Edi§£o n 557

  • View
    229

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Edi§£o n 557

  • QUAL A SUA?

  • TEM ALGUM VCIO?CONHECE ALGUM QUE SEJA DEPENDENTE DE ALGO QUE, AOS POUCOS, EST A

    MAT-LO?ENTO, ESTA OPORTUNIDADE

    PARA SI!

    Dia 31 de agosto, voc ter acesso DOSE MAIS FORTE, a nica dosagem

    certa para que a sua vida mude!

    VENHA RECEBER A

    ogo, sexo, tabaco, por-nogra a, lcool, com-primidos, comida... Por mais que o vcio da dro-

    ga seja o mais demonizado de todos, existem muitas seme-lhanas entre os vcios atrs re-feridos e o das drogas. Muitos sintomas so os mesmos e o tratamento tambm bastante voltado para o desenvolvimen-to de tolerncia a frustraes eautocontrolo.

    Somas de dinheiro cada vez mais avultadas; cocktails de comprimidos; copos vazios... De dose em dose, procura-se a dose mais forte, que vai sa-ciando a fome de prazer, de bem-estar, de controlo, de re-compensa interior. Quando a pessoa ganha tolerncia sua dependncia precisa de doses cada vez mais signi cativas para conseguir os efeitos desejados e, quando a tolerncia atinge o seu limite, acontece a dose

    letal, que conduz sua morte.

    O que a Dose Mais Forte?Sem a presena de um est-mulo contnuo e e caz, mes-mo que a pessoa tenha uma estrutura psicolgica capaz de tolerar frustraes e lidar com sensaes desagradveis al-tamente provvel que entre em depresso e, eventualmente, retorne ao vcio.

    No domingo, dia 31 de agosto, s 7h30 ou 9h30, cada pessoa, dependente, ex-dependente, que esteja a ser aliciada ou a iniciar-se num vcio, ter aces-so DOSE MAIS FORTE! Esta dose nica, mas tem tal poder de transformao que o vcio manifestamente exter-minado da vida da pessoa, sem possibilidade de retorno ou re-cada. Venha experiment-la, pois neste dia temos a dosa-gem certa para a sua vida!

    J

  • EDIO N 557 Ano 11 De 24 a 30 de agosto de 2014 Edio Nacional e Ilhas Jornal de distribuio gratuita 63.000 exemplaresEDIO N 557 Ano 11

    f o l h a d e p o r t u g a l . p t

    Siga-nos no facebook!

    Diretor: Joo Filipe

    portugal... PG. 09

    CADEIASportuguesas

    Falta de guardas, sobrelotao, violncia entre reclusos, insegurana e pssimas condies de habitabilidade esto a levar rutura

    reportagem... PG. 12

    CRIANAS AFRICANAS Em 1950, apenas 10% das crianas do Mundo viviam em frica, 100 anos depois sero 40. Em 2050, 25% da populao mundial ser africana

    nacional... PG. 2I

    Todos os meses, o Projeto Raabe, apoiado pelo Centro de Ajuda, com o intuito de valorizar e ajudar as mulheres que passam por situaes de violncia, organiza uma reunio para as orientar

    De quem depende o futuro da sua vida?

    bem-estar... PG. 14

    Centro de Ajuda, acreditamos em si como ningum!

    c o n q u i s t a s f i n a n c e i r a s . p tPUB

    CIRURGIA ESTTICA

    As estrias po dem ser removidas

    cirurgicamente? A lipoaspirao reduz o

    peso? As olheiras podem desaparecer? Saiba

    as respostas a estas e outras dvidas

    TEMA CAPA... PGS. 06/07

    Fama, riqueza e sucesso parecem no chegar para preencher aquele vazio interior que teima em persistir e no desaparecer. Este parece ser o caso de inmeros artistas famosos que tentaram o suicdio ou conseguiram mesmo tirar a prpria vida

    PUB

    Quando ter tudoparece no ser sufi ciente

    CEDIDA

  • Tenha uma boa leitura!

    editorialJoo Filipe Diretor

    E

    Quando se ouve falar que algum cometeu suicdio, muitas pessoas dizem e pensam que um ato de coragem, sustentando essa tese com o argumento de que necessria coragem para praticar tal ato. Mas ser mesmo a coragem que leva uma pessoa a praticar este ato? Na realidade, na maioria das vezes diagnosticado um quadro clnico de depresso profunda, o que a leva a isolar-se do mundo e a sentir-se cada vez mais sozinha, mesmo que esteja rodeada por uma multido.

    Este um problema cada vez mais comum nos dias que correm porque as pessoas criam grandes expetativas e quando estas no se concretizam, os nveis de confiana ficam muito baixos. Nessa altura surgem duas solues: a primeira desistir e cometer suicdio, com o argumento de que desta forma acaba com os problemas; e a segunda arregaar as mangas e lutar para inverter a situao.

    A primeira sada parece a mais simples e a seguida, muitas vezes, por pessoas que enfrentam problemas de depresso profunda. Na realidade basta pensarmos um pouco no ato em si. Se quando uma pessoa mata algum chamada de assassina, ento, porque deveria um ato contra a sua prpria vida ser visto de outra forma?

    A segunda sada a mais difcil, pois exige da parte da pessoa reaes e aes. Afinal, no basta saber que se tem de agir, pois a pessoa precisa tomar decises e lutar para conseguir sair da situao em que est.

