Click here to load reader

INFLUENZA A (H1N1) PROFESSOR CLERSON VIROSE / PANDEMIA / GRIPE SUÍNA

  • View
    111

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of INFLUENZA A (H1N1) PROFESSOR CLERSON VIROSE / PANDEMIA / GRIPE SUÍNA

  • Slide 1
  • INFLUENZA A (H1N1) PROFESSOR CLERSON VIROSE / PANDEMIA / GRIPE SUNA
  • Slide 2
  • PANDEMIA HISTRICO Surgimento de um novo vrus ou outro microorganismo Surgimento de um novo vrus ou outro microorganismo Populao no est imunizada Populao no est imunizada no h vacina prontano h vacina pronta nem o corpo das pessoas conhece o vrus.nem o corpo das pessoas conhece o vrus. Muitos so atingidos, resultando em uma epidemia que se espalha em diversos pases. Muitos so atingidos, resultando em uma epidemia que se espalha em diversos pases.
  • Slide 3
  • VRUS INFLUENZA HISTRICO Precedente histrico: preocupaes atuais Precedente histrico: preocupaes atuais Influenza A, B e C / vrios subtipos Influenza A, B e C / vrios subtipos Mutaes genticas Mutaes genticas
  • Slide 4
  • VRUS INFLUENZA A SUBTIPO H1N1 / A (H1N1) Subtipo de INFLUENZAVIRUS A Subtipo de INFLUENZAVIRUS A Causa mais comum: Gripe em humanosCausa mais comum: Gripe em humanos Letra H refere-se protena HEMAGLUTININALetra H refere-se protena HEMAGLUTININA Letra N protena NEURAMINIDASELetra N protena NEURAMINIDASE Este subtipo deu origem (MUTAO) a vrias estirpesEste subtipo deu origem (MUTAO) a vrias estirpes Incluindo GRIPE ESPANHOLA (atualmente extinta) Incluindo GRIPE ESPANHOLA (atualmente extinta) Estirpes moderadas de GRIPE HUMANA Estirpes moderadas de GRIPE HUMANA Estirpes endmicas de GRIPE SUNA Estirpes endmicas de GRIPE SUNA Vrias estirpes de GRIPE AVIRIA Vrias estirpes de GRIPE AVIRIA
  • Slide 5
  • Slide 6
  • VRUS INFLUENZA A SUBTIPO H1N1 / A (H1N1) H1N1H1N1 HEMAGLUTININA NEURAMINIDASE
  • Slide 7
  • Slide 8
  • Slide 9
  • PANDEMIA DE 1918 GRIPE ESPANHOLA USA e Europa Gripe Humana: Influenza / Gripe EspanholaGripe Humana: Influenza / Gripe Espanhola Guerra: Aparecimento em duas etapasGuerra: Aparecimento em duas etapas Vrus (H1N1) relativamente brando / Primavera Vrus (H1N1) relativamente brando / Primavera Voltou no Outono: Tornou-se mortal Voltou no Outono: Tornou-se mortal Quando ele retorna, existe a possibilidade de ser mais virulento. Quando ele retorna, existe a possibilidade de ser mais virulento. Devastou o mundo inteiroDevastou o mundo inteiro
  • Slide 10
  • Slide 11
  • Slide 12
  • ENDEMIA DE 1930 GRIPE SUNA - ANIMAIS USA e Mxico Vrus (Influenza H1N1 e H3N2): Gripe sunaVrus (Influenza H1N1 e H3N2): Gripe suna Entre sunosEntre sunos Transmisso: Ar e objetos contaminadosTransmisso: Ar e objetos contaminados
  • Slide 13
  • EPIDEMIA DE 1955 GRIPE AVIRIA SIA Vrus (Influenza H5N1): Gripe aviria Entre frangos : Tpica das aves / Gripe Asitica Transmisso: Ar, gua, alimentos e objetos contaminados contato direto com secrees de aves infectadas
  • Slide 14
  • Situao dos pases: Casos confirmados 16 /12 / 2003
  • Slide 15
  • ENDEMIA DE 1988 GRIPE SUNA - HUMANOS USA Vrus (Influenza A H1N1): Gripe suna ?Vrus (Influenza A H1N1): Gripe suna ? Entre HumanosEntre Humanos Transmisso: Ar e objetos contaminadosTransmisso: Ar e objetos contaminados Sintomas parecidos: Gripe comumSintomas parecidos: Gripe comum
