Diretrizes do Conselho Internacional de podem ser classificados em duas fases de RD. Retinopatia Diabética

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Diretrizes do Conselho Internacional de podem ser classificados em duas fases de RD. Retinopatia...

  • www.icoph.org

    Fevereirode2014

    Diretrizes do Conselho Internacional de Oftalmologia (Internacional Council of Ophthalmology - ICO) para o Tratamento do Olho Diabtico

  • Conselho Internacional de Oftalmologia | Diretrizes para o Tratamento do Olho Diabtico | Pgina 1 Copyright ICO Janeiro de 2014. Traduo e adaptao para uso local no comercial so encorajadas, mas, por favor, com crditos a ICO.

    Diretrizes do Conselho Internacional de Oftalmologia para o Tratamento do Olho Diabtico

    O Conselho Internacional de Oftalmologia (Internacional Council of Ophtalmology - ICO) desenvolveu as Diretrizes do ICO para o Tratamento do Olho Diabtico para desempenhar um papel educacional e de apoio para oftalmologistas e prestadores de cuidados com os olhos mundialmente. Essas diretrizes tm a inteno de melhorar a qualidade dos cuidados com os olhos de pacientes ao redor do mundo. As Diretrizes atendem s necessidades e exigncias para os seguintes nveis de servio:

    Configuraes de recursos escassos ou insuficientes: Servio essencial ou principal para triagem e gerenciamento de retinopatia diabtica (RD)

    Configuraes de recursos intermedirios: Servio de nvel mdio

    Configuraes ricas em recursos: Seleo e gesto de RD avanadas e com tecnologia de ponta

    As Diretrizes foram concebidas para informar os oftalmologistas sobre as exigncias para triagem e deteco de retinopatia diabtica e a avaliao e gerenciamento apropriados de pacientes com RD. As Diretrizes demonstram, tambm, a necessidade de os oftalmologistas trabalharem com prestadores de cuidados primrios, bem como com especialistas adequados, como endocrinologistas. Com o problema de diabetes e a retinopatia diabtica crescendo rapidamente no mundo, vital assegurar que oftalmologistas e provedores de cuidados com os olhos estejam adequadamente preparados. O ICO acredita que uma abordagem tica indispensvel, pois isso o primeiro passo em direo a prticas clnicas de qualidade. Baixe o Cdigo de tica do ICO em: www.icoph.org/downloads/icoethicalcode.pdf (PDF 198 KB).

    As Diretrizes foram criadas para ser um documento de trabalho e sero atualizadas constantemente. Elas foram lanadas primeiramente em dezembro de 2013. Esse documento foi atualizado em fevereiro de 2014. O ICO espera que essas Diretrizes sejam de fceis leitura, traduo e adaptao para uso local. O ICO aceita quaisquer comentrios, observaes ou sugestes Por favor, contate-nos por e-mail em: info@icoph.org.

    Fora-Tarefa em Tratamento de Olho Diabtico 2013

    Hugh Taylor, MD, AC, Presidente

    Susanne Binder, MD

    Taraprasad Das, MD, FRCS

    Michel Farah, MD

    Frederick Ferris, MD

    Pascale Massin, MD, PhD, MBA

    Wanjiku Mathenge, MD, PhD, MBChB

    Serge Resnikoff, MD, PhD

    Bruce E. Spivey, MD, MS, MEd

    Juan Verdaguer, MD

    Tien Yin Wong, MD, PhD

    Peiquan Zhao, MD

    Comisso de Tratamento de Olho Diabtico 2014

    Tien Yin Wong, MD, MBBS, PhD, Presidente

    Rick Ferris, MD

    Neeru Gupta, MD, PhD, MBA

    Van Lansingh, MD, PhD

    Wanjiku Mathenge, MD, PhD, MBChB

    Eduardo Mayorga, MD

    Sunil Moreker, MBBS

    Serge Resnikoff, MD, PhD

    Hugh Taylor, MD, AC

    Juan Verdaguer, MD

  • Conselho Internacional de Oftalmologia | Diretrizes para o Tratamento do Olho Diabtico | Pgina 2 Copyright ICO Janeiro de 2014. Traduo e adaptao para uso local no comercial so encorajadas, mas, por favor, com crditos a ICO.

    l. Introduo

    O Diabetes mellitus (DM) uma epidemia global com morbidez significativa. A Retinopatia diabtica (RD) a complicao microvascular especfica da DM e afeta uma em cada trs pessoas com DM. A RD permanece sendo a principal causa de perda de viso em populaes adultas ativas. Pacientes com nveis severos de RD so descritos como tendo pior qualidade de vida e reduzidos nveis de bem-estar fsico, emocional e social e utilizam mais recursos de cuidados em sade. Estudos epidemiolgicos e testes clnicos tm mostrado que controle otimizado de glicose, presso e lipdeos no sangue pode reduzir o risco de desenvolvimento de retinopatia e retardar sua progresso. O tratamento adequado com fotocoagulao a laser e, cada vez mais, o uso apropriado de administrao intraocular de inibidores do fator de crescimento vascular endotelial (FCVE) podem prevenir a perda visual em retinopatia que ameace a viso, particularmente edema macular diabtico (EMD). Como a perda visual pode no estar presente nos estgios iniciais de retinopatia, a triagem regular de pessoas com diabetes essencial para permitir uma interveno precoce.