    O ser humano, por natureza, procura seguir a lei do menor esforo, para que, desta forma, consiga chegar ao sucesso. Contudo, este no o melhor caminho, pois tudo na vida tem de ser conquistado com esforo. por este motivo que, durante muitos anos, ns, no jornal Folha de Portugal, temos apresentado milhares de casos verdicos de pessoas que estavam no fundo do poo mas que, com a sua luta e uso de uma F-inteligente conseguiram mudar o curso da sua vida e hoje so pessoas bem-sucedidas. Pessoas que estavam sem emprego, doentes, com a famlia completamente destruda e entregue aos vcios e hoje so donas de grandes empresas e geradoras de postos de trabalho, tm as suas famlias reconstrudas e a sua sade restaurada.

    Desistir

    MAU TEMPO NAS FILIPINAS: Um fi lipino em cima de um poste numa rua inundada de Manila, consequncia de chuvas torrenciais. As aulas esto suspensas em algumas universidades.sem

    flas

    h...

    PUB

    RIT

    CH

    IE B

    . TO

    NG

    O/E

    PA

    Vou lutar pela honra e dignidade da minha famlia RICARDO SALGADO, DIRIO ECONMICO

    Ser me faz--nos crescer e

    evoluir imenso PAULA LOBO ANTUNES, CARAS

    Parece que estou a comear a minha carreira JLIO CSAR, LUSA

    Tenho em casa um homem do Douro que amo profundamente LAURA FERREIRA, CARAS

    Ao fim de 28 anos de vida em comum, e depois de refletirmos maduramente sobre o assunto,

    a Fernanda e eu decidimos terminar definitivamente o

    nosso casamento TONY CARREIRA, FACEBOOK

    Ser me faz--nos crescer e

    evoluir imenso PAULA LOBO ANTUNES,

    Vou lutar pela honra e dignidade da minha famlia RICARDO SALGADO,DIRIO ECONMICO

    Ser me faz--nos crescer e

    evoluir imenso PAULA LOBO ANTUNES,

    02

    folhadeportugal.ptDOMINGO 24 de agosto de 2014em foco /// NANI EST DE REGRESSO AO SPORTING

    Diretor: Joo Filipe jf.d@folhadeportugal.ptEditor: IURDRedao: Carla Vaz e Joana MarquesCopydesk: Carla VazAssistente de Redao: Cludia PereiraPaginao: Eliane Rosa, Brbara Domingos e Paulo Cabral Correio do Leitor / Publicidadegeral@folhadeportugal.pt

    A FOLHA DE PORTUGAL NO SE RESPONSABILIZA NEM PELAS INFORMAES CONTIDAS NAS CARTAS DOS LEITORES,

    POIS ELAS NO EMITEM NECESSARIAMENTE A OPINIO DO JORNAL, NEM PELA AUTENTICIDADE DOS ANNCIOS PUBLICADOS

    FOLHA DE PORTUGAL Ttulo registado no ERC com o n 125046 Propriedade: IURD Sede administrativa: Praceta Professor Francisco Gentil, n 3 - Pvoa de Santo Adrio - Lisboa

    NIPC: 592001679 Periodicidade: Semanal Impresso: Rafi k Comunicao e Imagem Unipessoal, Lda. - Stio da Bemposta, n 1, 1A e1B, Longo da Vila - Mafra Tiragem: 63.000 exemplares

    Depsito Legal: 322699/11 Distribuio: Gratuita Circulao: Portugal Continental e Ilhas FOLHA DE PORTUGAL ALAMEDA D. AFONSO HENRIQUES, N 35 (ANTIGO CINEMA IMPRIO) 1000-123 LISBOA TEL: 210 300 971 FAX: 210 300 999

    Todas as fotografias e imagens que no esto devidamente identificadas, reservam-se os direitos de autor

  • 03DOMINGO 24 de agosto de 2014

    Anualmente, centenas de milhar de pessoas so separadas dos seus entes queridos nestas condies. As famlias dos desaparecidos afirmam que o que mais precisam de saber o que aconteceu pessoa desaparecida, mas,

    infelizmente, em muitos casos, essa questo pode nunca vir a ser resolvida.

    Todavia, estas famlias tambm tm outras necessidades, tais como as decorrentes de questes legais no resolvidas relacionadas com o estatuto

    da pessoa desaparecida. Estas questes podem envolver assuntos como herana, propriedade, estado civil ou at mesmo a custdia de filhos. Ainda podero existir necessidades financeiras causadas pelos custos relacionados com a procura de um familiar desaparecido ou no apoio famlia se a pessoa que desapareceu era o seu principal sustento.

    Muitas vezes existem tambm grandes necessidades psicossociais, as quais podem envolver isolamento emocional, sentimentos de culpa, raiva, depresso ou trauma e tenses entre os membros da famlia ou com membros das suas comunidades. As famlias de pessoas desaparecidas encontram-se com frequncia a braos com a incerteza.

    Fonte: cruzvermelha.pt

    folhadeportugal.ptsete dias /// 25 mil desaparecidos forados na colmbia

    dia internacional dos DesaparecidosA 30 de agosto, a Cruz Vermelha chama a ateno para o destino das pessoas desaparecidas, como resultado de conflitos armados ou desastres naturais, e as vidas das famlias, que lidam com a incerteza de no saber se os seus entes queridos esto vivos ou mortos

    A data comemorada desde 29 de agosto de 2009, quando a Assembleia- -Geral da ONU aprovou uma resoluo a respeito da proposta da Repblica do Cazaquisto. O objetivo captar a ateno internacional e pr em relevo a necessidade de prevenir entre todos os Estados-membros a realizao de novos ensaios de armas nucleares, com o apoio das instituies acadmicas, as redes

    juvenis e os meios de difuso social.Desde o princpio da era atmica que a

    posse de armas nucleares um parmetro que os pases e as instituies utilizam para medir o avano cientfico e o poderio militar. Para co