Click here to load reader

Revista ACSR NEWS 3ª Edição

  • View
    234

  • Download
    4

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista da Associação Central Sul Rio-Grandense da Igreja Adventista do Sétimo Dia. [Abril 2016 / Ed.3 / Ano 2]

Text of Revista ACSR NEWS 3ª Edição

  • Casal deixa lazer das frias para integrar aes missionrias no Egito

    Atos de bondademarcam o Dia Mundial do Jovem Adventista

    Os adventistas e as manifestaes polticas

    Derramamento do Esprito Santo

    Destaques Palavras do Presidente Artigo

    Abril de 2016 / 3 Edio / Ano 2

    NA MISSOUNIDOS

    Revista da Associao Central Sul Rio-Grandense da Igreja Adventista do Stimo Dia

  • 3Marcos JniorPresidente da Igreja Adventista

    para o centro do Rio Grande do Sul

    PALAVRAS DO PRESIDENTE

    Estamos no mundo, mas no somos deste mundo

    OS ADVENTISTASE AS MANIFESTAES POLTICAS

    Os ltimos dias em nosso pas tm sido de muitas surpresas e decepes. Indiciamentos, escndalos e manifestaes polticas. Diante deste quadro, entendemos que os adventistas do stimo dia no podem ficar alheios a estes fatos. A posio da igreja clara. A Bblia est repleta de textos que ajudam a compreender

    melhor o assunto. Paulo escreveu: Todo homem esteja sujeito s autoridades superiores;

    porque no h autoridade que no proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por

    Ele institudas. De modo que aquele que se ope autoridade resiste ordenao de Deus;

    e os que resistem traro sobre si mesma condenao (Romanos 13:1-2). O difcil no estar

    sujeito s autoridades, mas aceitar a corrupo em que esto envolvidos. O maior problema

    separar a autoridade do poltico. No Brasil, isso quase impossvel. Mas, biblicamente, Deus

    nos apresenta a realidade de que a autoridade dada a um governante foi autorizada por

    Deus. Isso no significa que Deus aprova suas falcatruas, mas espera do cristo respeito pessoa, o que no quer dizer que

    haja conivncia com suas atitudes erradas.

    No livro de Tito 3:1, Paulo reafirma: Lembra-lhes que se sujeitem aos que governam, s autoridades; sejam obedientes,

    estejam prontos para toda boa obra, no difamem a ningum; nem sejam altercadores, mas cordatos, dando provas de

    toda cortesia, para com todos os homens. Como Igreja, respeitamos as reivindicaes porque ns temos sado s ruas

    para defender ideias em projetos como o Quebrando o Silncio, campanhas contra uso de lcool, fumo, drogas, e em defesa

    da liberdade religiosa. No errado defender ideias e ideais, e todos tm o direito de se manifestar livremente, conforme

    a prpria Constituio Brasileira prev. Como Igreja, contudo, alertamos que nessas manifestaes existem pessoas com

    intenes equivocadas que no combinam com os nossos pensamentos e princpios cristos. Muito mais do que reivindicar,

    NOSSA MISSO PROCLAMAR. Como cristos, fomos chamados para influenciar o mundo e devemos continuar fazendo

    isso atravs do amor.

    Quando Jesus foi questionado se devia pagar imposto a Csar, o imperador romano, disse que deveriam dar a Csar o que

    era dele (Mateus 22:21). Anos mais tarde, Pedro escreveu que deveria haver sujeio a toda autoridade humana, por causa

    do Senhor (I Pedro 2;13-14). O governo sob que Jesus viveu era corrupto e opressivo; clamavam de todo lado os abusos

    extorses, intolerncia e abusiva crueldade. No obstante, o Salvador no tentou nenhuma reforma civil. No atacou nenhum

    abuso nacional, nem condenou os inimigos da nao. No interferiu com a autoridade nem com a administrao dos que

    se achavam no poder. Aquele que foi o nosso exemplo, conservou-Se afastado dos governos terrestres. No porque fosse

    indiferente s misrias do homem, mas porque o remdio no residia em medidas meramente humanas e externas. Para ser

    eficiente, a cura deve atingir o prprio homem, individualmente, e regenerar o corao (O Desejado de Todas as Naes, 358).

    Dentre as trs principais metas da Igreja a Comunho, o Relacionamento e a Misso , destaco neste contexto o

    relacionamento. Ganhemos os que andam em caminhos tortuosos com o amor e no com a revolta e violncia. No livro de

    Hebreus 11:16, est escrito: Mas, agora, aspiram a uma ptria superior, isto , celestial...

  • EDITORIAL

    4

    Todo cristo capaz de pregar o evangelho de acordo com o chamado que Deus lhe fez

    CHAMADOS POR DEUS

    Ao longo dos sculos, Deus tem convidado pessoas para participarem de Sua obra de salvao. Quando esses chamados so analisados, quatro importantes elementos se destacam: a graa de Deus, a universalidade, a individualidade e o uso dos dons.

    Deus sempre chama por Sua graa. No somos escolhidos por nossas virtudes ou

    capacidades, mas pela bondade divina. Seres sem pecado, que incluem os anjos e habitantes

    dos mundos no cados, gostariam de realizar a tarefa que Ele nos permite fazer.

