of 10/10
Simulado/2010 CNSG 3º Ano Ensino Médio Bloco II_1 Pág. 1/10 Data: 04/03/2010 LITERATURA Profª Rossana Silva (Fatec) TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO A Mulher Sentada Mulher-mulher e pombos. Mulher entre sonhos. Nuvens nos seus olhos? Nuvens sobre seus cabelos. (A visita espera na sala; a notícia, no telefone; a morte cresce na hora, a primavera, além da janela.) Mulher sentada. Tranquila Na sala, como se voasse. (João Cabral de Melo Neto) 01. Sobre o poema, pode-se afirmar que A) é a expressão evidente de uma tendência do Modernismo brasileiro: o gosto pelo som, a letra impressa, a superfície da página. B) caracteriza um tipo de poesia espiritualista e religiosa produzida pelos poetas da Geração de 45, da qual também faziam parte Jorge de Lima e Vinícius de Morais. C) se identifica ao Surrealismo, tendência moderna em que se ativa o inconsciente, o irracional, o sonho, e em que a plasticidade das imagens sobrepõe-se ao discursivo. D) se liga a uma corrente primitivista do Modernismo brasileiro, que representa uma espécie de tomada de consciência do estado puro e ingênuo do país e de seus habitantes. E) apesar de ser poesia do Modernismo brasileiro, revela uma propensão pela volta aos ideais simbolistas, visível especialmente no gosto pelo etéreo, pelo mistério, pelas impressões sensoriais. (Pucsp) TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO Iria morrer, quem sabe naquela noite mesmo? E que tinha ele feito de sua vida? Nada. Levara toda ela atrás da miragem de estudar a pátria, por amá-la e querê-la muito, no intuito de contribuir para a sua felicidade e prosperidade. Gastara a sua mocidade nisso, a sua virilidade também; e, agora que estava na velhice, como ela o recompensava, como ela o premiava, como ela o condecorava? Matando-o. E o que não deixara de ver, de gozar, de fruir, na sua vida? Tudo. Não brincara, não pandegara, não amara - todo esse lado da existência que parece fugir um pouco à sua tristeza necessária, ele não vira, ele não provara, ele não experimentara. Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades. Que lhe importavam os rios? Eram grandes? Pois se fossem... Em que lhe contribuiria para a felicidade saber o nome dos heróis do Brasil? Em nada... O importante é que ele tivesse sido feliz. Foi? Não. Lembrou-se das suas causas de tupi, do folklore, das suas tentativas agrícolas... Restava disso tudo em sua alma uma satisfação? Nenhuma! Nenhuma! Lima Barreto 02. O trecho acima pertence ao romance O triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto. Da personagem que dá título ao romance, podemos afirmar que: A) foi um nacionalista extremado, mas nunca estudou com afinco as coisas brasileiras. B) perpetrou seu suicídio, porque se sentia decepcionado com a realidade brasileira. C) defendeu os valores nacionais, brigou por eles a vida toda e foi condenado à morte justamente pelos valores que defendia. D) foi considerado traidor da pátria, porque participou da conspiração contra Floriano Peixoto. E) era um louco e, por isso, não foi levado a sério pelas pessoas que o cercavam. (Faap) TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO Quando Pedro I lança aos ecos o seu grito histórico e o país desperta esturvinhado à crise de uma mudança de dono, o caboclo ergue-se, espia e acocora-se, de novo. Pelo 13 de maio, mal esvoaça o florido decreto da Princesa e o negro exausto larga num uf! o cabo da enxada, o caboclo olha, coça a cabeça, imagina e deixa que do velho mundo venha quem nele pegue de novo. A 15 de novembro troca-se um trono vitalício pela cadeira quadrienal. O país bestifica-se ante o inopinado da mudança. O caboclo não dá pela coisa. Vem Floriano: estouram as granadas de Custódio; Gumercindo bate às portas de Roma; Incitatus derranca o país. O caboclo continua de cócoras, a modorrar... Nada o desperta. Nenhuma ferretoada o põe de pé. Social, como individualmente, em todos os atos da vida, Jeca antes de agir, acocora-se. Monteiro Lobato 03. Sobre Monteiro Lobato não procede a seguinte afirmação: A) Nasceu em Taubaté e morreu em São Paulo. Advogado, Promotor Público. Fundou a Companhia de Petróleos do Brasil. B) Inovador quando defende a arte de Anita Malfatti em famoso artigo publicado pelo Estado: "Paranóia ou Mistificação". C) Avançado quando satiriza o purismo da linguagem no conto também famoso: "O Colocador de Pronomes" D) Promoveu campanhas nacionais em favor do ferro e petróleo: Preso pelo Governo Vargas em 1941, exila-se na Argentina. E) Crítico veemente do sistema agrícola brasileiro na figura de Jeca Tatu, símbolo da miséria e do atraso a que foram relegados nossos caipiras. 3º Ano Ensino Médio

LITERATURA Profª Rossana Silva 02. Policarpo Quaresma · Que movimento de vanguarda apresenta essa característica? A) Futurismo. B) Dadaísmo. C) Expressionismo. D) Surrealismo

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of LITERATURA Profª Rossana Silva 02. Policarpo Quaresma · Que movimento de vanguarda apresenta essa...

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 1/10 Data: 04/03/2010

    LITERATURA Prof Rossana Silva

    (Fatec) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO

    A Mulher Sentada

    Mulher-mulher e pombos.

    Mulher entre sonhos.

    Nuvens nos seus olhos?

    Nuvens sobre seus cabelos.

