-

    los, porque cada escolha que vo-

    cs fizerem ser um acrscimo

    s suas vidas, no far vocs

    perderem tempo.

    Respirar fundo e seguir adiante

    Ainda com o lema no levem as coisas

    to a srio em mente, os antigos alu-

    nos deram extrema importncia ao fato

    de que a Faculdade s a massa, o

    recheio vai depender do que voc colo-

    car dentro depois, disse o publicitrio

    Rui Branquinho. J o jornalista Lus Artur

    Nogueira afirmou que a faculdade s

    o comeo, se errou, tudo bem, segue o

    jogo porque tem tempo. Mais para fren-

    te, na prtica, vocs vo aprender muito

    mais.

    Ao final do Frum, vrias questes dos

    vestibulandos foram resolvidas. Porm,

    sabemos que, cada dvida solucionada

    gera outras dez, e, assim, sucessivamen-

    te. Por isso, o CSL mantm a tradio do

    Frum de Profisses, com o objetivo de

    que os, hoje alunos, voltem nos prximos

    anos para tentar ajudar os futuros vestibu-

    landos neste momento difcil.

  • 8quatro principais reas de uma empresa:

    Marketing, Produo, Financeiro e Recur-

    sos Humanos.

    Durante todos os encontros, os colabora-

    dores da PricewaterhouseCoopers sero

    os consultores da Miniempresa. O pro-

    grama tem durao de 15 encontros, de

    3 horas e 30 minutos cada um.

    Analisar, gerenciar e tomar decises so-

    bre os rumos de uma empresa ser o de-

    safio de um grupo de alunos da 2. srie

    EM do Colgio So Lus neste segundo

    semestre.

    Como funcionaO programa Miniempresa realizado

    em parceria com a Junior Achievement

    proporciona aos alunos da 2. srie do

    Ensino Mdio a oportunidade de criar,

    organizar e administrar uma miniempre-

    sa de verdade, onde os alunos vendem

    as suas aes, fabricam e comercializam

    um produto especfico.

    No final do programa, os alunos con-

    cluem as atividades e devolvem aos

    acionistas o investimento e o lucro, se

    houver. So ressaltados para os alunos

    a responsabilidade, o comprometimento,

    a tica, a organizao, a limpeza e a

    assiduidade de cada um.

    Os alunos experimentam o mercado de

    trabalho, pois desempenharo os papis

    de diretores e tomaro as decises nas

    Miniempresa

    ParceirosA Junior Achievement uma orga-

    nizao no governamental sem fins lucrativos, atuante na rea de empreen-dedorismo juvenil. A misso da organi-zao despertar o esprito empreen-dedor nos jovens, ainda na escola, e proporcionar uma viso clara do mun-do dos negcios.

    Para a realizao de seus proje-tos, a JASP precisa unir quatro elos: em-presa, alunos, colaboradores e escola. E todos esses elos so beneficiados. Neste ano, a PricewaterhouseCoo-pers fechou uma parceria com a Junior Achievement So Paulo para levar um dos seus programas, o Miniempresa, para o Colgio So Lus.

    A PricewaterhouseCoopers uma organizao genuinamente global com

    :: mercado

    no CSL

    800 escritrios em 150 pases. Mais de 146.000 pro-fissionais em todo o mundo trabalham, de maneira integrada, ga-rantindo a qualidade e excelncia dos servios prestados. Entre seus clientes, esto algumas das maiores organiza-es mundiais com atuao em variados setores.

    Mais informa-es sobre o programa no site http://www.jasp.org.br

    Empresa atua na rea de empreen-

    dedorismo juvenil.

  • 9NovidadeUma inovao que acontecer, no segun-

    do semestre, a ampliao desse estudo

    monitorado para os alunos da 3. srie

    EM, mesmo que para eles j exista um

    programa de reviso de contedos para

    os vestibulares: o Revisa. O objetivo do

    Revisa auxiliar os alunos a aplicarem

    nos vestibulares contedos que eles j

    aprenderam.

    A idia desse projeto antiga. Os direto-

    res, coordenadores e professores sabiam

    que algo deveria ser feito para aprimorar

    o antigo Magis (aulas temticas ofereci-

    das pelos professores do Colgio). Para

    atingir o objetivo do programa, foram

    contratados novos professores que adota-

    ram um material especfico. Tudo isso foi

    feito aps um longo perodo de discer-

    nimento, troca de idias e planejamento

    interno.

