of 8/8
PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PIP/ENSINO FUNDAMENTAL Oficinas de História TEMA: O CBC e a prática da sala de aula.

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PIP/ENSINO …capacitacaopip2cbc.weebly.com/uploads/1/1/4/4/11443366/oficina... · PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PIP/ENSINO FUNDAMENTAL

  • View
    222

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PIP/ENSINO...

  • PROGRAMA DE INTERVENO PEDAGGICA PIP/ENSINO FUNDAMENTAL

    Oficinas de Histria

    TEMA: O CBC e a prtica da sala de aula.

  • SUPERINTENDNCIA REGIONAL DE ENSINO DE

    DIVINPOLIS

    2

    Oficina 1

    Tema: Frum de discusso sobre diversidade cultural temas transversais.

    CBC: Tpico 1: Populao mineira e brasileira: vrias origens, vrias histrias.

    Habilidades: 1.1. Conceituar migrao e imigrao; 1.2. Identificar a diversidade populacional presente em sala de aula, na escola e na localidade do aluno, em termos sociais, tnico-culturais e de procedncia regional; analisar e interpretar fontes que evidenciem essa diversidade; 1.3. conceituar cultura, mestiagem e hibridismo.

    Objetivos: discutir uma problemtica da escola e/ou turma (estamos sugerindo a diversidade, mas o tema pode variar); construir argumentos por meio de debates; compreender as relaes entre as diferentes disciplinas.

    Apresentao: Muitas vezes, dentro do ambiente escolar, h situaes de conflito causadas pela diversidade sociocultural e econmica dos sujeitos na escola. Esta oficina prope, por meio da literatura, promover a reflexo acerca desses conflitos, tornando a perspectiva do aluno mais crtica e consciente do exerccio da vida em sociedade.

    Durao prevista: 1 hora (5 aulas)

    Atividades a serem desenvolvidas:

    1 Momento (aula 1): Depois de estimular a leitura nos alunos, o professor poder propor a escolha da temtica (no caso, diversidade) e, a partir dela, selecionar previamente livros que a abordem. Feito isso, dever expor aos alunos a relevncia do tema e os conflitos gerados por ele (ou pelo desrespeito a ele), levando-os a refletir a respeito. Depois os alunos devero escolher um entre os livros indicados pelo professor.

    2 Momento (aula 2): Aps um prazo estabelecido para leitura do livro, que pode variar entre 20 e 30 dias, o professor dever solicitar que os alunos produzam um roteiro de leitura especfico para a temtica.

    Sugesto de roteiro de leitura a partir do tema diversidade:

    1-Ttulo do livro 2- Nome do autor 3- Nome dos ilustrador, se houver 4- Ano da Publicao 5- Edio 6- Editora 7- Pesquise no dicionrio o significado da palavra diversidade. 8- Explique com suas palavras o termo diversidade, dando exemplos presentes no livro. 9- Como surge o conflito pelo desrespeito diversidade no livro? 10- Como ele resolvido?

  • SUPERINTENDNCIA REGIONAL DE ENSINO DE

    DIVINPOLIS

    3

    11- Qual a semelhana da histria contada no livro e sua vivncia na escola? 12- Voc gostou da abordagem que o livro deu temtica?

    3 e 4 Momentos (aulas 3 e 4): Aps a entrega do roteiro, o professor poder propor um debate com os alunos, dividindo a sala em trs grupos, como em um julgamento, de maneira que haja o grupo dos defensores e o dos opositores diversidade e o grupo dos jurados, que devero analisar a argumentao dos colegas; o professor ser o mediador desse debate, auxiliando os alunos na atividade.

    5 Momento (aula 5): Depois das discusses surgidas com o debate, o professor poder combinar com os alunos uma exposio sobre o tema, a partir da produo de desenhos e textos dos alunos relacionados questo levantada. Esse trabalho poder envolver outras disciplinas, como Geografia e Lngua Portuguesa, ao abordar a diversidade de culturas e pensamentos, preconceitos, entre outros.

    Material de Apoio: livros voltados para a temtica escolhida, cartolina, lpis de cor, canetinhas, caneta, tesoura, imagens, cola e fita adesiva. (para oficina: anexo 1)

    Adaptada de: Caderno de Projetos. Mundo da Palavra. Editora Saraiva. Disponvel em: www.editorasaraiva.com.br/ApoioaoProfessor Acesso em: 19/07/12.

    Oficina 2

    Tema: Como usar a televiso em sala de aula

    CBC: Eixo 1 histrias de vida, diversidade populacional e migraes.

    Contedo extra CBC - Fontes histricas e o ofcio do historiador.

    Objetivos: analisar a televiso como documento scio-histrico; despertar o senso crtico do aluno enquanto expectador.