    (A visita espera na sala;

    a notcia, no telefone;

    a morte cresce na hora,

    a primavera, alm da janela.)

    Mulher sentada. Tranquila

    Na sala, como se voasse.

    (Joo Cabral de Melo Neto)

    01. Sobre o poema, pode-se afirmar que

    A) a expresso evidente de uma tendncia do Modernismo brasileiro: o gosto pelo som, a letra impressa, a superfcie da pgina.

    B) caracteriza um tipo de poesia espiritualista e religiosa produzida pelos poetas da Gerao de 45, da qual tambm faziam parte Jorge de Lima e Vincius de Morais.

    C) se identifica ao Surrealismo, tendncia moderna em que se ativa o inconsciente, o irracional, o sonho, e em que a plasticidade das imagens sobrepe-se ao discursivo.

    D) se liga a uma corrente primitivista do Modernismo brasileiro, que representa uma espcie de tomada de conscincia do estado puro e ingnuo do pas e de seus habitantes.

    E) apesar de ser poesia do Modernismo brasileiro, revela uma propenso pela volta aos ideais simbolistas, visvel especialmente no gosto pelo etreo, pelo mistrio, pelas impresses sensoriais.

    (Pucsp) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO

    Iria morrer, quem sabe naquela noite mesmo? E que tinha ele feito de sua vida? Nada. Levara toda ela atrs da miragem de estudar a ptria, por am-la e quer-la muito, no intuito de contribuir para a sua felicidade e prosperidade. Gastara a sua mocidade nisso, a sua virilidade tambm; e, agora que estava na velhice, como ela o recompensava, como ela o premiava, como ela o condecorava? Matando-o. E o que no deixara de ver, de gozar, de fruir, na sua vida? Tudo. No brincara, no pandegara, no amara - todo esse lado da existncia que parece fugir um pouco sua tristeza necessria, ele no vira, ele no provara, ele no experimentara.

    Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades. Que lhe importavam os rios? Eram grandes? Pois se fossem... Em que lhe contribuiria para a felicidade saber o nome dos heris do Brasil? Em nada... O importante que ele tivesse sido feliz. Foi? No. Lembrou-se das suas causas de tupi, do folklore, das suas tentativas agrcolas... Restava disso tudo em sua alma uma satisfao? Nenhuma! Nenhuma!

    Lima Barreto

    02. O trecho acima pertence ao romance O triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto. Da personagem que d ttulo ao romance, podemos afirmar que:

    A) foi um nacionalista extremado, mas nunca estudou com afinco as coisas brasileiras.

    B) perpetrou seu suicdio, porque se sentia decepcionado com a realidade brasileira.

    C) defendeu os valores nacionais, brigou por eles a vida toda e foi condenado morte justamente pelos valores que defendia.

    D) foi considerado traidor da ptria, porque participou da conspirao contra Floriano Peixoto.

    E) era um louco e, por isso, no foi levado a srio pelas pessoas que o cercavam.

    (Faap) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO

    Quando Pedro I lana aos ecos o seu grito histrico e o pas desperta esturvinhado crise de uma mudana de dono, o caboclo ergue-se, espia e acocora-se, de novo.

    Pelo 13 de maio, mal esvoaa o florido decreto da Princesa e o negro exausto larga num uf! o cabo da enxada, o caboclo olha, coa a cabea, imagina e deixa que do velho mundo venha quem nele pegue de novo.

    A 15 de novembro troca-se um trono vitalcio pela cadeira quadrienal. O pas bestifica-se ante o inopinado da mudana. O caboclo no d pela coisa.

    Vem Floriano: estouram as granadas de Custdio; Gumercindo bate s portas de Roma; Incitatus derranca o pas. O caboclo continua de ccoras, a modorrar...

    Nada o desperta. Nenhuma ferretoada o pe de p. Social, como individualmente, em todos os atos da vida, Jeca antes de agir, acocora-se.

    Monteiro Lobato

    03. Sobre Monteiro Lobato no procede a seguinte afirmao:

    A) Nasceu em Taubat e morreu em So Paulo. Advogado, Promotor Pblico. Fundou a Companhia de Petrleos do Brasil.

    B) Inovador quando defende a arte de Anita Malfatti em famoso artigo publicado pelo Estado: "Parania ou Mistificao".

    C) Avanado quando satiriza o purismo da linguagem no conto tambm famoso: "O Colocador de Pronomes"

    D) Promoveu campanhas nacionais em favor do ferro e petrleo: Preso pelo Governo Vargas em 1941, exila-se na Argentina.

    E) Crtico veemente do sistema agrcola brasileiro na figura de Jeca Tatu, smbolo da misria e do atraso a que foram relegados nossos caipiras.

    3 Ano

    Ensino Mdio

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 2/10 Data: 04/03/2010

    (Unirio) TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO

    Potica

    De manh escureo

    De dia tardo

    De tarde anoiteo

    De noite ardo.

    A oeste a morte

    Contra quem vivo

    Do sul cativo

    A oeste meu norte.

    Quero que contem

    Passo por passo

    Eu morro ontem

    Naso amanh

    Ando onde h espao:

    - Meu tempo quando.

    (Ceclia Meireles)

    04. O poema estrutura-se numa quebra da lgica externa. Que movimento de vanguarda apresenta essa caracterstica?

    A) Futurismo.

    B) Dadasmo.

    C) Expressionismo.

    D) Surrealismo.

    E) Cubismo.

