Click here to load reader

Jornal São Judas Tadeu - Edição Nº 273

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Jornal São Judas Tadeu - Edição Nº 273

  • Edio N 27328 l junho l 2015

    Ano XIV

    IMAGEM DE NOSSA SENHORA APARECIDA ENTRONIZADA NO SANTURIO

    NOTCIAS

    anseio de sabedoria

    PG. 3Esquecer normal?

    PG. 7

    PG. 9

    FOTO

    : C

    AR

    O SI

    LVA

  • 2EDITORIAL

    Somente um corao apaixonado pelo Reino ser capaz de passar de uma atitude de mestre da lei (pronto, acabado) para a atitude de discpulo (a) do Reino (aprendiz, por se fazer). Este ser capaz de ser como um pai, ou seja, algum apto a dar a vida, gerar algo novo, ser cuidador. E nesta paternidade espiritual encontrar um tesouro no seu interior com a sabedoria de aprender com a riqueza do passado (coisas velhas), e ao mesmo tempo ter a ousadia de rabiscar sobre o desenho j posto (coisas novas). Precisamos encontrar ou reencontrar nesse momento crucial de nossa histria esse tesouro escondido no campo do mundo e da vida. Uma dica de Jesus de que s vamos consegui-lo leiloando nossas falsas seguranas neste mundo (espirituais e materiais): ... vende todos os seus bens e compra aquele campo (Mt 13, 44b). No se trata de imposio, mas consequncia da riqueza verdadeira encontrada e agora partilhada. J registrou o sbio ditado popular que ningum d o que no tem. Quantos na iluso de ter no possuem, porque no so livres. E quantos so livres porque no tem, mas tudo possuem. So livres, so leves, so gratuitos.

    Pe. Aureo Nogueira de FreitasVigrio Episcopal da Ao Pastoral

    Proco e Reitor do Santurio

    Palavra do Reitor

    Santurio Arquidiocesano So Judas TadeuArquidiocese de Belo HorizonteRua Maca, 629 - Bairro da GraaBelo Horizonte / MG

    Telefax: (31) 2526-4164 / [email protected]

    EXPEDIENTE Diretor: Pe. Aureo Nogueira de FreitasCoordenao Editorial:lvaro Soarescaro SilvaProjeto Grfico e Diagramao:caro SilvaImpresso:Grfica Pampulha - (31)3465-5300

    Assim, pois, todo mestre

    da lei que se torna discpulo do reino

    dos cus como um pai de famlia que tira do seu tesouro

    coisas novas e velhas.

    (Mt 13, 52)

    MENSAGEM DO SANTURIO

    So Judas Tadeu, apstolo escolhido por Cristo, eu vos sa-do e louvo pela fidelidade e amor com que cumpristes vossa misso. Chamado e enviado por Jesus, sois uma das doze colunas que sustentam a verdadeira Igreja fundada por Cristo. Inmeras pessoas, imitando vosso exemplo e auxiliadas por vossa orao, encontram o caminho para o Pai, abrem o cora-o aos irmos e descobrem foras para vencer o pecado e su-perar todo o mal. Quero imitar-vos, comprometendo-me com Cristo e com sua Igreja, por uma decidida converso a Deus e ao prximo, especialmente o mais pobre. E, assim convertido, assumirei a misso de viver e anunciar o Evangelho, como membro ativo de minha comunidade. Espero, ento, alcanar de Deus a graa... Que imploro confiando na vossa poderosa intercesso. So Judas Tadeu, rogai por ns! Amm!

    So Judas Tadeu, apstolo escolhido por Cristo, eu vos sa-do e louvo pela fidelidade e amor com que cumpristes vossa misso. Chamado e enviado por Jesus, sois uma das doze colunas que sustentam a verdadeira Igreja fundada por Cristo. Inmeras pessoas, imitando vosso exemplo e auxiliadas por vossa orao, encontram o caminho para o Pai, abrem o cora-o aos irmos e descobrem foras para vencer o pecado e su-perar todo o mal. Quero imitar-vos, comprometendo-me com Cristo e com sua Igreja, por uma decidida converso a Deus e ao prximo, especialmente o mais pobre. E, assim convertido, assumirei a misso de viver e anunciar o Evangelho, como membro ativo de minha comunidade. Espero, ento, alcanar de Deus a graa... Que imploro confiando na vossa poderosa

    Amm!

    orao

    Juventude Crist, caminho aberto para o homem e a mulher do amanh e testemunho para os jovens de hoje e para os pequenos que esto amadurecendo suas es-truturas mentais, sociais e huma-nas. Queridos jovens, a sua for-a vem do Ressuscitado que, como vocs, era um jovem cheio de so-nhos para uma humanidade que tinha perdido o sentido da fraterni-dade, da unio, o sentido do respei-to ao prximo, seja ele um pago, uma cananeia ou uma samaritana. Ele tinha uma energia ca-paz de levantar o cado, de mostrar a melhor parte daquele que todos julgavam como pecador irremedi-vel. Ia ao encontro dos mais so-fridos e dizia a eles: a vida ainda vale a pena, Deus est ao lado de vocs. Pela fora do Salvador, que o vivente e agora capaz de ha-bitar no corao de cada um de vo-cs pelo Espirito Santo, conclamo e exorto com as palavras do Apstolo

