Causalidade Barata

  • View
    223

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Causalidade Barata

  • 8/18/2019 Causalidade Barata

    1/19

    Causalidade

     e

    epidemiologia

    Causality  and

    epidemiology

    *Conferência  apresentada no  IV C ongresso

    Argen t in o  de  Epidemiologia  e  A t e n ç ã o  à  S a ú d e ,

    B ue n o s

      Aires ,

     1996

    Rita

     Barradas

     Barata

    Profa .

      a d j u n t a

      d o D e p a r t a m e n t o d e

    Me dic ina

      Social Faculdade de Ciências  Médicas

    da

      S an t a  Casa

      de Sào  P a u l o

    R ua  Cesário

      Mot t a

      Jr., 61 , 5 º

      a n d a r

    0 1 2 2 1 - 0 2 0

      Sà o Pa u lo — SP

      Brasi l

    F a x :

      5 5 )

      1 1 )

      2 2 2 - 0 4 3 2

    BARATA,  R . B. :  'Causa l idade e epidemiologia'.

    História,

     Ciências

    Saúde—Manguinhos IV

    (l):31-49  m a r . - j un .

     1997

    Este

     texto trata da questão da causalidade em

    epidemiologia. Começa com um breve

    retrospecto histórico para recuperar

     os

    diversos sentidos  dados ao conceito pelos

    principais filósofos ocidentais.

      E m

     seguida,

    considera

      as

     raízes históricas

     da

     epidemiologia

    enquanto disciplina

     científica, e as

    transformações

     que o

     conceito

     de

     causa

    sofreu em seu âmbito. Estabelecidas

     essas

    premissas, analisa-se o desenvolvimento  da

    epidemiologia

      no

      século

      XX e a

     crise

      de

    paradigma que enfrenta na atualidade. Como

    saídas para a crise, no que se refere à questão

    da

     causalidade, examina três a l t e rna t ivas :

     a

    epidemiologia social, a crítica popperiana  e os

    aportes da biologia molecular. Finalmente,

    comenta a necessidade de uma nova teoria

    epidemiológica construída

      a

     partir

     da

      teoria

    da complexidade.

    PALAVRAS-CHAVE:

     história da epidemiologia,

    conceito

      de

     causa, causalidade

     em

    epidemiologia.

    BARATA,

     R . B. :

     'Causali ty

     a nd epidemiology'.

    História,

     Ciências

    Saúde—Manguinhos IV

    (l):31-49,  M a r . - j un .

     1997.

    In examining the issue

     of

      causality within

    epidemiology,  th e

     text begins with

     a

      brief

    historical overview that reclaims

     the   different

    meanings which

     the

     W est s

     main

     philosophers

    have lent to this concept. It next delves into the

    historical

     roots

     o f

      epidemiology

      as a

      scientific

    discipline

     and the transformations the concept

    of cause has

     undergone within this realm. With

    these presuppositions in place the text goes on

    to  analyze the 20

    th

      century development of

    epidemiology

      and the crisis it currently faces in

    terms

     of

     paradigm.

      Three

     alternatives

     a re

    explored

      as

     ways

     o ut

      of  this crisis: social

    epidemiology,

      Popperian

      criticism

    and the

    contributions

      of

     molecular

      biology. Lastly,   the

    text

     discusses the

     need

     for a new

    epidemiological   theory  grounded on the theory

    of

      complexity.

    KE Y WO R D S:

     history

     of

      epidemiology,  cause

    causality in  epidemiology.

  • 8/18/2019 Causalidade Barata

    2/19

    D

    esde  a

      origem

      dos

      tempos,

      os

      homens est iveram interes-

    sados

      na

     pesquisa

      das

     cau sas, isto

     é , em

     compreender a qui lo

    que  faz  com que uma coisa ex is ta , aqui lo que determina um

    acontecimento,

      a

      origem,

      o

      vínculo

      que

      correlaciona fenôm eno s

    e faz com que um ou vár ios deles apareçam como condição da

    existência de outro. O estudo da causalidade, portanto, diz respeito

    às  relações de causa e  efeito  ent re fenômenos .