    05. (Pucrs) Associar a "Conscincia Humana" imagem de um "morcego", assim como fazer poesia sobre o "verme", ou afirmar que o homem, por viver "entre as feras", tambm sente necessidade "de ser fera" so algumas das imagens poticas de __________. Apesar das crticas contundentes de que foi alvo, o poeta, muito distante da obsesso __________ pela forma, ou da sugesto das imagens __________, j revelava, a seu tempo, elementos de modernidade.

    A) Cruz e Souza - simbolista - parnasianas

    B) Augusto dos Anjos - parnasiana - simbolistas

    C) Alphonsus Guimaraens - parnasiana - realistas

    D) Cruz e Souza - romntica - parnasianas

    E) Augusto dos Anjos - simbolista - parnasianas

    06. (Pucrs) Autores como ________, ________ e ________, contemporneos de Euclides da Cunha, apresentaram novas facetas da realidade brasileira, produzindo, respectivamente, romances que discutem temas tais como: a imigrao alem, os costumes urbanos e o universo rural.

    A) Simes Lopes Neto Raul Pompia Lima Barreto

    B) Graa Aranha Lima Barreto Monteiro Lobato

    C) Monteiro Lobato Lima Barreto Graa Aranha

    D) Raul Pompia Guimares Rosa Monteiro Lobato

    E) Graa Aranha Raul Pompia Guimares Rosa

    07. (Uel) Nas duas primeiras dcadas de nosso sculo, as obras de Euclides da Cunha e de Lima Barreto, to diferentes entre si, tm como elemento comum

    A) a inteno de retratar o Brasil de modo otimista e idealizante.

    B) a adoo da linguagem coloquial das camadas populares do serto.

    C) a expresso de aspectos at ento negligenciados da realidade brasileira.

    D) a prtica de um experimentalismo lingstico radical.

    E) o estilo conservador do antigo regionalismo romntico.

    08. (Uel) Assinale a alternativa INCORRETA sobre o Pr-Modernismo:

    A) No se caracterizou como uma escola literria com princpios estticos bem delimitados, mas como um perodo de prefigurao das inovaes temticas e lingsticas do Modernismo.

    B) Algumas correntes de vanguarda do incio do sculo XX, como o Futurismo e o Cubismo, exerceram grande influncia sobre nossos escritores pr-modernistas, sobretudo na poesia.

    C) Tanto Lima Barreto quanto Monteiro Lobato so nomes significativos da literatura pr-modernista produzida nos primeiros anos do sculo XX, pois problematizam a realidade cultural e social do Brasil.

    D) Euclides da Cunha, com a obra "Os Sertes", ultrapassa o relato meramente documental da batalha de Canudos para fixar-se em problemas humanos e revelar a face trgica da nao brasileira.

    E) Nos romances de Lima Barreto observa-se, alm da crtica social, a crtica ao academicismo e linguagem empolada e vazia dos parnasianos, trao que revela a postura moderna do escritor.

    09. (Ufrs) correto afirmar que Augusto dos Anjos foi o poeta do

    A) pessimismo aliado cincia que acusava a degradao humana mediante associaes e comparaes com processos qumicos e biolgicos.

    B) cientificismo triunfante que, aliado idia de progresso, marcou boa parte da lrica contempornea aos primeiros anos da Repblica.

    C) pessimismo acusatrio que denunciou o latifndio e a poltica oligrquica, reproduzindo na poesia as preocupaes e temas de Lima Barreto.

    D) esteticismo que depurava a forma de seus sonetos perfeio, sem jamais fazer concesses a temas considerados prosaicos ou de mau gosto.

    E) cientificismo militante disposto a abranger temas como o clculo algbrico, a crtica literria e arquitetura para retirar o carter subjetivo da poesia.

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 3/10 Data: 04/03/2010

    10. (Ufsm) Leia o soneto a seguir.

    Psicologia de um vencido

    Eu, filho do carbono e do amonaco,

    Monstro de escurido e rutilncia,

    Sofro, desde a epignesis da infncia,

    A influncia m dos signos do zodaco.

    Profundissimamente hipocondraco,

    Este ambiente me causa repugnncia...

    Sobe-me boca uma nsia anloga nsia

    Que se escapa da boca de um cardaco.

    J o verme - este operrio das runas -

    Que o sangue podre das carnificinas

    Come, e vida em geral declara guerra,

    Anda a espreitar meus olhos para ro-los,

    E h-de deixar-me apenas os cabelos,

    Na frialdade inorgnica da terra!

    Augusto dos Anjos, "Eu", Rio de Janeiro, Livr. So Jos, 1965.

    A partir desse soneto, correto afirmar:

    I. Ao se definir como filho do carbono e do amonaco, o eu lrico desce ao limite inferior da materialidade biolgica pois, pensando em termos de tomos (carbono) e molculas (amonaco), que so estudados pela Qumica, constata-se uma dimenso onde no existe qualquer resqucio de alma ou de esprito.

    II. O amonaco, no soneto, uma metfora de alma, pois, segundo o eu lrico, o homem composto de corpo (carbono) e alma (amonaco) e, no fim da vida, o corpo (orgnico) acaba, apodrece, enquanto a alma (inorgnica) mantm-se intacta.

    III. O soneto principia descrevendo as origens da vida e termina descrevendo o destino final do ser humano; retrata o ciclo da vida e da morte, permeado de dor, de sofrimento e da presena constante e ameaadora da morte inevitvel.

    Est(o) correta(s)

    A) apenas II.

    B) apenas III.

    C) apenas I e II.

    D) apenas I e III.

    E) apenas II e III.

