Erechim – Frederico Westphalen – Santiago – Santo .Erechim – Frederico Westphalen – Santiago

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Erechim – Frederico Westphalen – Santiago –...

  • Erechim Frederico Westphalen Santiago Santo ngelo So Luiz Gonzaga Cerro Largo

    2

    l. Verifique se o Caderno da Prova est completo, conferindo a paginao e as questes numeradas de 1 a 5. Qualquer irregularidade no Caderno da Prova deve ser comunicada ao fiscal, logo aps a conferncia. No sero aceitas reclamaes posteriores.

    2. Mantenha sobre a carteira somente o documento de identidade, a ficha de inscrio,

    a prova e o material necessrio sua realizao. 3. No permitido o emprstimo de caneta, lpis, borracha e outros objetos. 4. Voc pode fazer as anotaes que desejar no Caderno da Prova. 5. NO SO PERMITIDAS PERGUNTAS RELATIVAS AO CONTEDO DA

    PROVA. 6. A prova individual. O uso de qualquer recurso no permitido acarreta a sua

    imediata anulao. 7. Para cada questo, h somente uma resposta a ser assinalada. 8. Voc receber, no decorrer da prova, o CARTO-RESPOSTA, preenchido com

    seu nome e nmero de inscrio. Confira-o e complete-o, negritando a quadrcula da resposta de cada questo. Evite rasuras, revise e assine-o.

    9. Voc receber a FOLHA DE REDAO no decorrer da prova. Confira os dados e

    no assine. 10. Ao trmino da prova, entregue ao fiscal o CARTO-RESPOSTA e a FOLHA

    DE REDAO. 11. A interpretao das questes parte integrante da prova. 12. A durao da prova de 4 horas.

    INSTRUES GERAIS

  • Erechim Frederico Westphalen Santiago Santo ngelo So Luiz Gonzaga Cerro Largo

    3

    Texto

    01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28

    CONVIVENDO COM A INCERTEZA

    Uma das sensaes que mais abalam o ser humano a incerteza das coisas. Elaboramos planos, minuciosamente, achando que, estando sob controle,

    tudo sair exatamente conforme o imaginado. Fatos, relacionamentos, carreira, casamento, negcios, dinheiro, enfim, idealizamos e imaginamos obstinadamente como queremos que acontea, a cada passo. Existem aqueles que, em nome de serem previdentes, j calculam at os possveis resultados diferentes dos esperados, frente a hipotticos intercursos no decorrer do processo. E quando o resultado no tem o desfecho imaginado e to exaustivamente calculado, provoca surpresa, estupor, desiluso, inconformismo, revolta e at depresso.

    quando cai a ficha: no existem certezas! A nica certeza que existe que tudo est sempre mudando.

    Claro que preciso disciplina, ordem e planejamento na conduo de um trabalho, de um procedimento, estudo, pesquisa, de uma vida, para que os melhores resultados sejam obtidos. O que seria do prdio se no houvesse um projeto bem feito para sua construo? Ou do paciente se o cirurgio no tiver seu caso estudado e planejado?

    O que produz o choque e a angstia frente a resultados inesperados so a rigidez e as atitudes extremamente controladoras, que produzem a certeza absoluta da realizao do imaginado. H certezas que conduzem arrogncia.

    Certeza e arrogncia tendem a formar uma liga altamente resistente a mudanas, sobretudo s inesperadas. Entretanto, o perigo a estagnao.

    A certeza arrogante nos faz esquecer de que vivemos em um universo em constante mutao, fator do contnuo processo de transformao. Esquecemos que a essncia de nosso universo a impermanncia, e ela est em toda a existncia.

    Nenhum dia igual ao outro. Nada estvel ou definitivo, e, sim, tudo efmero e, portanto, relativo, estando num constante vir-a-ser [...].

    Fonte: http://www.ippb.org.br/textos/revista-online/convidados/convivendo-com-a-incerteza-por-eda-cecilia-marini . Acesso em: 05 out. 2015 (Texto, parcialmente, adaptado).

    LNGUA PORTUGUESA

  • Erechim Frederico Westphalen Santiago Santo ngelo So Luiz Gonzaga Cerro Largo

    4

    1. No texto, as palavras obstinadamente (linha 05), previdentes (linha 06), estupor (linha 09), estagnao (linha 22) e efmero (linha 28) significam, respectivamente,

    a. ( ) insistentemente prevenidos insensibilidade suspenso disperso. b. ( ) persistentemente cautelosos espanto paralisao transitrio. c. ( ) irredutivelmente informados medo interrupo temporrio. d. ( ) incansavelmente precavidos imobilidade neutralizao passageiro. e. ( ) incessantemente cuidadosos assombro regresso breve.

    2. Analise as seguintes afirmativas em relao ao contedo do texto:

    I - O contnuo processo de mutao provoca consequncias desagradveis tanto ao

    ser humano como sociedade como um todo. II - A ausncia de certezas absolutas provoca estagnao humana. III - O constante vir-a-ser da vida moderna, decorrente das exigncias da atual

    conjuntura sociopoltico-cultural provoca, nas pessoas, sentimentos de angstia e ansiedade.

    Est(o) correta(s)

    a. ( ) I. b. ( ) II e III. c. ( ) III. d. ( ) II. e. ( ) I e II.

