Click here to load reader

ARTICULAÇÃO OPERACIONAL DE PRONTA RESPOSTA DA Moreira... · PDF fileUso de armas incapacitantes não letais, porém de modo a minimizar o risco de pôr em perigo ... Operadores:

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ARTICULAÇÃO OPERACIONAL DE PRONTA RESPOSTA DA Moreira... · PDF fileUso de...

  • ARTICULAO OPERACIONAL DE PRONTA RESPOSTA DA BM PARA AS PROVVEIS MANIFESTAES NA COPA

  • CEL SILANUS SERENITO DE OLIVEIRA MELLO

    SCMT GERAL DA BRIGADA MILITAR

  • A PRESENTE TEM POR FINALIDADE UMA BREVE CONTEXTUALIZAO DAS NOVAS MODALIDADES DE AGRUPAMENTO DE PESSOAS E A EXPOSIO DO PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL DIANTE DAS PROVVEIS MANIFESTAES QUE POR VENTURA VENHAM A OCORRER DURANTE A REALIZAO DA COPA DO MUNDO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE.

    INTRODUO

  • CONTEXTUALIZAO

  • MANIFESTAES SE MULTIPLICAM POR TODO MUNDO

  • TAILNDIA

  • UCRNIA

  • VENEZUELA

  • BRASIL

  • MODELOS DE MANIFESTAES EVIDENCIADOS EM JUNHO DE 2013 NO BRASIL

  • MANIFESTAES TRADICIONAL FLASHMOB

    LIDERANA DEFINIDA PAUTA DEFINIDA MDIA: Cobertura normal da imprensa padro PROPULSOR: Greve da categoria e Interdio da via MOBILIZAO: Sindicatos, Associaes, etc. CONCENTRAO: Locais associados pauta RETALIAO: No h.

    LIDERANA VOLTIL PAUTA VOLTIL MDIA: Cobertura especial da imprensa padro e Imprensa alternativa PROPULSOR: Interdio da via e aes de grupos anrquicos MOBILIZAO: Redes sociais convencionais e alternativas, salas de bate papo no convencionais. CONCENTRAO: Centros do Poder Pblico, Estdios de Futebol e Centros Comerciais das Cidades RETALIAO: Invaso de Sites governamentais, presses em Delegacias de Polcia aps prises, exposio nas redes sociais da vida pessoal de policiais e polticos envolvidos em ocorrncias

  • LIDERANA E PAUTA VOLTEIS

    NO DEFINIU-SE LIDERANA POIS OS PROTESTOS FORAM ORGANIZADOS PELO FACEBOOK, ATRAVS DE COMPARTILHAMENTOS.

    Estas manifestaes confirmaram o PODER DAS REDES.

  • MDIA ALTERNATIVA

  • POSICIONAMENTO ANRQUICO

    http://www.youtube.com/watch?v=CjWV0ctAenw

  • MOBILIZAO

  • RETALIAO

  • A BM ATUAR OBSERVANDO OS MARCOS

    ORIENTADORES DE CONTROLE DE DISTRBIOS NO

    BRASIL E NO MUNDO

  • ORIENTAES INTERNACIONAIS GUIA DE BOAS PRTICAS PARA O POLICIAMENTO DE

    MANIFESTAES PBLICAS

    FACILITAR MANIFESTAES PBLICAS PACFICAS PROTEGER MANIFESTAES PACFICAS, INCLUSIVE CONTRA

    INDIVDUOS VIOLENTOS E GRUPOS MENORES REDUZIR SITUAES DE TENSO E VIOLNCIA USAR A FORA POLICIAL APENAS PARA FINS LEGTIMOS MINIMIZAR OS DANOS, PRESERVAR E RESPEITAR A VIDA E

    PROTEGER AQUELES NO ENVOLVIDOS. USAR A FORA SOMENTE NA MEDIDA NECESSRIA E APENAS QUANDO MTODOS NO VIOLENTOS FALHARAM OU NO PODERO ATINGIR O OBJETIVO LEGTIMO

