Mesas teraputicas e mesas saudveis-Preprint .Mesas teraputicas e mesas saudveis: Plat£o

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Mesas teraputicas e mesas saudveis-Preprint .Mesas teraputicas e mesas saudveis: Plat£o

PREPRINTacceptedforpublicationinthejournal:ARCHAI23(May-August2018))

Mesasteraputicasemesassaudveis:PlatoemdilogocomaliteraturamdicaegastronmicaTherapeutic Tables and Healthy Tables: Platonic Texts in Dialogue with Hippocratic and Gastronomic Literature

2

Carmen Soares

Universidade de Coimbra Centro de Estudos Clssicos e Humansticos

cilsoares@gmail.com

Orcid: 0000-0003-3005-4635

Resumo

Neste estudo abordamos a presena nos dilogos de Plato de duas esferas do

quotidiano correlacionadas, ambas atinentes ao domnio do cuidar do corpo (

) e ambas partilhando um mesmo campo de interveno (a comida):

a cozinha e a medicina. nosso objetivo identificar os pontos em comum e as

divergncias entre posies veiculadas pelas personagens criadas pelo filsofo e

posies apresentadas em obras cronologicamente prximas, versando sobre esses

dois domnios de especializao do conhecimento, a saber: tratados do Corpus

Hippocraticum (CH) e obras de temtica gastronmica. O tratado Da medicina antiga

encerra a chave para a nossa anlise ao estabelecer que o princpio fundador da

medicina como techne est na conceo da dieta dos doentes como um regime

distinto da dieta das pessoas saudveis. Esta distino leva-nos a indagar as

nuances de sentido que em contextos literrios, sociolgicos e tericos distintos

assumem esses dois modelos dietticos, que apelidamos de mesas teraputicas e

mesas saudveis. A nossa anlise incide sobre trechos selecionados de dilogos

platnicos (Grgias, Protgoras, Alcibades e on), do CH (Da medicina antiga, Dos

padecimentos, Aforismos, Da dieta), do poema gastronmico de Arqustrato

(Hedypatheia) e de Livros de Culinria dos scs. IV e III a.C.

Palavras-chave

Plato, Corpus Hippocraticum, cozinha, medicina, filosofia

Abstract

The focus of this paper concerns two domains of daily life related to the care of the

body ( ) cooking and medicine both sharing a common field

of intervention: food. The main goal of the inquiry is to identify points of convergence

3

and disruption concerning those technai in a comparative study of selected passages

of the Platonic dialogues and its contemporary Hippocratic treatises and gastronomic

literature. The On Ancient Medicine presented the key for our analysis, by establishing

that the founding principle of medicine as techne is to conceive the patients diet (

) as a different diet from the healthy peoples diet (

). Based on that distinction, we approached the perception of the several

nuances of meaning assumed in distinct literary, sociological and theoretical contexts

by both dietetic models (which we accordingly named therapeutic table and healthy

table). The study proceeds through the analysis of passages from the following texts:

Platos Gorgias, Protagoras, Alcibiades and Ion; Hippocratic On Ancient Medicine, On

Affections, Aphorisms and On Regimen; Archestratus Hedypatheia; Culinary Books

from the IV and III BC.

Keywords

Plato, Corpus Hippocraticum, cooking, medicine, philosophy

Introduo

Herdeiro da escola socrtica, o pensamento filosfico de Plato tem por motivo

central de reflexo o ser humano (), inserido na polis. Homem do seu

tempo, o fundador da Academia convoca para a construo da matriz filosfica

humanista dos seus escritos uma srie de debates que, contemporaneamente,

acendiam as discusses tanto em crculos intelectuais mais restritos, como em fora

populares. Dessa paleta vasta de temas na moda, elegi refletir sobre as inter-

relaes que resultam da permeabilidade de fronteiras de atuao de duas esferas do

quotidiano correlacionadas, ambas atinentes ao domnio do cuidar do corpo (

) e ambas partilhando um mesmo campo de interveno (a comida):

a cozinha e a medicina. As fontes escritas que nos chegam da poca Clssica,

cronologia alargada que contextualiza o estudo do corpus platnico, so unnimes em

evidenciar que essa aproximao entre o conhecimento do cozinheiro e o do mdico

animava a agenda dos Gregos. Helenistas como John Wilkins (2001) e Mara Jos

Garca Soler (2008) tm chamado a ateno para o tratamento que lhe foi dado no

teatro cmico. Mais recente (2015) e particularmente rico, no s pela anlise das

fontes, mas tambm pelo completo balano que faz do estado da arte, em Plato

sobretudo, o estudo de Fernando Notario (2015) Platos political cuisine.