    3. Em relao ao ttulo e s informaes contidas no texto, possvel inferir que

    I - o autor est em busca de explicaes para as incertezas da vida. II - as incertezas tornam as pessoas intolerantes aos fatos do cotidiano. III - as certezas so relativas, pois dependem de formao humana, intelectual e

    tcnica. IV - a transformao das certezas em incertezas contribui para a insegurana vivida no

    cenrio atual. Est(o) correta(s)

    a. ( ) I. b. ( ) I e II. c. ( ) III e IV. d. ( ) III. e. ( ) I, II, III e IV.

  • Erechim Frederico Westphalen Santiago Santo ngelo So Luiz Gonzaga Cerro Largo

    5

    4. Considere as seguintes afirmaes, a respeito dos recursos textuais utilizados pelo autor.

    I- O emprego da primeira pessoa do plural Elaboramos (linha 02) e idealizamos e

    imaginamos (linha 04) inclui autor e leitor, o que cria um efeito de participao conjunta na apresentao e avaliao do tema.

    II- O emprego de quando cai a ficha[...] (linha 11) e Nenhum dia igual ao outro. (linha 27) remete a clichs utilizados na linguagem coloquial.

    III- O emprego da palavra que em diferentes frases do texto como Uma das sensaes que[...] (linha 01), Existem aqueles que[...] (linhas 05-06) s se justifica pela formalidade do texto.

    Est(o) correta(s)

    a. ( ) I. b. ( ) II. c. ( ) III. d. ( ) I e II. e. ( ) I, II e III.

    5. Levando em considerao as relaes de sentido entre elementos do texto, associe as colunas e, na sequncia, assinale a alternativa correspondente.

    1. Finalidade ( ) enfim (linha 04) 2. Condio ( ) e at (linha 10) 3. Oposio ( ) para que (linha 14) 4. Concluso ( ) se (linha 16) 5. Adio ( ) sobretudo (linha 22)

    A sequncia correta

    a. ( ) 4 5 1 2 3. b. ( ) 5 2 1 4 3. c. ( ) 2 5 3 4 1. d. ( ) 3 4 5 2 4. e. ( ) 4 1 2 3 5.

  • Erechim Frederico Westphalen Santiago Santo ngelo So Luiz Gonzaga Cerro Largo

    6

    INSTRUES:

    1. Faa sua redao em folha prpria que lhe ser fornecida pela banca. 2. Redija um texto com, no mnimo, 20 linhas, e, no mximo, 30 linhas. 3. Escreva a caneta. O uso do lpis s permitido no rascunho. 4. Faa um rascunho e releia-o, atentamente, antes de passar a limpo. 5. Escreva com letra legvel. No permitido o uso de corretor lquido. Se errar, apenas risque a expresso e reescreva-a com clareza. 6. Use a grafia do Novo Acordo Ortogrfico da Lngua Portuguesa. 7. Demonstre competncia para expressar-se conforme as normas da lngua-padro, com adequao ao tema, ao interlocutor e situao.

    OBSERVE AS SEGUINTES AFIRMAES: Maturidade a capacidade de suportar incertezas. (John Finley)

    A incerteza uma margarida cujas ptalas nunca acabam de desfolhar. (Mario Vargas Llosa)

    Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir e chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante o decidir. (Cora Coralina)

    Porque aprendi, que vida, apesar de bruta, meio mgica. D sempre pra tirar um coelho da cartola. E l vou eu, nas minhas tentativas, s vezes meio cegas, s vezes meio burras, tentar acertar os passos. Sem me preocupar se a prxima etapa ser o tombo ou o voo. (Caio Fernando Abreu)

    Carlos, sossegue, o amor isso que voc est vendo: hoje beija, amanh no beija, depois de amanh domingo e segunda-feira ningum sabe o que ser. (Carlos Drummond de Andrade)

    So incalculveis os benefcios que provm da noo de incerteza do dia e ano da nossa morte: esta incerteza corresponde a uma espcie de eternidade. (Marques de Marica)

    Avalia-se a inteligncia de um indivduo pela quantidade de incertezas que ele capaz de suportar. (Immanuel Kant)

    Queria tanto mudar sua vida, mas voc no sabe se vai ou se fica. (Ana Carolina)

    REDAO

  • Erechim Frederico Westphalen Santiago Santo ngelo So Luiz Gonzaga Cerro Largo

    7

    PROPOSTA:

    As afirmaes tratam de incertezas. Segundo o dicionrio Aurlio, INCERTEZA

    um substantivo feminino que significa falta de certeza; hesitao; indeciso; perplexidade;

    dvida.

    Voc, certamente, j passou e passa por momentos de inmeras incertezas na sua

    vida. Essas incertezas ora so de ordem afetiva, ora de ordem profissional, como tambm

    de conflitos pessoais de maior ou menor relevncia.

    Assim, reflita sobre as citaes que acabou de ler, de diferentes autores, e escreva

    um texto argumentativo-dissertativo, discorrendo sobre as incertezas que o acompanham

    neste momento de sua vida.

    Pense: Considera normal as pessoas terem incertezas?

    Que incertezas voc tem?

    H alguma que mais o (a) angustia? Por qu?

    Como pretende lidar com esta incerteza? Ou no sabe como lidar com ela?

  • Erechim Frederico Westphalen Santiago Santo ngelo So Luiz Gonzag

View more >