    PRESTAR CONTAS POPULAO E AO JUDICIRIO USO DE ARMAS E EQUIPAMENTOS DE MENOR POTENCIAL

    OFENSIVO

  • ORIENTAES INTERNACIONAIS PRINCPIOS BSICOS DA ONU PARA O USO DA FORA E ARMAS DE FOGO PELA POLCIA

    O documento intitulado Princpios Bsicos sobre o Uso da Fora e de Armas de Fogo (PBUFAF) foi institudo no Oitavo Congresso das Naes Unidas sobre a Preveno do Crime e o Tratamento dos Infratores, realizado em Havana, Cuba em 1990. A PRTICA GERENCIAL 1, tem como objetivo incentivar o uso diferenciado da fora diminuindo assim o evento morte/leso pelo uso da arma de fogo, para isso fomenta:

    O emprego de ces policiais; Aumentar a variedade de armas e munies aos policiais; Uso de armas incapacitantes no letais, porm de modo a minimizar o risco de pr em

    perigo pessoas que no estejam envolvidas, e que o uso de quaisquer dessas armas seja cuidadosamente controlado; (PB3)

    Equipamento de autodefesa como escudos, capacetes, coletes prova de bala e meios de transporte blindados;

  • A BM ATUAR VISANDO A PROPORCIONALIDADE

    As recomendaes so para que a atuao no ocorra com excessos, tampouco de forma insuficiente na perseguio de seus objetivos.

  • CRITRIOS DE ATUAO DA TROPA DE CHOQUE

    TREINAMENTO

    HOMEM

    EQUIPAMENTO

  • Equipamento o que diferencia uma tropa ttica das demais

    tropas. Isso ocorre devido suas funes serem diferentes.

    Treinamento dever da tropa de choque treinar

    constantemente.

    Homem Deve possuir perfil psicolgico e capacidade fsica

    adequada a funo.

    Ainda, pautaremos a atuao na observncia de distncias

    de segurana que nos permita a utilizao de equipamentos

    de menor potencial ofensivo;

  • As grandes manifestaes de 2013 foram inditas e geraram dvidas quanto sua forma de enfrentamento pela polcia, o que gerou uma reao do MJ.

  • CRIAO DE UM GRUPO DE TRABALHO NO MJ

    CEL SILANUS SERENITO DE OLIVEIRA MELO PMRS CEL ANTNIO DE CARVALHO PEREIRA PMMG CEL GILSON OLIVEIRA LEAL PMDF TC MESSIAS LIMAS DE MESQUITA SEC GERAL CNCG TC ALEXANDRE AUGUSTO ARAGON FN TC EMANUEL DE QUEIROZ LEO BRAGA PMPA TC WALTER BENJAMIM DE MEDEIROS PMPE MAJ ADRIANO PMRJ MAJ CLUDIO DOS SANTOS FEOLI PMRS MAJ MARCOS PAULO GIMENEZ PMMS MAJOR ALEXANDRE MONCLUS ROMANEK PMSP RODRIGO AVELAR SESGE ANDREY RIBEIRO VAZ SESGE

  • RECURSOS A SEREM UTILIZADOS DIANTE DAS MANIFESTAES

  • EMPREGO DA TROPA DE CHOQUE Dever ser utilizado o escalonamento necessrio dentro dos princpios

    do uso diferenciado da fora e da prioridade de emprego de meios referenciada na doutrina;

    Nas manifestaes, sempre que possvel, a tropa de choque dever ser acionada depois de esgotadas as tentativas de negociao ou conteno inicial realizadas pelo policiamento regular da rea ou em caso de esgotamento da capacidade operacional;

    No caso de indisponibilidade ou insuficincia do policiamento regular, devero ser observadas etapas de negociao e uso diferenciado da fora, a fim de se garantir a incolumidade das pessoas, do patrimnio ou do prprio direito de manifestao.

  • UTILIZAO DE MEIOS AUXILIARES E PERMETROS

    Podero ser usadas barreiras fsicas, por meio de gradis ou outras, para isolamento de reas, proteo do patrimnio pblico, garantia do livre trnsito de pessoas e de veculos, e ainda para o isolamento de grupos, impedindo ou dificultando seu contato com a tropa.

  • DO USO DE CES

    Podem ser usados na busca e captura de indivduos ou atuar como fator psicolgico.

  • DO USO DA CAVALARIA

    Recurso complementar tropa de choque que evita a reorganizao dos manifestantes hostis e permite a progresso da tropa.

