Click here to load reader

Michella Paula Cechinel Junho de 2010 Condutas Clínicas e Terapêuticas para Redução da Letalidade da Leishmaniose Visceral: novas recomendações

  • View
    103

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Michella Paula Cechinel Junho de 2010 Condutas Clínicas e Terapêuticas para...

  • Slide 1
  • Michella Paula Cechinel Junho de 2010 Condutas Clnicas e Teraputicas para Reduo da Letalidade da Leishmaniose Visceral: novas recomendaes
  • Slide 2
  • Casos confirmados de LV no Brasil, 1980-2009* Fonte: Sinan- SVS-MS. *Dados sujeitos a reviso.
  • Slide 3
  • Letalidade de Leishmaniose Visceral - Brasil, 2001- 2009* Fonte: SVS/MS. * Dados preliminares
  • Slide 4
  • Reduzir a morbimortalidade e a letalidade da LV, atravs do diagnstico e tratamento precoce dos casos, bem como diminuir os riscos de transmisso mediante controle da populao de reservatrios e do agente transmissor OBJETIVOS DO PROGRAMA DE VIGILNCIA E CONTROLE DA LEISHMANIOSE VISCERAL
  • Slide 5
  • Slide 6
  • Revisado e aguardando impresso Guia de bolso para profissionais de sade Em reviso Guia de bolso para profissionais de sade Em reviso
  • Slide 7
  • VIGILNCIA DE CASOS HUMANOS Definio de caso suspeito: Indivduo proveniente de rea com transmisso, com febre e esplenomegalia Indivduo de rea sem transmisso, com febre e esplenomegalia, desde que descartado diagnsticos diferenciais frequentes na regio
  • Slide 8
  • Definio de caso confirmado: Critrio clnico laboratorial: Confirmao casos clinicamente suspeitos atravs de: - Encontro do parasita nos exames parasitolgicos direto e/ou cultura - Imunofluorescncia reativa com ttulo >= 1:80, desde que excludos outros diagnsticos diferenciais VIGILNCIA DE CASOS HUMANOS
  • Slide 9
  • Definio de caso confirmado: Critrio clnico epidemiolgico: - Paciente de rea com transmisso de LV, com suspeita clnica sem confirmao laboratorial, mas com resposta teraputica favorvel VIGILNCIA DE CASOS HUMANOS
  • Slide 10
  • Modelos de prognstico construdos em pacientes com menos de dois anos de idade leishmaniose visceral. Teresina, 2005-2008. Varivel Peso da varivel no modelo clnico Peso da varivel no modelo clnico e laboratorial Idade < 12 meses11 > 12 meses00 Sangramento 1-2 stios11 3-4 stios22 5-6 stios44 Edema12 Ictercia1 Dispnia11 1 AST ou ALT acima de 100 UK/L-3 Pontuao mxima1114 * Costa, DL: Fatores de prognstico na leishmaniose visceral: Alteraes clnicas e laboratoriais Associadas resposta imune, aos distrbios da coagulao e morte. Tese de doutorado, 2009.
  • Slide 11
  • As crianas com menos de dois anos que apresentarem pontuao maior ou igual a cinco tm maior risco de bito por LV
  • Slide 12
  • * Costa, CL: Fatores de prognstico na leishmaniose visceral: Alteraes clnicas e laboratoriais Associadas resposta imune, aos distrbios da coagulao e morte. Tese de doutorado, 2009. Modelo de prognstico para a morte em pacientes com mais de dois anos de idade leishmaniose visceral. Teresina, 2005-2008. * Vari vel Peso da varivel no modelo cl nico Peso da vari vel no modelo cl nico e laboratorial Idade 2-20 anos-- 20-40 anos11 >40 anos22 Sangramento 1-2 s tios 11 3-4 s tios 22 5-6 s tios 33 AIDS23 Edema11 Icter cia 11 Dispn ia 11 Infec o bacteriana 11 Leuc citos abaixo de 1500/mm3 -2 Plaquetas abaixo de 50.000/mm3-3 1 Insuficincia renal-3 Pontua o m xima 1121
  • Slide 13
  • Os pacientes com idade superior a dois anos com pontuao maior ou igual a seis apresentam risco aumentado de evoluir para bito
  • Slide 14
  • Medicamentos recomendados para o tratamento da LV Antimonial Pentavalente: Atualmente considerado frmaco de primeira escolha Nova recomendao: utiliza-se como critrio para prescrio do medicamento a contra-indicao Dose 20 mg/Kg/dia durante 30 dias, dose mxima de 3 ampolas por dia Via Intramuscular ou intravenoso
  • Slide 15
  • Contra-indicaes para utilizao de antimoniato de meglumina Insuficincia renal Insuficincia heptica Insuficincia cardaca ou alteraes eletrocardiogrficas (arritmias ou bloqueios de ramo) Regina ver trabalho de cardiologista para complementar Uso concomitante de medicamentos que alteram o intervalo QT corrigido com durao maior que 450 ms (uso de betabloqueadores, digitlicos entre outros) Transplantados Gravidez Idade maior de 50 anos Hipersensibilidade aos componentes da formulao
  • Slide 16
  • Cuidados especiais 2 x/semanaSemanalmente Eletro- cardiograma Hemograma avaliao das funes renal (uria e creatinina) pancretica (amilase e lipase) heptica (transaminases, bilirrubinas e fosfatase alcalina) Orientar a reduo da dose, suspenso da droga e/ou troca do medicamento
