Como utilizar CLPs, softwares supervis³rios e rdios no saneamento

  • View
    219

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Esta apresentação resume a utilização de CLPs, softwares supervisórios e rádios modem na composição de sistemas de automação e telemetria de reservatórios e elevatórias de água e esgoto.

Text of Como utilizar CLPs, softwares supervis³rios e rdios no saneamento

  • Automao Telemetria Wireless

  • Como utilizar CLPs, softwares supervisrios e rdios no saneamento.

  • Esta apresentao resume a utilizao de CLPs, softwares

    supervisrios e rdios modem na composio de sistemas de automao e telemetria de

    reservatrios e elevatrias de gua e esgoto.

  • Criada em 1992, a Alfacomp fabrica produtos e equipamentos de telemetria que viabilizam

    sistemas SCADA de Telesuperviso e Telecomando. Nossos rdios modem e unidades remotas de telemetria auxiliam empresas de

    saneamento e energia na melhoria da rastreabilidade, controle de qualidade, eficincia energtica e controle de perdas. Aliados a CLPsde mercado e operando em protocolos abertos, nossos produtos compem solues de alto

    desempenho e baixo custo.

  • De onde vem a gua que chega at

    nossas torneiras? Empresas estaduais, municipais e privadas

    recebem a concesso para produzir e distribuir

    a gua.

    A perda mdia de

    gua no Brasil est

    em torno de 50%!

  • Produo e distribuio da gua Captao de gua bruta

    Tratamento

    Distribuio de gua tratada

  • Captao de gua bruta A gua bombeada de rios e poos artesianos

  • Tratamento da gua Transforma gua bruta em gua potvel

  • Distribuio de gua tratada Estaes elevatrias

    Boosters

    Reservatrios

  • Alguns problemas tpicos A estao elevatria para e o reservatrio seca

    Adutora rompe ocasionando perdas e

    desabastecimento

    Vandalismo e roubo de equipamentos

    Controle da qualidade da gua distribuda

    Ferramenta necessria Sistema de automao e telemetria de reservatrios

    e elevatrias de gua e esgoto

  • Sistema de automao e telemetria

  • Automao e telemetria de reservatrios

    Monitorao de nvel e vazo

  • Painel de telemetria PT5501

    Controle de VRPs

    Monitoramento de reservatrios

    Monitoramento de vazo

    Controle de elevatrias

  • Automao e telemetria de elevatrias

    Controle dos motores

    Medio de parmetros eltricos e hidrulicos

  • CCO Centro de Controle e Operao

    Microcomputador rodando software supervisrio e se

    comunicando com as estaes via rdio modem

  • Software supervisrio Elipse E3

    Interface grfica que permite monitorar e controlar

    processos industriais

  • Tela das comunicaes

    Permite monitorar e controlar os rdios

  • Tela de elevatria

  • Tela de reservatrio

  • Tela dos reservatrios

  • Tela de histricosMximo da escala

    Mnimo da escala

    Grfico

  • Tela de alarmes

  • Tela de eventos

  • Painel de Telemetria PT5501 - Baseada no clp DUO350, o PT5501 alia desempenho e economia de espao. Os quadros apresentam alto ndice de integrao, modularidade, facilidade de manuteno e clp de mercado com protocolo MODBUS RTU mestre e escravo, resultando em montagens de alto desempenho e baixo custo.

    8151848 x 38 x 22DU350Elevatrias e reservatrios - rdio em ponto elevadoPT5502

    8151848 x 38 x 22DU350Elevatrias e reservatriosPT5501

    Sadas Digitais

    Entradas Digitais

    Sadas Analgicas

    Entradas Analgicas

    Dimenses (cm)CLPAPLICAOMODEL0

  • Controladores Lgicos Programveis

    Surgimento

    Antes dos controladores programveis (CLPs, CPs, PLCs), os painis de controle a rel funcionavam bem, at que um rel falhasse. Descobrir o rel e consertar o painel era custoso e demorado.

