Posicionamentos Radiologicos Abdome e Pelve

  • View
    27

  • Download
    16

Embed Size (px)

Text of Posicionamentos Radiologicos Abdome e Pelve

  • POSICIONAMENTOS RADIOLGICOS

    ABDOME E PELVE

    Michele Patrcia Muller Mansur Vieira1

    1. Consideraes Iniciais

    Atualmente, na medicina moderna, os mtodos de diagnstico por imagem so

    considerados elementos fundamentais para propiciarem um diagnstico mdico

    mais preciso.

    H, portanto a necessidade do tcnico em radiologia dominar contedos de

    anatomia, fisiologia, exames contrastados e no contrastados, posicionamentos,

    princpios fsicos, tecnologias e funcionamento dos equipamentos para obter a

    melhor qualidade de imagem permitindo assim um bom diagnstico.

    Os exames radiolgicos para a regio do abdome e pelve, incluindo desde a

    abordagem ao usurio, caractersticas para a execuo do exame, incidncias, at

    a respectiva conduta do exame sero apresentados a seguir.

    1 Tecnloga em Radiologia pela Universidade Tecnolgica Federal do Paran, Mestre em Sade Pblica pela University of Essex; Professora do Curso Tcnico em Radiologia do

    Instituto Federal do Paran.

  • 2

    2. Exames Radiolgicos do Abdome e Pelve

    Considerando como rea de interesse a regio do abdome e pelve pode-se

    ressaltar o uso das modalidades como exames contrastados e no contrastados,

    tomografia computadorizada, ressonncia magntica e ultrassonografia.

    2.1 Modalidade Exames Contrastados e no contrastados.

    Na radiologia convencional podemos subdividir os exames em:

    Contrastados

    No contrastados

    Os exames contrastados so aqueles que fazem uso de meios de contraste

    artificiais para evidenciar estruturas anatmicas que normalmente no so bem

    evidenciadas nos procedimentos sem contraste. Os exames contrastados que,

    majoritariamente, compreendem a regio do abdome e pelve so os seguintes:

    Seriografia de Esofago, Estmago e Duodeno (SEED);

    Enema Baritado ou Enema Opaco;

    Transito Intestinal;

    Urografia Excretora;

    Uretrocistografia Masculina e Feminina.

    Histerossalpingografia

    Os exames no contrastados de abdome so classificados com base nas

    incidncias radiolgicas que proporcionaro a visibilizao da regio de interesse,

    sem detalhes to significativos dos rgos contidos na regio.

    So elas:

  • 3

    Incidncias bsicas

    Incidncias especiais

    Para o abdome e pelve sero apresentadas as seguintes incidncias:

    Abdome

    Incidncia Bsica

    o Incidncia ntero Posterior DD

    Incidncias Especiais

    o Incidncia pstero anterior DV

    o Incidncia ntero posterior Ortostase

    o Incidncia ntero posterior DD feixe horizontal

    o Incidncia Lateral DL

    Pelve

    Incidncias Bsicas

    o Incidncia ntero posterior bilateral

    o Incidncia ntero posterior perna de r

    Incidncias Especiais

    o Incidncia ntero posterior axial de entrada (in let)

    o Incidncia ntero posterior axial de sada (out let)

    o Incidncia ntero posterior oblqua posterior

    Rotina para Abdome Agudo

    Incidncias bsicas

    o Abdome Incidncia ntero Posterior Decbito Dorsal

    o Abdome Incidncia ntero Posterior Ortostase

  • 4

    o Trax Incidncia Posterior nterior Ortostase

    Incidncia especial

    o Abdome Incidncia ntero Posterior DLE feixe horizontal

    2.2 Modalidade Tomografia Computadorizada

    Para avaliao da regio abdominal por meio da tomografia computadorizada

    (TC), diferentemente da radiologia convencional, o estudo realizado a partir da

    cpula diafragmtica at as cristas ilacas, respeitando critrios de diviso

    anatmica para exames de alta complexidade.

    So critrios para realizar um exame de TC:

    a clnica do usurio por meio da requisio mdica;

    avaliao prvia da anamnese, a qual dar subsdios para realizao de um

    exame direcionado s necessidades do usurio.

    Aps identificar os critrios necessrios possvel definir o protocolo. Este ser

    especfico para cada rgo da cavidade peritonial superior, de acordo com a

    indicao do exame, a partir dos equipamentos helicoidais so determinados

    parmetros como slice, incremento de mesa e tambm o pitch. Porm, com o

    advento da TC multislice, essa necessidade no se torna to relevante, devido ao

    uso de cortes finos e interpolao de informaes que auxiliam no processamento

    das imagens adquiridas durante o exame.