  • Slide 17
  • Medicamentos recomendados para o tratamento da LV Anfotericina B: Atualmente considerado frmaco de primeira escolha para grvidas e segunda escolha para os outros pacientes Contra-indicao: Insuficincia renal Hipersensibilidade aos componentes da formulao Dose 1 mg/Kg/dia durante 14 a 20 dias. Dose mxima diria de 50 mg
  • Slide 18
  • Medicamentos recomendados para o tratamento da LV Anfotericina B lipossomal: Atualmente considerado frmaco de segunda escolha Indicao: Insuficincia renal Pacientes com 50 anos ou mais Transplantados Contra-indicao: Hipersensibilidade aos componentes da formulao Dose 3 mg/Kg/dia por 7 dias ou 4 mg/kg/dia por 5 dias
  • Slide 19
  • Avanos e perspectivas
  • Slide 20
  • Poltico Leishmaniose visceral: problema sade pblica Apoio financeiro: municpios prioritrios Polticas para investimentos em pesquisas e desenvolvimento tecnolgico de alternativas diagnsticas e teraputicas, bem como, novas ferramentas de preveno e controle para as leishmanioses
  • Slide 21
  • Diagnstico laboratorial Registro e validao de Testes rpidos para LV Humano: teste imunocromatogrfico rK39 IT-LEISH validado em 2008 kalazar Detect em fase de validao Canino: em processo de validao
  • Slide 22
  • Tratamento Reviso dos Manuais e ampliao dos critrios para uso da Anfotericina B lipossomal para os pacientes com idade >= 50 anos Realizao de ensaios clnicos para avaliar a eficcia e segurana de medicamentos para LV no Pas Total gasto com pesquisa - R$ 12 milhes
  • Slide 23
  • Programa de Pesquisa e Desenvolvimento em Doenas Negligenciadas (MS/MCT) Foram elencadas como prioridade: dengue, doena de chagas, leishmaniose, hansenase, malria, esquistossomose e tuberculose. otal gasto com pesquisa - R$ 39 milhes 2 editais (2006 e 2008) 140 projetos e total gasto com pesquisa - R$ 39 milhes Edital 2006 15 projetos para as leishmanioses Edital 2008 10 projetos para leishmaniose
  • Slide 24
  • Investimentos em Pesquisas CGDEP/SVS 06 Pesquisas - 04 Pesquisas sobre LV 01 Diagnstico 02 Epidemiologia 01 - Vacina R$ 8 milhes
  • Slide 25
  • Control of Visceral Leishmaniasis in latin America a systematic review Gustavo A.S. Romero, Marleen Boelaert (Plos neglected diseases, 2010) Reviso dos estudos publicados no perodo de 1960 a novembro de 2008 Nenhum estudo multicntrico para avaliao dos medicamentos disponveis foi realizado no Brasil e foram selecionados poucos estudos, com nmero amostral reduzido
  • Slide 26
  • Investimentos em Pesquisas Finep/Decit/SVS 4 estudos multicntricos para avaliao da eficcia e segurana dos medicamentos disponveis atualmente 2 estudos multicntricos para LV avaliando: antimoniato, estibugluconato, desoxicolato de anfotericina B, anfotericina B lipossomal e associao entre antimoniato e lipossomal 1 estudo multicntrico para LT avaliando: Antimoniato de meglumina, desoxicolato de anfotericina B e isotionato de pentamidina 1 estudo comparativo entre antimoniato de meglumina e isotionato de pentamidina Total investido 4 milhes
  • Slide 27
  • Investimento em novos frmacos Realizado estudo multicntrico de fase II/III intitulado Uso da miltefosina no tratamento das leishmanioses no Brasil Resultados promissores para leishmaniose tegumentar Oficina em setembro de 2009 para avaliao dos resultados Proposta de novo estudo multicntrico para avaliao da eficcia e segurana da miltefosina no tratamento da leishmaniose tegumentar cutnea no Brasil em fase de elaborao e compra do medicamento
  • Slide 28
  • Rede de pesquisa clnica Foram selecionados 18 centros de pesquisa clnica no Brasil Os atuais centros encontram-se em reas com nmero pequeno de casos, dificultando o arrolamento de pacientes Para resolver esse problema estudos multicntricos Como proposta do MS junto ao CNPq criar a rede de pesquisa em leishmanioses
  • Slide 29
  • Perspectivas Tcnico-cientfico Medicamentos com melhor eficcia, segurana, baixo custo, facilidade de administrao e sustentabilidade Avaliar novas ferramentas para preveno e controle da LV Tcnico-gerencial Ampliar a rede de sade para diagnstico precoce e tratamento adequado dos casos humanos Integrar as aes de vigilncia e controle da LV na ateno bsica Aprimorar as aes de vigilncia da LV Uso de novas ferramentas para acompanhamento e monitoramento das aes de vigilncia da LV
  • Slide 30
  • Contatos: [email protected]; [email protected]@[email protected] Telefone: (61) 3213-8153

Search related