    Epidemiologia da Retinopatia Diabtica Em muitos pases, a RD a causa mais frequente de cegueira evitvel em adultos em idade ativa. Nos Estados Unidos, estima-se que 40% (8% para retinopatia que ameace a viso) das pessoas com diabetes tipo 2 e 86% (42% para retinopatia que ameace a viso) das pessoas com diabetes tipo 1 possuem RD. Estimativas com alta prevalncia foram tambm relatadas em outros pases. Apesar da preocupao acerca de uma potencial epidemia de diabetes na sia, dados epidemiolgicos de RD em pases asiticos so relativamente limitados. Na Amrica Latina, 40% dos pacientes diabticos tiveram alguma RD e 17% solicitaram tratamento. Poucos estudos sobre RD foram conduzidos na frica. A RD desenvolve-se com o tempo e est associada ao deficiente controle do acar no sangue, da presso sangunea e dos lipdeos no sangue. Quanto mais tempo uma pessoa portadora de DM e quanto mais fraco o controle que faz, mais alto o risco dela desenvolver RD. Um bom controle reduz a incidncia anual de desenvolvimento de RD e prolonga a vida. Entretanto, o bom controle no necessariamente reduz o risco de desenvolvimento de RD por toda a vida, ento todos os portadores de DM esto em risco. A prevalncia geral de RD em uma comunidade tambm influenciada pelo nmero de pessoas diagnosticadas com DM precoce:

    Em ambientes ricos em recursos, com bons sistemas para cuidados em sade, mais pessoas com DM precoce tero sido diagnosticadas. A prevalncia de RD em pessoas recentemente diagnosticadas com DM ser baixa, resultando em uma prevalncia geral de RD menor.

    Em ambientes pobres em recursos, com sistemas para cuidados em sade menos avanados, menos pessoas com DM precoce tero sido diagnosticadas. As pessoas podem ser diagnosticadas com diabetes somente quando sintomas ou complicaes tiverem ocorrido. Consequentemente, a prevalncia de RD em pessoas recm diagnosticadas com DM ser alta, resultando em uma prevalncia geral de RD mais elevada.

    Em geral, a meta-anlise de estudos de grandes escalas mostra que, aproximadamente, um tero dos portadores de DM tero RD e, aproximadamente, um tero destes (ou 10% das pessoas com DM) tero RD que ameace sua viso que requeira tratamento.

    Classificao de Retinopatia Diabtica Os sinais microvasculares retinianos clssicos de RD incluem microaneurismas, hemorragias, exsudatos duros (depsitos de lipdeos), manchas algodonosas (retina isqumica relacionada a acumulaes de detritos axoplasmticos dentro de feixes adjacentes de axnios de clulas ganglionares), dilatao, beading venosos e anormalidades microvasculares intrarretinianas (por exemplo,capilares pr-existentes dilatados). (Anexo Figuras). Esses sinais podem ser classificados em duas fases de RD.

    Retinopatia Diabtica no proliferativa RD no proliferativa o estgio inicial da RD. O reconhecimento da retinopatia no proliferativa permite a previso do risco de progresso, de perda visual e a determinao de um intervalo de reviso. O anexo Tabela 1 mostram os sinais da RD no proliferativa.

    Retinopatia Diabtica proliferativa A Retinopatia Diabtica proliferativa (RDP) um estgio severo de RD e representa uma resposta angiognica da retina isquemia extensa e ao fechamento capilar. A neovascularizao divide-se em dois grupos: novos vasos no disco (NVD) e novos vasos em outros lugares (NVOL). Tipicamente, NVE cresce na interface entre a retina perfundida e

  • Conselho Internacional de Oftalmologia | Diretrizes para o Tratamento do Olho Diabtico | Pgina 3 Copyright ICO Janeiro de 2014. Traduo e adaptao para uso local no comercial so encorajadas, mas, por favor, com crditos a ICO.

    a no perfundida. O anexo Tabela 2 mostra os sinais de RDP.

    Os estgios de RD, de RD no proliferativa para RD proliferativa, podem ser classificados utilizando a simples classificao internacional de escala RD apresentada na Tabela 1. O EMD uma importante complicao que avaliada separadamente dos estgios de retinopatia, uma vez que pode ser associado com qualquer estgio de RD e pode percorrer um curso independente.

    Edema Macular Diabtico importante avaliar a presena e a severidade do edema macular diabtico (EMD) separadamente dos estgios da RD. Os estgios de RD podem ser classificados utilizando a Classificao Internacional de Escala de RD mostrada na Tabela 1. Uma classificao simplificada baseada nisso, com deciso de encaminhamento, pode ser usada em um ambiente de recursos escassos (Tabela 2). importante lembrar que um EMD precoce pode ser primeiramente detectado por uma reduo da acuidade visual. Um curso autodirigido online sobre classificao de retinopatia diabtica est disponvel em: drgrading.iehu.unimelb.edu.au.

    Tabela 1: Classificao Internacional de Retinopatia Diabtica e de Edema Macular Diabtico e Recomendaes de Encaminhamento

    Retinopatia Diabtica

    Resultados Observveis em Oftalmoscopia Dilatada Encaminhamento

    Sem retinopatia aparente Sem anormalidades Reviso em 1-2 anos

    RD no proliferativa suave Somente microaneurismas Reviso em 1-2 anos Retinopatia Diabtica no proliferativa moderada

    Mais que apenas microaneurismas, mas menos do que RD no proliferativa severa

    Reviso em 6 meses 1 ano, ou consultar um o