    Apresentao: a TV um fenmeno complexo, ambguo, muitas vezes contraditrio, que oscila entre a informao e a manipulao ideolgica, a socializao e individualizao do ser humano. No cabe escola demonizar a televiso ou traar pontos de comparao entre quais meios sejam melhores ou piores que a televiso. Em muitos aspectos a TV constitui-se em um texto e, como tal, precisa ser lida. A televiso ser utilizada, nesta oficina/aula como fonte e no como suporte para o contedo escolar. Obviamente as duas facetas so passveis de anlise e no podem ser desvinculadas, mas a nfase recair sobre a primeira.

    Durao prevista: 1 hora (4 aulas)

  • SUPERINTENDNCIA REGIONAL DE ENSINO DE

    DIVINPOLIS

    4

    Atividades a serem desenvolvidas:

    Momento 1 (aula1): Objetivo: conhecer a cultura televisual do grupo de alunos.

    Roteiro:

    Debate: a televiso na vida da gente e a televiso na vida dos outros.

    Enumerar pontos de reflexo surgidos do debate.

    Elaborar questionrio sobre a participao da TV no cotidiano dos alunos (sugesto abaixo).

    Sugesto de questionrio: Quantas horas por dia voc v TV (aproximadamente)?

    Qual o perodo do dia que voc mais assiste TV?

    Voc v mais: ( ) telejornal ( ) telenovela ( ) outros

    Qual seu programa favorito?

    O que voc mais gosta na TV?

    Quantos aparelhos de TV voc tem na sua casa?

    Alm da TV convencional (aberta) voc tem: ( ) TV a cabo/satlite ( ) videocassete.

    O professor deve elaborar seu projeto para usar a TV em sala de aula, levando em conta os resultados da pesquisa objetiva e os valores subjetivos mapeados a partir do debate (realizado com relao s respostas do questionrio). A partir do questionrio-base, o professor pode sofisticar os mecanismos (papel dos dolos, identificao ideolgica com os contedos vistos na TV, conflitos entre telespectador e contedos televisuais, etc). Material de Apoio: pequenos trechos de mdia.

    Adaptada de: NAPOLITANO, Marcos. Como usar a televiso na sala de aula. 7 edio, 1 reimpresso. So Paulo: Contexto, 2008. (Como usar na sala de aula)

    Oficina 3

    Tema: Como usar histrias em quadrinho na sala de aula

    CBC: tpicos e habilidades escolha.

    Objetivos: analisar os quadrinhos como fonte para a histria, considerando sua produo, circulao e suporte; propiciar ao aluno o estudo e produo deste tipo de gnero textual atentando para sua importncia enquanto fonte para a histria.

    Apresentao: No caso da disciplina Histria os quadrinhos podem ser utilizados de diferentes maneiras e sob diferentes enfoques:

  • SUPERINTENDNCIA REGIONAL DE ENSINO DE

    DIVINPOLIS

    5

    A) Para ilustrar ou fornecer uma ideia de aspectos da vida social de comunidades do passado: neste caso seriam utilizados quadrinhos ambientados em pocas anteriores quela em que foram produzidos. Convm lembrar que toda obra de fico histrica fornece mais informaes da poca em que foram criadas do que sobre a poca em que ambientada.

    B) Para serem lidos como registros da poca em que foram produzidos. Exemplo: aventuras de Conan, o Brbaro, apesar de ambientadas em pases fictcios e poca imaginria, tem como inspirao as culturas Greco-romanas. Podem ser utilizados para trabalhar os conceitos de brbaro e civilizao, Estado, Imprio, expansionismo, poltica e religio. Utilizando este material convm chamar ateno para o uso frequente e equivocado do termo raa como sinnimo de povo ou etnia.

    Outras possibilidades a serem consideradas: uma mesma histria em quadrinhos pode ser trabalhada em sala de aula sob diferentes leituras. Considerando as histrias de Asterix:

    A) Podem ser utilizadas para ilustrar a poca de ambientao B) Podem ser lidas como registro da poca em que foram criadas, porque, para efeito de humor, so atribudos aos povos e lugares do passado as caractersticas que eles tm nos dias de hoje.

    C) Ponto de partida para discusso de temas e conceitos e aspectos importantes, sempre atuais: dominao/resistncia, autonomia, etnocentrismo, diversidade cultural, respeito diferena, alteridade, imperialismo.

    Durao prevista: 1 hora (2 aulas). Atividades a serem desenvolvidas: cada grupo deve, a partir da anlise de seu material, responder s perguntas abaixo.Em seguida dever criar uma questo utilizando este suporte. Apresentar as produes em plenria.

    Sugesto de anlise/procedimentos de leitura: apesar da especificidade, o trabalho com quadrinhos requer procedimentos utilizados na leitura de outros materiais/fontes:

    Quem (so) o(s) autor(es)? considerar o contexto de produo, autoria, autores annimos com intuito de reunir informaes sobre o contexto/intenes.

    Quando e onde foi produzida? poca, procedncia e suporte devem ser analisados para consideraes quanto ao tempo e espao, pblico alvo.

    Por quem fala? toda histria reflete, mesmo que inconscientemente, valores, vises de mundo, ideologia.

