Biota port

  • View
    244

  • Download
    6

Embed Size (px)

Text of Biota port

  • CONHECIMENTO E USO SUSTENTVEL DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA:

    O PROGRAMA BIOTA-FAPESP

  • FUNDAO DE AMPARO PESQUISADO ESTADO DE SO PAULO

    CONHECIMENTO E USO SUSTENTVEL DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA: O PROGRAMA BIOTA-FAPESP

    SO PAULO

    2008

  • FUNDAO DE AMPARO PESQUISA DO ESTADO DE SO PAULO

    Celso LaferPresidente

    Jos Arana VarelaVice-presidente

    CONSELHO SUPERIOR

    Celso LaferEduardo Moacyr KriegerHerman Jacobus Cornelis VoorwaldHorcio Lafer PivaJos Arana VarelaJos de Souza MartinsJos Tadeu JorgeLuiz Gonzaga de Mello BelluzzoSedi HiranoSuely Vilela SampaioVahan AgopyanYoshiaki Nakano

    CONSELHO TCNICO-ADMINISTRATIVO

    Ricardo Renzo BrentaniDiretor-presidente

    Carlos Henrique de Brito CruzDiretor cientfico

    Joaquim Jos de Camargo EnglerDiretor administrativo

    Catalogao-na-publicao elaborada pelo Centro de Documentao e Informao da FAPESP

    Conhecimento e uso sustentvel da biodiversidade brasileira: o Programa Biota-FAPESP / Fundao de Amparo Pesquisa do Estado de So Paulo, [So Paulo] : FAPESP, 2008.204 p. : il. ; 21 cm.

    1. FAPESP. 2. Pesquisa e desenvolvimento So Paulo. 3. Cincia. 4. Tecnologia. 5. Projetos de pesquisa So Paulo (Estado). 6.Biodiversidade. 7. Sustentabilidade. I. Fundao de Amparo Pesquisa doEstado de So Paulo. II. Ttulo: O Programa Biota-FAPEP.

    CDD 507.20816102/08

    Depsito Legal na Biblioteca Nacional, conforme Lei no 10.994, de 14 de dezembro de 2004.

  • Cincia para a conservao ambiental

    O Brasil o pas com a maior diversidade biolgica, abrigando entre 15% e 20% donmero total de espcies do planeta, em seis grandes biomas: Amaznia, Caatinga, MataAtlntica, Cerrado, Pantanal e Pampa. A dimenso exata dessa riqueza biolgica provavel-mente jamais ser conhecida, dadas as dimenses continentais do pas, a extenso de suaplataforma marinha e a complexidade de seus ecossistemas. Parte considervel dessepatrimnio foi, e continua sendo, perdida de forma irreversvel, antes mesmo de serconhecida, em funo principalmente da fragmentao de habitats, da explorao exces-siva dos recursos naturais e da contaminao do solo, das guas e da atmosfera.

    O conhecimento e a conservao desses biomas com suas floras, faunas e microrganis-mos so essenciais, inclusive para a preservao da vida no planeta. Atenta a isso, aFundao de Amparo Pesquisa do Estado de So Paulo (FAPESP), uma das principaisagncias brasileiras de financiamento pesquisa cientfica e tecnolgica, tem tido umpapel de destaque nesse esforo de mapeamento da biodiversidade do Estado de SoPaulo. Localizado no Sudeste do Brasil, no limite entre as regies tropical e subtropical,So Paulo apresenta enorme diversidade topogrfica e climtica, representando uma reade transio (ectono) de dois biomas Mata Atlntica e Cerrado com distintos ecos-sistemas e enorme riqueza biolgica.

    Alm de apoiar projetos individuais de pesquisa que conduzem a uma melhor com-preenso da natureza brasileira, como tem feito h mais de quatro dcadas, a FAPESPapia projetos de pesquisa coletivos de longa durao, sediados de forma multiinstitucio-nal, como o temtico Flora Fanerogmica do Estado de So Paulo, um levantamento dadiversidade de plantas com flores iniciado em 1994, que j revelou grande nmero denovas espcies e cujos resultados esto sendo publicados.

    Em 1999, a partir de proposta da comunidade cientfica, a FAPESP criou o ProgramaBiota-FAPESP, visando no apenas a conhecer, mapear e analisar as origens, a diversidadee a distribuio da flora e da fauna do Estado de So Paulo, como tambm avaliar as pos-sibilidades de explorao sustentvel de plantas ou de animais com potencial econmicoe subsidiar a formulao de polticas de conservao dos remanescentes florestais.

    Em nove anos, o programa apoiou 84 projetos entre temticos, auxlios regulares oudesenvolvidos no Programa Apoio a Jovens Pesquisadores e 400 bolsas, da IniciaoCientfica ao Ps-Doutorado. Esta publicao traz informaes sobre os projetos aprova-dos no Biota-FAPESP desde o incio do programa, em 25 de maro de 1999, at julho de2008. Traz tambm uma coletnea de reportagens sobre o programa e os projetos, publi-cadas na revista Pesquisa FAPESP.

  • L H

  • O ProgramaBiota-FAPESP

    O Programa Biota-FAPESP foi denominado o Instituto Virtual da Biodiversidade porsua forma de organizao, integrando pesquisadores de vrias instituies e seus estudan-tes. Cientistas das principais universidades pblicas paulistas, institutos de pesquisa e orga-nizaes no-governamentais participam de projetos para conhecer, mapear e analisar abiodiversidade distribuda em ambientes terrestres, marinhos e em outros ecossistemas,bem como propor alternativas e polticas pblicas para preserv-la. O Biota-FAPESPenvolve cerca de 1.200 profissionais (900 pesquisadores e estudantes de So Paulo, 150 cola-boradores de outros estados brasileiros e 80 do exterior).

