Iracema slide pronto

  • View
    6.950

  • Download
    231

Embed Size (px)

Text of Iracema slide pronto

  • 1. A ndia dos lbios de mel

2. Um dos mais belos romances da nossaliteratura romntica, Iracema considerado pormuitos um poema em prosa. A trgica histria de amor impossvel da belandia apaixonada pelo guerreiro branco MartimSoares Moreno contada por Jos de Alencarcom o ritmo e a fora de imagens prprios dapoesia e explica as origens da terra natal doautor, o Cear. 3. VIDA DE JOS DE ALENCAR Nasceu em 1 de maio de 1829 em LagoaRedonda, prximo a Messejana Cear. Cursou direito em So Paulo, foi poltico, jurista,dramaturgo e romancista. Em 1859 tornou-se chefe da Secretaria doMinistrio da Justia, sendo depois consultor domesmo, tornando-se mais tarde deputadoestadual do Cear. Em 1856 publica o primeiro romance, CincoMinutos, seguido de A Viuvinha em 1857. Mas com O Guarani em (1857) que alcanarnotoriedade. Estes romances foram publicadostodos em jornais e s depois em livros. Morreu dia 12 de dezembro de 1877. 4. PRINCIPAIS OBRAS DE JOS DE ALENCAR O guarani,1857 Lucola,1862 Ubirajara,1874 O sertanejo,1875 A viuvinha,1857 O gacho,1870 Cinco minutos,1856 Demnio A pata dafamiliar,1857Gazela,1870 Verso e Reverso,1857 Senhora,1875 Me,1860 Diva,1864 5. Contexto histrico O romance situa-se nos primeiros anos do sculo XVII,quando Portugal ainda estava sob domnio Espanhol(Unio Ibrica), e por foras da unio das coroasibricas, a dinastia castelhana ou filipina reinava emPortugal e em suas colnias ultra-marinas. A ao inicia-se entre 1603 e o comeo de 1604 eprolonga-se at 1611. O episdio amoroso entre Martine Iracema, do encontro morte da protagonista, d-seem 1604 e ocupa quase todo romance, do captulo II aoXXXII. 6. em 3 pessoa. O narrador onisciente. Inicialmente o narrador participa dahistria pois ir contar uma narrativa quelhe contaram de sua terra natalUma histria que me contaram nas lindasvargens onde nasci 7. GNERO LITERRIO Para Jos de Alencar, como explicita o subttulo de seu romance, Iracema uma "Lenda do Cear". tambm, segundo diferentes crticos e historiadores, um poema em prosa, um romance poemtico, um exemplo Cada uma dessas de prosa potica, umdefinies pe em relevo romance histrico-um aspecto da obra e indianista, uma narrativa nenhuma a esgota: a pico-lrica ou lenda, a narrativa, a mitopotica.poesia, o herosmo, o lirismo, a histria, o mito. 8. O encontro da natureza (Iracema) eda civilizao (Martim) projeta-se naduplicidade da marcao temporal. H emIracema um tempo potico, marcado pelosritmos da natureza e pela percepo sensorialde sua passagem (as estaes, a lua, o sol, abrisa), e que predomina no corpo danarrativa, e um tempo histrico, cronolgicodemarcado por Martin e suas origens, indo de1604 a 1611. 9. Espao O espao geogrfico e se passa dentrode uma selva. A valorizao da cor local, dotpico, do extico inscreve-se na intenonacionalista de embelezar a terra natal pormeio de metforas e comparaes queampliam as imagens de umNordeste paradisaco, primitivo. 10. Iracema: ndia da tribo dos tabajaras,filha de Araqum, velho paj; eraumas espcie de vestal (no sentido deter a sua virgindade consagrada adivindade) por guardar o segredo dajurema (bebida mgica alucingenanos rituais religiosos); Anagrama deAmrica. A virgem dos lbios demel. (Personagem Plana) Martim: guerreiro branco amigo dospitiguaras, habitante do litoral,adversrio dos tabajaras; ospitiguaras lhe deram o nome deCoatiabo. (Personagem Plana) 11. Poti: heri dos pitiguaras, amigo (que se consideravairmo) de Martim. (Personagem Plano) Irapu: chefe dos tabajaras; apaixonado por Iracema. Caubi: ndio tabajara; irmo de Iracema. (Personagemesfrico) Jacana: Chefe dos pitiguaras, irmo de Poti. Araqum: Paj da tribo tabajara, pai de Iracema eCaubi. Batuirit: O av de Poti, o qual denomina MartimGavio Branco, fazendo, antes de morrer, a profecia dadestruio de seu povo pelos brancos. 