Pequenos prazeres ou grandes loucuras? - Portal PUC-Rio ...puc- - pequenos prazeres ou...  rentes
Pequenos prazeres ou grandes loucuras? - Portal PUC-Rio ...puc- - pequenos prazeres ou...  rentes
Pequenos prazeres ou grandes loucuras? - Portal PUC-Rio ...puc- - pequenos prazeres ou...  rentes
Pequenos prazeres ou grandes loucuras? - Portal PUC-Rio ...puc- - pequenos prazeres ou...  rentes

Pequenos prazeres ou grandes loucuras? - Portal PUC-Rio ...puc- - pequenos prazeres ou...  rentes

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Pequenos prazeres ou grandes loucuras? - Portal PUC-Rio ...puc- - pequenos prazeres ou... ...

  • avar as mos a todo momento, con-tar objetos, ver se o gs est mesmodesligado, ter tiques nervosos, arru-mar a casa mesmo quando ela jest super arrumada, verificar a toda

    hora o saldo bancrio pela Internet ou acessar, demeia em meia hora, a caixa de e-mails: quem notem pelo menos uma dessas manias? Umapesquisa da Universidade de So Paulo (USP) revelaque duas em cada cem pessoas adquirem maniasdurante a vida. Secretas ou pblicas, provocandoestranhamento e risadas, elas so comuns a quasetodos os seres humanos, pela simples necessidadeda sensao de bem-estar.

    No Dicionrio Aurlio, mania uma excentrici-dade, extravagncia, esquisitice, gosto exageradoou imoderado por alguma coisa. De acordo comas teorias evolucionistas, alguns hbitos foramessenciais para o desenvolvimento e a preservaoda espcie humana. Os antepassados prudentes eprecavidos foram os que sobreviveram, justamentepor estocarem alimentos, zelarem pela prole eevitarem ameaas naturais. Sendo assim, ter umaou outra mania est dentro do quadro de normali-dade.

    O produtor de programas de televiso, BrunoDieguez, por exemplo, tem mania de organizao.No consigo continuar a fazer uma coisa se nome organizar. Posso perder um pouco de tempo,mas melhor, diz. Para quase tudo na sua casah um arquivo de computador, at mesmo paracontrole do combustvel e lista de supermercado.

    A mania de organizao vem da famlia: a avde Bruno arruma os remdios em ordem alfabtica;os pais, assim que trocam de carro, compram

    caderno e caneta para anotar cada litro de gasoli-na que entra no veculo; a casa tem nove ramaispara apenas duas linhas telefnicas; enquanto omvel feito especialmente para guardar os DVDs,no estava pronto, os mesmos ficavam em caixasde CD numeradas, assim como numa locadora: asembalagens originais guardadas em um local e osDVDs em outro.

    Eu me acho meio exagerado, mas aqui em casaningum acha, afirma Bruno, que controla ocombustvel no s no caderno, como no palmtop.s vezes, me irrito por no ter tido tempo de fazero controle. Foi por falta de tempo, no de organi-zao, revela o produtor, que tem como um dosmelhores passatempos criar listas e tabelas: Vocsabe que no vai fazer tudo, mas s de colocar nopapel j d uma sensao boa. Melhor ainda,quando risco uma tarefa da lista, relata Bruno,que tambm coleciona mais de 1.700 latas de

    CECILIA NBREGA, LIA KONSKIER, MARIANA SOBREIRA E NATHALIE MAYOR

    Pequenos prazeres ougrandes loucuras?

    Com muito prazer 5

    Manias curiosas tornam o dia a dia mais prazeroso e um pouco... esquisito

    Bruno Dieguez controla os gastos com combustvel nosmnimos detalhes

    Mariana SobreiraL

  • alumnio. So todas organizadas por nmero ,nome, marca, qualificao, capacidade, nacionali-dade e tempo. A organizao garantida por dife-rentes planilhas no Excel.

