PRIMO LEVI E ROBERTO BENIGNI: LEITURAS £†MPARES DOS CAMPOS LEITURAS £†MPARES DOS CAMPOS DE CONCENTRA£â€£’O

  • View
    1

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PRIMO LEVI E ROBERTO BENIGNI: LEITURAS £†MPARES DOS CAMPOS LEITURAS...

  • PRIMO LEVI E ROBERTO BENIGNI: LEITURAS ÍMPARES DOS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO NAZISTAS

    Por Maria Franca Zuccarello

    Aluna do Curso de Doutorado em Estudos Literários (Programa de Pós-Graduação em Letras Neolatinas)

    Tese de Doutorado em Letras Neolatinas Subárea: Língua e Literatura Italiana. Apresentada à Coordenação de Pós- Graduação, da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    Orientadora: Professora Doutora Flora De Paoli Faria

    Rio de Janeiro, 1º Semestre de 2006

  • Livros Grátis

    http://www.livrosgratis.com.br

    Milhares de livros grátis para download.

  • ZUCCARELLO, Maria Franca. Primo Levi e Roberto Benigni: leituras ímpares dos

    campos de concentração nazistas. Rio de Janeiro, UFRJ/Faculdade de Letras, 2006. Tese de Doutorado. Fls. 176.

    BANCA EXAMINADORA

    ___________________________________________________________________ PROFESSORA DOUTORA FLORA DE PAOLI FARIA

    ORIENTADORA

    ___________________________________________________________________

    PROFESSORA DOUTORA SONIA CRISTISNA REIS

    ___________________________________________________________________ PROFESSORA DOUTORA GEYSA SILVA

    ___________________________________________________________________ PROFESSORA DOUTORA FLORA SIMONETTI COELHO

    ___________________________________________________________________ PROFESSORA DOUTORA ANNITA GULLO

    ___________________________________________________________________ PROFESSORA DOUTORA MARIA LIZETE DOS SANTOS

    ___________________________________________________________________

    PROFESSORA DOUTORA OPAZIA CHAIN FERES

  • AGRADECIMENTOS

    A Deus por ter permitido que chegasse ao fim desta

    caminhada.

    Ao meu marido e à minha filhinha Loretta que, durante este

    tempo tão conturbado de minha vida, estiveram sempre ao

    meu lado incentivando-me até com o silêncio.

    À Flora De Paoli Faria que com seus ensinamentos e

    sugestões dirigiu meu percurso até mais uma etapa

    profissional.

    À Soninha pela competência, determinação e amizade que

    completaram a tarefa da Professora Flora De Paoli Faria.

    A Flora Simonetti Coelho que mais uma vez me estimulou

    para continuar meus estudos.

    Aos muitos colegas maravilhosos da UERJ e da UFRJ pela

    amizade, apoio e carinho oferecidos.

    Aos muitos amigos anônimos pela silenciosa e amorosa

    colaboração.

    A todos os professores e funcionários da Pós-Graduação pelo

    grande apoio que se demonstrou até em sugestões.

  • SINOPSE A Itália e seu contexto histórico, econômico-

    social, político entre a. Primeira e Segunda Guerra

    Mundial. Regimes ditatoriais: a Itália fascista e a

    Alemanha nazista. Duas escritas e duas histórias:

    os campos nazistas e as narrativas de Primo Levi

    e Roberto Benigni. O trágico e o cômico em Se

    questo è un uomo e La vita è bella. A força da

    música nas duas obras.

  • ... Malgrado tutto la vita è bella. degna di essere vissuta.

    Trotski

    Io pensavo che la vita fuori era bella, e sarebbe ancora stata bella,

    e sarebbe stato veramente un peccato lasciarsi sommergere adesso.

    Primo Levi

    ... siamo condannati poeticamente ad amare la vita per forza:

    perché la vita è bella. Roberto Benigni

  • SUMÁRIO

    INTRODUÇÃO .............................................................................................................. p. 09

    1. UM OLHAR CRÍTICO SOBRE O CONTEXTO CULTURAL DA ITÁLIA ENTRE

    GUERRAS ................................................................................................................ p. 17

    1.1. A especificidade do literário .............................................................................. p. 41

    1.2. A especificidade do fílmico ............................................................................... p. 55

    2. PRIMO LEVI E ROBERTO BENIGNI NO CONTEXTO CULTURAL ITALIANO p.75

    2.1 Primo Levi : o químico-memorialista, narrador da memória judaica ..................p. 75

    2.2. Roberto Benigni: uma visão inovadora sobre a memória do caos ......................p. 98

    3. ENCRUZILHADAS DISCURSIVAS: LEVI E BENIGNI .......................................p. 105

    3.1. A incomunicabilidade da dor: Se questo é un uomo.........................................p. 105

    3.2. O gosto amargo do riso: La vita è bella.............................................................p. 128

    3.3. O encontro da literatura e do cinema com a morte. ..........................................p. 151

    4. CONCLUSÃO ..........................................................................................................p. 168

    5. BIBLIOGRAFIA .......................................................................................................p 174

  • ZUCCARELLO, Maria Franca. Primo Levi e Roberto Benigni: leituras ímpares dos

    campos de concentração nazistas. Rio de Janeiro, UFRJ/Faculdade de Letras, 2006. Tese de Doutorado. Fls. 176.

