Jornal fato 2903 15

  • View
    222

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Jornal fato 2903 15

  • Maktub!

    Marcelo S. Schwan

    03

    Sergio daMio

    acaso 03

    Mostra destacaa histria

    de CachoeiroQuarenta e sete fotos

    compem acervo exposto no Museu

    Ferrovirio. Captadas por diversos autores,

    mostram a cidade pelo panorama do Rio Itapemirim ao longo do tempo

    cachoeirensebusca o pdioem SalvadorA atleta mirim Las Paixo um dos destaques da seleo capixaba que disputa o brasileiro regional da modalidade na Bahia

    JUd

    11

    inVeSTiMenTo

    02

    recUPerao

    02terapia e medicamentos contra o vcio itapemirim anuncia r$ 400 mi em obras

    Divulgao/PMIArquivo FATO

    r$ 1,00 - ano 11 - edio 3227 cachoeiro de itapemirim - eS | domingo | 29 de Maro de 2015

    E s p r i t o s a n t o d E

    contra FaTo no h argumentoses.fato@terra.com.br | www.jornalfato.com.br

    MaraTaZeS tribunal revoga liminar que determinava retorno de prefeito tucano acusado de corrupo e interino petista continua no cargo. h quase dois anos afastado, ele reassumiria a Prefeitura amanh

    Jander morre na praia

    Ele tinha apenas 16 anos de idade, mas pilotava na Rodovia do Sol, em Itapemirim. Violenta coliso frontal contra automvel arrancou-lhe uma perna e um brao, alm de provocar outros graves ferimentos

    08

    DivulgaoEm batida de moto, menor dilacerado

    04

    05Ailton Weller

    Facebook

  • ES dE Fato, domingo, 29 dE maro dE 20152 geral (28) 3511-7481es.fato@terra.com.brtwitter.com/jornalfato

    remdios e terapia viramferramentas contra o vcio

    Sade Centro de ateno Psicossocial para lcool e Outras Drogas j atendeu cerca de 4 mil pacientes desde 2012

    O Caps-AD conta com dois psiquiatras, um clnico geral com ps--graduao em Sade Mental, duas enfermei-ras, trs tcnicos em enfermagem, duas psi-clogas, dois assistentes sociais, duas higieniza-doras, trs recepcionis-tas, um auxiliar admi-nistrativo, um educador fsico, duas farmacuti-cas, quatro vigias e um coordenador.

    Erlindo revelou que os profissionais de sade ainda realizam visita domiciliar, colendo da-dos que possam contri-buir no tratamento dos pacientes.

    Temos tambm, s quintas-feiras, reunio e atendimento indivi-dual com as famlias, pois 50% do tratamen-to do Caps-AD e 50% com ajuda das famlias, conclui.

    Sobre o CentroO Caps-AD um ser-

    vio aberto, de refern-

    cia e tratamento para usurios dependentes de lcool e outras dro-gas, com acompanha-mento dirio, efetuado por equipe interdisci-plinar, que oferta cuida-do integral, intensivo e personalizado.

    Promove o tratamen-to por meio do forta-lecimento dos laos familiares e da reinser-o social. A unidade possui espao para ati-vidades teraputicas, ldicas e de gerao de renda.

    CapS-aDFuncionamento de

    segunda a sexta, das 8h s 16h30

    endereo: Rua Jos Lobato, s/n, bairro Ot-ton Marins (rua paralela Linha Vermelha)

    telefone: 3522-4366Para ser atendido,

    preciso: Levar documento de

    identificao e carto do Sistema nico de Sade (SUS)

    Esses so os tipos de tratamento oferecidos aos pacientes na unidade Caps-AD de Cachoeiro

    O Centro de Ateno Psicossocial para lcool e Outras Drogas (Caps--AD) de Cachoeiro de Itapemirim, inaugurado em fevereiro de 2012, j prestou atendimento a cer-ca de quatro mil pacientes, conforme estimativa do coordenador da Unidade, Erlindo Martins.

    Ele contou que esse nmero inclui mesmo aquelas pessoas que, por alguma razo, no

    deram continuidade ao tratamento.

    Hoje a mdia de pa-cientes em regime in-tensivo (que vm todos os dias) de 30 pessoas. As atividades so mi-nistradas de segunda a sexta-feira, das 8:00h s 16h30, explicou.

    Martins enumerou as terapias que so apli-cadas em grupo. Elas incluem: artesanato, te-rapia ocupacional, pales-

    tras (inclusive de repre-sentantes do Alcolicos Annimos), momento de orao (evanglicos e catlicos), atividades com os mdicos da instituio, Enfermagem, Psicologia, Servio Social e educador fsico (acompanhamento na academia popular e na quadra poliesportiva).

    Alm dessas aes, te-mos o manuseio com a terra na horta localizada no ptio do Caps, acres-

    centou.Sobre o nmero de re-

    cuperao, o coordena-dor no soube precisar, mas informou que 80% dos que frequentam o Centro, depois de uma ltima avaliao da equi-pe multidisciplinar, saem em condies de voltar vida normal. Temos as recadas e os abandonos, mas o resultado conside-rado satisfatrio, acredita Erlindo.

    EquipE dE atEndimEnto

    Arquivo FATO

    Est em processo de fi-nalizao a licitao de um pacote de obras que chega a R$ 400 milhes em Itapemirim, priori-zando educao, sade e infraestrutura, garante a Prefeitura Municipal.

    Segundo o prefeito Lu-

    ciano Paiva, a ordem de servio das principais obras deve ser dada em abril e vai gerar cerca de dois mil empregos dire-tos atravs das empresas contratadas.

