Click here to load reader

Karl Haushofer e a Geopolitik Alemã

  • View
    899

  • Download
    22

Embed Size (px)

Text of Karl Haushofer e a Geopolitik Alemã

Iniermezzo

KARL HAUSHOFER E A GEOPOLITIK ALEIvIPor que um intermezzo?

o corpo de conceitos e os aspectos estratgicos que formam o arcabouo terico da geopoltica do poder terrestre. Para tanto, revisitou-se a obra de Mackinder desde sua formulao inicial esboada na conferncia de 1904, passando pela sistematizao mais elaborada exposta no livro de 1919, at chegar reviso e atualizao finais contidas no artigo de 1943. Esse balano da geopoltica do poder terrestre estabeleceu o marco de referncia para a etapa subseqente: a influncia do-pensamento de Mackinder sobre dois geopolticos americanos,.Nicholas.SpykmaneZbigniew Brzezinski.n ,

A

t aqui foram analisados

a filosofia da histria,

Ambos so intelectuais cujas idias encontraram te estadunidense

oriundos

dos meios acadmicos entre a elite dirigen-

receptividade

e, em larga medida, foram utilizadas como

"guia prtico para ao" entre determinados crculos governamentais de seu pas. A aceitao obtida extramuros do seleto e restrito ambiente universitrio deve-se ao fato de seus diagnsticos e normas prescritivas de ao fornecerem71

i..

K.\R.L H:\USIlOFER

]i. .\

GFOPOLITIK

ALEM.\.

KARL H\CSHOFER E t\ GEOPOUTIK

ALEMA

7?J

relevantes subsdios ;\ formulao

da grande estratgia

ame-

tico. O que se pretende

investigar em que medida as con-

ricana do segundo P()s-guerra. Segundo Liddell Har t, hisro riador milita) ingls, a grande estratgia consisre no emprego lU s dos meios militares, mas de todos os outros recursos de poder - econmicos, diplomticos, humanos, psicossociais -, para atingir o objetivo jJoUtico da guerra). em relaes inTanto Spykrnan como Brzezinski adotam

cepes geopolticas e estratgicas desses dois intelectuais americanos foram influenciadas pelas idias de Mackindcr. Contudo, antes de abordar diretamente o tema em questo, preciso fazer uma ressalva preliminar que, por ser absolutamente indispensvel, tambm relativamente extensa. do geAo ajustar o foco de anlise na provvel influncia

ternacionais uma postura realista que enfatiza a convergncia ou a afinidade elctiva entre poltica de poder e realidades geogrficas. O termo "poltica de poder" aqui o equivalente a Maclpolitik, vocbulo alemo que designa a ameaa do uso da fora ou seu emprego poltica internacional". efetivo na conduo da Alm das componentes militar, eco-

grafo britnico sobre dois expoentes ela geopoltica americana do ps-guerra, pretendia-se deliberadamcnte dcsconsiderar a inegvel influncia de Mackinder sobre a Geopolitik alem do entreguerr as, especialmente sobre o primaz do Instituto Haushofer. Geopoltico de Munique: o general-gegrafo e complexas Karl Isso porque as mltiplas relaes

nmica e psicossocial, ambos tambm consideram a geografia como uma importante expresso do poder estatal. Em outras palavras, o espao, a posio e os recursos naturais e humanos de um pas so fatores de poder que afetam a tomada de decises no campo das relaes intercstatais. No caso de Spykman, trata-se produo conteno intelectual subsidiou de gegrafo poltico, cuja de a elaborao da estratgia

entre a geopoltica de Mackinder e a Geopoluik de Haushofer j haviam sido objeto de longa e exaustiva investigao do gegrafo americano Hans W. Weigert". Como dificilmente se poderia acrescentar algo de realmente novo sobre esse tema, o ideal seria no incorrer no risco de ser meramente repetitivo e centrar ltica americana. Estigmatizada a anlise predominantemente ps-guerra na geopodo

adotada pela poltica de poder americana

a partir

no segundo

como "geografia

da Guerra Fria. Brzezinski um cientista poltico que assessorou a administrao Carter em assuntos de segurana nacional, combinando, governamental preenso depois, formao numa reflexo acadmica e experincia COI11-

