Programa BIOTA/FAPESP

  • View
    34

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Programa BIOTA/FAPESP Histórico, conquistas e novos desafios do Instituto Virtual da Biodiversidade. CARLOS ALFREDO JOLY Instituto de Biologia - UNICAMP. 1996 Lideranças da Comunidade Científica Coordenação de Ciências Biológicas - FAPESP Diretoria Científica da FAPESP - PowerPoint PPT Presentation

Text of Programa BIOTA/FAPESP

  • Programa BIOTA/FAPESPHistrico, conquistas e novos desafios do Instituto Virtual da Biodiversidade.

    CARLOS ALFREDO JOLYInstituto de Biologia - UNICAMP

  • 1996Lideranas da Comunidade Cientfica Coordenao de Cincias Biolgicas - FAPESP

    Diretoria Cientfica da FAPESP

    GRUPO DE COORDENAO - BIOTASP

  • 1997 HomepageLista de Discusso Diagnsticos PUBLICAES

    WORKSHOP DE SERRA NEGRA

    ARTICULAO DOS PROJETOS

  • 1999 www.biota.org.br

  • Prmio Henry Ford de Conservao Ambiental Edio 1999Categoria INICIATIVA DO ANO

  • O objetivo comum dos projetos vinculados ao BIOTA-FAPESP estudar a biodiversidade do Estado de So Paulo visando: a) compreender os processos geradores e mantenedores da biodiversidade, incluindo tambm aqueles que possam resultar em sua reduo deletria;b) sistematizar a coleta de informaes relevantes para a tomada de decises sobre as prioridades de conservao e o uso sustentvel da biodiversidade;

    OBJETIVOS

  • c) divulgar toda a informao gerada de maneira ampla, rpida e livre;

    d) melhorar a qualidade do ensino, em todos os nveis e formas, sobre a natureza e os princpios fundamentais da conservao e do uso sustentvel da diversidade biolgica.

    OBJETIVOS

  • PADRONIZAO E GEOREFERENCIAMENTO DAS COLETAS

  • FORMATAO DAS LISTAS DE ESPCIES ASSOCIADAS S FICHAS DE COLETA

  • Estruturao do Banco de Dados

  • BASE CARTOGRFICA DIGITAL ATUALIZADAESCALA 1:50.000TEMAS:Manchas Urbanas, Malha Viria, Limites MunicipaisHidrografia, Curvas de Nvel, Dados climatolgicosDados pedolgicosReflorestamento (Pinus spp & Eucalyptus spp)Remanescentes de Vegetao NativaLimites das Unidades de Conservao

  • Integrao entre os dados biolgicos do SinBiota e o dados geo-espaciais do Atlas

  • Equacionada a questo da padronizao e integrao dos dados resultantes do esforo amostral atual, restava a questo do resgate do gigantesco acervo de informaes pretritas depositado nas colees biolgicas (Museus, herbrios, Colees de Cultura, etc)Novamente com o intuito de desenvolver e testar modelos, que possam posteriormente balizar iniciativas nacionais, em dezembro de 2001 a FAPESP aprova, no mbito do o BIOTA/FAPESP, o projeto Sistema de Informao Distribudo para Colees Biolgicas

  • http://splink.cria.org.br/

  • >35 colees conectadas

  • www.biotaneotropica.org.br

  • INDEXADA PELO ZOOLOGICAL RECORDINDEXADA PELO CAB InternationalINDEXADA NO QUALIS DA CAPESINTEGRA O PORTAL CAPES INTEGRA O SISTEMA SCIELOIntegra o acervo eletrnico de Bibliotecas Nacionais - como a UNICAMP, EMBRAPA e o MUSEU GOELDI - e Internacionais - como o SMITHSONIAN, HARWARD e o BIOLINE.

  • http://www.biotaneotropica.org.br/usage/Mdia de 30.000 visitas/ms

  • BIOprospecTAFinalmente, em 2002 o Programa BIOTA/FAPESP criou o Subprograma BIOprospecTA visando identificar biomolculas com efetivo potencial de uso econmico.http://www.bioprospecta.org.br

  • Produtos Em seis anos, com um oramento annual da ordem de US$ 2.500.000,00 o Biota/Fapesp financiou 75 projetos, que formaram 150 mestres e 90 doutores. Em termos de produo cientfica o Programa publicou 474 artigos em 161 peridicos, 81 dos quais indexados pelo ISI, com um ndice mdio de impacto (1, 191) significativamente acima da mdia para a rea. Dentre os peridicos destacam-se, pelo impacto, Nature e Science.Alm disso o Programa publicou 16 livros e 2 Atlas, produziu 4 vdeos apresentados pela TV Cultura e 1 Exposio Fotogrfica.

  • http://www.biotaneotropica.org.br/usage/http://www.biota.org.br/info/index

  • O propsito desse Workshop a utilizao das ferramentas e dos dados gerados pelo Programa BIOTA/FAPESP para, em parceria com a comunidade cientfica e com algumas Instituies parceiras (Fundao Florestal, Instituto Florestal, Conservao Internacional e CRIA), gerar um mapa de reas prioritrias para conservao e restaurao da biodiversidade nativa do Estado de So Paulo. O esforo coletivo de construo desse mapa a expresso efetiva do uso de dados cientficos, coletados de forma ordenada e sistematizada, na elaborao e aperfeioamento de polticas pblicas de conservao da biodiversidade no estado. a demonstrao da viabilidade do uso das ferramentas desenvolvidas e alimentadas pela comunidade cientfica (o SinBiota/Sistema de Informaes do Ambientais, o Atlas, o SpeciesLink e as ferramentas de modelagem) na definio das polticas de uma rea estratgica para o desenvolvimento do Estado. Ou seja, da possibilidade do Programa BIOTA servir no s para a prpria comunidade cientfica, no avano do conhecimento acadmico, mas tambm como um poderoso instrumento de sustentao cientfica na elaborao e no aperfeioamento de polticas pblicas consistentes na rea ambiental. Incrementando, desta forma, uma otimizao do uso de recursos e a viabilidade de conservao da biodiversidade remanescente, e sua restaurao em reas criteriosamente selecionadas.