    FSICOQUMICA Prof. Jos Roberto

    11. (Uerj) Para evitar a proliferao do mosquito causador da dengue, recomenda-se colocar, nos pratos das plantas, uma pequena quantidade de gua sanitria de uso domstico. Esse produto consiste em uma soluo aquosa diluda de hipoclorito de sdio, cuja concentrao adequada, para essa finalidade, igual a 0,1 mol/L.

    Para o preparo de 500 mL da soluo a ser colocada nos pratos, a massa de hipoclorito de sdio necessria , em gramas, aproximadamente igual a: Dados: Na = 23u; Cl = 35,5u; O = 16u.

    A) 3,7

    B) 4,5

    C) 5,3

    D) 6,1

    12. (Unesp) Com o objetivo de diminuir a incidncia de cries na populao, em muitas cidades adiciona-se fluoreto de sdio gua distribuda pelas estaes de tratamento, de modo a obter uma concentrao de 2,0 105 mol . L1. Com base neste valor e dadas as massas molares em g.mol1: F = 19 e Na = 23, podemos dizer que a massa do sal contida em 500 mL desta soluo :

    A) 4,2 101 g.

    B) 8,4 101 g.

    C) 4,2 104 g.

    D) 6,1 104 g.

    E) 8,4 104 g.

    13. (Unesp) O teor de vitamina C em uma determinada bebida de soja com sabor morango foi determinado como sendo de 30 mg em uma poro de 200 mL. Dada a massa molar da vitamina C, 176 g.mol1, qual a sua concentrao nessa bebida, em mmol L1?

    A) 0,15.

    B) 0,17.

    C) 0,85.

    D) 8,5.

    E) 17.

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 4/10 Data: 04/03/2010

    14. (Puc-rio) Observe o grfico a seguir.

    A quantidade de clorato de sdio capaz de atingir a saturao em 500 g de gua na temperatura de 60 C, em grama, APROXIMADAMENTE IGUAL A:

    A) 70

    B) 140

    C) 210

    D) 480

    E) 700

    15. (Fuvest) Azeite e vinagre, quando misturados, separam-se logo em duas camadas. Porm, adicionando-se gema de ovo e agitando-se a mistura, obtm-se a maionese, que uma disperso coloidal. Nesse caso, a gema de ovo atua como um agente

    A) emulsificador.

    B) hidrolisante.

    C) oxidante.

    D) redutor.

    E) catalisador.

    QUMICA ORGNICA Prof. Edson Barros

    16. (Ufes-ES) O ch da planta 'Bidens pilosa', conhecida vulgarmente pelo nome de pico, usado para combater ictercia de recm-nascidos. Das folhas dessa planta, extrada uma substncia qumica, cujo nome oficial 1-fenilepta-1,3,5-triino e cuja estrutura apresentada a seguir. Essa substncia possui propriedades antimicrobianas e, quando irradiada com luz ultravioleta, apresenta atividade contra larvas de mosquitos e nematides.

    Sobre a estrutura dessa substncia, pode-se afirmar que

    A) possui 12 tomos de carbono com hibridizao sp2.

    B) possui 12 ligaes carbono-carbono.

    C) no possui carbonos com hibridizao sp3.

    D) possui 3 tomos de carbono com hibridizao sp.

    E) possui 9 ligaes carbono-carbono.

    17. (Ufpel-RS) O Mescal uma planta da famlia das Cactceas, nativa do Mxico, usada pela populao de certas partes do pas como alucingeno, em rituais religiosos primitivos. O efeito alucingeno dessa planta decorrente de um alcalide conhecido como mescalina. Observe sua estrutura:

    Sobre a mescalina, correto afirmar que

    I. tem frmula molecular C11H17O3N.

    II. tem na sua estrutura carbonos primrios e quaternrios.

    III. tem hibridao do tipo sp3sp3 nos carbonos do anel benznico.

    Est(o) correta(s)

    A) todas as afirmativas.

    B) as afirmativas I e II.

    C) as afirmativas II e III.

    D) as afirmativas I e III.

    E) somente a afirmativa I.

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 5/10 Data: 04/03/2010

    18. (Ufrrj-RJ) A estrutura do Geraniol, precursor de um aromatizante com odor de rosas, est colocada a seguir.

    Em relao molcula, pode-se afirmar que

    A) apresenta 30 ligaes sigmas () e 2 pi ().

    B) um hidrocarboneto de cadeia insaturada.

    C) os carbonos trs e quatro da cadeia principal apresentam hibridaes sp3 e sp2, respectivamente.

    D) dos dez carbonos, quatro so trigonais e seis so tetradricos.

    E) apresenta cadeia acclica, ramificada, heterognea e insaturada.

    19. (UfscarSP) Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais.

    material massa (g) volume (mL,

    a 20 oC)

    temperatura de fuso

    (oC)

    Temperatura de ebulio

    (oC)

    X 115 100 80 218

    Y 174 100 650 1120

    Z 0,13 100 219 183

    T 74 100 57 a 51 115 a 120

    W 100 100 0 100

    A respeito desses materiais, podese afirmar que:

    A) a 20 oC, os materiais X e Y esto no estado lquido.

    B) a 20 oC, apenas o material Z est no estado gasoso.

    C) os materiais Z, T e W so substncias.

    D) os materiais Y e T so misturas.

    E) se o material Y no for solvel em W, ento ele dever flutuar se for adicionado a um recipiente contendo o material W, ambos a 20 oC.

    20. (UCDBMS) Considere as seguintes afirmaes:

    I. Rutherford props um modelo atmico no qual os tomos seriam constitudos por um ncleo muito denso e carregado positivamente, onde praticamente toda a massa estaria concentrada. Ao redor do ncleo, estariam distribudos os eltrons.