4

Commensality, food and politics in the Platonic thought1. Como bem observa um dos

estudiosos de referncia em medicina antiga, Philipp J. Van der Eijk (2005, 14), a

filosofia at 400 a.C. no apresenta separao entre investigao terica e prtica,

conforme atesta o interesse dos pensadores desse perodo clssico rotulados de

filsofos, que tambm refletem e escrevem sobre tica, poltica, tecnologia, cincias

da natureza e domnios da doena e da cura.

Importa, por conseguinte, esclarecer que contributo novo pode a minha proposta de

anlise trazer a uma linha de pesquisa j trilhada por outros investigadores, do dilogo

entre textos filosficos, mdicos e de literatura gastronmica. O meu objetivo consiste

em apurar em que medida as convergncias e divergncias entre estes trs tipos de

textos revelam a presentificao por parte de personagens platnicas quer de teses

cientficas e de opinies populares em termos de diettica, quer da coabitao de

correntes culinrias diversas e suas analogias com a prtica mdica. No reservo para

o termo do meu estudo os resultados dessa anlise, mas apresento-os de imediato:

1. Plato veicula o princpio fundador () da medicina como (explanado no

tratado hipocrtico Da medicina antiga): o estabelecimento de um regime prprio para

os doentes ( ), distinto do das pessoas saudveis (

).

2. Plato radicaliza o retrato mdico das mesas teraputicas como espao de

secundarizao do prazer (da diversidade e quantidade) alimentar, veiculado no CH.

Assiste-se ao extremar da conceo da mesa saudvel prescrita pelo mdico (),

em contraste com a opinio communis de que as mesas da autoria do mestre de

culinria () so mesas de delcias.

3. Essa radicalizao convive com uma outra distino, entre mesas de

sobrevivncia e mesas de delcias, sendo estas ltimas conotadas com a

decadncia moral, evidente na cidade doente ( ) e ausente, por

contraste, da cidade s ( ), descritas na Repblica.

4. O confronto entre esta polarizao platnica e fragmentos sobreviventes de

literatura gastronmica sua contempornea demonstra que o filsofo apenas d

testemunho da viso negativa da alta cozinha, partilhada por um determinado setor

aristocrtico, silenciando o resgate moral que outros setores promoveriam (conflito 1 Sobre cozinha e filosofia, vd. ainda Tefler (1997), Onfray (1996, 1999), Korsmeyer (2002), Kaplan (2012) e, mais recentemente, Romeri (2015), estudo em que se defende que nos dilogos Poltico, Repblica e Leis Plato estabelece uma relao direta entre regimes alimentares e formas de governo.

5

bem evidente no poema gastronmico do poeta siciliano Arqustrato). Como a diaita

prescrita pelos mdicos tambm pode ser um produto de luxo, verificmos que Plato

ignora essa noo de alta medicina, at porque, no fundo, no se compaginava com

o seu programa de negao, alta cozinha, do estatuto de techne verdadeira.

O meu estudo estrutura-se, pois, em quatro partes, cada uma compreendendo a

reflexo que conduziu a estas concluses. Antes de passarmos a essa anlise, e

porque colocamos em dilogo fontes de autorias distintas, convm ter presente que a

leitura que propomos, sempre que assinalamos ideias convergentes entre os dilogos

de Plato e os tratados do CH, no deve ser de que se confirma, por essa via, a

influncia exercida pelos textos hipocrticos na obra do filsofo. Uma tal interpretao

demasiado redutora, pois existiram outros textos mdicos, que se perderam na longa

transmisso at ao sc. XXI. Alm de que, como bem chama a ateno Laurence

Totelin (2013, p.119-120), a oralidade foi outra forma de transmitir prticas, teorias e

vocabulrio mdico, estendendo-se o universo da cura tambm a leigos e praticantes

de uma medicina popular2. Atesta-se sim a presena inegvel da medicina na koine

cultural (intelectual e popular) da poca Clssica grega.

1. Arche cientfica da medicina: dieta de doentes versus dieta de pessoas saudveis

no tratado Da medicina antiga ( ), comumente designado VM

(De vetera medicina), que se afirma (cap. 3) estar a origem () da cincia mdica

( ) na descoberta da necessidade de diaitai diferenciadas para os

doentes e para as pessoas saudveis, diaitai respetivamente denominadas no cap. 8

de e de . O estilo de vida () tem

por pilares o que se come e bebe, a que justamente se pode chamar de dieta

alimentar, mas inclui ainda outros aspetos da vida ( , VM 3.1).

Um dos textos hipocrticos em que mais detalhadamente se apresenta o sentido

holstico de diaita precisamente o Da dieta ( ). Os domnios fundamentais

do modo de vida so trs, devendo juntar-se aos dois anteriores o exerccio fsico3.

Contudo nos alimentos, naquilo que, por se ingerir, imediatamente interfere com o

corpo, que o foco das atene