    Os 84 projetos de pesquisa apoiados resultaram na identificao e descrio de 500novas espcies de plantas e animais, formao de 180 mestres e 60 doutores, registro deinformaes sobre mais de 12 mil espcies e bancos de dados com o contedo de 35 cole-es biolgicas. Um esforo traduzido na publicao de 700 artigos em peridicos cient-ficos, 20 livros e dois atlas.

    As informaes produzidas pelo Programa Biota-FAPESP (www.biota.org.br) esto embancos de dados abertos comunidade cientfica do Brasil e do exterior. A padronizao dascoletas permitiu a construo do Sistema de Informao Ambiental do Programa Biota-FAPESP, Sinbiota (http://sinbiota.cria.org.br), que cadastra e integra as coletas de plantasou de animais realizadas no Estado de So Paulo, com coordenadas geogrficas de milha-res de espcies, que podem ser consultadas a partir do nome cientfico da planta ou doanimal, do nome do coletor, da localidade ou da data de coleta.

    Pode-se ver tambm a distribuio geogrfica dos pontos de coleta porque o SinBiotaest assentado sobre uma base cartogrfica com os remanescentes de vegetao nativa,reas reflorestadas com espcies exticas (Pinnus e Eucalyptus), as unidades de conserva-o, a rede de rios e de estradas e as reas urbanas. Essa a segunda base de dados: o Atlasdo Programa Biota-FAPESP, que incorpora o Inventrio Florestal de So Paulo, levanta-mento coordenado pelo Instituto Florestal. Feito a partir de levantamentos de campo, defotos areas e de imagens de satlite, o Inventrio monitora a rea ocupada pelos rema-nescentes de vegetao nativa do Estado de So Paulo.

    Em sistema mais amplo, o SpeciesLink (http://splink.cria.org.br), esto acumulados 2milhes de registros de coletas resultantes das pesquisas ou contidos em acervos de cole-es biolgicas nacionais e estrangeiros.

    Outros desdobramentos do Biota-FAPESP so a revista cientfica eletrnica BiotaNeotropica (www.biotaneotropica.org.br), com resultados relevantes de estudos sobre abiodiversidade da regio Neotropical, associados ou no ao programa, e a Rede Biota deBioprospeco e Bioensaios (BIOprospecTA www.bioprospecta.org.br), que integragrupos de pesquisa do Estado de So Paulo que atuam, direta e indiretamente, com a pros-peco de novos compostos de interesse econmico em microrganismos, fungos macros-cpicos, plantas, invertebrados (inclusive marinhos) e vertebrados.

  • Em 2007, o Programa Biota-FAPESP produziu, junto com a Secretaria Estadual doMeio Ambiente, o livro Diretrizes para a conservao e restaurao do Estado de So Paulo(lanamento em novembro de 2008) e uma srie de mapas que constituem o suporte cien-tfico para orientar as estratgias de conservao, preservao e restaurao da biodiversi-dade nativa do Estado de So Paulo.

    Com base no livro e nos mapas em especial o mapa reas Prioritrias para Incre-mento para Conectividade (ver o mapa no fim da publicao) , a Secretaria do Meio Am-biente estabeleceu, por meio de uma resoluo (SMA 14) , de maro de 2008, os proce-dimentos para supresso de vegetao nativa para parcelamento do solo ou qualqueredificao em rea urbana, definindo que a anlise de todos os pedidos para uso de reascom floresta nativa dever se basear nas categorias de importncia para a preservao ecriao de unidades de conservao definidas pela publicao coordenada pelo ProgramaBiota-FAPESP.

    Em setembro do mesmo ano, resoluo conjunta da Secretaria do Meio Ambiente e deAgricultura e Abastecimento (SMA-SAA 004) disps sobre o zoneamento agroambientalpara o setor sucroalcooleiro no Estado de So Paulo, a partir, tambm, dos dados produ-zidos pelo Programa Biota-FAPESP.

    FAPESP: sintonia com o desenvolvimento social e econmico

    A estratgia da FAPESP para o fomento cincia e tecnologia no Estado de So Paulotem trs princpios: a formao de recursos humanos, o apoio pesquisa acadmica especialmente a de natureza fundamental e o apoio pesquisa feita com vistas a aplica-es. Ao mesmo tempo, a Fundao mantm, desde a sua instituio, o compromisso depromover a disseminao e a aplicao dos resultados dos investimentos que realiza empesquisas em todas as reas do conhecimento. Nesse papel de indutora e promotora deaplicaes da cincia, a Fundao atua em sintonia com as aspiraes da sociedade pau-lista e brasileira e as necessidades de desenvolvimento social e econmico do pas.

    Para executar a misso de formar recursos humanos qualificados e gerar conhecimen-to, a FAPESP dispe de diferentes linhas de fomento: bolsas, em diferentes nveis e moda-lidades, e auxlios a pesquisa, regulares e temticos, concedidos a pesquisadores doutoresde instituies de ensino superior e pesquisa no Estado de So Paulo.

    Na pesquisa voltada para aplicaes a Fundao apia projetos acadmicos voltados atemas especficos, como biodiversidade, neurocincia, bioenergia e mudanas climticasglobais, e tambm a articulao da pesquisa acadmica com a pesquisa em empresas ouno governo, ou ainda projetos de pesquisa em pequenas empresas.

    O Programa Biota-FAPESP multidisciplinar e compreende Projetos Temticos delonga durao e com ob