    Mais estudoO Revisa tem a participao opcional de

    alunos que procuram revisar matrias im-

    portantes e obter tranqilidade durante os

    exames to temidos. A maior vantagem

    do Revisa que ele acompanha o calen-

    drio da 3. srie EM. Assim, quando,

    por exemplo, estiver ocorrendo a semana

    vestibular ::

    O Colgio So Lus est ciente de que

    a exigncia, tanto da escola quanto dos

    vestibulares, pela qual seus alunos pas-

    sam, no pouca. Por isso, este ano, de-

    senvolveu alguns projetos, coordenados

    pelo prof. Marco Antnio Silva, o famoso

    Marco, que visam ao melhor desempe-

    nho acadmico dos seus participantes.

    Mais tempo no ColgioO Perodo Estendido destinado aos

    alunos da 7. srie 2. srie EM e cria-

    do devido ao atual contexto em que vi-

    vemos: pais mais ausentes e tecnologia

    cada vez mais atrativa aos mais novos.

    O objetivo do Perodo Estendido afas-

    tar os alunos das tentaes que eles

    encontram em suas casas, diz Marco.

    Esse um mecanismo para que os alunos

    tenham um acompanhamento durante o

    seu estudo, com a superviso dos profes-

    sores James e Donato.

    Para o coordenador, o aprendizado

    maior surge a partir do erro e os estu-

    dantes no Perodo Estendido tm a opor-

    tunidade de tirar suas dvidas no Planto

    de Dvidas. Os alunos precisam criar o

    hbito de que ao surgir uma dificuldade,

    eles devem buscar san-la, afirma Mar-

    co Antnio.

    Preparao nota 1000

    Impresses pessoaisDurante a entrevista o coordenador sacou

    a revista Voc S.A. e mostrou a matria

    da capa: Seja o talento escolhido pelo

    mercado e disse que o Colgio tem a

    inteno de preparar seus alunos para

    as novas exigncias do mercado de tra-

    balho, entre elas est a necessidade de

    pessoas que tm iniciativa para buscar o

    que necessrio e com a capacidade de

    assumir novas atividades a todo momen-

    to, pois isso que o futuro exige: trabalha-

    dores bem formados e capacitados.

    O Colgio faz tantas inovaes, pois

    sabe que deve se adequar as mudanas

    que ocorrem no mundo e que a prepa-

    rao dos futuros trabalhadores deve ser

    feita por inmeras frentes.

    de provas os alunos no perdero aulas

    e ainda tero os professores sua dispo-

    sio para sanar eventuais dvidas.

    Por Lara O. Vilela, aluna da 3. srie EM

  • 10

    :: meio ambiente

    COMPENSAR a palavra mais ouvida no Colgio So Lus, na volta s aulas neste segundo semestre. No de hoje que o So Lus inclui, no seu planejamen-to, a Educao Ambiental como parte fundamental do processo de aprendiza-do e formao de seus alunos (ver box Educao Ambiental no CSL).

    Acompanhando sempre os estudos que indicam uma situao cada vez mais urgente em relao preservao do meio ambiente, o CSL decidiu realizar uma ao mais forte e efetiva em rela-o poluio do ar e compensao de carbono.

    O projeto ComPensar indito entre as instituies de ensino, sendo planejado e estudado durante todo o primeiro se-mestre deste ano e j colocado em pr-tica na volta s aulas, no final do ms de julho.

    Para que os objetivos sejam alcanados, uma empresa-parceira foi escolhida para esse projeto, formada por profissionais com grande experincia e comprome-timento. A Brasil Flora realiza projetos

    para a vidaComPensando

  • 11

    ambientais e reflorestamentos, alm de se encarregar da capacitao de seus parceiros com informaes e dados so-bre a preservao do meio.

    Com essa parceria, no ms de agosto, o Colgio So Lus vai plantar 3 mil r-vores de espcies nativas da regio de Cotia local onde ser criado um novo fragmento florestal - que levar o nome de cada um dos alunos do Colgio.

    Uma rvore e uma caneca

    Simbolicamente, uma caneca com a ilus-trao de uma rvore nativa da Mata Atlntica, ser entregue aos alunos no incio de agosto, e todos podero acom-panhar o plantio e o crescimento da sua rvore de diversas maneiras.

    Visitar o local escolhido, acessar o site do Brasil Flora e do Colgio, onde sero periodicamente postadas fotos indican-do o desenvolvimento das rvores ou o Google Earth, digitando as coordenadas geogrficas, previamente fornecidas, e visualizando o fragmento.

    Na ponta do lpis

    Eduardo Deangelo, gegrafo e diretor da Brasil Flora, explica que, plantando essas 3 mil rvores, ser possvel com-pensar o CO2 produzido pelos alunos do CSL em sua vinda ao Colgio, ao longo

    Novos alunosO programa ComPensar j prev a com-pensao da visita dos novos alunos ao Colgio, no segundo semestre, durante o processo de ingresso. Por isso, cada um deles levar para casa a caneca e ter uma rvore plantada com seu nome.