    II. No modelo de RutherfordBohr os eltrons encontramse em rbitas circulares ao redor do ncleo; os eltrons podem ocupar somente rbitas com determinadas quantidades de energia.

    III. Se um eltron passa de uma camada para outra mais afastada do ncleo, ocorre absoro de energia.

    A) Todas esto corretas.

    B) Somente I e III esto corretas.

    C) Somente II e III esto corretas.

    D) Somente I est correta.

    E) Somente I e II esto corretas.

    GEOGRAFIA GERAL Prof. Giovani Seixas

    21. (FAAP) Os principais tipos de concentrao de empresas so:

    I. Trustes - unio de diversas empresas com o objetivo de exercerem o controle das fontes de matrias-primas e de todas as fases da produo e distribuio do produto para o mercado consumidor.

    II. Cartis - acordos comerciais entre as empresas que conservam, cada uma, a sua autonomia, mas se unem para a diviso de cotas de produo, ou seja, a quantidade de mercadorias que cada uma vai produzir para a diviso de mercados consumidores e determinao do preo dos produtos que vendem. A tendncia das empresas que no pertencem ao cartel a falncia.

    III. Holdings - associao de vrias empresas sob o controle de uma empresa central. Essa empresa central possui a maioria das aes associadas.

    IV. Dumping - recurso adotado pelos cartis com o objetivo de afastar do mercado as empresas no-cartelizadas. Para isso, cria-se um fundo de reserva que obtido acrescentando-se um valor de 2% sobre o preo de venda do produto. Esse fundo passa a ser usado para manter uma verdadeira "guerra comercial" com a empresa no-cartelizada.

    Escolha a alternativa com apoio no seguinte cdigo:

    A) desde que estejam corretas apenas as afirmaes I e III.

    B) desde que estejam corretas apenas as afirmaes II e IV.

    C) desde que todas estejam corretas.

    D) desde que todas estejam erradas.

    E) desde que esteja correta apenas a afirmao I.

    22. (FUVEST) A questo refere-se s fuses e aquisies, conforme os quadros a seguir.

    A anlise desses quadros permite concluir que essas fuses e aquisies

    A) tendem a ocorrer em poucos lugares do mundo.

    B) caracterizam a fase do capitalismo financeiro.

    C) ocorrem por meio de autorizaes dos governos dos pases- sedes.

    D) envolvem um montante de capital na Amrica Latina superior ao dos EUA.

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 6/10 Data: 04/03/2010

    23. (UFPE) Em relao aos sistemas econmicos, Capitalismo e Socialismo, NO CORRETO afirmar:

    A) a Economia Capitalista est sempre voltada para a venda de produtos e servios, isto , para o mercado;

    B) pases como o Brasil e os Estados Unidos possuem uma economia planificada;

    C) apenas no sculo XX foram instalados Governos Socialistas;

    D) o princpio bsico do Capitalismo a propriedade privada e os meios de produo;

    E) a escassez de produtos essenciais foi um dos fatores da intensa crise que ocasionou a desintegrao da URSS, no final de 1991.

    24. (UFC) Sobre as grandes questes terico-metodolgicas da Geografia e as relaes entre a sociedade e a natureza, possvel afirmar, de modo correto, que:

    A) a discusso sobre a influncia da natureza na sociedade esteve sempre ausente na geografia, eclodindo na atualidade graas exausto dos recursos naturais que expe a humanidade ao risco de extino.

    B) a escola ratzeliana da geografia, conhecida como determinista, defendia a teoria do domnio da sociedade sobre a natureza, atravs do uso da cincia e da tecnologia adaptadas aos gneros de vida das civilizaes.

    C) a teoria possibilista de La Blache, defendendo a capacidade de controle da natureza pela sociedade, contribuiu para o desenvolvimento e a independncia poltica das colnias europias na frica e sia, no incio do sculo XX.

    D) o conhecimento geogrfico da natureza e da sociedade e o desenvolvimento tecnolgico, colocados a servio das minorias, asseguraram a eliminao dos contrastes econmicos, sociais e espaciais no mundo desenvolvido.

    E) a construo e o desenvolvimento da cincia geogrfica resultaram da necessidade de a sociedade conhecer e comandar sua existncia e mobilidade, no tempo e no espao, asseguradas pelo uso dos recursos da natureza.

    25. Analise a tabela.

    POTNCIAS MUNDIAIS

    645,001.159147,417.075.400Rssia

    2.943,70243126,3377.750Japo

    1.321,1035958,7547.026Frana

    3.837,802.8201.255,79.596.961China

    1.780,3033482,1357.050Alemanha

    dlares)

    de milhes(

    PPCPIB

    )milhares(

    armadas

    Foras

    )milhes(

    Populao

    )km(

    reaPas

    2

    Fonte: Ltat du Monde, 2002.

    Com base nos dados da tabela, CORRETO afirmar que

    A) a Rssia, integrante da Comunidade dos Estados Independentes, o primeiro pas desse grupo de potncias, no que se refere ao PIB.

    B) a Frana, pas integrante da Unio Europia, o menos populoso, enquanto suas foras armadas tm o segundo contingente.

    C) a grande representatividade, em termos quantitativos, da China, que detm o maior exrcito e a maior populao.

    D) a Alemanha, com elevado crescimento cientfico e tecnolgico, ocupa o quarto lugar no produto interno bruto.