nazismo", a geopoltica tornou-se matria de acirradas polmicas e controvrsias no interior de um seleto e fechado Crculo de intelectuais. te geopoltica E, na tentativa de identificar e mesmo equivalentes mecanicamenat certo quase -, chegou-se ao e nazismo - termos que se tornaram

terica, fundamental

do desfecho incruento

do conflito americano-sovi-

ponto intercambiveis

LicldelJ Harr, 1\. H. Estsategia de aproxi macin mdirecta. Bucnos Aucs: Editorial Rioplarensc, 197:>, p. '\41-R4. Wight, Marli". i\ [rolitlca do 1)0'&1'. Br.isflia: UnB, 1985, p. 1520. Ver t arnbm Spykrnan, Nicholas. Estado", Unidos [rente ai mundo. Mxico: Pondo de Cultura Econmica, 1\)1,1, p. 25-6.

extremo de, parafraseando uma expresso coloquial, se jogar fora a criana junto com a gua do banho.

:\

Wcigcrl,

ECOI1ll1ica,

Hans \V. Ceopolitica: generales )' gegrajos. Mxico: 19'13,

Fondo

de Cultura

74

KAKL

l-L\CSHOFER

E .\ GFOPOL1TIK

ALEMA

KARL

HAUSHOFER

E A GEOPOUTlK

ALF.i\'lf\

75

Por isso, preciso antes de mais nada demarcar as fronteiras do campo do debate e distinguir claramente a diferena entre geopolLica e Geopoliiik, o que remete fronteira cinzenta que separa cincia e ideologia. A geofJoll-ica um ramo autnomo da cincia poltica que tem por objeto de estudo as relaes e as mtuas imeraes entre o Estado e sua geografia. Esta disciplina possuiu um acervo de conhecimentos tericos e ernpricos que pode ser utilizado no planejamento da poltica de segurana de um pas no tocante Spykman: a seus fatores geogrficos. Como afirma

tivamente poucos pesquisadores e um assunto praticamente desconhecido do pblico no especializado. Portanto, no seria fora de propsito retomar aqui a discusso das complexas e controvertidas relaes entre a geopoltica e o nazismo. Porm, entre repetir o j sabido ou passar ao largo do

problema, optou-se por uma soluo intermediria: analisar sucintamente as relaes Mackinder/Haushofer e Haushofery'Hitler, apoiando-se quando necessrio nas idias de \Veigert, quamo ao impacto da geopoltica inglesa sobre a Geopolitik alem.

A conexo Mackinder-Haushofer "o campo da geopoltica , contudo, o campo da poltica externa e seu tipo particular de anlise usa os fatores geogrficos para ajudar a formulao de polticas adequadas para a consecuo de certos fins justificveis.":' Embora oriunda da geopoltica, a Geopolitih alem transnuma 1\0 incio ela Segunda Guerra, quando a mquina militar nazista dominava quase todo o continente europeu, vrios autores gegrafo formou-se numa pseudocincia ou, mais precisamente, e publicaes sustentaram e secretrio a tese de que o generalpor intermdio de Rudolf alemo Karl Haushofer,

Hess, seu discpulo

de Hitler, havia colaborado

na redao da bblia do nacional-socialismo: "Diz-se que os conselhos de Haushofer inspiraram o Captulo XIV do Mein. Kampj, no qual se definem os objetivos da poltica exterior nazista e se expressa o conceito que Hitler tem de Lebensraum." Mais do que isso, afirmava-se mesmo que Haushofer era na realidade o verdadeiro mentor intelectual das decises tomadas por Hitler:

ideologia geogrfica, manipulada por alguns crculos poltico-militares para legitimar a poltica de poder do Hl Reich. Como doutrina justificadora da conquista do "espao vital" e instrumento de racionalizao da poltica de agresso e do expansionismo territorial nacional-socialista, a Geopolitik alee ilegtimo m nada mais do que um subproduto esprio

da geopoltica. Embora seja um tema de grande relevncia e inegvel interesse, a Geopolitik alem tem sido objeto de estudo de rela-

Spykman, Nicholas J. The Geogm.jilty oJ the Peace. Nova York: Harcourt, Company, 191'1, p. 6.