    RESUMO

    Nesta pesquisa buscou-se uma aproximação entre

    a narrativa literária de Primo Levi e a narrativa

    fílmica de Roberto Benigni através do reexame do

    quadro histórico, político, econômico e social da

    Itália entre as duas grandes guerras. A temática

    que une os dois intelectuais passa pela memória

    trágica da experiência judaica nos campos de

    concentração nazistas que dizimaram milhões de

    pessoas. O trabalho visou também redimensionar,

    por meio da análise comparativa-contrastiva, os

    conceitos de tragédia e comédia, além de verificar

    a capacidade reorganizadora da música neste

    espaço de horror e desperança.

    Palavras-chave: Primo Levi, Roberto Benigni, Literatura, Cinema, campos de concentração nazistas.

  • ZUCCARELLO, Maria Franca. Primo Levi e Roberto Benigni: leituras ímpares dos

    campos de concentração nazistas. Rio de Janeiro, UFRJ/Faculdade de Letras, 2006. Tese de Doutorado. Fls. 176.

    RIASSUNTO

    In questa ricerca si è voluto avvicinare la narrativa

    letteraria di Primo Levi a quella filmica di

    Roberto Benigni tramite lo studio del quadro

    storico, politico, economico e sociale dell’Italia

    tra le due grandi guerre. Il tema che favorisce

    l’unione dei due intellettuali ci viene dato dalla

    memoria tragica degli ebrei nei Lager nazisti che

    ha fatto milioni di vittime. Il lavoro ha anche

    avuto come obiettivo ridimensionare, per mezzo

    di un’analisi comparativa-contrastiva, i concetti di

    tragedia e commedia, oltre a verificare la forza

    riorganizzatrice della musica in questo spazio di

    orrore e disperazione.

    Parole-chiave: Primo Levi, Roberto Benigni, Lettteratura, Cinema, campi di concentramento nazisti.

  • INTRODUÇÃO

    Esta Tese de Doutorado, intitulada Primo Levi e Roberto Benigni: leituras ímpares

    dos campos de concentração nazistas, apresenta uma análise comparativo-contrastiva entre

    duas obras, a narrativa Se questo è un uomo, de Primo Levi, e o filme La vita è bella, de

    Roberto Benigni.

    O estudo visa aprofundar a pesquisa apresentada no Mestrado, sobre o resgate da

    memória nos campos de concentração nazi-fascista na Itália, temática comum às duas

    obras. A análise objetiva buscar identidades e diferenças, certamente existentes, no que se

    refere à mimese recriadora do real, ou seja, à estratégia poética de representação simbólica

    do real, desenvolvida pelos autores propostos para investigação.

    É importante assinalar no estudo, que pretendemos apresentar ao longo dos

    capítulos a presença do cotejo biográfico dos autores, evidenciando as diferenças de estilo

    na abordagem do tema dos campos de concentração; diferenças que podem ser apreendidas,

    ainda, no exame da própria personalidade dos autores. Segundo testemunhos indicados na

    bibliografia, o escritor é tímido, sisudo, introvertido; o cineasta é hilário, alegre,

    extrovertido. O elemento que os une é delineado através da temática identitária inicial entre

    Benigni e Levi , ou seja, o tema do sacrifício de judeus, em suas respectivas obras.

    Os dois autores, sem dúvida, apresentam-se como nomes conhecidos na literatura e

    no cinema italianos, pois marcaram a segunda metade do século XX e, no XXI, mais do

    que nunca, são figuras atualíssimas e de vivo interesse para os pesquisadores. Isto se

    concretiza, com intensidade, visto que o topos das grandes tragédias – cuja manifestação

    máxima foi o Holocausto – é recriado por esses dois italianos de origem judaica e continua

    vivo em todo o mundo, aludindo a possíveis futuras vítimas de dirigentes que buscam

  • vencer a qualquer preço, para dominar, subjugar, submeter, já que encarnam o papel de

    detentores do Poder universal.

    Pretende-se, de