Click here to load reader

Folheto Apac2014

  • View
    218

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Folheto

Text of Folheto Apac2014

  • A baixa de Lisboa que atualmente podemos visitar est fortemente marcada pela reconstruo realizada aps o terramoto de 1755. No entanto, perdidos na cidade setecentista, existem muitos vestgios que nos mostram a sua ancestralidade.

    O percurso Lisboa Quinhentista procura dar a conhecer aos mais jovens as caractersticas sociais, econmicas e culturais de um dos perodos histricos mais importantes, partindo de testemunhos arquitetnicos e artsticos espalhados pela cidade.

    Nesta visita passaremos por vrios edifcios religiosos e civis, com vestgios quinhentistas ou construdos durante esse perodo que vo servir para conversarmos sobre questes fundamentais da Histria de Portugal na poca Moderna: os Descobrimentos, a Companhia de Jesus, as Misericrdias, a Arquitetura manuelina e renascentista, o urbanismo.

    PERCURSOLISBOA QUINHENTISTA

    Iremos recuar segunda metade do sculo XVIII, com um percurso pedestre que vai permitir s crianas e jovens conhecer a Baixa Pombalina com olhos de ver.

    A reconstruo da Baixa Pombalina, orientada pelo Marqus de Pombal aps o terramoto de 1755, considerada a maior escola urbanstica Portuguesa que influenciou a construo de grande nmero de novas cidades, na frica, na sia, Ocenia e Amrica.

    Atravs deste percurso os alunos, iro conhecer a nova planificao da cidade, abordando a arquitectura religiosa com a revitalizao de igrejas existentes, a arquitectura civil, que se denuncia pela volumetria, organizao das fachadas e estrutura anti-ssmica designada por gaiola e as artes decorativas nomeadamente os estuques, as guardas das varandas, os ferros decorativos e os azulejos tipicamente pombalino.

    ASSOCIAO PORTUGUESA DOS AMIGOS DOS CASTELOS

    Recuar, recuar, recuar o nosso pensamento at Idade Mdia.

    este o ponto de partida para a nossa viagem pela histria...

    BRINCAR COM A

    HISTRIA

    A utilizao das plantas para fins medicinais uma prtica to antiga como a Humanidade. J os antigos Sacerdotes Egpcios utilizavam as plantas medicinais como forma de tratamento das doenas.

    Na Idade Mdia os monges tinham jardins nos mosteiros onde cultivavam as plantas necessrias ao fabrico de chs ou pomadas. E foi assim at ao sc. XVIII.

    De Antiquae PlantaeWorkshop de plantas medicinais

    Custo de participao por aluno: 1,50 no workshop.

    Custo de participao por aluno: 3,00 no percurso a p.

    Associao Portuguesa dos Amigos dos CastelosRua Barros Queirs, n20, 1 Esq. 1100-077 Lisboa

    Telef. 918 748 695 Fax 21 888 53 [email protected] www.amigosdoscastelos.org.pt

    Apoios: Custo de participao por aluno: 3,00 no percurso a p.

  • PROJECTO DIDCTICO

    A CIDADE E O QUOTIDIANO MEDIEVAL

    Este projeto didtico, cuja temtica incide sobre a

    vivncia medieval, faz a descrio dos ambientes

    urbanos e rurais atravs de um percurso expositivo

    que conduz os alunos numa viagem no tempo e

    os leva descoberta de diferentes aspetos da vida

    quotidiana das pessoas nesta poca

    histrica. Conhecer o interior das casas e as ruas

    na Idade Mdia, o vesturio nas diferentes classes

    sociais, a alimentao e hbitos de higiene, a

    msica, os jogos e outras formas de divertimento

    vai ajudar a reforar o conhecimento terico

    recebido na sala de aula.

    A recriao de um scriptorium transporta-nos para

    o ambiente de vida nos mosteiros e a escrita... E

    uma visita Idade Mdia sem um torneio no

    ficava completa.

    Para complementar e reforar os conceitos

    transmitidos neste projecto didtico temos o

    PERCURSO MEDIEVAL, um pequeno passeio

    pela Lisboa Medieval que nos leva descoberta

    da antiga estruturao da cidade medieval com

    as suas estreitas e tortuosas ruas e casas com

    fachadas marcadamente medievais (algumas

    restauradas e de uma beleza mpar).

    Custo de participao por aluno: 3,50 no projecto 2,50 no percurso a p.

    A situao geogrfica da cidade de Lisboa junto ao

    Tejo constituiu uma posio privilegiada para que os

    Portugueses procurassem descobrir outras formas de

    viver atravs da navegao para destinos a Oriente e

    Ocidente.

    As trocas comerciais e culturais realizadas contriburam em

    muito para uma diversificao dos hbitos nomeadamente

    alimentares e quotidianos.

    Este espao vivo ir servir como complemento s matrias

    lecionadas na sala de aula, por forma a criar maior

    interesse pela nossa histria e pelas diferentes culturas.

    A recriao dos ambientes locais, paisagens, povos e

    vesturio, pretende proporcionar s crianas de uma

    forma didtica e ldica uma viagem no tempo e no

    espao da expanso portuguesa.

    O Mar leva e traz...,

    Intercmbio de produtos e culturas

    no espao ultramarino no sc. XVI,

    um projeto didtico que foca as trocas

    comerciais e culturas que se iniciaram

    no perodo quinhentista, destacando os

    produtos, costumes e influncias que os

    portugueses levaram e trouxeram para

    Portugal, Brasil e ndia.

    Custo de participao por aluno: 3,50 no projecto

    PROJETO DIDTICO