    A

      causalidade é um dos t ipos de determinismo observados no

    estudo dos  fatos  naturais . Por determinismo  entende-se  a relação

    entre fenômenos, pela qual estes  se  acham ligados  de  modo  tã o

    rigoroso que,  a um  dado  momento ,  o  todo está completamente

    condicionado

      pelos

      fenômenos

     que o

     precedem

      e

      a c o m p a n h a m ,

    e

      c o n d i c i o n a m ,

      com o

      m e s m o r ig o r ,

      os que

      lhes sucedem.

    Denomina-se determinante a qualidade ou atr ibuto que serve à

    determinação.

    Antes  de  abordar  a  questão  da  causalidade  e  seus desdobra-

    mentos no âmbito da epidemiologia, vale considerar , brevemente,

    o

      desenvolvimento

      desse

      conceito

      na

      filosofia  ocidental.

      reve revisão  do  conceito  de causalidade

    na  filosofia  da ciência

    O  estudo  da  causalidade  tem em  Aristóteles (século  IV a. C.)

    um

     de seus marcos.

     Pa ra

     o referido

     filósofo

      (1984), a determinação

    causai

      desdobra-se em quatro vertentes: a causa  formal  (o que o

    ser é , a

      essência);

      a

      causa mate r ia l

      (do que o ser é  fei to,  a

    aparência);

      a  causa  final  (para onde  o ser se dir ige, f ina l idade); e

    a  causa eficiente

     (a

      passagem

      da

      potência

      ao

      ato, isto

      é ,

      aqui lo

    que  determina a  expressão  da  essência  na  aparência) .  N o  m u n d o

    lunar,

      a

      causa eficiente

     é

      representada pelos movimentos celestes

    no  éter , enquanto  no  mundo sublunar Ar is tóteles identifica  três

    conjuntos

      de

      causas eficientes:

      os

      movimentos vitais

      da

      psique,

    os movimentos naturais (por exemplo, a a t ração que o fogo tem

    po r  elevar-se)

      e não

      naturais (por exem plo,

      o

      arremesso

      de uma

    pedra) promovidos

      por

      forças.  Aqui ,  por tanto ,

      já

      estão presentes

    as premissas  da  separação entre material / imaterial e  corpo/alma

    que m arcarã o , de f in i t ivam ente , a compreensão oc iden t a l dos

    f enômenos  vitais.

      O conhecimento das causas é obt ido através

    da

      observação, form ulaçã o de premissas verdadeiras baseadas

    nessa observação, e raciocínio dedut ivo baseado na lógica

      formal

    (silogismo).

    Essa  c o n c e p ç ã o d e c a u s a l i d a d e , q u e f o i d o m i n a n t e n a

    Antigüidade

      greco-romana, permanecerá a tuante

     na

      Idade  Média ,

    atravessando

      o

      período

      que vai dos

      séculos

      IV ao XIV d .

      C.,

      nas

    formulações

      teóricas

      da

      escolástica sobre

      a

      na tu reza .

     A

     pr inc ipa l

    modificação

     operada

     no

     pensam ento ocidental duran te esse

     período

  • 8/18/2019 Causalidade Barata

    3/19

    1

     Expressão utilizada

    na

      filosofia

      para

    ind ica r  u m

    movimento retroativo

    incessante, em

    direção à origem ou

    causa primeira.

    de

     predomínio

      da

      Igreja  Católica

     é a

     identificação

     de

      Deus como

    o primeiro motor , ou  seja,  a causa primeira . Geralmente, a

    investigação causai parte

     da

     observação

      da

      causa imediata

      e, em

    um percurso recursive,

    1

      acaba identificando

     em

     Deus

     a

      origem

     e

    finalidade  de

     todos

      os

     fenômenos naturais.

    O pensamento causai  sofre  nova inflexão com Galileu Galilei,

    no

      século XVI,

     no

      momento

      em que a

      ciência começa

      a se

    desgarrar da  filosofia  e da religião, como  forma  de  explicação  do

    mundo. O

     filósofo

     italiano substitui a dedução lógica pela dedução

    matemática, propugnando

      a

     observação

     dos

     fatos

     e a