    A quem se destina? saber o pblico alvo dos quadrinhos nos revela sobre a sociedade ou alguns segmentos da sociedade.

  • SUPERINTENDNCIA REGIONAL DE ENSINO DE

    DIVINPOLIS

    6

    Qual sua finalidade? apesar de ser uma encomenda da indstria do entretenimento, nada impede que o quadrinho tenha pretenses polticas, educativas, institucionais, didticos, entre outros.

    Material de Apoio: Xerox de quadrinhos para anlise em consonncia com o tema do CBC escolhido e j trabalhado com os alunos. (para oficina: anexo 3)

    Adaptada de: BARBOSA, Alexandre. Como usar histrias em quadrinho na sala de aula. 4 edio. So Paulo: Contexto, 2010. (Como usar na sala de aula)

    Oficina 4

    Tema: Como usar a msica na sala de aula

    CBC: Tpico 22; habilidades 22.1, 22.2, 22.3

    Objetivos: desenvolver estudos sobre os polticos brasileiros a partir das msicas selecionadas.

    Apresentao: Muitas vezes mais eficaz perpetuar um pensamento transmitindo-o verbalmente pelo canto que pela escrita no papel, no papiro, no pergaminho ou na pedra a histria da humanidade prova isto. Todo papel, papiro, etc., ou at mesmo toda pedra tocada e trabalhado pelo homem, um dia se acaba. A msica, o som ordenado, assim como uma linguagem universal tambm uma linguagem por meio da qual uma ideia mais bem difundida ao longo dos tempos: mesmo sem sinais grficos que representem o passado.

    Durao prevista: 1 hora e 30 minutos Atividades a serem desenvolvidas:

    Momento 1 (3 aulas): CBC: Tpico 22; habilidades 22.1, 22.2, 22.3.

    Material: Msicas/intrpretes sugeridos:

    Onde est a honestidade?, de Noel Rosa e Kid Pepe.

    Presidente Bossa Nova, de Juca Chaves.

    Apesar de Voc, de Chico Buarque.

    Intil, de Roger. Ultrage a Rigor.

    Brasil, de Cazuza, George Israel e Nilo Romero.

    Desenvolvimento:

  • SUPERINTENDNCIA REGIONAL DE ENSINO DE

    DIVINPOLIS

    7

    O conjunto das canes indicadas permitir ao professor de histria expor um panorama sobre aspectos da classe poltica brasileira durante todo o sculo XX. Nesse perodo, ela esteve sujeita a crticas por parte dos compositores das canes. De certo modo, as letras de tais canes reproduzem o conceito de grande parte da populao brasileira sobre o que poltica e mostra que os princpios que o norteiam pouco se alteraram com o passar das dcadas.

    Os alunos devero fazer, aps a audio e reflexo sobre as msicas, uma pardia (de qualquer msica) sobre suas impresses acerca do debate e apresentar para a turma.

    Momento 2 (2 aulas): CBC: Tpico XIII, todas as habilidades.

    Material: Msicas/intrpretes sugeridos:

    Fotografia 3 X 4, de Belchior.

    Apenas um rapaz latino americano, de Belchior.

    A violeira, Chico Buarque

    Desenvolvimento: Na primeira aula o professor pode ensinar sua matria e, a seguir, passar para cada aluno ou cada grupo de alunos ler as letras. A partir da, propor uma discusso em sala de aula para aproximar a msica da matria ensinada anteriormente. Um aluno anotar na lousa os tpicos manifestados no debate. O professor pergunta qual ritmo musical seria mais apropriado para as letras. Em seguida aciona-se o som. A aula deve ser encerrada com a tarefa de os alunos buscarem msicas que tratem da mesma temtica e pesquisem sobre a biografia dos autores das msicas trabalhadas em sala de aula.

    A segunda aula pode ser iniciada com nova reproduo das msicas e reforo das impresses dos alunos sobre o debate com vistas a esclarecer possveis equvocos. Em seguida seleciona msicas levadas pelos alunos e refaz o processo de anlise.

    Momento 3 (3 aulas): CBC: Tpico 12, habilidade 12.1.

    Material: Msicas/intrpretes sugeridos:

    Marlia de Dirceu 12 rias, compositor annimo.

    Desenvolvimento: o professor poder dividir a turma em 12 grupos, cada um responsvel por explicar para a sala uma ria da composio. Em seguida comparar com trechos do livro Romanceiro da Inconfidncia, de Ceclia Meireles.

    Material de Apoio: Cpias das letras, aparelho de som para reproduo das

  • SUPERINTENDNCIA REGIONAL DE ENSINO DE

    DIVINPOLIS

    8

    msicas, folha em branco para produo da pardia. (para oficina: anexo 3).

    Adaptada de: FERREIRA, Martins. Como usar a msica em sala de aula. 7 edio. 3 reimpresso. So Paulo: Contexto, 2010. (Como usar na sala de aula)