Brace anel

Suauz-Hup, rial Hermes.

Robert. Geopolitica: s.d., p. 70.

Ia. lucha j}()r cl esfJao)' cl !Joc/e1". Mxico: Edito-

7G

KARL

H.\\,SILER

E A GEOPOLl71K

ALHIA

KARL

HAUSI'IOFER

E A GEOPOUTIK

.\LEMA

77

"Haushocr

cienustas,

c seu Instituto de Munique com seus mil tcnicos e espies so quase desconhecidos elo

penhou O papel de "conselheiro do Prncipe" nas decises polticas e militares de Hitler. Discordando dos que viam no gencral-gcgrafo o "Maquiavel nazista" ou a eminncia que uma comparao pardas da de Hitler, Weigert8 sustentou

pblicu, c ;lLl: mesmo nu 111 Reich. Porm, suas idias, cartas geogrficas, mapas, estatsticas, informao e planos ditaram os movimentos de Hitler desde o comeo. [...]. O Instituto de Haushofer no mero instrumento a servio de Hitler. exatamente o contrrio. O Dr. Haushofer e seus homens dominam o pensamento de Hitler." Mesmo antes da ecloso da guerra, Herrnann militante nazista dissidente, cnfatizou livro a influncia do general-gegrafo na do lII Reich: Rauschning,

idias expostas no clebre captulo XIV - intitulado "Orientao para leste ou poltica de leste" - com os escritos geopolticos de Haushofer demonstrava que ambos possuam vises diferentes e mesmo antagnicas da poltica externa do III Reich. A rigor, no segreclo de iniciados o quanto o generalgegrafo alemo tributrio do gegrafo britnico,j que o prprio Haushofer por diversas vezes reconheceu publicamente seu dbito intelectual com Mackinder. Referindo-se ao "The Geographical Pivot of History", Haushofer classificava-o como "a maior de todas as concepes geogrficas", ou ento afirmava enfaticamente: "Nunca vi nada mais grandioso do que estas poucas pginas de uma obra-prima gcopoltica.'? Como j foi mencionado, o grande temor de Mackinder sempre foi o perigo de que urna eventual aliana entre as duas potncias continentais europias - a Alemanha e a Rssia - poderia representar para o futuro do imprio britnico. Para ele, uma coalizo do Estado-piv com a potncia centro-europia implicaria uma alterao radical do equilbrio de poder em toda a Eursia. No que tange oposio oceanismo uersus contncl1talsrno, a conseqncia mais provvel dessa nova correlao de forWeigert, H:H1S. Op. cii., p. 152'). Ibidcm, p. 12~)

categoricamente em sobre a poltica exter-

" preciso mencionar aqui, sobretudo, Academia alem, o. professor Haushofer, neral. Sua escola de geopoltica

o presidente da I antigo major-gea fixar

ajudou amplamente

as intenes do regime em poltica estrangeira e at pode dizer-se que lhe permitiu tomar plenamente conscincia de si rnesmo nesse terreno. Suas declaraes so sempre importantes, porque explicam com uma franqueza absoluta os desejos e as intenes do nacional-socialismo."; Porm, ao examinar

impacto

do pensamento

de Mac-

kinder sobre a Geopolitik de Haushofer, Weigert em 1942 - no auge da Segunda Guerra - tese tentando que, ao contrrio do que se propalava intelectuais e na imprensa da poca, HaushoferG

desenvolveu oposta, susnos crculos no desern1941. Apurl: Lesada,

A

,

"Los mil cientficos que hay dctr.is de Hiiler". Tlie Reader's Digest, Ibns Wcigert. Oro cit., p. I cJ-21. Rauschning, llermann.Larevo/ucin 19,10, p. 2:,~'L

delrulnlismo. Buenos Aires: Editorial

'.

e- --.