    Economia solidriaO trabalho consciente base para a realizao do projeto, chamado de Faa Mais, pela Brasil Flora. Por isso, at mesmo os trabalhadores rurais so devidamente registrados pelo perodo de trabalho e remunerados com dirias acima do valor de mercado. Essa ao feita justamente para incentivar a permanncia do homem do campo, no campo, combatendo o xodo rural.

    Orientaes tcnicasO apoio tcnico ser oferecido aos professores do So Lus a partir de agosto, quando sero orientados e podero esclarecer a ao e as dvi-das dos alunos sobre questes ligadas ao reflorestamento e a compensao do carbono.

    meio ambiente ::

    de 2008. O clculo simples:

    Cada aluno emite, em mdia, tone-lada de CO2 por ano com a sua vinda at o CSL. Uma rvore ao longo de seu crescimento, consegue absorver e, con-seqentemente, compensar aproximada-mente a mesma quantidade de CO2 em um perodo de 15 anos.

    Plantando 3 mil rvores, sero 1 mil e 500 toneladas de CO2 seqestradas da at-mosfera, ou seja, estaremos com-pensando a vinda de todos os alunos ao CSL ao longo deste ano.

  • 12

    :: meio ambiente

    Dvidas freqentes

    01 - J que fazemos parte desse projeto, nada melhor que entender os termos uti-lizados. Muito se fala em neutralizao do carbono, porm o correto, segundo Eduardo Deangelo, compensao do carbono. Afinal, o ar j est poludo, o que se faz compensar, futuramente, o CO2 produzido, hoje, com o refloresta-mento.

    02 - Se polumos aqui, em So Paulo, porque plantar rvores em Cotia? A po-luio global. Segundo pesquisas, a poluio de So Paulo se estende at 500 km da capital, ou seja, o CO2 pro-duzido aqui pode ser captado em outras regies. Alm disso, o O2 produzido nes-ses locais estar beneficiando tambm a todos ns.

    03 - Que reas so essas utilizadas para o reflorestamento? Existem duas possibi-lidades. Por lei, toda rea particular ou pblica deve ter suas reas de preser-vao permanente (APP) e suas reservas legais garantidas. Essas reas correspon-dem a 20% do total. A irregularidade da propriedade prev altuaes futuras.

    Educao ambiental no CSL

    Filme Uma verda-de inconveniente

    Os alunos do CSL assistiram, no ano passado, ao filme Uma verdade in-conveniente e realizaram debates sobre o tema do filme.

    Caf Scientifique

    Em 2007, os alunos do Ensino M-dio participaram do segundo encon-tro que o Conselho Britnico pro-move, chamado Caf Scientifique, com o tema debatido: Recursos Hdricos. Esse projeto proporcio-nou aos alunos a oportunidade de pesquisarem sobre o tema, levan-tarem resultados e compartilharem suas idias com outros alunos de

    Biodieselno Laboratrio

    Alunos da 1. srie EM tiveram uma aula de reciclagem de leo, abor-dando noes de cidadania e edu-cao ambiental. A experincia foi executada em dois momentos nas disciplinas de Qumica e Biologia.

    Projeto Coopere

    Periodicamente, a Coopere recolhe o lixo reciclado no CSL. Alm disso, o Colgio realiza um projeto social na Cooperativa com os catadores de lixo.

    Alunos reciclam leo

    em Laboratrio.

  • 13

    meio ambiente ::

    regies diferentes daquela em que vivem. Em julho, um dos nossos alu-nos representou esse grupo de tra-balho na Conferncia Internacional Greening Cities, em Londres.

    Plantando vegetais

    No Integral, as crianas aprendem a maneira correta de plantar e os cuidados necessrios para que as sementes brotem nas aulas de jar-dinagem e horta. Tudo o que se

    aprende privilegia simultaneamente a aquisio de conhecimentos, a aplicao desses conhecimentos no cotidiano e a construo de valores ticos e de cidadania.

    Encontro deLideranas

    Ver matria Cidadania no CSL, na pgina 16, sobre o encontro, que desenvolveu uma frente de trabalho em Educao Ambiental.

    Mais informaes:

    www.saoluis.orgwww.brasilflora.com.br

  • 14

    Destinos diversosNo primeiro semestre deste ano, os alu-

    nos da 5. srie EFII foram at Brotas, no

    interior de So Paulo, e puderam com-

    preender a importncia de eclusas, usi-

    nas hidreltricas, como fonte de energia

    eltrica, fsseis e rochas, alm de conver-

    sar com os bias-frias e entender o seu

    modo de vida. Entre as sries do Ensino

    Fundamental I (2./9 at a 4. srie EFII),

    os destinos variaram entre So Vicente,

    o Planetrio, o Museu dos Imigrantes e o

    Zooparque.