12. Parte I a chegada do guerreiro branco Parte II abandono da ptria Parte III um novo comeo Parte IV final trgico 13. Parte 1 a chegada do guerreirobranco Durante uma caada, Martim, um guerreiro portugus, se perdeu dos companheiros pitiguaras e caminhou sem rumo durante 3 dias. Encontrou-se com Iracema da tribo dos tabajaras. Quando se deparou com Martim, surpresa e amedrontada a ndia o feriu com uma flechada, arrependida a moa correu at Martim e ofereceu-lhe hospitalidade. A hospedagem ali no agradou um guerreiro: Irapu, que era apaixonado por Iracema. Enquanto isso, Martim convivia com a saudade de Portugal, e tambm com a crescente admirao pela virgem Tabajara. 14. Parte 2 abandono daptria Apaixonada por Martim e assim traindo o compromisso de virgem, portadora do segredo da jurema da tribo tabajara, Iracema decide fugir ao lado de seu amado e seu amigo Poti (guerreiro da tribo inimiga, pitiguaras). Iracema fugiu de sua aldeia rumo ao litoral. Ao perceberem o ocorrido, Irapu e Caubi lideram os tabajaras e perseguem os amantes. No caminho encontraram os pitiguaras. Ocorrendo assim, uma batalha sangrenta. 15. Parte 3 um novo comeoA fuga acabou numa praia deserta, onde o casal decidiu construir uma cabana. Aps um tempo os franceses de aliaram aos tabajaras e decidiram travar uma batalha com a tribo. Assim Martim viu-se obrigado a guerrear junto a seu irmo Poti deixando Iracema na cabana grvida. 16. Parte 4 final trgico Iracema deu a luz a um menino, mas foi um parto de risco, por esta razo ficou debilitada, ento seu filho foi chamado de Moacir, o filho da dor. De tanto chorar Iracema perdeu o leite para alimentar o filho, conseguiu nutrir seu filho, mas a jovem perdia as foras e o apetite. O guerreiro branco, ao chegar e ouvir o canto triste da jandaia pressentiu a tragdia, voltou a tempo de Iracema morrer em seus braos. O sofrimento de Martim foi enorme com a perda do seu grande amor. 17. O lugar onde Iracema foi enterradaveio a se chamar Cear.Moacir, fruto de uma relao trgicaentre sangue portugus e sangueindgena tornou-se o primeiro cearense.No cear, Martim cria seu filho, implantaa f crist e continuou uma amizade fielcom Poti. 18. O nome Iracema um anagrama da palavra Amrica. O nome de Martim refere-se ao deus greco-romanoMarte , o deus da guerra e da destruio. A linguagem foi construda para melhor representar asingeleza da lngua brbara, com termos a frases,quepaream naturais na boca dos ndios. Obra bastante elogiada por Machado de Assis. Aparentemente Alencar se inspirou no romance Atalae Ren, de Chateaubriand, gerando uma composiocom vrios pontos em comum, mas Iracema semdiscusso uma obra superior e original em suaessencialidade. Obra baseada tambm em tradio oral e em relatoshistricos. 19. Os personagens Martim e Poti realmenteexistiram: Martim Soares Moreno foi umdos excelentes cabos portugueses quelibertaram o Brasil da invaso holandesa, etornou-se o verdadeiro fundador do Cear.Poti recebeu o nome de Batismo de AntnioFelipe Camaro, participou na guerraholandesa e seus servios foramremunerados com o foro de fidalgo, acomenda de Cristo e o cargo de capito-mordos ndios. Duas msicas foram feitas em homenagem Iracema: Iracema voou, de Chico Buarque, eIracema Brasil, de Eduardo Dusek. Em Fortaleza h cinco esttuas em suahomenagem, alm de uma praia e um hotel. Um filme foi feito, seguindo o roteiro daobra: Iracema, a virgem dos lbios de mel, deCarlos Coimbra, em 1976; e outro filmetambm foi inspirado na obra, porm ahistria foi trazida triste realidade em quese encontrava o Brasil em 1976: Iracema,Uma Transa Amaznica.