Click here to load reader

Propriedades tensiométricas do peritônio da paca ... · PDF filePesq. Vet. Bras. 34(2):185-191, fevereiro 2014 Propriedades tensiométricas do peritônio da paca (Cuniculus paca)

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Propriedades tensiométricas do peritônio da paca ... · PDF filePesq. Vet. Bras....

Pesq. Vet. Bras. 34(2):185-191, fevereiro 2014

185

RESUMO.- Na busca constante, tanto de material biolgico alternativo para a realizao de implantes, quanto de novas opes de modelos de experimentao animal, o objetivo desta investigao foi descrever o comportamento mecni-co do peritnio da paca (Cuniculus paca Linnaeus, 1766) a fresco e conservado em glicerina a 98%. Amostras frescas e conservadas em glicerina por perodos de 30, 60 e 90 dias foram submetidas a testes mecnicos de trao. Quatro ani-mais adultos, trs machos e uma fmeas, com peso corporal mdio de oito quilogramas, foram utilizados para colheita

Propriedades tensiomtricas do peritnio da paca (Cuniculus paca) a fresco e conservado em glicerina 98%1

Angela Daniele de Camargo2, Paulo Csar de Camargo3, Leonardo Martins Leal2, Srgio Pinter Garcia Filho2*, Leandro Lus Martins2, Antnio Carlos Shimano4

e Mrcia Rita Fernandes Machado2

ABSTRACT.- Camargo A.D., Camargo P.C., Leal L.M., Garcia Filho S.P., Martins L.L., Shimano A.C. & Machado M.R.F. 2014. [Tensiometer peritoneum properties of the paca (Cunicu-lus paca) fresh and preserved in glycerin 98%.] Propriedades tensiomtricas do perit-nio da paca (Cuniculus paca) a fresco e conservado em glicerina 98%. Pesquisa Veterinria Brasileira 34(2):185-191. Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Universidade Estadual Julio de Mesquita Filho, Campus Jaboticabal, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: [email protected]

In constant searching for alternative biological material to perform implants and new options of experimental animal models, the objective of this investigation was to describe the mechanical properties of the peritoneum paca (Cuniculus paca Linnaeus, 1766) fresh and preserved in 98% glycerin. Samples of fresh and preserved in glycerin for periods of 30, 60 and 90 days were subjected to mechanical tests. Four adult ani-mals, male or female, with mean body weight of eight kilograms, were used for collecting samples of the peritoneum. All tissues preserved in glycerin 98% showed a decrease in stiffness and increase in ductility and toughness. Considering the maximum force ap-plied to the peritoneum, significant increase was observed in values (p

Pesq. Vet. Bras. 34(2):185-191, fevereiro 2014

186 Angela Daniele de Camargo et al.

das amostras de peritnio. Todos os tecidos conservados em glicerina a 98% apresentaram diminuio na rigidez e aumento na ductibilidade e tenacidade. Considerando--se a fora mxima aplicada ao peritnio, evidenciou-se aumento significativo nos valores (p

Pesq. Vet. Bras. 34(2):185-191, fevereiro 2014

187Propriedades tensiomtricas do peritnio da paca (Cuniculus paca) a fresco e conservado em glicerina 98%

no teve sua morfologia amplamente estudada, merecendo maior ateno dos pesquisadores da rea, pois existem ain-da grandes lacunas quanto descrio especifica de muitos de seus aspectos anatmicos.

As caractersticas morfolgicas do peritnio da paca a fresco e conservadas em glicerina a 98%, por perodos de 30, 60 e 90 dias foram avaliadas por Camargo et al. (2012) por meio de microscopia de luz e microscopia eletrnica de varredura. Os autores verificaram, em ambas amostras de peritnio, fresco e conservada, um evidente arranjo entre o tecido conjuntivo denso modelado e o tecido conjuntivo den-so no modelado, com insignificante modificao na integri-dade tecidual do peritnio da paca conservado em glicerina.

Diante de tais informaesobjetivou-se descrever o comportamento do peritnio da paca, quando submetido a ensaios mecnicos de trao, estando essa membrana, tan-to fresca quanto conservada em glicerina a 98%, durante 30, 60 e 90 dias.

MATERIAL E MTODOSA metodologia adotada no desenvolvimento do presente estudo foi aprovada pela Comisso de tica e Bem Estar Animal (CEBEA) da Faculdade de Cincias Agrrias e Veterinrias (FCAV), Campus de Jaboticabal da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesqui-ta Filho (Unesp), segundo o protocolo n 010455.

Coleta do peritnioForam utilizadas quatro pacas, sendo trs machos e uma f-

mea, todas adultas com peso mdio de oito quilogramas. Os ani-mais pertenciam ao plantel de pacas do setor de Animal Silvestres da FCAV, Unesp-Campus de Jaboticabal, que registrado no Insti-tuto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Reno-vveis (Ibama), como criatrio de espcimes da fauna brasileira para fins cientficos.

Logo aps a morte, o animal, foi posicionado em decbito dorsal, mediante inciso pr-retroumbilical na linha mediana visibilizou-se a face interna da parede abdominal, que revestida por peritnio parietal em toda sua extenso, iniciou-se a colheita desta membrana, descolando-a cuidadosamente, tanto da parede abdominal direita, quanto da esquerda (Fig.1).