  • Com a realizao deste Workshop, e os desdobramentos posteriores em relao a finalizao do mapa e sua utilizao no aperfeioamento da poltica de conservao e recuperao da biodiversidade do Estado de So Paulo, o Programa BIOTA/FAPESP cumpre um dos grandes objetivos que fundamentou sua criao:

    b) sistematizar a coleta de informaes relevantes para a tomada de decises sobre as prioridades de conservao e o uso sustentvel da biodiversidade.

  • Por isso, creio que chegamos ao momento de ousar novamente e pensarmos em uma SEGUNDA FASE do Instituto Virtual da Biodiversidade. E os novos desafios para esta SEGUNDA FASE passam por uma Coordenao ativa e presente para mobilizar a comunidade cientfica do Estado. Ser necessrio visitar centros de pesquisa e ouvir as demandas da comunidade, bem como organizar um evento de formatao desta nova etapa, nos moldes do Workshop de Serra Negra de 1997. Minha proposta inicial que em julho de 2007 a Coordenao BIOTA organize no um Simpsio do Programa, ou uma Reunio de Avaliao, mas sim o evento REPENSANDO O PROGRAMA BIOTA/FAPESP, envolvendo pesquisadores e grupos de pesquisa que j participam(ram) do Programa bem como aqueles que no participam (ram), para uma avaliao crtica das etapas cumpridas. Discutir amplamente os prs e os contras do Programa, ouvindo no s a opinio dos que participaram mas, principalmente, as razes que levaram alguns grupos a no participar. preciso definir que reas do conhecimento devem ser estimuladas nesta nova fase, bem como mecanismos e ferramentas que aglutinem o maior nmero possvel de grupos de pesquisa e pesquisadores.

  • Discutindo estas idias no mbito da Coordenao BIOTA, bem como com alguns membros da Coordenao de Cincias Biolgicas da FAPESP, na SEGUNDA FASE do Instituto Virtual da Biodiversidade deveramos pensar em priorizar:

    1 INVENTRIOS continuam sendo uma grande prioridade, principalmente para grupos taxonmicos e/ou regies do Estado de So Paulo pouco estudadas. Idealmente, se possvel, estes devem ser feitos visando a produo de ndices de integrao, como por exemplo o Projeto Biota Jovem Pesquisador da Dra. Lilian Casatti - Avaliao da integridade bitica dos riachos da regio noroeste do Estado de So Paulo, bacia do Alto Paran, utilizando comunidades de peixes ou inseridos em uma anlise integrada de diversos componentes grupos taxonmicos, como o Projeto Temtico Biota do Dr. Orlando Necchi Jr - Fauna e flora de fragmentos florestais remanescentes no noroeste paulista: base para estudos de conservao da biodiversidade

  • 2 ESTUDOS FILOGEOGRFICOS pois o entendimento da evoluo de espcies e populaes e sua relao com eventos histricos determinantes na sua diversificao, so de fundamental importncia para o aperfeioamento de estratgias de conservao. Para estes estudos fundamental uma base taxonmica bem estabelecida, por isso a sistemtica e revises taxonmicas so reas que devem continuar a receber todo apoio do BIOTA. Mas imprescindvel um ampliao da inteface com a genmica e as novas ferramentas de biologia molecular.

    Dentro do BIOTA hoje, bons exemplos de projetos nesta linha so: o Projeto Temtico Biota do Dr. Dalton de Souza Amorim Limites geogrficos e fatores causais de endemismo na Mata Atlntica em Diptera;e o Projeto Temtico Biota do Dr. Hussam E.D. Zaher Evoluo da fauna de reptis no sudeste brasileiro do Cretceo superior ao recente: paleontologia, filogenia e biogeografia.

  • 3 GENMICA & METAGENMICA imprescindvel estabelecermos uma forte integrao com esta rea, procurando colocar em pauta a necessidade de estudos de espcies nativas e/ou exticas invasoras relevantes para a conservao. Alm disso a metagenmica parecer ser a nica ferramenta eficiente para o inventrio de microrganismos, uma rea pouco explorada na primeira fase do Programa BIOTA. Como j foi discutido na Seo Ponto de Vista da Biota Neotropica Buckeridge, M.S. & Aidar, M.P.M. 2002 - Seqestro de Carbono na Floresta Tropical: alternativas usando biotecnologia ambientalmente saudvel e Scarano, F.R. & de Mattos, E.A. 2002 - Seqestro de Carbono: o que realmente importa? - Uma rplica a Buckeridge & Aidar esta uma rea polmica, mas que merece uma discusso mais aprofundada.

  • 4 BIOTA FUNCIONAL com uma abordagem em diversos nveis de organizao. Tanto precisamos compreender melhor as relaes entre biodiversidade e funcionamento dos ecossistemas como precisamos compreender a funcionalidade de diferentes gentipos. A nvel de ecossistema um exemplo o Projeto Temtico Biota que eu coordeno em parceria com o Dr. Luiz A. Martinelli Composio florstica, estrutura e funcionamento da Floresta Ombrfila Densa dos Ncleos Picinguaba e Santa Virgnia do P