    A l e x a n d re Klang, estudante de economia, possui25 pares de tnis, mantidos com impecvel cuida-do. No toa que duram muitoe um deles, comprado h oitoanos, permanece com aspecto denovo. Eu lavo meus tnis de tem-pos em tempos. Espalho eles pelasjanelas da casa para secar e osmando para o conserto re g u l a r-mente, mesmo que seja desne-cessrio, comenta Alexandre ,que no empresta os caladospara ningum. Motivo para talmania: o estudante no gosta derepetir o sapato e gosta de combi-nar o estilo do tnis com a ro u p a . Tenho tnis pra ir ao Maracan,pra sair, ir faculdade. Quandomeu pai compra um tnis bonito, roubo dele, re-v e l a .

    O estudante de Desenho Industrial, Bru n oRodrigues, possui o estranho hbito de lavar acabea todos os dias com shampoo e condicionador,mesmo sendo careca. At hoje no sei se porqueme sinto mais limpo ou se apenas para seguirtodo o ritual e ordem do banho, fala.

    Na hora de dormir, Bruno s consegue pegar nosono com o ventilador ligado no pelo vento, mas

    pelo barulho peculiar. No consigo dormir nosilncio completo e nem com muito barulho. E temque ser o som do ventilador, afirma Bruno que, emcasa, s come com as pernas cruzadas em cima dacadeira. A posio de ndio sagrada. Se noestiver assim, o estudante perde o apetite.

    Aos 21 anos de idade, Alexandre Ades, estudantede Engenharia Civil, capaz de preencher sozinhouma estranha lista de manias. Entre suas esquisi-tices esto as de acender as luzes do corre d o r(sendo que, quando elas j esto acesas, pre c i s osimular o ato), trocar as slabas das palavras (elediria, por exemplo, que tem mania de trocar asslavras das palabas), alm da paixo maior: oF l u m i n e n s e .

    Tricolor doente, Alexandre capaz de cometerloucuras pelo time. Assiste a jogos inteiros, seja noMaracan ou em casa, em uma nica posio. Se oFluminense marca um gol, ele resiste tentao dese movimentar. Minha expresso de felicidade,mas no posso me mover, conta. Alm disso, ele

    faz praticamente uma coreografiaao passar em frente ao clube e sassiste aos jogos com determ i-nadas roupas e pessoas. Recusa-se,por exemplo, a ficar perto do seumelhor amigo, tambm tricolor,pois d azar.

    Eu acredito que as minhasmanias ajudam o Flu. Tenho umateoria de que se todo mundoestivesse focado no jogo, isso fariao time ganhar. Acredito que nocontrolo o placar, mas o influen-cio, afirma Alexandre. Suacrena a principal razo paraque sinta prazer em repetir as

    estranhas manias.Thiago Lucas tem o hbito de guardar as notas

    fiscais de todos os produtos que compra, principal-mente livros e CDs. No para controle dasfinanas, mas porque considera que seja umaforma de voltar no tempo quando desejar. Outramania do estudante de jornalismo fazer asrefeies acompanhado apenas pela televiso: muito tdio comer olhando para os azulejos da co-zinha. Como no gosto de ser interrompido durante

    Janeiro/Junho 20046

    Organizao a palavra de ordem na coleo de latas deBruno

    Tenho tnis pra ir aoMaracan, pra sair, ir

    faculdade etc.Quando meu paicompra um tnis

    bonito, roubo deleAlexandre Klang

    Mariana Sobreira

  • as refeies, s almoo e janto vendo TV, justifica.Outra mania perfume. Perfume momento. Se

    q u e ro sexo, por exemplo, tenho o perfume que medeixa mais selvagem, revela o estudante, que gostade rotina e se acha super normal. Todas as pessoastm manias estranhas, mas algumas so hipcritas,s falam das manias dos outros, completa.

    O que dizer, ento, da professora aposentadaErilda Bittencourt, que alm de ter seu funeraltodo pronto, j criou um asilo para sapos de ru adurante a adolescncia? Erilda tinha cerca de 60sapos e chegou a perder um namorado por contado hbito, considerado por muitos como anor-m a l .