    GEOGRAFIA DO BRASIL Prof. Jos Cludio

    26. (IFPA) Durante o Estado Novo (1937-1945), foram criadas as bases necessrias para o desenvolvimento industrial brasileiro a partir dos anos 50. O Estado tornou-se o grande investidor na indstria de base, criando empresas que foram fundamentais para o surto industrial posterior. Entre essas empresas, destacamos o (a):

    A) Eletrobras

    B) Banco Central

    C) Companhia Siderrgica Nacional

    D) Banco do Brasil

    E) Petrobras

    27. (Unifor) A questo est relacionada aos mapas e s afirmaes a seguir.

    (Herv Thry e Neli Aparecida de Mello. Atlas do Brasil.

    So Paulo: Edusp, 2005.p. 159)

    I. As novas unidades produtivas implantadas fora do Sudeste no conseguiram diminuir as diferenas regionais de industrializao.

    II. Com a redistribuio das indstrias automobilsticas, So Paulo perdeu a liderana nacional no quesito pessoal empregado na indstria.

    III. H uma verdadeira guerra fiscal entre os estados e inmeras empresas so atradas para outras regies do pas.

    IV. Vrios tecnoplos foram implantados no Nordeste, associados indstria automobilstica.

    A leitura dos mapas e os conhecimentos sobre a dinmica industrial brasileira permitem afirmar que esto corretos SOMENTE

    A) I e II. C) I e IV. E) III e IV.

    B) I e III. D) II e III.

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 7/10 Data: 04/03/2010

    28. (Fdels) "Em 1844, visando aumentar a renda do Estado, em um momento de consolidao do sistema imperial, o liberalismo alfandegrio foi abandonado em prol do protecionismo aduaneiro (...) A nova lei - denominada Tarifa Alves Branco - estabeleceu que os tributos sobre os produtos importados subiriam de 15% para 30% (caso no houvesse similar nacional) ou 60% (caso o artigo fosse produzido no pas)."

    A Tarifa Alves Branco permitiu a (o):

    A) Modernizao da navegao de cabotagem no centro-sul do pas.

    B) Reduo dos investimentos do Imprio no setor algodoeiro maranhense.

    C) Investimentos pblicos na lavoura de caf no sul mineiro.

    D) Desenvolvimento do escravismo no sul do pas.

    E) Desenvolvimento de indstrias no pas.

    29. (Fgv) Vai minha tristeza/ E diz a ela que sem ela no pode ser/ Diz-lhe numa prece/ Que ela regresse/ Porque no posso mais sofrer/ Chega de saudade/ A realidade que sem ela/ No h paz/ No h beleza/ s tristeza e a melancolia/ Que no sai de mim/ No sai de mim/ No sai.

    Chega de Saudade, Tom Jobim e Vincius de Moraes

    Esse o trecho de uma das principais canes da bossa nova, gnero que renovou a msica brasileira. Nessa poca, vivia-se uma fase de otimismo no pas. Altos ndices anuais de crescimento econmico, grandes obras pblicas, estabelecimento de empresas estrangeiras, manuteno da estabilidade poltica pelo presidente eleito e significativas conquistas esportivas em competies internacionais eram caractersticas:

    A) do governo do Garrastazu Mdici e do chamado Milagre Brasileiro;

    B) do governo de Joo Goulart e da implementao das Reformas de Base;

    C) do governo de Getlio Vargas e da poltica de substituio de importaes;

    D) do governo de Jnio Quadros e da desnacionalizao da economia;

    E) do governo de Juscelino Kubitschek e do chamado Nacional Desenvolvimentismo.

    30. (Uerj)

    As propagandas acima, publicadas na revista O Cruzeiro, no perodo de 1954 a 1964, apresentam bens de consumo que estavam sendo incorporados ao cotidiano de parte da populao brasileira.

    Esses novos padres de consumo foram favorecidos pelo incentivo do Estado brasileiro :

    A) produo de bens durveis

    B) pesquisa tecnolgica nacional

    C) implantao da indstria pesada

    D) fixao dos preos das mercadorias

    FSICA Prof. Joel Silva

    31. Considere 4 esferas metlicas idnticas ligadas por fios isolantes a um suporte fixo, como ilustrado no diagrama:

    Suponha que a esfera A tenha sido tocada por um corpo carregado negativamente. Agora observamos que:

    I. Quando a esfera A fica prximo de cada esfera (uma de cada vez), B, C e D so cada uma atrada por A.

    II. B e C no tm efeito uma sobre a outra.

    III. B e C so ambas atradas por D.

    A partir da anlise de I, II e III, podemos afirmar que a carga sobre as esferas A, B, C, D , respectivamente:

    A) negativa; positiva; neutra; positiva.

    B) positiva; neutra; positiva; negativa.

    C) negativa; negativa; negativa; positiva.

    D) neutra; neutra; negativa; neutra.

    E) negativa; neutra; neutra; positiva.

    32. Considere duas esferas idnticas que possuem cargas +Q e 2Q separadas por uma distncia d = 2m. Se as esferas forem postas em contato, adquiriro novas cargas. A seguir as esferas so separadas pela mesma distncia d = 2m. Sabendo que Q = 4,0C e que a constante eletrosttica igual a 9.10+9 N.m2/C2, pode-se afirmar que a razo entre as intensidades das foras eltricas entre as esferas, antes e depois do

    contato, isto , F antes do contato / F depois do contato,

    vale:

    A) + 1/8 D) + 1/4

    B) + 2 E) + 8

    C) + 4

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 8/10 Data: 04/03/2010

    33. Considere quatro condutores esfricos idnticos (A, B, C e D). Inicialmente, o condutor A est com carga QA = 16 C e os outros trs, descarregados. Ento, o condutor A colocado em contato com o condutor B; em seguida, colocase o condutor A em contato com o condutor C; e, por fim, colocase o condutor A em contato com o condutor D. A configurao final de cargas nos quatro condutores :

