Regras e Fundamentos ~ Futsal e Handebol

  • View
    5.076

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Regras e Fundamentos ~ Futsal e Handebol

ESCOLA TCNICA ESTADUAL ADERICO ALVES DE VASCONELOS

REGRAS E FUNDAMENTOS: FUTSAL E HANDEBOL

KARIELE RAMILE SANTANA DO NASCIMENTO

GOIANA PE 2011 1

SRIE: 1 ANO CURSO: REDES DE COMPUTADORES TURMA: C EDUCANDA: KARIELE RAMILE SANTANA DO NASCIMENTO EDUCADORA: KTIA CUNHA

REGRAS E FUNDAMENTOS: FUTSAL E HANDEBOL

Trabalho de pesquisa apresentado educadora Ktia Cunha, da Escola Tcnica Estadual Aderico Alves de Vasconcelos, pela aluna Kariele Ramile do 1 ano - Redes de Computadores C, como parte dos requisitos para a avaliao da IV Unidade.

GOIANA PE 2011 2

SUMRIO1 REGRAS E FUNDAMENTOS........................................................................041.1 Futsal................................................................................................04 1.1.1 Histria..................................................................................04 1.1.2 Regras...................................................................................06 1.1.3 Fundamentos.........................................................................09 1.2 Handebol .........................................................................................15 1.2.1 Histria..................................................................................15 1.2.2 Regras...................................................................................15 1.2.3 Fundamentos.........................................................................20

3

1 REGRAS E FUNDAMENTOS 1.1 Futsal1.1.1 Histria

Existem duas verses para a histria do futsal. A primeira verso conta que o esporte comeou a ser praticado no ano de 1940 por jovens que frequentavam a Associao Crist de Moos (ACM), em So Paulo. Por causa da ausncia de campos, eles jogavam nas quadras de basquete e hquei e aproveitavam as traves de hquei como gol. A segunda verso que foi inventado pelo professor de educao fsica Juan Carlos Ceriani, em Montevidu, Uruguai na dcada de 30. Pelos mesmos motivos da primeira verso, a prtica do esporte era nas quadras de basquete pela falta de um campo. Juan percebeu a nova modalidade e chamou o esporte de indoor football. O esporte era composto por cinco ou sete jogadores, e a bola era feita de serragem, crina vegetal ou cortia. Por isso, era muito leve e saa das quadras com muita facilidade. Alm disso, a bola saltava muito. Para evitar que isso ocorresse com mais frequncia, diminuram o tamanho da bola e aumentaram seu peso. Por esse motivo, o futebol de salo passou a ser conhecido como o Esporte da bola pesada. A partir da, surgiram as primeiras regras do futebol de salo. No Brasil foi publicado na Revista de Educao Fsica do estado do Rio de Janeiro, em 1936, as primeiras regras e normas do esporte. Percebem-se nesse momento os caminhos iniciais percorridos para o sucesso do esporte. Como visto, os maiores praticantes do futebol de salo eram os integrantes das ACMs de So Paulo e do Rio de Janeiro. Como a empolgao com o esporte era tamanha, ele passou a ser mais divulgado, e assim, comeou a chegar a clubes recreativos e escolas, onde passou a ser cada vez mais popular. Na dcada de 40 comearam a aprimorar as regras em todo o Brasil. No ano de 1949 foi organizado o primeiro torneiro aberto de futebol de salo pela ACM do Rio de Janeiro. A categoria era para meninos de 10 a 15 anos e no ano de 1950 a comisso de Futebol de Salo da ACM de So Paulo foi criada. Essa comisso tomava conta da organizao de um grande 4

campeonato em So Paulo, que tinha como inteno incentivar a formao de entidades oficiais e autnomas. A primeira entidade oficial foi criada em julho de 1954, a Federao Metropolitana de Futebol de Salo do Rio de Janeiro e um ano depois foi criada a Federao Paulista de Futebol de Salo. Ao se juntarem, ficaram responsveis pela divulgao de intercmbios de futebol de salo no Brasil. Em 1958, a Confederao Brasileira de Desportos (CBD) em parceria com as Federaes Estaduais arranjaram uma forma de aprimorar as regras do esporte, com inteno de torn-lo uma prtica de mbito nacional, e que envolvesse clubes e selees estaduais. Para isso, oficializaram a prtica do futebol de salo. Nos anos 60 e 70, o futebol de salo j era considerado um esporte oficialmente organizado e regulamentado, e assim conquistou o continente. A Confederao Sul Americana de Futebol de Salo aproveitou a chance que teve com a filiao de praticamente todos os pases da Amrica do Sul e assim passaram a surgir os primeiros campeonatos de clubes e selees da Amrica do Sul. A Federao Internacional de Futebol de Salo (FIFUSA) foi estabelecida no ano de 1971 no Rio de Janeiro. Contava com a integrao de 32 pases praticantes do futebol de salo no modelo brasileiro. Seu primeiro presidente foi o brasileiro Joo Havelange, mas por pouco tempo. A CBD foi extinta no final dos anos 70 devido s mudanas na organizao do esporte no pas. Assim passaram a surgir vrias confederaes, dentre elas, a oficial at hoje, Confederao Brasileira de Futebol de Salo (CBFS). A CBFS conseguiu sua sede prpria no ano de 1981 e nesse mesmo ano foi disputado o primeiro campeonato Mundial de Selees de Futebol de Salo, realizado no Ginsio do Ibirapuera em So Paulo. O Brasil foi o primeiro campeo ao derrotar o Paraguai. Em 1974 Joo Havelenge assumiu a presidncia da Federao Internacional das Associaes de Futebol (FIFA) e em maio de 1990 a FIFA passou a assumir as novas regras do esporte e criou assim o futsal.