    A tomografia da regio do abdome e pelve pode ter as seguintes aplicaes

    clnicas:

    rastreamento;

    estadiamento de tumores;

  • 5

    abdome agudo (apendicite/ colecistite/ abscesso/ perfurao de vsceras

    ocas, entre outros);

    rins e vias urinrias (litase, malformaes e variaes anatmicas);

    pncreas (pancreatite/ leses focais pseudocistos e neoplasias/

    coledocolitase);

    fgado (leses focais/ hemangioma/ cirrose);

    Para cada aplicao clnica devem ser definidos parmetros, que variam de

    acordo com o equipamento, a patologia e os procedimentos do local de trabalho.

    fundamental identificar a extenso superior e inferior da estrutura anatmica a ser

    visibilizada para a aquisio das imagens. Neste momento que mais efetivamente

    sero aplicados os conhecimentos de anatomia e fisiologia da regio. Havendo a

    necessidade de utilizar meios de contraste, estes devero ser injetados de acordo

    com a fisiologia da patologia a ser estudada, obdecendo as seguintes fases:

    arterial, portal e tardia.

    Os exames realizados com contraste devero ser discriminados pelos mdicos, a

    fase de contraste determinada pela indicao clnica, conforme o

    comportamento fisiolgico das leses, no entanto cada servio desenvolve uma

    rotina, devendo esta ser respeitada.

    Comparativamente aos exames radiolgicos do abdome, na TC de abdome

    predominantemente realizada com o usurio posicionado em decbito dorsal. O

    posicionamento ter variao, somente, por necessidades apresentadas pelo

    usurio. Por exemplo, havendo a necessidade de uma biopsia em uma regio

    mais posterior ou lateral o usurio poder ficar em decbito ventral ou lateral,

    respectivamente.

  • 6

    2.3 Modalidade Ressonncia Magntica

    O tcnico em radiologia dever selecionar e utilizar corretamente as bobinas de

    gradiente, que variam de equipamento para equipamento conforme a configurao

    do fabricante. Estas podem ser bobinas de corpo acompanhadas com uma bobina

    flex ou uma bobina especifica para a regio do abdome e pelve. Os parmetros

    tcnicos dependero do tipo de estudo que ser realizado.

    Existem restries absolutas para a no realizao deste mtodo, destacando-se

    as seguintes:

    bombas de infuso;

    cpsula endoscpica e monitor de medida de pH (pHmetria);

    cateter com dispositivo eletrnico;

    clamp carotdeo;

    clipes de aneurisma cerebral ferromagnticos;

    fios guias intravasculares;

    fios metlicos de localizao pr-cirrgica mamria;

    fixadores ortopdicos externos metlicos no-removveis;

    halos cranianos;

    holter;

    marcapasso;

    monitor de Presso Intracraniana;

    prtese coclear metlica e demais implantes otolgicos no removveis.

    Diferentemente do exame radiolgico do abdome, na ressonncia magntica (RM)

    de abdome o usurio fica posicionado somente em decbito dorsal. Porm, caso o

    usurio apresente dificuldades em manter-se nesta posio possvel

    reposicion-lo para que o mesmo esteja confortavl durante todo o exame, uma

    vez que, dependendo da sequncia utilizada o tempo de exame poder ser

    elevado.

  • 7

    2.4 Modalidade Ultrassonografia

    Esta modalidade no ser abordada pois, no Brasil, a ultrassonografia (US) um

    procedimento exclusivamente mdico, ou seja, no faz parte das atribuies do

    processo de trabalho do tcnico em radiologia.

  • 8

    3. Abordagem ao usurio

    A recepo do usurio (a) e a conduo do mesmo a sala de exames deve ser

    executada obedecendo o cdigo de tica dos profissionais das tcnicas

    radiolgicas, ou seja, o desempenho das funes profissionais independem da

    nacionalidade, raa, sexo, idade, escolhas polticas, religiosas e classe social.

    importante que o tcnico em radiologia acolha o usurio de forma cordial, para

    que o mesmo colabore durante a execuo do exame. Alm disso, faz se

    necessria a avaliao e a verificao dos dados contidos na requisio mdica

    para que possveis erros sejam evitados. Portanto, salutar, verificar o nome

    completo do usurio e confirmar a indicao do exame possibilitando assim que a

    seleo de parmetros tcnicos seja estabelecida.

    Ateno: necessrio verificar junto a usuria se h possibilidade de gravidez,

    caso se confirme a gestao, verificar com o mdico radiologista ou mdico

    responsvel se a execuo do exame deve ser mantida. Os princpios de proteo

    radiolgica devem ser respeitados.

    4. Caractersticas para a execuo do exame

    Para que o exame possa ser conduzido da melhor maneira possvel, sugere-se

    que o tcnico domine o seu processo de trabalho e as caractersticas para a

    execuo do exame otimizando, portanto, o uso dos equipamentos e acessrios

    radiolgicos que o local de trabalho possui.

    importante:

    oferecer acessrios para a proteo radiolgica do usurio e

    acompanhante, sempre que este estiver na sala de exames acompanhando

    o usurio;

  • 9

    colimar somente a regio a ser radiografada, pois assim diminuir a rea

    que ser exposta a radiao ionizante;

    fazer us