    A) QA = 1 C, QB = 7 C, QC = 6 C, QD = 2 C

    B) QA = 2 C, QB = 8 C, QC = 4 C, QD = 2 C

    C) QA = 3 C, QB = 7 C, QC = 4 C, QD = 2 C

    D) QA = 4 C, QB = 8 C, QC = 2 C, QD = 2 C

    E) QA = 5 C, QB = 7 C, QC = 2 C, QD = 2 C

    34. Duas partculas carregadas com cargas q1 = q2 = q (q > 0) e massas iguais a m esto a alturas h1 e h2, respectivamente, em relao superfcie da Terra, onde o campo eltrico tem intensidade de 150 V/m e aponta verticalmente para baixo, como mostra a figura abaixo. Suponha que as partculas so abandonadas e considerando a razo m/ q = 30kg /C , a resistncia do ar desprezvel, pode-se afirmar que a razo h1/h2, tal que as partculas cheguem superfcie da Terra com velocidades iguais, vale:

    35. O diagrama abaixo representa as linhas de fora do campo eltrico e equipotenciais associadas a uma distribuio esttica de cargas.

    Os pontos 1, 2 e 3 esto todos localizados em y = 0,6m. Com base nestas informaes, correto afirmar que:

    A) Dentre os trs pontos 3, 2 e 1, o mdulo do campo eltrico maior no ponto 3.

    B) Dentre os trs pontos 1, 2 e 3, o potencial eltrico maior no ponto 1.

    C) Um eltron liberado em repouso no ponto 2 deslocar-se- para a direita de 2 com velocidade crescente.

    D) Se um eltron se deslocar sobre a equipotencial do ponto 4 ao ponto 5, o trabalho realizado pela fora eltrica diferente de zero.

    E) Suponha uma diferena de potencial igual a 20 V entre os pontos 1 e 2; ento, o mdulo aproximado do campo eltrico, considerado constante, igual a 10 V/m.

    36. (VunespSP) Na figura, o ponto P est equidistante das cargas fixas +Q e Q. Qual dos vetores indica a direo e o sentido do campo eltrico em P, devido a essas cargas?

    A) A

    B) B

    C) C

    D) D

    E) E

    37. (FEI-SP) Duas cargas puntiformes Q1 = +6 C e Q2 = 2 C esto separadas por uma distncia d. Assinale a alternativa que melhor represente as linhas de fora entre Q1 e Q2.

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 9/10 Data: 04/03/2010

    38. Considere que duas cargas eltricas pontuais de cargas +2C e 2C esto situadas sobre a mesma linha e separadas por 6m. Assinale a alternativa que apresenta o valor, em Joule, do trabalho realizado pelo campo eltrico sobre um eltron, localizado inicialmente no ponto mdio entre as cargas, para lev-lo at um ponto distante 3m da carga negativa sobre a mesma linha das cargas.

    Dados: k = 9 x 109 N.m2/C2 (constante eletrosttica do vcuo).

    e = 1,6 x 1019 C (carga elementar)

    A) 3,2 x 1022 J

    B) 6,4 x 1016 J

    C) 3,2 x 1016 J

    D) 6,4 x 1022 J

    E) 1,6 x 1022 J

    39. (FESP-SP) Considere as afirmaes a seguir:

    I. Percorrendose uma linha de fora no seu sentido, o potencial eltrico, ao longo de seus pontos, aumenta.

    II. As linhas de fora so paralelas s superfcies equipotenciais.

    III. Num campo eltrico uniforme, as superfcies equipotenciais so esfricas e concntricas.

    So corretas:

    A) I C) I e II E) nenhuma

    B) II D) todas

    40. (UFPE) Um prton acelerado a partir do repouso por uma diferena de potencial de 107 V. Sua massa e carga eltrica so, respectivamente, 1,7 . 1027 kg e 1,6 . 1019 C. A energia cintica final adquirida pelo prton , em joules:

    A) 1,6 . 1019

    B) 1,6 . 1027

    C) 1,6 . 1015

    D) 1,6 . 108

    E) 1,6 . 1012

    ESPANHOL Prof. Luciana Plcido

    Para responder s questes de nmeros 41 a 42, baseie-se na leitura do texto Usted es feliz o muy feliz?

    Usted es feliz o muy feliz?

    Marcel ya pasa de los 50 (la esperanza de vida en Chad para los hombres es de 46 aos), pero conserva una paz y humanidad interior que asombra, dice su amigo Ismael Pin, director de la revista Mundo Negro y misionero colombiano.

    No tendra sentido preguntarle a este hombre si es feliz. Ni a l, ni a muchos otros como l. Desde luego te responden que no. Pero cuando convives con ellos, te das cuenta de que disfrutan las cosas y que aprecian los momentos mucho mejor que nosotros. En un lugar donde los hijos se mueren de malaria por no disponer ni de un dlar en el bolsillo para medicinas, hablar de felicidad parece una provocacin o un insulto. En Poba, como en muchas partes de frica, se vive al da. He estado en poblados donde ha habido muerte y dificultades, pero por la noche la gente saca el tambor, se pone a bailar y disfruta de la danza, de estar juntos, dice Pin.

    Los factores que se resumen a continuacin aparecen ligados a encuestas que miden la felicidad de los pases mediante escalas de satisfaccin. Chad y la mayora de los pases africanos no aparecen, y cuando lo hacen se colocan siempre en el furgn de cola (caso de Tanzania y Zimbabwe, el ms infeliz del mundo). Pero Occidente tambin sorprende.

