FBI - Farmaceutico Bioquimico - V

Embed Size (px)

Text of FBI - Farmaceutico Bioquimico - V

CONCURSO PBLICO

CADERNO DE QUESTES

FBI VTARDE

CDIGO

PROVA

ATENO: VERIFIQUE SE CDIGO E PROVA DESTE CADERNO DE QUESTES CONFEREM COM O SEU CARTO DE RESPOSTAS

Secretaria de Estado da Sade Pblica SESAP

CARGO: FARMACUTICO BIOQUMICOFRASE PARA EXAME GRAFOLGICO (TRANSCREVA NO QUADRO DE SEU CARTO DE RESPOSTAS)

No desista enquanto voc ainda for capaz de fazer um esforo a mais. nesse algo a mais que est a sua vitria Roberto ShinyashikiA T E N O1. O Caderno de Questes contm questes de mltipla-escolha, cada uma com 5 opes (A, B, C, D e E).2. Ao receber o material, verifique no Carto de Respostas seu nome, nmero de inscrio, data de nascimento, cargo e prova. Qualquer irregularidade comunique imediatamente ao fiscal de sala. No sero aceitas reclamaes posteriores. 3. A prova objetiva ter durao de 4:00 horas, includo neste tempo o preenchimento do Carto de Respostas. 4. Leia atentamente cada questo e assinale no Carto de Respostas a opo que responde corretamente a cada uma delas. O Carto de Respostas ser o nico documento vlido para a correo eletrnica. O preenchimento do Carto de Respostas e a respectiva assinatura sero de inteira responsabilidade do candidato. No haver substituio do Carto de Respostas, por erro do candidato. 5. Observe as seguintes recomendaes relativas ao Carto de Respostas: - A maneira correta de marcao das respostas cobrir, fortemente, com esferogrfica de tinta azul ou preta, o espao correspondente letra a ser assinalada. - Outras formas de marcao diferentes implicaro a rejeio do Carto de Respostas. - Ser atribuda nota zero s questes no assinaladas ou com falta de nitidez, ou com marcao de mais de uma opo, e as emendadas ou rasuradas. 6. O fiscal de sala no est autorizado a alterar qualquer destas instrues. Em caso de dvida, solicite a presena do coordenador local. 7. Voc s poder retirar-se definitivamente do recinto de realizao da prova aps 1 hora contada do seu efetivo incio, sem levar o Caderno de Questes. 8. Voc s poder levar o prprio Caderno de Questes caso permanea na sala at 1 hora antes do trmino da prova. 9. Por motivo de segurana, s permitido fazer anotao durante a prova no Caderno de Questes e no Carto de Respostas . Qualquer outro tipo de anotao ser motivo de eliminao automtica do candidato. 10. Aps identificado e instalado na sala, voc no poder consultar qualquer material, enquanto aguarda o horrio de incio da prova. 11. Os trs ltimos candidatos devero permanecer na sala at que o ltimo candidato entregue o Carto de Respostas. 12. Ao terminar a prova, de sua responsabilidade entregar ao fiscal o Carto de Respostas. No esquea seus pertences. 13. O Gabarito Oficial da Prova Objetiva ser disponibilizado no site www.funcab.org, conforme estabelecido no Cronograma.