    De acordo com o psiclogo Paulo CsarGuimares, o limite entre o normal e o patolgico muito tnue. As pessoas lidam com o impulso,que nem sempre vem da conscincia e, portanto,no conseguem controlar, afirma Paulo Csar,que j teve em seu consultrio um homem commania de sempre passar a mo na orelha direita aover uma mulher loira andando e uma paciente quelimpava a casa o dia inteiro, devido a um proble-ma sexual.

    H pessoas que se tornam prisioneiras dosprprios rituais. A mania mais estranha quechegou ao consultrio foi a de um homem de 45anos que no tocava em nenhum tipo de maane-ta, andando sempre com um pano no bolso. Houve

    tambm a histria de uma mulher que no levan-tava da cama sem bater sete vezes com o p direitono cho e repetia o ato a cada vez que mudava deambiente. Em qualquer dos casos, trata-se de umasatisfao ou dissimulao dos impulsos.

    Enquanto a mania no obsessivo-compulsiva,tudo bem. Um hbito deixa de ser comum esaudvel quando o indivduo no consegue sedominar e sofre com isso. Pesquisas norte-ameri-canas revelam que mais de cem milhes de pessoasno mundo inteiro sofrem de TOC (Tr a n s t o rn oObsessivo Compulsivo). Tambm conhecida comoDOC (Distrbio Obsessivo Compulsivo), a doena crnica, exige tratamento e tem como principalproblema o longo perodo entre os primeiros sin-tomas e a busca de auxlio mdico.

    Com muito prazer 7

    Bruno controla todos seus gastos tambm pelo palmtop

    Manias estranhas? Nem tanto... Roer unhas;

    Estalar os dedos, costas, pescoo e tornozelo; Lamber a tampa do iogurte;

    Somar os nmeros das placas de carros; Ler no vaso sanitrio;

    Batucar em mesa, cadeira ou em qualquer lugar; Colocar o dedo no bolo;

    Olhar-se no espelho o tempo todo; Pentear o cabelo vrias vezes ao dia;

    Tirar meleca no carro(eca!).

    Mariana Sobreira

  • O que caracteriza o TOC arepetio, a falta de finalidade e ofato de a pessoa no controlar opensamento ou ato. As vtimas dadoena so como Ssifo, persona-gem do clssico Odissia. Comocastigo por enganar Zeus, Ssifo foicondenado a levar uma pedraenorme at o topo de uma mon-tanha para v-la rolar at o solo efazer tudo de novo. Onde estariasua tortura se, a cada passo, aesperana de conseguir o aju-dasse?, reflete o escritor francsAlbert Camus no livro O mito deSsifo: ensaio sobre o absurdo. Os obsessivo-compul-sivos tm a conscincia de que seus pensamentos eatitudes so ilgicos, mas, como Ssifo, no con-seguem se livrar da condenao imposta por suasmentes.

    Grandes nomes da histria sofreram de TOC.Santo Incio, por exemplo, antes de se converter,era um soldado extremamente vaidoso. Por muitotempo, o fundador da Companhia de Jesus noconseguiu se livrar da culpa pela antiga vida ftil edesenvolveu a mania de confessar sempre os mes-mos pecados. J Kurt Gdel, um dos mais impor-tantes matemticos do sculo XX e melhor amigo

    de Albert Einstein, tinha pavor deficar doente. Parou de comer commedo de ser contaminado pelacomida.

    O filsofo alemo Imannuel Kant,dominado por manias de sol-teiro assumido, inspirou o diver-tido livro A vida sexual de Kant, umabrincadeira do jornalista francsFrdric Pag. Entre os costumes dofilsofo, o mais comum era seencontrar com um grupo de amigosna casa de um deles e cochilar comtodos para, ento, despertar e con-versar sobre o mundo.

    Personalidades atuais tambm ganh