78

K~RL

H.-\USHOFE.R

E A GEOPOLITIK

ALEMtA ,

KARL

HAUSHOFER

E A GEOPOLITIK

ALEMA

79

as seria a ascenso de um poder terrestre russo-germnico - quase que certamente regido e orquestrado pela Alemanha - com a conseqente derrocada do poder martimo britnico. Uma coalizo russo-germnica es necessrias engendraria as condipara o desenvolvimento de um poder anfdas potncias

de origem latina: Fas est ab haste doceri [" preciso aprender com o inimigo"]. Haushofer via na Rssia bolchevista natural, o aliado geopoltico

que serviria de ponte ou elo de ligao entre a Ale-

manha e os povos asiticos da regio indo-pacfica, migo comum eram o colonialismo

cujo inibrit-

bio continental-ocenico capaz de arrebatar insulares a preponderncia mundial.

e o poder martimo

principalmente nessa questo crucial das relaes entre a Alemanha e a Rssia, assim como na visceral oposio ao poder martimo fluncia britnico, que Weigert detecta a grande insobre a exerci da pela geopoltica de Mackinder

nicos. Portanto, eram os imperativos geopolticos da posio ocupada pelos alemes no centro da Europa e pelos russos no Heartland da Eursia - e no as divergncias ideolgicas entre nazismo e bolchevismo - que deveriam nortear a poltica da Alemanha em relao Rssia. alemo opunha-se a uma.

Geopolitik de Haushofer.Com efeito, Mackinder desenvolveu sua peculiar viso do mundo a partir de uma tica especificamente britnica e antigermnica: tratava-se de impedir por todos os meios que a segurana insular e a hegemonia naval britnicas pudessem ser postas Haushofer, seu mentor em perigo por uma aliana ingls, segundo russo-alem.I Y

Nesse sentido, o general-gegrafo

guerra contra a Rssia, pois sabia ser quase impossvel conquistar um Estado-piv de dimenses continentais que tinha sua retaguarda os imensos recursos e os grandes espaos do Heartland eurasiano. Para Haushofer, o fracasso da campanha napolenica poca, o impasse na Rssia no sculo passado em que se encontrava o Japo a tese de Mackinder e; em sua.

por sua vez, assimilou os escritos geopolticos e antagonista

de

na guerra sobre os

uma perspectiva

contra a China confirmavam

alem e ferrenhamente antibritnica: para ele o estabelecimento de uma aliana com a Rssia era a chave para vencer a Gr-Bretanha e pr a Europa sob a suserania de uma Crande Alemanha. Essa leitura s avessas, por assim dizer, demonstra o quanto Haushofer influncia

riscos inerentes invaso de um pas com vasta retaguarda continental, grandes contingentes populacionais e a vantagem estratgica de manobrar a partir de linhas interiores. O haushoferismo advogava uma aliana da Alemanha com a Rssia e o Japo, esferas de influncia que deveriam ajustar suas respectivas de polevaria e formar uma nova constelao essa partilha

tributrio

de Mackinder

no que concerne

da geopoltica

inglesa sobre a Geopolitih germnica. o general-gegrafo alemo refecitava sempre um antigo ditado

der na Eursia. Na viso de Haushofer,

Segundo Weiger t'", quando ria-se ao gegrafo britnico

constituio de trs grandes reas supercontinentais denominadas pan-regies: a Eurfrica (englobando Europa, frica e Oriente Mdio) rsubmetida suserania alem; a Pansia (abarcando a China, Coria, Sudeste asitico e Ocenia)=

10

Haushofer, Karl. Potncias conquistadoras Wegert. Op. cit., p.129.

de espao, 1937, p. 76. Apud: Hans

- sob domnio japons; e, entre ambas, aPan-Rssia (gigantes-

80

KARL

HAUSHOFER

E :\ GEOPOLITIK

ALEM

KARL

HAUSHOFER

E A GEOPOLITIK

ALEM

81

ca zona-tampojforrnada concebia

pela Rssia, Ir e ndia) - tutelada o general-gegrafo americano alemo[:

pela Unio Sovi~Lica. Finalmente, ainda uma quarta que englobava todo o continente

panregio

- a Pan-Amrica -, sob domnio defendia a

J

elos ElJA. Em sntese, a Ceopolitil: de Haushofer

constituio de um bloco nanscontinental eurasitico, formado por uma aliana russo-germnicojaponesa, que teria sua disposio um excedente de poder no compensado, em termos militares, econmicos e demogrficos, capaz de colocar em xeque o poderio No incio de 1941, quando naval do imprio britnico!'.