    Alterar um painel para uma mudana de processo era to problemtico e caro que normalmente se montava um painel novo e se descartava o velho.

    Os primeiros controladores programveis surgiram nos anos 60, na diviso de dispositivos hidramticos da General Motors, em Detroit, nos Estados Unidos.

    Os CLPs introduziram a vantagem da alterao da lgica de funcionamento pela simples alterao do software, assim como substituram os reles por dispositivos de estado slido (transistores e circuitos integrados), que virtualmente no se desgastam.

  • Exemplos de CLPs

    (Controladores Lgicos Programveis)

    BCM Altus Atos

    Solaris Rockwell Siemens

  • Controladores Lgicos Programveis

    Diagrama em Blocos

    Genericamente, os clps possuem uma estrutura como a mostrada no diagrama abaixo.

    E

    N

    T

    R

    A

    D

    A

    S

    P

    R

    O

    C

    E

    S

    S

    A

    M

    E

    N

    T

    O

    (

    C

    P

    U

    )

    S

    A

    D

    A

    S

  • Controladores Lgicos Programveis

    Sensores

    Sensores so os dispositivos eletroeletrnicos que fornecem sinais de entrada para o clp. Podem ser digitais ou analgicos.

    SENSORES DIGITAIS fornecem sinais que assumem apenas um entre dois estados: ligado ou desligado. Ex: Chaves fim de curso Contato auxiliar de uma contatora Boto de comando Sensor de proximidade tico ou magntico

    SENSORES ANALGICOS fornecem sinais eltricos que assumem valores contnuos dentro de uma faixa de valores. Ex: Transmissores de presso ( 4 a 20mA ) Transdutores de tenso ( 0 a 10V )

  • Controladores Lgicos Programveis

    Atuadores

    Atuadores so dispositivos eletroeletrnicos comandados pelos sinais dos pontos de sada do clp. Podem ser digitais ou analgicos.

    ATUADORES DIGITAIS assumem apenas um entre dois estados: ligado ou desligado. Ex: Bobina de uma contatora Lmpada Solenide de uma vlvula Motor

    ATUADORES ANALGICOS assumem valores contnuos dentro de uma faixa de valores. Ex: Vlvula proporcional ( controle e 4 a 20mA ) Inversor de freqncia ( controle em 0 a 10V )

  • Controladores Lgicos Programveis

    Principio de funcionamento

    O funcionamento dos CLPs um processo contnuo chamado de varredura. Em cada ciclo de varredura, o equipamento realiza as seguintes atividades:

    Leitura das entradas Execuo das instrues do programa Escrita (atualizao) das sadas

    A ordem de grandeza do tempo de varredura est entre 1ms e 100 ms, dependendo do modelo do clp e do tamanho do programa. O tempo de varredura cresce com o programa.

    VARREDURA

    Leitura das entradas

    Execuo do programa

    Escrita nas sadas

    Incio

  • Rdio ModemRdio Modem o nome dado aos equipamentos que unem um rdio e um modem e tm a capacidade de transmitir e receber dados digitais por rdio. A palavra MODEM deriva de modulator demodulator, equipamento capaz de converter informao serial digital em analgica e vice-versa. So os seguintes os sinais bsicos na interface serial de um rdio modem:

    CTS Clear to Send (pronto para transmitir) indica para o equipamento conectado que o rdio modem est pronto para receber os dados a serem transmitidosCD Carrrier Detected (portadora detectada),

    que o sinal que indica que o rdio estrecebendo o sinal emitido por um transmissor

    TXD sinal serial a ser transmitidoRXD sinal serial recebidoRTS Request to Send (pedido para transmitir) indica para o rdio modem que o equipamento conectado solicita transmisso

  • 900 MHz Spread Spectrum

    1W (at 32 km com visada)Dispensa licena da Anatel

    RS232 e RS485

    Alto desempenho

    Baixo custo

    Rdio modem RM2060

  • Sistema de Telemetria

  • Automao Telemetria Wireless

    www.alfacomp.ind.br