    Tem como objetivo principal causar impacto psicolgico nos

    manifestantes.

  • SERVIO DE INTELIGNCIA

    Devero ser utilizados os servios de inteligncia policial devidamente treinados e equipados para operaes com as caractersticas peculiares as grandes manifestaes buscando, dentro do possvel, a individualizao de condutas a fim de subsidiar a tomada de deciso pelo gestor, preservando-se a integridade fsica e o direito de livre manifestao.

  • CONDUO DE PRESOS

    A identificao e priso dos infratores em flagrante devem ser precedidas da individualizao de condutas tpicas para que se sejam lavrados os autos correspondentes a cada delito

    As provas colhidas ao longo da manifestao devero ser apensadas aos Autos de Priso em Flagrante Delito de forma individualizada e especifica.

    Recomenda-se que as ocorrncias sejam encaminhadas a um centro integrado que rena todos rgos de segurana envolvidos na operao, em local afastado das manifestaes.

  • MDIA

    Ser aprimorado o relacionamento com a mdia, oportunizando reunies de trabalho.

    Dentro do possvel, ser garantido o livre exerccio da profisso, desde

    que no seja comprometida a integridade fsica do jornalista.

  • EQUIPAMENTOS LRAD Long Range Acoustic Device Balaclavas antichama

    Escudos balsticos Capacetes balsticos

    Mscaras contra gases

    http://www.youtube.com/watch?v=QSMyY3_dmrM

  • EQUIPAMENTOS CARRO CHOQUE EXOESQUELETO

    MUNIES PARA DISPAROS A CURTA E LONGA DISTNCIA

    AM 403/PSR - Projetil de Borracha PRECISION (SHORT RANGE) Cal 12 AM 470 - Projetil de Impacto Expansvel SOFTPUNCH Cal 38,1mm

  • EQUIPAMENTOS Multilanadores

    Granadas policiais Espargidores

    gua micropulverizada

    http://www.google.com/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&frm=1&source=images&cd=&cad=rja&docid=3DeLRRjIYPkuQM&tbnid=a1OSatDm9UXdmM:&ved=0CAUQjRw&url=http%3A%2F%2Fveraoverdeorg.blogspot.com%2F2006%2F04%2Fgua-micro-pulverizada-no-combate.html&ei=J5mbUvWcBIfSkQfF2wE&psig=AFQjCNENa54Y1pONa_qOdrxQyfdHWwj7qg&ust=1386015390062460http://www.google.com/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&frm=1&source=images&cd=&cad=rja&docid=3DeLRRjIYPkuQM&tbnid=a1OSatDm9UXdmM:&ved=0CAUQjRw&url=http%3A%2F%2Fveraoverdeorg.blogspot.com%2F2006%2F04%2Fgua-micro-pulverizada-no-combate.html&ei=J5mbUvWcBIfSkQfF2wE&psig=AFQjCNENa54Y1pONa_qOdrxQyfdHWwj7qg&ust=1386015390062460

  • ARTICULAO OPERACIONAL

  • BATALHO ESPECIAL DE PRONTO EMPREGO

    Comandante: Cel QOEM FERNANDO ALBERTO GRILLO MOREIRA

    Sub Comandante: Ten Cel QOEM ALEXANDRE BUENO BORTOLUZZI

  • ORGANOGRAMA

    Cmt BEPE

    1 Cia

    6 PEL

    2 Cia

    5 PEL

    3 Cia

    5 PEL

    4 Cia

    6 PEL

    5 Cia

    5 PEL

    6 Cia

    6 PEL

    7 Cia

    5 PEL

    8 Cia

    5 PEL

    1 Esq

    6 PEL

    SCmt BEPE

  • TREINAMENTO

    Comandantes dos Pelotes: Credenciados com as edies dos Cursos de Controle de Distrbios.

    Operadores: 560 com curso de Operador

    701 com treinamento preliminar

    EFETIVO TOTAL: 1261 Policiais Militares

  • MISSO

    Atuar no Controle de Distrbios Civis

    Preservar a Ordem Pblica

  • EFETIVO MOBILIZADO POR EVENTO

    Dias normais:

    0