a Frana estava submetida

ocupao alem, a Inglaterra completamente isolada do continente e a Rssia no havia ainda sido invadida, a Revista de Geopoliiica, editada por Haushofer, fazia a seguinte previso: "O crescimento tais c sua proteo dos novos grandes mediante espaos continena

a fora area significam

runa do Imprio Britnico; ser derrotado d pulverizado entre estas foras em expanso. Com o Japo por companheiro, com os recursos da RSSa nossa disposio, o cerco em torno da Inglaterra se aperta cada vez mais. Sobre o horizonte em formao. Noruega surge agora um novo bloco eurasitico Estende-se da Espanha at a Sibria, da

at a frica."12 da operao "Leo-Marinho" reverteu totalmente o quadroo

Entretanto, a substituio pela operao "Barbarossa"

~o11.1

12

Haushofer, Karl. "Le bloc continental Europe Centrale-Eurasie-japon". gojJolitiquc. Paris: Faya rcl, 19S6, p. 127. Apud: Weigert, Hans. Op. cit., p. 171.

In: De Ia

~,

o :;) z o

VI

;;.

o

82

E.ARl.

I-AusHOFER

E A GEOPOLITIK

ALEMA

K>'\RL HAUSHOFER

E A GEOPOLITIKALEMA

83

da guerra na Europa e representou um golpe mortal no sonho hausliofcriano de organizao do bloco transcontinental eurasitico.

A conexo Haushofer-HitlerDiversamente de Haushofer, Hitler parecia no conhecer as idias de Mackinder nem demonstrava possuir concepo geopoltica coerente da poltica de poder alem. Alis, nada indica que sua viso global da poltica exterior nazista estivesse embasada em qualquer conhecimento sistemtico e organizado de geopoltica. inconciCom efeito, para Hitlcr no existia antagonismo

C',

-r:

livel entre os interesses da Cr-Bretanha como potncia insular e os da Alemanha como potncia contin1ental. Segundo sua concepo de poltica de poder, a Alemanha deveria reconhecer a supremacia naval e colonial britnicas em troca do abandono, m no continente. O "inimigo mortal" era a Frana, qual Hitler imputava o suposto projeto de dividir a Alemanha como meio de impor sua hegernonia Europa continental: "No elevemos ter a mnima dvida de que o inimigo mortal, incxorvel, do povo alemo e ser sempre a Frana. indiferente que a Frana seja governada por Bourbons ou jacobinos, bonapartistas ou democratas burgueses, republicanos clericais ou bolcheviques vermelhos. O objetivo de sua atividade poltica ser sempre a tentativa de conquista das fronteiras do Reno e de uma garantia para a pela Gr-Bretanha, de sua posio de rbialetro do equilbrio europeu e da aceitao da hegemonia

84

1\.'\RL

H'lUSIIOFFR

E :\ GEOPOL17JK

ALD1A

K-\RL

H.\USIIOFER

E. li. GEOPOLJ7IK

ALEM."'..

85

posse desse rio, pela Frana, para o enfraquecimento Alem;ullla,"I:l Primeiro(l

ela

do hoje falamos, na Europa, de nosso solo, pensamos, em primeira linha, somente na Rssia e Estados adjacentes, a ela subordinados."!' O projeto construido rio martimo hitlerista a expensas e colonial de um imprio britnico territorial alemo

Alemanha

deveria aniquilar

a Frana no ocido lesda Rssia e coexistindo foi tambm com o impconfirmado

dente e s depois voltar-se em direo ao leste para conquistar e colonizar a Europa Oriental. te que os alemes deveriam Era nos territrios buscar o Lebensraum para cons-

truir () Reich de mil anos da raa ariana. A rigor, o projeto hitlerista de uma Marcha para o Leste nada tinha de original, inovador ou revolucionrio: era apenas a verso moderna do Drang nacli Ostem dos cavaleiros teutnicos medievais e a retomada pelo domnio da secular rivalidade das terras orientais. entre germanos e eslavos

indiretamente por Winston Churchill em suas Memorias da Segunda Guerra Mundial. Nesta obra, Churchill relata uma reunio, realizada em 1937, com Von Ribbentrop, quela poca embaixadorreivindicaes

alemo na Gr-Bretanha, de aproximao do III Reich.