    Para agosto est prevista a visita da 6.

    srie aos mangues, runas e trilhas de

    Bertioga, no litoral de So Paulo. J em

    setembro, a visita s senzalas, piscinas

    naturais, igrejas nas cidades histricas

    de Minas Gerais, ser realizada pela 7.

    srie EFII. Para Angra dos Reis e Paraty,

    iro os alunos da 8. srie EFII e os estu-

    dantes da 1. srie EM seguem rumo ao

    Esprito Santo.

    Os Estudos do Meio so sadas do Co-

    lgio So Lus, realizadas do Ensino

    Fundamental I ao Ensino Mdio. O seu

    propsito educativo oferecer uma opor-

    tunidade aos alunos de estabelecerem a

    relao do estudo em sala de aula com

    a realidade fora da sala de aula, fortale-

    cendo e ampliando os laos de amizade

    entre eles.

    Muitos estudantes se perguntam: Para

    que eu estou aprendendo essa matria?

    Com essas sadas, conseguem entender

    o sentido do aprendizado a partir da rea-

    lidade e suas aplicaes na sociedade.

    ObjetivosColocar o aluno em contato com uma

    realidade que ele, muitas vezes, no

    consegue perceber estando em sala de

    aula, redimensionar, ter uma viso um

    pouco diferente so alguns dos objetivos

    do Estudo do Meio, explica Marco An-

    tnio da Silva, coordenador da rea de

    projetos do CSL.

    O objetivo dessa viagem sempre vi-

    venciar assuntos aprendidos em sala, ou

    seja, uma transferncia de conhecimen-

    tos, completa Viviane Verdasca, coorde-

    nadora do Ensino Fundamental I.

    A prticado conhecimento

    Viagem especialEntre usinas nucleares e centros histricos, a

    viagem da 8. srie EFII ser muito especial,

    j que, alm de ter uma ampliao de valo-

    res educacionais e culturais, uma viagem

    formativa. Comemora-se a finalizao do

    Ensino Fundamental depois de oito anos de

    estudo. Ser uma viagem que ficar para

    sempre na memria de quem participou. (L-

    via uma das formandas da 8. srie EFII do

    ano de 2008)

    Por Lvia Kostiuk, aluna da 8. srie EFII

  • 15

    :: evento

    Troca de idiasDe 29 a 31 de maio, na Escola Tcnica de Eletrnica (ETE), em Santa Rita do Sa-puca, aconteceu o 1 Simpsio do Ensi-no Fundamental II, promovido pela Asso-ciao dos Colgios Jesutas (ACOJE).Um grupo de treze educadores do Co-lgio So Lus participou do evento, jun-tamente com os educadores dos demais colgios da Provncia Brasil Centro-Leste, apresentando projetos interdisciplinares realizados nas sries do EFII.

    Aprendendo com o outroSegundo a prof. Denise Krein, diretora acadmica do CSL, o objetivo do encon-tro a troca pedaggica entre os educa-dores dos sete colgios da Provncia.Essa troca de idias possibilita ampliar os conhecimentos e oferecer sugestes de aulas, viagens e ferramentas que en-riqueam o planejamento dos professo-res e a vivncia dos alunos com novos projetos.Um exemplo dessa troca o interesse do So Lus em conhecer mais sobre um pro-jeto de sexualidade, apresentado pelo Colgio Loyola. Outro exemplo o Estu-do do Meio - viagem a Paraty - realizado pela 8. srie EFII do CSL, que tambm despertou grande interesse nos educado-res dos demais Colgios.O encontro acontecer a cada dois anos, assim como o Simpsio de Educa-o Infantil, que ocorreu em 2006, e ter

    a sua segunda edio neste ano no ms de outubro.

    Portugus, Ingls, Matemtica, Edu-cao Fsica, Arte e Ensino Religioso, de 5. a 8. srie EFII. Professores res-ponsveis: prof. Margarete da Penha Sevilla, prof. Fbio Lopes Brando e prof. Rosngela Valle.

    Viagem Cultural Formativa e Paraty, dentro das disciplinas Cincias, Histria, Geografia, Portu-gus, Ingls, Matemtica, Educao Fsica, Arte e Ensino Religioso, da 8. srie EFII. Seus responsveis foram o prof. Fbio Brando, prof. Marcelo Donatti de Jesus, prof. Mnica Barbo-sa, prof. Rosngela Luz Valle e prof. Vera Regina La Mar Los Santos.