Mesmo levando-se em conta a irregularidade desse reves-timento, procurou-se manter certa homogeneidade entre as amostras. As amostras foram lavadas em soluo fisiolgica para retirada de resduos. Aquelas que foram encaminhadas para as avaliaes a fresco foram acondicionadas, individual-mente, em recipientes plsticos contendo soluo fisiolgica de NaCl 0,9%. As que foram avaliadas em perodos diferentes de conservao em glicerina a 98%, tambm foram conservadas individualmente em recipientes plsticos, que neste caso con-tinham glicerina a 98%, em uma proporo de 20:1 (glicerina/membrana), permanecendo neste meio durante os perodos de 30, 60 e 90 dias.

Todos os recipientes foram devidamente identificados (nome

Fig.1. Colheita do peritnio. (A) Observa-se a localizao do peritnio revestindo as paredes abdominais laterais de uma paca adulta (). (B,C) Descolamento parcial do peritnio parietal (seta vazada), o qual est bem evidenciado () em C. (D) Retalho peritonial (P) e o local da parede abdominal lateral (seta), de onde foi colhido.

Pesq. Vet. Bras. 34(2):185-191, fevereiro 2014

188 Angela Daniele de Camargo et al.

do material, data da colheita e meio de preservao) e todas as amostras mantidas em temperatura ambiente.

Ensaios mecnicosAs provas de ensaios mecnicos de trao foram realizadas no

laboratrio de Bioengenharia da Faculdade de Medicina de Ribei-ro Preto, USP. Para a avaliao do material procedeu-se inicial-mente a obteno das amostras, que se constituram de 10 reta-lhos peritoniais com aproximadamente, 10 mm de largura e 150 mm de comprimento, para cada animal.

A confeco dessas amostras foi realizada inicialmente, me-diante a lavagem em soluo fisiologia de NaCl 0,9%, e limpeza do material, para a retirada de possveis resduos, gorduras e ade-rncias remanescentes. Em seguida esse material passou por uma guilhotina adaptada, que constava de uma plataforma de apoio e duas navalhas paralelas, distantes 10mm entre si, e obteve-se as amostras que constavam de retalhos peritoneais.

Os retalhos obtidos foram reidratados em soluo fisiolgica de NaCl 0,9% por 20 minutos. A partir dai, foram realizados os tes-tes em mquina universal de ensaio EMICR1 (modelo DL10000). A mquina possui interface direta a um microcomputador, com um software Tesc, capaz de gerar grficos da carga versus alon-gamento para cada ensaio.

Para fixao dos corpos de prova na mquina foi utilizado acessrio que contm ranhuras em sua superfcie, as quais auxi-liam esse processo, mediante compresso realizada pelo ajuste de um parafuso, evitando o escorregamento do material durante o ensaio.

No momento dos ensaios, os corpos de prova foram acoplados maquina dada uma pr-carga de 1N (100g) por aproximada-mente 30 segundos, para que houvesse a acomodao do siste-ma, evitando-se possveis folgas no conjunto mquina, acessrio e modelo ensaiado.

Com a amostra j acoplada na mquina, foi realizada a men-surao de sua largura e espessura com o auxilio de paqumetro Mytutoyo, e aps essa mensurao se processou o ensaio pro-priamente dito.

Aps a pr-carga o ensaio prosseguiu, em mdia, por 5 min, com velocidade pr-estabelecida em 10mm/min. A carga aplica-da foi registrada pelo software em intervalos regulares de alonga-mento at o momento da ruptura das membranas.

Foram obtidos grficos com o registro da carga versus alon-gamento de cada ensaio, nos quais foram analisadas as seguintes propriedades mecnicas: fora mxima, tenso mxima, espessu-ra e alongamento.

A forca mxima definida como aquela suportada antes do incio da ruptura completa de um tecido ou parede, sem conside-rar suas dimenses, calculada em Newton. A tenso medida em termos de quantidade de fora suportada por unidade de rea de seco, ou seja, independe da rea da seo transversal do tecido, sendo calculada em N/mm2 e expressa em MPa (mega pascal). Ela permite comparaes mais adequadas entre corpos de prova de diferentes membranas. Assim, faz-se necessrio o clculo da rea de seco transversal inicial da estrutura avaliada, e qualquer que seja a rea inicial, o valor da tenso no se altera. O alongamento calculado em mm e dado pela distenso do material registra-do no ponto de aplicao da carga mxima (Schaum & Van der Merwe, 1973).

Os autores relatam o valor da carga de 1N utilizada para a acomodao do sistema e definem a fora mxima, mas no rela-tam como ela ser determinada. Como que esta fora mxima ser determinada? Ser por estmulo eltrico? Se for, qual a intensida-de em Hz que foi utilizada?

Considerando-se que com este estudo busca-se estabelecer parmetros mecnicos que sejam relevantes dentre as possibili-

dades e a convenincia da utilizao do peritnio de paca como implante, optou-se por analisar os parmetros elsticos caracte-rsticos com os respectivos algarismos significativos, determina-dos com base no erro provvel, levando-se em conta os instru-mentos, as amostras e as condies de medidas. Optou-se pela estimativa de erros intrnsecos de cada medida nas curvas