  • Slide 16
  • MARO DE 2009
  • Slide 17
  • Slide 18
  • PANDEMIA DE 2009 INFLUENZA A (H1N1) Entre Humanos: ABRIL DE 2009 / SURTO A (H1N1)Entre Humanos: ABRIL DE 2009 / SURTO A (H1N1) Transmisso: Ar e objetos contaminadosTransmisso: Ar e objetos contaminados Sintomas parecidos: Gripe comumSintomas parecidos: Gripe comum
  • Slide 19
  • ABRIL 2009
  • Slide 20
  • GRIPE SUNA RESUMO ORIGEM n n VRUS INFLUENZA: GERALMETE ATACA APENAS PORCOS, O H1N1 MUTAES n n ALGUMAS VEZES, MUTAES FAZEM COM QUE OS VRUS GANHEM A CAPACIDADE DE AFETAR HUMANOS. ATUALMENTE CONTGIO n n A FORMA MAIS COMUM: PESSOAS LIDAM DIRETAMENTE COM PORCOS. n n VERSO ATUAL: EVIDNCIAS QUE O VRUS TENHA CAPACIDADE DE PASSAR DE PESSOA PARA PESSOA, O QUE AUMENTA O RISCO. SINTOMAS n n FEBRE, LETARGIA, FALTA DE APETITE E TOSSE / ALGUMAS PESSOAS TAMBM APRESENTAM: CORIZA, GARGANTA SECA, NUSEAS, VMITO E DIARRIA.
  • Slide 21
  • 1918 Gripe Espanhola 1930 Gripe Suna 1988 Gripe Suna / Mutaes 2003 Gripe Aviria 2009 Gripe Influenza A (H1N1)
  • Slide 22
  • Slide 23
  • GRIPE SUNA RESUMO MEDICAMENTOS UTILIZADOS n n DROGAS: ZENAMIVIR E OSELTAMIVIR n n NO H VACINA EFICAZ PARA HUMANOS PREVENO: n n CUBRA SEU NARIZ E BOCA COM UM LENO QUANDO TOSSIR OU ESPIRRAR; n n LAVE AS MOS CONSTANTEMENTE COM GUA E SABO, APS TOSSIR OU ESPIRRAR. LCOOL EFETIVO; n n EVITAR TOCAR OLHOS, NARIZ E BOCA; n n EVITE CONTATOS PRXIMOS A PESSOAS DOENTES; n n SE VOC FICAR DOENTE, FIQUE EM CASA E LIMITE O CONTATO COM OUTROS PARA EVITAR INFECT-LOS.
  • Slide 24
  • PANDEMIA DE 2009 NOTICIRIO Matou mais de 100 pessoas no MXICO, e pensava-se existirem mais de 1500 indivduos infectados em todo o mundo em 26 de Abril de 2009. O Centers for Disease Control and Prevention nos Estados Unidos avisou que era possvel que este surto desse origem a uma PANDEMIA.Centers for Disease Control and Prevention No balano oficial da OMS divulgado no comeo da manh de 8 de maio de 2009, que no inclui o aumento de casos na Amrica do Norte, Europa e Amrica Latina, o nmero de contaminados era de 2384, com 42 mortes.Amrica do NorteEuropaAmrica Latina
  • Slide 25
  • NOTICIRIO: Ainda no sabemos como est se espalhando e, certamente, no sabemos a extenso do problema. A boa notcia que todos os pacientes se recuperaram - um deles precisou ser internado, mas j saiu do hospital. At o momento no parece ser uma gripe muito grave. A gripe j matou 16 pessoas no Estado de So Paulo, 16 no Rio Grande do Sul, cinco no Rio de Janeiro e QUATRO no Paran. Apesar do nome, a gripe suna no apresenta risco de infeco por ingesto de carne de porco e derivados. A Secretaria de Sade do Paran confirmou nesta segunda-feira mais QUATRO (27/07/2009) mortes causadas pela gripe suna no Estado. Um pouco antes, a cidade de Osasco (SP) havia confirmado outros dois bitos causados pela doena. Com isso, o nmero de casos fatais da doena no Brasil sobe para 45.
  • Slide 26