na qual este disdiplomtica e as

correu sobre as propostas territoriais

Em resumo, na viso tacanha e eurocntrica do hitlerismo, o destino do Herrenuolk era assenhorear-se de um imprio territorial nos grandes espaos contguos do Leste Europeu e no se lanar temerariamente aos oceanos em busca de distantes colnias antiocenica ultramarinas. externa termos: A vocao continentalista alem foi enunciada e por da poltica

O estadista e escritor ingls oferece uma verso desse encontro com Von Ribbentrop, na embaixada da Alemanha, "" que confirma, por vias transversas, a concepo eurocntr ica e continentalista da poltica de poder hitlerista: "Disse-me que poderia ter sido ministro das Relaes

Hitler nos seguintes

"A aquisio de colnias no resolve a questo. De faro, no h soluo fora da conquista terr itorial para a colonizao que aumente a extenso territorial da me-ptria em contato assegurenr

Exteriores, mas que pedira a Hitler que o deixasse vir para Londres, a fim de trabalhar plenamente por um entendimento ou at uma aliana anglo-germnica: A Alemanha defenderia o Imprio Britnico em toda a sua grandeza e extenso. Talvez pleiteasse a devoluo das colnias aleO ms, mas isso, evidentemente, que se pretendia no era fundamental.

e

com isso no s mantenha

os colonizadores

ntimo com o seu pas de origem como tambm

era que a Gr-Bretanha

desse carta bran-

as vantagens de uma unidade perfeita. [...]. Terminamos, finalmente, a poltica colonial e comercial de antes da guerra e passamos ;1poltica tcrritorial do futuro. Quan-

ca Alemanha no Leste Europeu. Ela precisava ter seu Lebensraum; ou espao vital, para sua populao cada vez maior. Assim, a Polnia e o Corredor de Danzig deveriamp.

I

1>'

llitler, Adolf, Minha lula. S'10 Paulo: Editora

Mestre j ou, 1962, p. :)86.

11

Ibirlcm.

41)1;-7.

\

l j' ""'" ."!'

"."

8f)

KARL

HAUSHOFER

E 1\ GEOPOUTJK

ALEllrA

KARL

I-lAusHoFER

E A GEOPOUTIK

ALEMA

87

ser absorvidos.

A Rssia

Branca e a Ucrnia

eram indis-

quando

no uma prova conclusiva,

ela suposta

ascendncia

pensveis para a vida futura do Reich alemo, com seus cerca de 70 milhes de habitantes. Nada aqum disso seria suficiente. Tudo o que se pleiteava da Comunidade Britnica de Naes e do Imprio Britnico era sua nointerferncia. Havia um mapa grande na parede e, por vrias vezes, o embaixador levou-me at ele para ilustrar seus projetos."!' Segundo o relato, Churchill teria redargido que, embotanto

ele Haushofer e do Instituto Geopoltico de Munique sobre os crculos poltico-militares elo III Reich. Entretanto, o curso elos acontecimentos foi utilizado neutralizar Blitzkrieg demonstrou que o pacto russo-germnico ttico pard e promover a a frente oriental evitando por Hitler apenas como expediente temporariamente no Ocidente num conflito na Primeira europeu,

que a Alemanha

fosse envolvida havia ocorrido

blico em duas fi-entes, como Guerra.

ra no fosse aliada da Rssia e odiasse o comunismo quanto Hitler, a Gr-Bretanha mo sobre a Europa Central e Oriental.