    Paulo, que tudo podemos naquele que nos fortalece (cf. Fl 4,13). Portanto, o sonho de um mundo novo no acabou. O jovem Jesus caminha conosco. A realidade de hoje diferente em sua roupa-gem, mas, no fundo, ainda a du-reza de corao do ser humano que devemos combater com o testemu-nho da unio, comunho, alegria e servio a todos. No importando a religio, a orientao sexual ou classe social. Como o Apstolo Tiago nos diz em sua carta, no podemos fazer acep-o de pessoas (cf. Tg 2, 1). Assim, testemunharemos, na fora do Sal-vador, que tudo podemos naquele que nos fortalece. Pe. Marco Antnio Gonalves Porto

    Vigrio Paroquial do Santurio

  • www.saojudasbh.com.br l [email protected] l facebook.com/saojudasbh

    BEM ESTAR 3EsquEcEr normal?

    muito comum ouvirmos queixas de falta de memria das pessoas, principalmente com mais de sessenta anos de idade. Mas quando podemos pensar que nossa memria realmente est ruim e merece maior ateno? Primeiramente, precisamos entender que nossa memria seletiva e que fixamos com mais facilidade os contedos que repetem com mais frequncia e aquilo que nos gera mais emoo, seja ela boa ou ruim, pois a memria est intimamente ligada ao colorido emocional de cada situao da vida. Esquecer faz parte do processo de aprendizagem e necessrio para no acumularmos informaes desnecessrias ao longo do tempo. Outro aspecto importante e relevante sabermos que a memria falvel em qualquer fase da vida. Mas at onde esquecer normal? Primeiramente deve-se observar de quem parte a queixa. A famlia, os amigos no geral reclamam

    Dbora GuizoliPsicloga (CRP 04/31433)

    (Instrutora da Oficina de Memria)

    Precisamos ficar atentos aos esquecimentos que comeam a

    atrapalhar nosso cotidiano

    exemplo, uma dona de casa que sabe cozinhar muito bem, num certo dia se esquece de como temperar os alimentos. Outro exemplo que podemos citar seria um motorista que certo dia entra no prprio carro e sente dificuldade em utilizar as marchas. Acontecimentos como estes nos revelam uma perda de habilidade por algum problema que merece maior cuidado e deve ser

    investigado. A memria no deve ser vista como algo isolado em nosso organismo. Para termos uma boa memria devemos gozar de uma boa sade fsica e mental, termos uma boa qualidade de sono e sempre estimularmos nossa atividade cerebral com treinamento das nossas capacidades cognitivas como linguagem, raciocnio, abstrao, associao, orientao espacial, etc. Estas capacidades podem ser treinadas em Oficinas de Memria de maneira prazerosa, sem competio. Observe como est sua memria e quem se queixa dela. No se preocupe em esquecer de vez em quando. Questes emocionais interferem no processo de memorizao. No se teste o tempo inteiro, mas busque constantemente treinar sua memria para aumentar as conexes neuronais. O crebro necessita ser estimulado!

    da sua memria ou s voc que se queixa dela? Quando a famlia ou amigos falam que sua memria est ruim e voc no percebe, deve-se dar mais ateno e buscar ajuda profissional o mais rpido possvel para realizao de exames e possveis tratamentos. Mas, quando a queixa vem da prpria pessoa, mais provvel que sejam problemas como sobrecarga de atividades, ansiedade, depresso, estresse, entre outros fatores que tambm merecem ser investigados e possivelmente tratados. Precisamos ficar atentos aos esquecimentos que comeam a atrapalhar nosso cotidiano, como por

  • suscita a f e provoca a converso, ou seja, ele querigmtico: o pri-meiro anncio que gera uma experi-ncia profunda de Deus. Vemos isso atravs da pergunta essencial deste evangelho: Quem Jesus? A atuao de Jesus provoca um clima de sus-pense e expectativa: quem este? Que sabedoria essa? De onde ele vem? A resposta chega atravs dos gestos libertadores de Jesus como salvador de nossas vidas e que nos convida a entrar no caminho do dis-cipulado. no caminho que as pes-soas vo descobrindo que Jesus uma Boa Notcia, que ele o Cristo, o Filho de Deus. Durante os domingos do Tempo Comum, nos sentamos como discpulos para ouvir o Mestre, nos colocamos atrs dele no caminho sabendo que preciso renunciar a si mesmo e perder a sua vida por Jesus e por seu Evangelho. E ainda carregar a cruz e fazer-se o ltimo de todos e servo de todos.

    Informativo Paroquial l Santurio Arquidiocesano So Judas Tadeu l Edio n 273 l 28 de Junho de 2015

    4LITURGIATEmpo do discipuladoPe. Wagner Douglas G. de Souza

    CATEQUESE

    Os domingos do Tempo comum, marcados pela cor ver-de, nos colocam no mistrio Pas-cal de Cristo no tempo da Igreja. A cada ano celebramos a f em torno de um dos Evangelhos si-nticos: Mateus, Marcos e Lucas, respectivamente anos A, B e C. So 34 domingos organizados em duas etapas: a primeira, entre a festa do Batismo do Senhor e a Quaresma, e a segunda, entre o Domingo de Pentecostes e o Tem-po do Advento. Neste ano de 2015, nos reunimos como assembleia para celebrar o mistrio da f luz do Evangelho de Marcos (ANO B). Ouvindo a Palavra de Deus e par-ticipando do sacrifcio do Senhor, revivemos nos diversos domingos do Tempo Comum o Mistrio Pas-cal de Cristo, transformando as nossas alegrias e sofrimentos em oferta agradvel a Deus. O Evangelho de Marcos

    FazEi nosso corao sEmElhanTE ao Vosso

    Fbio Cristiano RabeloTelogo e Catequista

    Vinde a mim, todos vs que estais cansados e carregados de fardo