BOA PROVA

www.pciconcursos.com.br

LINGUA PORTUGUESALeia o texto abaixo e responda s questes propostas. Texto 1 Quanto mais caro, melhor O cigarro, que j foi acessrio de seduo nos filmes de Hollywood, hoje malvisto pela maioria das pessoas. Mesmo assim, um contingente de 1,3 bilho de pessoas insiste em continuar fumando. H um consenso entre praticamente todos os governos de que preciso baixar esse nmero at que o hbito de fumar seja extinto no planeta. Os fumantes custam fortunas aos sistemas de sade pblica e colaboram decisivamente para os ndices de morte prematura em todos os pases. Na semana passada, o Ministrio da Fazenda anunciou um aumento nos impostos federais que incidem sobre os cigarros no Brasil. A medida elevar o preo dos maos de cigarros entre 20% no caso das marcas mais populares e 25%. O governo espera que o aumento do imposto sobre o cigarro compense a perda de receita com os benefcios fiscais concedidos ao setor de automveis e de material de construo como recurso para enfrentar a crise econmica. Seu efeito paralelo, com certeza, ser uma melhoria na sade do brasileiro. Estudos da Organizao Mundial de Sade indicam que um aumento de 10% nos impostos sobre o fumo geralmente acarreta uma queda de 4% no consumo de cigarros, no caso dos pases desenvolvidos, e de 8% nos pases em desenvolvimento. O aumento de impostos, as restries aos locais onde se pode fumar e a proibio da publicidade de cigarros so hoje as trs ferramentas mais eficazes no combate ao tabagismo. Na semana passada, o Congresso americano praticamente triplicou os impostos que incidem sobre os cigarros. Antes o preo de cada mao embutia 39 centavos de dlar de imposto agora, esse valor de 1,01 dlar. Segundo as estatsticas, todo ano o cigarro mata 440 000 americanos mais do que em toda a II Guerra. No Brasil, so 200 000 mortes anuais ligadas aos males decorrentes do consumo de tabaco. A Unio Europeia determina que os impostos sobre cigarros devem representar pelo menos 57% do preo de cada mao. At 2014, a UE pretende elevar esse percentual para 63%. O pas que mais combate o fumo na Europa a Inglaterra. O aumento de impostos aplicado no ano passado quadruplicou o preo dos maos de cigarros. A proibio de fumar em locais pblicos fechados, como restaurantes e universidades, hoje uma tendncia mundial. Cerca de 50% dos americanos e 90% dos canadenses moram em cidades onde essa norma j foi implantada. Em Paris, proibido fumar nos cafs. Nos famosos pubs londrinos, j no permitido acompanhar com baforadas as canecas de cerveja quente. No Brasil, a campanha antifumo comeou para valer em 1996, quando o governo restringiu ao horrio noturno a propaganda de cigarros no rdio e na televiso. Em 1998, o fumo foi proibido nos avies. Inicialmente, quando a aeromoa anunciava a proibio pelo microfone, muitos passageiros comemoravam com palmas. Em 2000, a propaganda tabagista foi proibida em todos os meios de comunicao. No ano seguinte, vetou-se o patrocnio dos eventos culturais e esportivos por parte dos fabricantes de cigarros, que foram obrigados a estampar fotos chocantes nos maos. A eficcia dessas medidas foi enorme. Em 1989, 35% da populao brasileira era fumante em 2006, esse ndice baixou para 17%. Na Assembleia Legislativa do Estado de So Paulo est prevista para esta semana a votao de uma lei que no s probe o fumo em lugares pblicos fechados como extingue a peculiar instituio dos fumdromos locais em prdios de escritrios onde se refugiam os fumantes. No Rio de Janeiro, no ano passado, um decreto da prefeitura extinguiu os fumdromos e instituiu multa para os infratores de at 75 000 reais. No Recife, h um ano no se pode fumar em locais fechados e at mesmo em locais ao ar livre, caso se comprove que a fumaa no se dispersa com facilidade. A m fama do cigarro nas sociedades atuais pode prejudicar os fumantes em situaes diversas. Uma pesquisa sobre ambientes corporativos encomendada pela indstria farmacutica Pfizer mostrou que, nas empresas brasileiras, 44% dos funcionrios e 80% dos patres acham que os no fumantes so mais produtivos. De cada dez currculos que recebemos para uma vaga, pelo menos um traz no final 'no fumante', e, isso pesa na deciso do empregador, diz Augusto Costa, diretor-geral da consultoria de recursos humanos Manpower, de So Paulo. Nos Estados Unidos, os fumantes pagam entre 15% e 20% mais por um seguro de vida. Caso o prmio da aplice seja superior a 100 000 dlares, as seguradoras obrigam o cliente a fazer um checkup mdico que pode detectar, entre outros males, o tabagismo. No Brasil, duas grandes seguradoras j cobram preos mais altos de clientes que fumam. Parece claro que, um dia, o cigarro ser lembrado como uma esquisitice do passado da humanidade.(Duda Teixeira e Carolina Romanini, in Revista Veja,08/04/2009)

1. Assinale a opo que tem base no texto. A) S nas ltimas dcadas o consumo do tabaco se tornou realmente prejudicial sade. B) A Inglaterra foi pioneira no controle do tabagismo atravs do aumento de impostos. C) As medidas governamentais referentes ao controle do tabagismo se assemelham na maioria dos pases. D) A erradicao da propaganda de cigarros no contribuiu para a diminuio do nmero de fumantes no Brasil. E) Os fumantes reminiscentes continuam reagindo s normas implementadas na maioria dos pases.

2. De acordo com o texto, alm da preocupao com a sade pblica, as razes motivadoras do controle do uso do tabaco so tambm de ordem: A) B) C) D) E) poltica. econmica. moral. tica. social.

3. Assinale a nica afirmao INCORRETA com relao ao texto. A) Segundo o texto as normas antifumo foram implantadas paulatinamente. B) Uma pesquisa encomendada por uma indstria farmacutica sugere que o hbito do cigarro prejudica o desempenho dos trabalhadores. C) No mercado de trabalho, os no fumantes j comeam a se beneficiar na concorrncia por vagas em algumas empresas. D) O tabagismo j pode ser detectado atravs de exame mdico. E) Apesar de todas as restries, o tabagismo no tem chance de ser erradicado no Brasil.

02

www.pciconcursos.com.br

4. Assinale a opo em que a retirada das vrgulas acarretaria mudana de sentido. A) O cigarro, que j foi acessrio de seduo nos filmes de Hollywood, hoje malvisto pela maioria das pessoas. B) Na semana passada, o Ministrio da Fazenda anunciou um aumento nos impostos federais que incidem sobre os cigarros no Brasil. C) Seu efeito paralelo, com certeza, ser uma melhoria na sade do brasileiro. D) No Brasil, a campanha antifumo comeou para valer em 1996, quando o governo restringiu ao horrio noturno a propaganda de cigarros no rdio e na televiso. E) Inicialmente, quando a aeromoa anunciava a proibio pelo microfone, muitos passageiros comemoravam com palmas.

8. A orao grifada em: ...e at mesmo em locais ao ar livre, caso se comprove que a fumaa no se dispersa com facilidade., classifica-se como subordinada: A) B) C) D) E) substantiva subjetiva. substantiva objetiva direta. substantiva completiva nominal. adjetiva restritiva. adjetiva explicativa.

9. O termo grifado em: A m fama do cigarro nas sociedades atuais pode prejudicar os fumantes em situaes diversas., exerce funo sinttica de: A) B) C