    Arquitetos do Futuro: cons-truindo cidadania. As discipli-nas envolvidas foram Matemtica, Espanhol, Geografia, Cincias, Portu-gus, da 6. srie EFII. Responsveis: prof. Myrta Garcia Pradel Biondo, prof. Mayla Lavagnolli, prof. Mar-garete da Penha Sevilha.

    Projetos do CSL

    As oficinas e relatos apresentados pe-los educadores do Colgio So Lus no Simpsio foram:

    Estao Meteorolgica, que envolve as disciplinas de Cincias e Geografia, da 5. srie EFII. Seus responsveis foram a prof. Margare-te da Penha Sevilha e o prof. Fbio Lopes Brando.

    Projeto Cidades Histricas, dentro das disciplinas Histria, Ge-ografia, Portugus, Ingls, Espanhol, Matemtica, Educao Fsica, Cin-cias, Artes e Ensino Religioso. Srie a que se destina: 7. srie EFII. Seus res-ponsveis foram a prof. Rosangela L. Valle, prof. Mayla Lavagnolli, prof. Maria ngela Barbuto Moretto, prof. Myrta Biondo e prof. Vera La Mar.

    Estudo do Meio o homem e o ambiente, envolvendo as disciplinas de Cincias, Histria, Geografia,

  • 16

    :: iniciativa

    C IDADANIA

    Nos dias 26 de abril e 10 de maio des-

    te ano, alunos da 1., 2. e 3. sries

    do Ensino Mdio se encontraram para

    reflexes e criao de projetos sobre um

    tema-chave na pedagogia do Colgio

    So Lus: a liderana.

    Durante os 141 anos de histria, o CSL

    responsvel pela formao de diversos

    lderes que hoje atuam no cenrio pro-

    fissional e social do pas. Com o passar

    do tempo, os mtodos e as dinmicas de

    ensino para os alunos foram evoluindo,

    porm a meta do trabalho de formao

    de lideranas se manteve.

    Mudando a sociedadeO Curso de Lideranas um dia no ano

    letivo em que um grupo de alunos, orien-

    tados por seus coordenadores, se orga-

    nizam num encontro que ocorre na Vila

    Gonzaga. Os alunos interessados em

    aprender sobre cidadania inscrevem-se

    no curso, que tem como objetivo justa-

    mente ensinar aos jovens o que lide-

    rana, quais so as caractersticas de um

    lder e, principalmente, o que cada um

    pode fazer para contribuir com a socie-

    dade.

    O encontroNo encontro das 1. e 2. sries do EM,

    os alunos refletiram e discutiram sobre as

    qualidades e atuaes de um lder. As re-

    flexes foram acompanhadas por textos,

    como Sonacirema, e vdeos, como o fil-

    me Amor sem fronteiras. Esses recursos

    foram usados exatamente para faz-los

    pensar sobre iniciativa e a sociedade

    diz Lia, assessora de Formao Crist da

    2. srie EM.

    Em seguida, trabalhando em pequenos

    grupos e visando eleio de represen-

    tantes de sala, foi levantado e discutido

    o perfil que deveriam ter, bem como

    quais seriam suas funes. Mais tarde,

    cada classe elegeu dois representantes

    de sala, que necessariamente estiveram

    presentes no encontro.

    Frentes de trabalhoOs alunos tambm criaram projetos para-

    lelos ao preparo dos representantes, de

    carter ambiental e poltico. Na frente

    ambiental, alm do incentivo recicla-

    gem, a principal deciso foi a continu-

    ao do projeto feito em conjunto com

    o British Council, visando auxiliar re-

    cuperao dos rios Tmisa, em Londres,

    Capibaribe, em Recife, e Tiet, em So

    Paulo. O projeto envolve a participao

    de alunos dos Colgios Grey Cot School

    e Boa Viagem, alm do CSL, nas respec-

    tivas cidades.

    J na frente poltica, a idia principal foi

    a da reforma do Grmio do Colgio,

    que estava abandonado desde o final

  • 17

    ambiental, mdia e acesso cultura. A

    estrutura do encontro foi basicamente a

    mesma, a diferena fundamental, no en-

    tanto, foi o fato de o curso da 3. srie ter

    sido organizado por um grupo formado

    pelos prprios alunos da srie.

