Click here to load reader

NOÇÕES DE PSICOLOGIA-slides

  • View
    434

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of NOÇÕES DE PSICOLOGIA-slides

NOES DE PSICOLOGIA

Origem da palavra PSICOLOGIA PSIQUE: ALMA LOGOS: ESTUDO/RAZO

PSICOLOGIA a cincia que estuda o comportamento humano e seus processos mentais. So elas, as funes psquicas: ateno, senso percepo, memria, conscincia, orientao, pensamento, linguagem, inteligncia, conduta e afetividade

A histria da psicologia se confunde com a filosofia at meados do sculo XIX. Foram Scrates, Plato e Aristteles que deram o pontap inicial na instigante investigao da alma humana.

Scrates (469/399 a.C), o primeiro dos grandes filsofos gregos iniciou instigante investigao da alma humana. Conhece-te a ti mesmo: o incio de toda a sabedoria. Para viver bem preciso ser SBIO. E como atingir a sabedoria? Comea pelo conhecimento de si mesmo.

A medida que o homem, ele chega a concluso de que no sabe nada. Para ser sbio preciso confessar, com humildade, a prpria ignorncia. S

sei que nada sei.

Entra em cena a MAIUTICA a arte de dar luz s idias. Aquele que investiga, questiona, aquele que questiona perturba a ordem estabelecida. (morte de Scrates).

Plato (469/399 a.C) discpulo de Scrates, ampliou suas reflexes, fundou sua prpria escola de filosofia, a ACADEMIA e concluiu que o lugar da razo no corpo era a cabea, representando a psique e a medula tria como ligao entre corpo e mente (divide o mundo das idias).

J Aristteles (387/322 a.C) discpulo de Plato entendia corpo e mente de forma integrada e percebia a psique como princpio ativo da vida. Foi um sistematizado das idias de Scrates e Plato. neste cenrio que surgem as diversas escolas de pensamento psicolgico.

Todas as Escolas tem como objetivo uma linha de investigao baseada na experincia (emprica) de seu fundador (investigador).

CONSCIENTE Percepo do mundo exterior (o que nos rodeia) associada a percepo do nosso mundo interior (pensamento, verbalizao, raciocnio, razo). No entanto, para estar consciente no basta verbalizar, mas precisa de reelaborao.

Dinmica Neste momento em que voc est pensando?

Dificilmente todos estavam com os seus sentidos voltados para a palestra, embora estejam consciente do local onde se encontram, do que se trata o assunto, mas no pensamento vem tona sentimentos e idias que no fazem parte do momento.

PR-CONSCIENTE(PERCEPO DIFUSA)

Est situado entre o sistema inconsciente e a conscincia. Est separado do primeiro pela censura que busca evitar a vinda conscincia de preocupaes perturbadoras. Ex: vem tona de uma forma mais aceitvel para a pessoa (ego) e sua realidade (superego).

Quanto mais trabalhamos o nosso interior mais alargamos o campo do inconsciente, pois, o que no est consciente est reprimido. E o inconsciente representa a maior parte de nossa psique.

O INCONSCIENTE constitudo por contedos recalcados aos quais foi recusado o acesso ao prconsciente e consciente. Os seus contedos so as pulses que buscam a satisfao (id prazer). Desde a infncia esses desejos vo sendo recalcados. Vem tona atravs dos sonhos, dos mecanismos de defesa, atos falhos, lapsos, etc. O objetivo da terapia tornar consciente o que est inconsciente.

Freud insatisfeito com a topografia da mente formulou o modelo estrutural de Id, Ego e Superego

Id: o reservatrio das pulses instintuais, sendo, portanto, inconsciente, e surge no beb quando do nascimento. Ego: a parte do aparelho psquico que funciona como mediadora entre a pessoa e a realidade. Sua funo primordial a percepo da realidade e a adaptao a ela. o instrumento de satisfao das pulses do Id, mas submete-se ao princpio da realidade e ao superego (consc e pr-consc) Superego: Representa os padres morais e sociais internalizados a partir dos prprios pais. Freud via o superego como herdeiro do complexo de dipo. Ex. a neurose.

Mecanismos de defesa So sempre inconscientes. Normalmente h vrios mecanismos de defesa mobilizados ao mesmo tempo ou sucessivamente, mas h um dominante. Podem ser primrios (negao, represso) ou secundrios (implicam a existncia de outro mecanismo de defesa como a projeo em que o paciente tem que negar seus prprios sentimentos antes de projetlos).

Sublimao: o mecanismo de defesa sadio por natureza, pois satisfaz a pulso geradora de ansiedade. Na sublimao a pulso inaceitvel transformada em uma pulso aceitvel e , ento, gratificada. Ex: uma pessoa com pulses agressivas pode vir a fazer o bem pra sociedade. Segundo Freud, a grande fora motriz da civilizao a sublimao, uma vez que atravs dela que h satisfao da pulso.

Represso: a pulso no satisfeita lanada (reprimida) para o inconsciente, sendo excluda da conscincia. Negao: um fato do mundo exterior (e no uma pulso) lanado (negado) para o inconsciente, sendo negado pela conscincia que passa a desconhecer o fato. Ex. nega o fato.

Deslocamento: o paciente transfere (desloca) a pulso de um objeto para outro. O sentimento permanece, h o deslocamento apenas do objeto da pulso. Ex: a fobia. Projeo: o paciente atribui (projeta) um sentimento, pensamento ou emoo que lhe prprio outra pessoa. Ex: Delrio de perseguio (parania);

Converso: na converso o conflito eliminado do psiquismo e deslocado para o organismo, aparecendo atravs de problemas fsicos ou de ordem neurolgico. Formao reativa: Ocorre quando atitudes, desejos e sentimentos desenvolvidos pelo ego a anttese do que realmente almejado pelos impulsos. Ex: me super protetora que esconde sentimentos de rejeio limitam a liberdade do filho.

Racionalizao: o fornecimento de uma explicao racional para um ato, sentimento ou pulso, apesar desta no ser o verdadeiro motivo. Ex: eu odeio uma pessoa sem motivo, ento eu passo a justificar esse sentimento, atribuindo defeitos a pessoa que justifiquem meu sentimento e aes contra ele.

Personalidade - Estrutura dos elementos essenciais em um sujeito. o modo de organizao mais profundo de um indivduo. Enquanto estrutura pode ser normal ou patolgica. Carter: o conjunto de formas comportamentais determinadas pelas influncias ambientais, sociais, e culturais, que a pessoa usa para se adaptar ao meio.

Continuar com os slides Relaes humanas.