    Deus tem lugar pra todos em Sua misso. Por tal razo, Ele chama os mais capacitados

    e, ao mesmo tempo, at os menos capacitados. O critrio final de Deus para o chamado a

    disposio e humildade para fazer Sua vontade. Foi assim na escolha dos doze discpulos,

    na escolha dos escritores da Bblia e em outras situaes.

    preciso lembrar ainda que o convite de Deus sempre leva em conta a realidade das

    pessoas. Por isso, tais chamados so feitos sob medida para cada um. Isso auxilia-nos a

    entender por que os chamados de Abrao, Moiss, Elias, Jonas e muitos outros no foram

    iguais. Seus conhecimentos, atividades, geografia, contexto social e recursos foram levados

    em considerao.

    Deus sempre comea com aquilo que temos. Nossos talentos, tesouros e habilidades so

    os elementos que Ele utiliza. Quando Deus chamou Moiss, seu cajado e seu conhecimento

    do Egito foram esses recursos, entre outras coisas. Com Paulo, tambm ocorreu o mesmo.

    Sua fluncia em vrios idiomas, sua cidadania romana e sua educao de alta qualidade

    foram os recursos na mo de Deus.

    Nossa matria principal tratar desse assunto na prtica com uma histria fantstica.

    Ao l-la, coloque-se nas mos de Deus e pea-Lhe para te usar tambm!!!

    Elton JniorSecretrio da Igreja Adventista

    para o centro do Rio Grande do Sul

  • 5EXPEDIENTE / NDICE

    Conselho Consultivo:

    Marcos Jnior

    Elton Jnior

    Mrcio Luz da Silva

    Jornalista Responsvel:

    Andria Silva (MTE: 0017429/RS)

    Reviso:

    Lris Brissac

    Lus Augusto Lopes

    Projeto e Editorao Grfica:

    Judson Pereira

    Impresso:

    Editora Reinheimer Ltda

    Edio Quadrimestral

    Distribuio Gratuita

    Tiragem: 5.000

    Contato:

    [email protected]

    Site:

    acsr.adventistas.org

    Endereo:

    Av. Joo Wallig, 596

    CEP: 91340-000

    Porto Alegre RS

    Fone: (51) 3375-1600

    /acsr.rs

    /_ACSR

    /AssociacaoCentralRS

    EXPEDIENTE

    3 Palavras do PresidenteOs Adventistas e as manifestaes polticas

    Unidos na Misso

    Seleo das atividades escolares dos ltimos meses

    Derramamento do Esprito Santo

    Gesto de nomes da secretaria de igrejas

    Datas importantes para os prximos quatro meses

    Chamados por Deus

    Principais novidades da Igreja na regio

    ndice

    Editorial

    Destaques

    Capa

    Destaques nas escolas

    Artigo

    Desaparecidos

    Agenda ACSR

    4

    11

    12

    6

    13

    8

    15

  • 6DESTAQUES

    GLOBAL YOUTH DAY

    SEMANA SANTAPROJETOQUEBRANDO O SILNCIO

    Atos de bondade marcam o Dia Mundial do Jovem Adventista

    Cultos so realizados entre as Unidades de Ao da Escola Sabatina

    Alunos da rede de ensino pblico ouvem palestras sobre preveno de abusos

    Milhares de jovens adventistas do centro do Rio Grande do Sul saram s ruas no sbado, 19 de maro, Dia Mundial do Jovem Adventista, para agir em amor ao prximo. Na capital, grupos de voluntrios fizeram a distribuio de marmitas e lanches para moradores de rua que foram encontrados nas

    praas, nos viadutos e prximos ao terminal rodovirio. A inteno, segundo eles, foi

    demonstrar amor, carinho e solidariedade para com o prximo, procurando promover

    de forma efetiva transformaes na vida destas pessoas.

    Na cidade de Canoas, RS, um grupo ofereceu a limpeza gratuita dos para-brisas

    dos carros que paravam em um dos semforos mais movimentados da cidade. Alm

    de limparem os vidros, os jovens distriburam convites para a programao da Semana

    Santa, e apresentaram faixas que falavam sobre a compaixo de Jesus.

    Neste ano, em diversos lugares do centro do Estado, os cultos da Semana Santa foram realizados nos lares das famlias adventistas, e estes pequenos grupos foram divididos atravs das Unidades de Ao da Escola Sabatina. O objetivo foi levar os amigos

    visitantes para um ambiente informal, promovendo um evangelismo de

    cunho relacional.

    Em Novo Hamburgo, o Restaurante Maranata e a Lancheria Santiago

    viraram ponto de encontro para estes grupos. Ambientes que, durante o

    dia, ofereciam alimento fsico, a partir das 20 horas, passavam a oferecer

    alimento espiritual. Vizinhos e clientes de ambos os estabelecimentos

    comearam a frequentar os cultos da Semana Santa.

    Em Cachoeirinha, uma unidade de ao da igreja de Vila Iguau resolveu

    reunir-se na Casa-lar Meu Refgio, abrigo de menores afastados de suas

    famlias por ordem judicial. A finalidade do grupo foi compartilhar o amor e

    a compaixo de Jesus com as crianas e adolescentes.

    No dia 17 de maro, 1.300 alunos da Escola Estadual Luis Dourado, de Santa Cruz do Sul, receberam palestras sobre o projeto educativo Quebrando o Silncio. Na ocasio, Rosinha Oliveira, lder do Ministrio

    da Mulher no centro do Rio Grande do Sul, explicou sobre

    os perigos das redes sociais, consequncias do bullying,

    importncia da valorizao pessoal, diferenas entre carinho

    e carcias, cuidados com o corpo, e consequncias do uso de