  • NOTICIRIO: O nmero de pessoas contaminadas com a nova gripe chega a 82 no estado. Depois da Regio de Curitiba (formada pela capital paranaense e cidades metropolitanas), com 34 casos, Foz do Iguau a rea que mais concentra casos da doena, com doze confirmaes. A seguir vm Ponta Grossa (9 casos), Cascavel (6), Londrina (3) e Apucarana e Maring (2). As demais cinco regies do Estado somam um caso cada uma. O nmero de pessoas contaminadas com a nova gripe chega a 82 no estado. Depois da Regio de Curitiba (formada pela capital paranaense e cidades metropolitanas), com 34 casos, Foz do Iguau a rea que mais concentra casos da doena, com doze confirmaes. A seguir vm Ponta Grossa (9 casos), Cascavel (6), Londrina (3) e Apucarana e Maring (2). As demais cinco regies do Estado somam um caso cada uma. ATUAL AT 27/07/2009 20h00
  • Slide 27
  • NOTICIRIO: Foi comprovado que a variante do vrus A (H1N1) que hoje infecta mais de 130 mil seres humanos no mundo e j matou mais de 800 uma descendncia direta da que provocou a chamada gripe espanhola em 1918. Segundo um estudo publicado no ltimo dia 16 nos Estados Unidos, a gripe suna a quarta gerao do vrus (H1N1) que matou centenas de milhares aps a 1 Guerra Mundial e sua letalidade diminuiu aps mutaes. Foi comprovado que a variante do vrus A (H1N1) que hoje infecta mais de 130 mil seres humanos no mundo e j matou mais de 800 uma descendncia direta da que provocou a chamada gripe espanhola em 1918. Segundo um estudo publicado no ltimo dia 16 nos Estados Unidos, a gripe suna a quarta gerao do vrus (H1N1) que matou centenas de milhares aps a 1 Guerra Mundial e sua letalidade diminuiu aps mutaes. A taxa de mortalidade da pandemia de 1918 foi de 598 mortes para cada grupo de 100 mil pessoas. A pandemia seguinte, de 1928, matou 96,7 dentro do mesmo universo. J a de 1934, mataria 52. O surto de 1957 teve mortalidade de 40,6 e o de 1997 voltaria a crescer para 49,5, para cair a 17,1 em 2003. O estudo no apresenta dados consolidados sobre o atual surto de gripe. A diminuio na taxa de mortalidade atribuda dinmica entre o aumento da resistncia humana ao vrus e suas mutaes. A taxa de mortalidade da pandemia de 1918 foi de 598 mortes para cada grupo de 100 mil pessoas. A pandemia seguinte, de 1928, matou 96,7 dentro do mesmo universo. J a de 1934, mataria 52. O surto de 1957 teve mortalidade de 40,6 e o de 1997 voltaria a crescer para 49,5, para cair a 17,1 em 2003. O estudo no apresenta dados consolidados sobre o atual surto de gripe. A diminuio na taxa de mortalidade atribuda dinmica entre o aumento da resistncia humana ao vrus e suas mutaes.
  • Slide 28
  • NOTICIRIO: n A expectativa de que a OMS anuncie a passagem na escala de alerta pandmico para a fase seis, o nvel mximo, que estabelece a doena como pandemia global. n De acordo com o mais recente balano divulgado pela OMS na ltima quarta-feira, foram registrados, em apenas dois dias, 2.449 novos casos da gripe. n De acordo com o mais recente balano divulgado pela OMS na ltima quarta-feira, foram registrados, em apenas dois dias, 2.449 novos casos da gripe. n Com todas estas confirmaes, o total de mortes pelo influenza A (H1N1) no Pas chega a 56 (25/07/2009). n Com a confirmao de mais duas mortes por gripe suna no Rio Grande do Sul, o total de mortes por gripe suna no Brasil atinge 61 pessoas (28/07/09). n Com a confirmao de

Search related