5

Em 2000 o futsal foi includo nas Olimpadas de Sidney apenas como um esporte demonstrativo. Em 2014 ele se tornar oficialmente um esporte olmpico, nas Olimpadas de 2014. Foi disputado pela primeira vez nos jogos Pan-Americanos em 2007, no Rio de Janeiro.1.1.2 Regras

Como todo esporte, o futsal necessita de regras para poder ser praticado. Com o tempo, ele sofreu algumas mudanas at ser aperfeioado. Seguem as principais regras do futsal: Quadra do jogo

A quadra de jogo ter uma forma retangular com o comprimento mximo de 42 metros e mnimo de 25 metros, e sua largura de 22 metros no mximo e, mnimo, de 15 metros. Em competies internacionais, ter entre 38 a 42 metros de comprimento no mximo e largura de 18 a 22 metros. Tero linhas de marcao visveis com oito centmetros de largura. A bola

Bola da sada No incio da partida, o jogador ir dar um chute no lado contrrio da quadra. Enquanto isso, os jogadores do time adversrio devem permanecer a pelo menos trs metros da bola e nem podero invadir o lado adversrio da quadra at o pontap inicial ser efetuado e a bola ser movimentada. O jogador que efetuar o pontap inicial s poder voltar a tocar na bola aps outro jogador t-la tocado. Bola em jogo e fora do jogo

6

A bola estar fora do jogo quando ultrapassar as linhas laterais ou de fundo, quando bater no teto e quando a partida for interrompida pelo rbitro. Ser considerada em jogo em qualquer outra situao, do comeo ao final da partida. Arremesso de Meta o arremesso que o goleiro executa quando a bola ultrapassa a linha de fundo. Esse arremesso dever ultrapassar a rea em frente ao gol e o goleiro no deve exceder o tempo de quatro segundos com a bola antes de arremessar. Nmero e Substituies dos jogadores

A partida s poder ser iniciada com um nmero total de cinco atletas por time, sendo um deles obrigatoriamente o goleiro. Ter um nmero mximo de sete atletas reservas para substituio. O nmero de substituies indeterminado, sem a necessidade de paralisao da partida. Somente a substituio do goleiro tem a necessidade de autorizao prvia do rbitro. A substituio dever ser realizada pela linha da zona nos trs metros correspondentes ao lado do banco de reservas e sempre aps o atleta substitudo ter ultrapassado a linha lateral.

Equipamentos dos atletas

Atletas Os trajes obrigatrios dos atletas compem-se em camisa de manga curta ou comprida, calo curto, meias de cano longo, caneleiras e chuteiras. As caneleiras devero estar cobertas pelas meias.

7

O capito do time dever usar uma braadeira para poder ser identificado e os jogadores podero usar as tornozeleiras por dentro ou por fora das meias. O goleiro dever usar uma camiseta de cor diferente dos outros jogadores, sendo nico a ter permisso de usar cala de agasalho. rbitros Os trajes obrigatrios dos rbitros compem-se em camisa de manga curta ou comprida, nas cores escolhidas e aprovadas por sua entidade, cala, cinto, meias e tnis ou sapatos da cor branca. As camisas devero ser de cor diferente dos atletas para assim no ter perigo de confundir. Cronometristas e anotadores Os trajes dos cronometristas e anotadores seguiro a mesma regra dos rbitros, a nica diferena ser a cor do tnis ou sapato, que dever ser de cor preta. Equipe de Arbitragem Devero usar camisa altura do peito e com o distintivo da entidade as quais so vinculados, segundo a regulamentao baixada por seus pases. O rbitro principal e o auxiliar devero usar camisas de mesma cor, no alterando os demais equipamentos. Atribuies

O rbitro

8

O rbitro cuida de todas as regras do jogo. Cabe a ele julgar e chamar a ateno quando ocorrer infraes. No poder tomar decises baseadas somente no favorecimento de uma determinada equipe. Dever relatar todos os incidentes antes, durante e depois das partidas. Dever expulsar o atleta que agir com conduta violenta e com inteno de atingir fisicamente outro atleta. Arbitro auxiliar

Como o prprio nome j diz, ele auxilia o rbitro principal, tendo permisso para assinalar as infraes se achar que o rbitro principal no conseguiu perceber. Far uso do apito para sinalizar o que perceber no jogo. Em caso de discordncia com o rbitro principal, prevalecer a deciso do rbitro principal. Cronometrista Ter funo de analisar todas as regras de tempo do jogo, entre elas a de controlar os dois minutos de expulso temporria do jogador, com fiscalizao de entrada de outro jogador somente aps bola fora do jogo. Ter de