    Aps o curso, os estudantes se dispuse-

    ram a dar continuidade aos projetos e

    passaram a se reunir uma vez por sema-

    na para que o andamento fosse acom-

    panhado por todos. A formao de um

    grupo de debates polticos, um festival de

    bandas, a criao de um jornal para o

    Ensino Mdio e a proposta de um dia no

    ms de coleta de alimentos so aqueles

    que j esto em andamento. Acho que

    seria muito bom e possvel casar todos

    esses projetos, fazendo uma grande

    campanha. A idia que, no festival de

    bandas, o ingresso seja a doao de um

    quilo de alimentos, e que nesse dia seja

    lanada a campanha do dia mensal de

    doaes, e tambm o prprio grupo de

    debates, afirma Edelson.

    iniciativa ::

    C IDADANIAPor Renata Rog Ferreira, aluna da 3. srie EM

    no CSL

    do ano passado, quando a maioria de

    seus participantes se formou. A formao

    das duas chapas que concorrero no 2.

    semestre, ChapAtiva e Ch-Partido O

    Retorno, ocorreu durante maio e junho.

    A escola sempre apoiou o Grmio e

    incentiva para que no seja chapa ni-

    ca, conta Jos Paulo Naves, aluno da

    2. srie EM. J vamos fazer campanha

    na primeira semana de volta s aulas e,

    provavelmente, o voto vai ser obrigat-

    rio, continua o estudante que faz parte

    da ChapAtiva e participou do Curso de

    Lideranas.

    Lideranas na 3. srie EM[O foco] para a 3. srie EM diferen-

    te. O curso deles foi direcionado para

    a formao da cidadania num contexto

    externo ao Colgio conta Edelson, as-

    sessor de Formao Crist da 3. srie

    EM.

    O grupo discutiu e criou projetos prti-

    cos em diferentes reas: fome e desigual-

    dade, conscincia poltica, conscincia

  • 18

    mente, so bons para seus investidores

    e acionistas, mas sua influncia sobre as

    crianas preocupante para os pais.

    Com essa preocupao em vista, Savina

    Allodi, professora de Informtica do Co-

    lgio So Lus, idealizou o projeto Con-

    sumo Consciente que vem sendo desen-

    volvido desde 2003 com a 2. srie e,

    agora, com a 3. do Ensino Fundamen-

    tal. Visando ensinar os alunos a reconhe-

    cer as estratgias utilizadas pela mdia

    para persuadi-los a consumir, como seus

    hbitos de consumo podem ser influen-

    ciados atravs dos apelos publicitrios e

    a relao que as crianas estabelecem

    com o consumo.

    A prtica

    Partindo de pesquisas feitas na internet,

    os alunos devem escolher trs produtos

    O consumismo na infncia tem desperta-

    do uma crescente preocupao por parte

    de pais, educadores e outros profissionais

    ligados ao desenvolvimento infantil. A in-

    dstria investe, cada vez mais agressiva-

    mente, em aes de marketing voltadas

    s crianas, como forma de promover

    tanto as vendas quanto a fidelidade pre-

    coce a marcas e produtos.

    Os resulta-

    dos, ob-

    via-

    que comprariam e trs produtos que no

    comprariam e justificar suas escolhas.

    So trabalhados os costumes das crian-

    as que, muitas vezes, julgam um produ-

    to bom ou ruim com base no testemunho

    de pais, pessoas famosas, desenhos ani-

    mados, etc. Os rtulos de vrios produtos

    so estudados e, em conjunto, as crian-

    as apontam o que chama a ateno na

    embalagem ou no, questionando as me-

    lhores formas de atingir o pblico-alvo.

    Aps esse processo, ocorre a elabora-

    o de uma campanha publicitria que

    apresenta os produtos criados pelos alu-

    nos e, posteriormente, divulgada por

    meio de diversos meios de comunicao

    dentro do Colgio So Lus. realizada

    uma feira em que os produtos so vendi-

    dos, e depois acontece um debate entre

    os alunos e a professora sobre todo o

    projeto, quando expem a opinio sobre

    consumismo e publicidade.

    Aprendendoa consumirAlunos da 3. srie do Ensino Fundamental desco-brem como controlar o consumo e se proteger das

    propagandas abusivas.

    Por Luiza Calfa Andriani e Nnive de Macedo Rocha, alunas da 2. srie do Ensino Mdio

  • 19

    ver o mundo de forma cr-

    tica e, quem sabe, mudar

    o rumo dos acontecimen-

    tos conduzidos por nossas

    aes.

    O resultado

    Segundo Savina, o resultado esperado

    com esse projeto era justamente a leitura

    crtica do consumo, adaptado de forma

    ldica, para crianas de 8 e 9 anos de

    idade. E esse resultado no imediato,

    pois exige mudana de postura. Espero

    daqui alguns anos encontrar esses mes-

    mos alunos refletindo sobre seus hbitos

    de consumo e menos suscetveis aos ape-

    los publicitrios. Da sim, poderei dizer

    que meus objetivos foram atingidos.