Em meados de ~941, a su.post.a .influnci~ exerci.f, por Haushofer sobre Hitler e a elite dirigente nazista - hiptese de resto nunca realmente golpe mortal comprovada - teria sofrido um com a invaso da Unio Sovitica pela mqui-

jamais aceitaria o domnio aleE concluiu afirman-

do que o governo britnico no poderia dar carta branca Alemanha nem permanecer alheio aos destinos do continente europeu, mesmo que a Frana fosse salvaguardada. Depois de ouvir essas consideraes, teria sido a seguinte a resposta de Von Ribbentrop: "Nesse caso, a guerra inevitvel".

na militar alem. A guerra russo-germnica na frenteoriental foi uma brusca guinada na poltica de poder hitlerista que, a rigor, nada tinha de surpreendente. to Ribbentrop-Molotov da do projeto original lvlein Kampjmuito representou da "poltica A ruptura do paca retomano coerentemente

de leste" delineada

antes da Segunda Guerra

Mundial.A per-

sistncia na linha de ao baseada na secular rivalidade entre germanos e eslavos inviabilizou definitivamente qualquer possibilidade de articulao do bloco transcontinental eur asitico, que era a razo de ser da Geopolitik de Haushofer. Com efeito, o projeto hitlerista de obteno de um "espao vital" alemo no Leste Europeu no s exclua a aliana com a Rssia como tornava inevitvel uma guerra sem quartel contra o Estado sovitico. Alm disso, para viabilizar a edificao de um imprio continental alemo, Hitler parece ter acalentaelo at o ltimo momento a expectativa ele contar com o apoio, a aquiescncia ou, no mnimo, a neutralidade da potncia martimo-insular do outro lado do canal da Mancha.

A suprema aspirao geopoltica de Haushofer era, conforme foi dito, o reverso do grande pesadelo de Mackinder: o estabelecimento de uma aliana russo-alem. Nesse sentido" o p~cto dazi-Sovitic~) ele 1939 foi saudado pelo gen,eralgeografo COdlO o embnao de uma futura aliana estratgica entre as duas grandes potncias continentais. A assinatura do pacto de no-agresso pareceu ser um indcio seguro,

l:,

Cluuchill.[01':\

'"\0\':I Fronteira,

\Vinston S. Menunias da segunda guerTu mundi.:l. Rio dcJ111eiro: Edi1'1'l0, p, 118-\1.

88

KARL

HAlJSHOFER

E A GEOPOLITIK

ALEMA

KARL

HAUSHOFER

E A GEOPOLITIK

ALEMA

89

A ttulo de especulao, talvez seja essa a chave para desvendar o mistrio que envolveu o controvertido vo de Rudolf Hess at a Esccia em 10 de maio de 1941 - no auge da batalha da Inglaterra Sovitica -,ClO

cepes de Hitler e Haushofer sobre a poltica de aliana da Alemanha eram antagnicas no que diz respeito Inglaterra e Rssia: "Sob o ponto das, ele vista puramente militar, as conscqnc da Rssia

e seis semanas antes da invaso da Unio objetivo nunca foi inteiramente esclarecido no caso de uma guerra da Alemanha

e ainda hoje motivo de controvrsias'", provvel que o vice-Fhrer de Hitler - e discpulo de Haushofer - tenha sido portador da proposta de uma "cruzada ant'icomunista" dontru a Rssia e seu fracasso deveu-se, provavelmente, recusa do governo britnico de aceitar da supremacia uma paz anglodo imprio britnialem no Leste germnca Europeu. Ora, a substituio deuma Europa dividida e equilibrada, com poderes mutuamente compensados, por uma Europa unificada at os Ur.ais e submetida tutela alem redundaria inexoravelmente na satelitizao da Inglaterra pela potncia continental dominante. Desnecessrio recordar que essa hiptese e suas inevitveis conseqncias j haviam sido que, em troca da preservao

contra o Ocidente da Europa e, provavelmente, tambm, contra o resto do mundo, seriam verdadeiramente catastrficas. A luta desenrolar-se-ia, no em terreno russo, mas em territrio alemo, sem que a Alemanha pudesse receber da Rssia o menor auxlio eficiente simples fato de uma aliana com a Rssia [...]. Assim, pois, o uma indicho