    Prosperidad econmica:

    Robert Lane es el autor de la obra La prdida de la felicidad en las democracias de mercado, en espaol, que cuestiona el tpico de que la prosperidad trae siempre ms felicidad: una vez traspasada la lnea de la pobreza, esta cuestin ya no est tan clara.

    Sus puntos de vista lanzan una mirada escptica, quiz pesimista, por la que el orgulloso capitalista mira su obra y descubre grietas inesperadas. Es la gente de los pases ricos ms feliz ahora que antes? Miles de encuestas escupen una conclusin sorprendente.

    Desde 1948 hasta 1970, los sueldos de los norteamericanos se duplicaron, pero los estudios no demostraron que por ello son ahora ms felices. Entre 1975 y 1995, el producto interior bruto del gigante americano creci un 40%, pero la curva de la felicidad continu sin despegar. Dos apuntes de ltima hora: los japoneses han visto sus sueldos quintuplicados entre 1958 y 1987, pero su felicidad no ha aumentado, segn un artculo publicado en Science (de hecho, Japn figura entre los pases ms infelices del planeta respecto a su renta: en el puesto nmero 90!). En otro estudio publicado recientemente en la revista Journal of Health Economics, el profesor Andrew Oswald y su equipo de la Universidad de Warwick (Reino Unido) mostraron que 137 ganadores de la lotera, con premios entre 1.000 y 120.000 libras, tan slo se manifestaban un 10% ms felices dos aos despus de obtener los premios.

    (elpais.com/articulo/paginas/Usted/ feliz, agosto de 2007)

  • Simulado/2010 CNSG 3 Ano Ensino Mdio

    Bloco II_1 Pg. 10/10 Data: 04/03/2010

    41. En el titular del texto, si se hubiera tratado al lector por t, se tendra:

    A) T s feliz o muy feliz?

    B) Tu es feliz o muy feliz?

    C) Tu eres feliz o muy feliz?

    D) T eres feliz o muy feliz?

    E) T es feliz o muy feliz?

    42. De acuerdo con el primer prrafo del texto,

    A) Marcel le dijo a la revista Mundo Negro que, pese a la pobreza, es feliz.

    B) la revista Mundo Negro ha descubierto que los africanos son los hombres ms felices del mundo.

    C) las danzas en los poblados pobres son rituales velatorios.

    D) los africanos son los que ms tienen esperanza de tener un futuro mejor.

    E) Marcel ya ha vivido cuatro aos ms que el promedio de vida de los hombres de su pas.

    43. De acuerdo con el texto, si pasamos al Pretrito Perfecto Simple la forma verbal He estado, destacada en el primer prrafo, tenemos

    A) Estuve.

    B) Estuvo.

    C) Estive.

    D) Estaba.

    E) Estuviste.

    44. Considerndose el uso del verbo haber (ha habido, primer prrafo), tambin se podra haber dicho:

    A) donde hubieron muertes y dificultades.

    B) donde hubo muertes y dificultades.

    C) donde tuvo muertes y dificultades.

    D) donde hubieran muertes y dificultades.

    E) donde tuvieron muertes y dificultades.

    45. De acuerdo con el sentido del texto, la expresin en el furgn de cola, destacada en el segundo prrafo, quiere decir que

    A) en los pases africanos viven las personas que se sienten menos felices.

    B) frica es el continente en donde la gente se siente ms feliz.

    C) Tanzania es el pas africano en donde la gente se siente ms feliz.

    D) las personas que tienen menos contacto con la naturaleza se sienten ms infelices que las dems.

    E) nunca aparecen los pases africanos en las encuestas acerca de la felicidad.

    46. (UFPB) Enumerando adecuadamente la segunda columna:

    1. era

    2. Se haba olvidado

    3. viene

    4. ha dicho

    5. lloviendo

    ( ) presente de indicativo

    ( ) Pretrito imperfecto de indicativo

    ( ) Pretrito pluscuamperfecto de indicativo

    ( ) pretrito perfecto de indicativo

    A) 3, 1, 2, 4 D) 4, 3, 1, 5

    B) 3, 5, 2, 4 E) 5, 3, 2, 4

    C) 1, 3, 2, 4

    47. (UNIRIO) Las voces haba salido y hemos hecho son, respectivamente, de los tiempos compuestos referidos a continuacin.

    A) pretrito pluscuamperfecto de indicativo y pretrito perfecto de indicativo.

    B) pretrito perfecto de indicativo y potencial perfecto.

    C) pretrito anterior y pluscuamperfecto.

    D) presente compuesto y pretrito perfecto.

    48. De acuerdo con el texto, la palabra encuestas quiere decir, en portugus,

    A) resultados. D) pessoas.

    B) contagens. E) pesquisas.

    C) averiguaes.

    49. la curva de la felicidad continu sin despegar (tercer prrafo). En portugus, dicha parte quiere decir que Nos Estados Unidos, devido ao aumento da renda, os ndices de felicidade

    A) continuaram sendo menosprezados nos estudos.

    B) fizeram a renda da populao aumentar.

    C) sofreram uma grande queda.

    D) mantiveram-se praticamente iguais.

    E) tiveram uma ligeira baixa.

    50. En cuanto a la felicidad de los japoneses, se puede decir que

    A) los japoneses son felices porque tienen dinero.

    B) los japoneses ocupan el puesto nmero 90 en renta y que por ello no son tan felices.

    C) en Japn, tener dinero no significa ser ms feliz.

    D) los japoneses son los ms infelices del mundo.

    E) si tuviera ms dinero es probable que la gente en Japn fuera ms feliz.