    Pode parecer um simples projeto de esco-

    la, mas de grande importncia j que

    o consumismo exagerado um dos prin-

    cipais problemas da sociedade atual,

    que acarreta uma srie de conseqncias

    para as pessoas e para o mundo. Temos

    que nos lembrar de que o nosso futuro

    est nas mos das crianas. Conscien-

    tiz-las disso garantir que elas possam

    projeto ::

  • 20

    Vrias perguntas motivaram as pesqui-sas:

    * quais as caractersticas de cada tipo de dinossauro? * como era seu hbitat? * o que comiam? * como viviam? * por que desapareceram?

    Hora da pesquisa

    Ariana Mara, orientadora de estudos da turma, conta que o trabalho foi iniciado com a coleta de livros e revistas trazidos de casa e pesquisados na Biblioteca do Colgio. A partir da pesquisa, confec-cionamos uma linha do tempo, com de-senhos feitos em dupla mostrando a evo-luo dos dinossauros, diz Ariana.

    A curiosidade foi a principal motivao do Grupo Infantil C do Integral tarde para aprender sobre os dinossauros, animais que existiram h muito tempo na Terra.

    O tema, escolhido pelas prprias crian-as, ganhou vida na sala de aula graas ao interesse e participao dos estu-dantes.

    :: integral

    Dinossaurosno Integral

  • 21

    at de paleontlogos.

    Como produto final, as crianas monta-ram um lbum de figuri-nhas com algumas das inmeras espcies de dinossauros.

    Projeto Cultural

    No Integral, os alunos escolhem um tema, por votao. Decidido o tema, mais fcil direcionar o rumo das pesquisas e atividades. Um projeto tem mais sentido quando o aluno quem escolhe o que quer estudar. A, a motivao maior e o aprendizado, mais prazeroso, afirma a coordenadora do curso.

    Esse projeto foi um grande sucesso, por isso os alunos merecem parabns pelo empenho e participao. Aos pais, de-vemos o nosso muito obrigado pelos materiais e brinquedos enviados que nos proporcionaram muitos momen-tos agradveis de muita aprendiza-gem, finaliza Ariana.

    Para Ana Cristina Marra, coordenadora do Integral, partilhar o que trazem de casa uma oportunidade para se colo-car no grupo e aprender a ouvir o outro.

    Em grupo, as crianas montaram mapas dos perodos Trissico, Jurssico e Cret-ceo, mostrando a separao dos conti-nentes. A turma gostou muito da ativida-de e caprichou nos desenhos e pinturas visualizando bem os oceanos.

    Brincando de paleontlogos

    Os alunos conheceram muitas espcies de dinossauros, e para registrar alguns gigantes e ferozes, os alunos escolheram trs caractersticas marcantes para escre-ver, como escrita espontnea, no cader-no do Integral. Aos poucos as crianas adquiriram maior segurana e confiana na hora de escrever sobre o que deseja-vam, diz Ariana.

    A turma tambm confeccionou dinossau-ros de sucata, fizeram a experincia do vulco, do fssil de uma folha na argila, brincaram de caadores de pegadas e

  • 22

    INTERNET

    Last FMAlto e bom som

    O site Last FM (www.

    lastfm.com.br) ofere-

    ce servios para voc

    curtir e desfrutar ainda

    mais dos artistas da sua

    top list musical. Enquan-

    to voc navega no site

    e procura msicas de

    seus artistas preferidos

    para escutar, o site traz

    uma relao do per-

    fil do artista e usa seu

    gosto musical para en-

    contrar novas msicas,

    artistas e shows de que

    voc, com certeza, vai

    gostar!

    FILME

    Wall-eEm um futuro no mui-

    to distante...

    De passagem pela Ter-

    ra, encontramos Wall-e,

    um robozinho muito sim-

    ptico que vive sozinho

    neste mundo esperan-

    do algum que possa

    segurar sua mo. Ele

    dedica seu tempo co-

    leta e compactao de

    lixo, alm da busca por

    objetos interessantes em

    meio a tanta sujeira,

    sempre em companhia

    de seu fiel, praticamen-

    te imortal, amigo: uma

    barata.

    TEATRO

    HamletSer ou no ser

    Um clssico dificlimo e

    inesquecvel do teatro

    remontado por Wagner

    Moura. A trama conta a

    histria do prncipe di-

    namarqus que tem que

    vingar a morte do pai e

    recuperar a coroa. Com

    uma linguagem contem-

    pornea, a pea tem

    timos atores em cena

    e flui muito bem. A en-

    trega de Wagner ao

    papel marcante. Para

    quem gostou da atua-

    o em Tropa de Elite,

    certamente vai gostar,

    ainda mais, dessa outra

    verso do ator, em um

    Hamlet muito inquieto e

    transtornado.