    Trata-se de investimen-tos com recursos prprios

    e dos royalties do petr-leo. Entre as principais obras, destaca-se a refor-ma do Hospital Menino Jesus, no distrito de Ita-oca; construo de 450 casas populares e outras 300 residncias reforma-das; terminal pesqueiro

    de Itaipava; construo de trs escolas e 11 postos de sade; mercado mu-nicipal; pavimentao e drenagem de 95 ruas em Itaoca e Itaipava; abrigos de nibus; substituio da luminria antiga por LED, enumera Paiva.

    inFraeSTrUTUra

    Itapemirim anuncia R$ 400 milhes em obras

    Promessa de gerao de dois mil empregos diretos pelas empresas contratadas na licitao pblica

    Divulgao/PMI

  • ES dE Fato, domingo, 29 dE maro dE 2015

    www.jornalfato.com.brfacebook.com/espiritosanto.defato 3oPinio(28) 3511-7481

    A lembrana mais antiga que tenho de o que eu queria ser quando crescer, quando pequeno, era dentista. Lembro que eu pegava alguns palitos de dente e um alicate de cutcula de mame e ficava tapando com bolinhas de algodo uns buraqui-nhos que havia nos marcos e alisares das portas de casa, brincando que os estava obturando.

    Mais tarde um pouco cismei que seria cientista, me imaginava misturando fumacentos lquidos coloridos em tubos de ensaios e beckers claro que eu no sabia que aqueles vidros parecendo um copo baixinho, gordinho e de boca larga tinham esse nome. Nessa poca, mais crescido e j com o hbito da leitura enraizado e comeando a gostar de televiso e cinema, devorava os gibis que minha me comprava, e apreciava em especial as hist-rias em quadrinhos do Professor Pardal. Quanto a filmes, claro que os de aventura eram meus pre-diletos Tarzan, Zorro e O Vigilante Rodovirio; mas com o tempo passei a gostar mais dos de fico cientfica Flash Gordon e National Kid, principalmente. Por isso a vocao para cientista.

    Na poca do vestibular a coisa complicou para o meu lado, como se diz. Eu realmente no sabia o que fazer, o que queria algum, com 16 ou 18 anos sabe o que quer da vida? Poucos o sabem, creio eu. Resultado, por comodidade prestei vestibular para Engenharia Agronmica e passei. Terminei o curso em cinco anos, aps trancar a faculdade por seis meses, perodo em que pensei em me transferir para Comunicao Social. Mas o tamanho e a quantidade de gente no campus da UFES em Vitria me assustou, e decidi voltar para o CAUFES em Alegre e terminar o curso.

    Depois de formado, aps quatro meses traba-lhando no Banco Real ingressei na EMCAPA, atual INCAPER, e l fiquei por quase cinco anos. Sa, aps me desentender com um medalho e ser transferido de Cachoeiro para Venda Nova do Imigrante, praticamente s vsperas de me casar. Quando descobri que o motivo da transferncia fora pessoal, no pensei duas vezes, decidi que ali no era o meu lugar. Fiz concurso e entrei no Banestes, trabalhando aqui mesmo na minha cidade. Em 1996 entrei na Faculdade de Direito de Cachoeiro e me formei em 2000, mas no exerci, nem exero, a advocacia.

    E para qu escrevi isso tudo, voc se pergunta. Para dizer o seguinte: estou feliz fazendo o que fao. Aprendi a gostar de ser bancrio, um trabalho de certa forma burocrtico, mas que, como qual-quer outro trabalho na sociedade, como qualquer outro emprego, importante; ajuda a tecer o que chamam de tecido social. Sei que fiz escolhas erra-das e intempestivas durante minha vida; todavia o resultado, at aqui, tem sido bom. Lamento apenas as decises que no tomei ou as coisas que no fiz; mas se o que fiz deu errado, pacincia. Alm de aprender com meus erros, tenho certeza de que no momento de decidir, dadas as condies que se me apresentavam, fiz as melhores escolhas possveis.

    Maktub!

    Marcelo S. Schwan msschwan8@gmail.comCaminhar pelas ruas das cidades, mais ainda em

    Cachoeiro, em dia de domingo ensolarado, permi-te pensar. O melhor quando estamos sozinhos. So momentos ntimos, introspectivos, diferentes daqueles do dia a dia, da rotina da vida diria. Em um desses momentos, em uma das ruas de acesso para a beira do rio Itapemirim, pensei nas coisas de nossas vidas. Naquilo que acontece e no que pode acontecer. Na vida coletiva das pessoas, na admi-nistrao e poltica da cidade, nas reas para lazer e cultura que nos faltam, na educao e sade, coisas que podem melhorar ou piorar com o voto de uma eleio municipal, estadual ou nacional. Algo que pode mudar as condies para uma vida mais saud-vel e a infraestrutura para desfrut-la. Pensei, alm disso, nas coisas do destino, do acaso (instantes do tempo no dominados) e naquelas que dependem do esforo pessoal (da nossa determinao).

    Da determinao pessoal, pensei naquilo que material: casa, carro, roupas, plano de sade, algo que conquistamos com o trabalho. Alcanamos esse patrimnio com o estudo, com o conheci-mento, com a transpirao corporal e inspirao pessoal. Raramente com o esplio dos nossos pais ou parentes prximos, nestes, os bens adquiridos, deixamos se perderem ou no valorizamos.

    Para as coisas no materiais, lembrei-me da mitologia grega e do nascimento d