co, exigia o reconhecimento

da prxima guerra. O seu desenlace seria o fim da AI~manha [...]. Admito que, durante a guerra teria sido melhor para a Alemanha que ela tivesse renunciado sua louca poltica colonial e sua poltica naval, que se tivesse unido Inglaterra em uma aliana ele defesa contra a invaso da Rssia"? Em suma, Haushofer concebia uma constelao antibritnica de poder, com seu eixo no Heartland russo-sovitico e seus pontos terminais alemo e japons ligados entre si por uma rede de transporte terrestre. Porm, em vez de apontar para esse bloco transcontinental poltica externa formulada antibritnico, as linhas mestras ela exatamente alemo: a aceitao por Hitler apontavam

previstas no incio do sculo pela anlise geopoltica de Mackinder. Mais do que isso, uma Europagermanizada era incompatvel coma secular poltica britnica de poder que - desde a Paz de Vestflia, passando pelas guerras da Revoluo e do Imprio, miga jurada at a Primeira europeu potncia Grande Guerra - tornoue, conseqentemente, aspirante inise fiadora do equilbrio de qualquer

hegemonia

na direo oposta do general-gegrafo

continental, fosse ela a Frana, a Rssia ou a Alemanha. A seguinte passagem do Mein Karnpj demonstra enfaticamente, sem nenhuma margem para dvidas, o quanto as con-

da hegemonia naval e colonial britnicas em troca do reconhecimento da supremacia continental alem, com base num ajuste recproco feito a expensas da Rssia.

JG

Kilzer, Louis C. A farsa de Churchill. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1995.

17

Hitler, Adolf. Op. cit., p. 409-12.

90

KARL HAUSHOFER

E A GEOPOLITIK

ALEM

K~RL

HAUSHOFER

E !\ GEOPOLlTIK

ALE?v[t\

9]

Esses so osprincipais aspectos da complexa relao entre a geopoltica inglesa e a Geopolitik alem que permitem tanto demonstrar a influncia de Mackinder sobre Haushofer quanto refutara suposta ascendncia de Haushofer sobre Hitler. O Fhrer era, quando mas geopolticos,IL

entre a geopoltica

inglesa e a Geopolitik

alem, assim como

entre a Geopoluil: alem e a poltica externa do III Reich. O argumento aqui sustentado poderia ser resumido d seguinte forma: perfeitamente de Haushofer, posta influncia possvel comprovar a real influna susobre cia exercida pela geopoltica de Mackincler sobre a Geopolitik difcil demonstrar

muito, um nefito

em proble-

ignorava certamente

a viso mackinderiana e no existe ne-

mas extremamente

da pugna oceanismo

versus continentalismo

exercida pela Geopolitik de Haushofer

nhum indcio, em seus escritos, de que se tenha inspirado nas idias de Haushofer para formular as linhas mestras da poltica externa do III Reich. Por outro lado, o general-gegrafo da guerra e pouco no s presta o devido ingls como, depois no depoimento de americanas, nepessoal na elaA ,

a poltica de poder de Adolf Hitler. Isso posto, passa-s~ ago~-a_pa~a ~ prxima ~tapa, cujo escop~ i~vestigar a p0,rsvel int luncia de Mackinder sobre o gegrafo norte-americano c b Nicholas J. Spykman e as idias contidas do Rimland. em sua geopoltica

I

tributo ao inimigo e mentor intelectual antes de sua morte,

defesa redigido por ordem das autoridades gou categoricamente qualquer participao borao da bblia do nacional-socialismo:

"Eu vi o livro Mein KamPJpela primeira tomo I j estava impressoI

vez quando seu [...]. Evidene pen-

e recusei-me

a fazer sua crtica

porque ele nada tinha a ver com a geopoltica. temente no tive nenhum

I

papel em sua elaborao

so que uma comparao cientfica de meu estilo com o desse livro afastar de mim toda suspeita de ter nele colaborado - suspeita que foi manifestada pela imprensa popular."18 Enfim, o intuito deste Intermezzo foi o de realizar uma an-

I

lise concisa da trama das intricadas

e contraditrias

relaes

II

re

Haushofer, gopolitique.

Karl, "Apologie de ia 'gopolitique' Paris: Fayard, 1986, p. 162.

allernande"

(11/1945).

ln: De ia