    Dicas imperdveis!Semestre novo, coluna nova! CULTURA! Aqui voc pode encontrar dicas e matrias sobre tudo o que est pipocando de novo na cidade. Msica, exposies, teatro, cinema e muito mais. Aqui voc tambm vai encontrar endereos, preos, dias e hor-rios da sua programao. Divirta-se!

    Por Helena Rabethge e Pedro Augusto, antigos alunos do Colgio So Lus

    :: cultura

    DOCUMEN-TRIO

    Caetano VelosoVida de documentarista

    O que ser que pensa

    Caetano Veloso sobre

    o tempo, sobre maturi-

    dade? O que ele pode

    passar como lio?

    Fernando Grostein, 28

    anos, cineasta, entrou

    em turn com Caeta-

    no Veloso pelo mundo

    para obter essas e ou-

    tras reflexes do cantor

    e compositor, reveladas

    no documentrio Co-

    rao Vagabundo,

    que estreou no Festival

    tudo verdade, de

    2008, e que, em bre-

    ve, entrar em cartaz

    no circuito comercial.

  • 23

    Coordenao geralProf. Paulo MoregolaDECOM Departamento de Comunicao

    Edio / jornalista responsvelMarcia Guerra (MTB 2435)DECOM Departamento de Comunicao

    Design / diagramaoDimas de Oliveira - DECOM CSL RevisoProf. Roberto CassianoEnsino Mdio

    ReportagemLvia Kostiuk, aluna da 8. srie do Ensino Fundamental IIRenata Rog, aluna da 3. srie do Ensino MdioLuiza Calfa Andriani, aluna da 2. srie do Ensino MdioNnive de Macedo Rocha, aluna da 2. srie do Ensino MdioLara O. Vilela, aluna da 3. srie do Ensino Mdio

    ColaboraoTuna Serzedello - DECOM CSL

    FotografiaNAVI Ncleo udio Visual

    Impresso e AcabamentoGrfica Loyola

    Tiragem2.500 exemplares

    PapelReciclato Suzano 90/m2 (miolo)Reciclato Suzano 120/m2 (capa)

    Colgio So Lus

    Direo GeralPe. Mieczyslaw Smyda, SJ

    DireoJairo Nogueira Cardoso Denise Michels Ortiz KreinBenedita de Lourdes MassaroLuiz Antonio Nunes Palermo

    Rua Haddock Lobo, 400 - Cerqueira CsarCEP 01414-902 / So Paulo - SP

    Tel: (11) 3138-9600www.saoluis.org

    agenda ::

    04/08 Incio dos Plantes de Dvidas

    05/08 Conselho de Classe (2./9, 2. srie EFI, 5. srie EFII at a 8. srie EFII e 3. srie EM)

    07/08 Conselho de classe 3. e 4. EFI

    09/08 Dia de Formao de Pais - APM/PC e Torneio de Tnis do Kirmayr

    10/08 Missa dos pais

    11 a 22/08 Perodo de Recuperao

    11 a 16/08 Semana Inaciana

    12/08 Conselho de Classe (1. srie e 2. srie EM)

    13/08 Reunio Conselho de Classe (EM noturno)

    14/08 Reunio com Pais da Catequese

    14 a 16/08 Jogos Intercolegiais

    15 a 17/08 JIPEX Jornada Inaciana para ex-alunos

    18 a 23/08 Semana de Iniciao Cientifica EM

    19/08 Orientao - Formao Permanente para Pais

    29/08 Prova Integrada 2./ 9 e 2. at a 4. EFI

    30/08 Testo e Prova Multidisciplinar 5. srie EFII at a 3. srie EM

    31/08 ENEM

    02/09 Testo noturno

    02 a 05/09 Estudo do Meio (8. srie EFII)

    02 a 06/09 Estudo do Meio (1. e 2. srie EM)

    02/09 Orientao - Formao Permanente para Pais

    03 a 05/09 Estudo do Meio (6. srie EFII)

    03 a 06/09 Enac

    07/09 INDEPENDNCIA DO BRASIL

    12 a 14/09 SINU

    13/09 V Interamizade Noturno

    19 a 26/09 Provas Bimestrais 5. srie EFII

    20/09 Festival de Ginstica Olmpica

    22 a 26/09 Provas Bimestrais do EF II e EM

    23 a 26/09 Provas Bimestrais do EF I

    27 e 28/09 Encontro de Jovens EM noturno

    27/9 a 4/10 XVIII Interamizade

    Voc pode participar daRevista Pilotis n 08!

    Escreva sua sugesto de pauta, artigo ou crtica e envie para o e-mail [email protected]

    :: expediente

    agosto/setembro As atividades esto sujeitas a alteraes.