of 16/16

Apostila Aprovar Ano05 Fascículo26 Port Qui

  • View
    4.490

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Apostila Aprovar Ano05 Fascículo26 Port Qui

Guia de ProfissesGesto ambientaltecnlogo em Gesto Ambiental planeja, desenvolve, executa e orienta projetos que visam preservao do meio ambiente, tais como a preveno, a reduo ou a eliminao da poluio das guas e a deteriorao das matas e do solo. Esse profissional participa, ainda, de programas de reciclagem de materiais, elaborando estratgias para minimizar o impacto causado pela ao das atividades humanas. habilitado, tambm, para atuar no planejamento ambiental, na explorao de recursos naturais de maneira sustentvel e na recuperao e no manejo de reas degradadas. As funes do profissional da rea incluem pesquisa, avaliao, adaptao e implantao de sistemas de produo ambientalmente produtivos; a reabilitao de reas degradadas; a diminuio e o monitoramento dos processos e atividades causadoras de impactos ambientais. ele, tam-

O

ndiceLITERATURA(aula 151)

Modernismo I ............................ Pg.

03

QUMICA(aula 152)

Funes orgnicas I Hidrocarbonetos ................................................... Pg.

05 07 09

GEOGRAFIA(aula 153)

Teoria demogrfica ................... Pg.

MATEMTICA(aula 154)

Trigonometria ............................ Pg.

FSICA

Estudo dos gases e termodinmica(aula 155)

................................................... Pg.

11 13 15

PORTUGUS(aula 156)

Perscrutando o texto ................ Pg. Referncias bibliogrficas ...... Pg.

bm, que prepara empresas e organizaes para receber licenas ambientais de funcionamento, hoje em vigncia no setor florestal, envolvendo empreendimentos agrcolas e industriais. Para isso, segue normas da Organizao Internacional de Normalizao (ISO). O profissional com essa formao est apto a atuar no setor pblico ou privado e nas reas urbanas, rurais ou industriais, implementando e acompanhando projetos de explorao de recursos naturais, aplicando mtodos e tcnicas no poluentes. O profissional controla o tratamento de resduos urbanos que so lanados para o meio ambiente, os dejetos industriais e a adoo de normas de proteo ambiental e de tecnologias limpas. Em reas j degradadas, recupera o solo, implanta sistemas de tratamento de lixo e busca solues para drenar as guas das chuvas, sempre procurando melhorar o desempenho econmico e ambiental dos processos produtivos. Atualmente, a profisso apresenta trs reas de concentrao: ecossistemas urbanos, ecossistemas rurais e ecossistemas industriais. A preocupao com questes ambientais, a preservao da natureza e a reduo da poluio atmosfrica e das guas e o aumento de exportaes para pases que s aceitam transaes com companhias possuidoras de certificao de qualidade, como o ISO 14.000, fazem com que a procura por esse tecnlogo esteja em alta em praticamente todo o Pas. Os especialistas em planejamento so muito solicitados por indstrias de diversos segmentos. Empresas de consultoria e auditoria tambm so bons empregadores. Um campo que est em crescimento o de Educao Ambiental.

Com durao mdia de dois anos, durante o curso, so abordadas matrias tericas, como ecologia, educao ambiental, saneamento e planejamento urbano, gesto de negcios e empreendedorismo. Mas h tambm disciplinas especificamente voltadas s aulas prticas em laboratrios de Fsica, Qumica e Biologia. O CURSO NA UEA Oferecido, pela primeira vez, no Vestibular 2008 da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), o curso Superior de Tecnologia em Gesto Ambiental um dos oito cursos novos da instituio que fazem parte do Programa de formao Cientfico-Tecnolgica das Populaes dos Municpios das reas Protegidas do Estado do Amazonas, voltado especificamente s vocaes regionais. O curso oferecido em trs reas de Reserva de Desenvolvimento Sustentvel do Estado: Uatum, Barati e Uacari, abrangendo os municpios de Itapiranga, So Sebastio do Uatum, Apu, Carauari, Itamarati e Tapau. O profissional formado pela UEA estar apto a planejar e a elaborar relatrios de impacto ambiental e organizar planos para o uso sustentvel dos recursos naturais; executar projetos para a recuperao de reas que j esto degradadas; implantar, em indstrias, projetos de explorao da natureza usando tcnicas no poluentes; prestar consultoria, assessorando empresas e rgos pblicos em projetos de preservao do meio ambiente; elaborar certificaes para empreendimentos agrcolas e industriais seguindo as normas da ISO; e planejar programas para conscientizar a populao sobre a importncia de preservar o meio ambiente. 2

f) Cassiano Ricardo lana o livro A Flauta de P (poesia parnasiana).Aula 151

vro: Juca Mulato (poesia nacionalista ainda nos moldes parnasianos).

1. ANTECEDENTES DA SEMANA DE ARTE MODERNA1911 a) Em So Paulo, Oswald de Andrade, com a ajuda financeira da me, funda o jornal humorstico O pirralho, cujo primeiro nmero lanado em 12 de agosto. O jornal comea a fazer stiras s poesias parnasiana e romntica. b) O mesmo jornal, quando elabora pardias a textos do passado, faz uma mistura de Portugus com Italiano. 1912

Modernismo I

g) Anita Malfatti, depois de quatro anos de estudos na Alemanha e nos Estados Unidos, realiza, em So Paulo, sua segunda exposio. So 53 trabalhos entre pinturas, aquarelas, caricaturas, gravuras. A exposio provoca violenta discusso na imprensa, principalmente depois do artigo de Monteiro Lobato: Parania ou mistificao?, publicado no jornal O Estado de So Paulo. Eis um trecho do artigo:

a) Oswald de Andrade, filho da alta burguesia paulista, retorna da Europa (Itlia) para So Paulo, trazendo notcias do Futurismo de Marinetti.

b) A idia de uma arte atrelada civilizao tcnica, de combate ao academicismo, comea a ser divulgada. 1913 a) Acontece a primeira mostra de arte noacadmica feita no Brasil. O autor das obras o pintor lituano Lasar Segall, recm-chegado da Europa (Alemanha). Ele expe trabalhos que se apiam no Expressionismo alemo. b) A exposio, apesar de no causar muita repercusso, vai sinalizar contatos com as vanguardas alems. 1914

h) Os jovens artistas, entre eles Mrio e Oswald de Andrade, pem-se em defesa de Anita pelos jornais. H, em So Paulo, dois grupos bem ntidos: o dos que apiam a arte moderna e o dos que a condenam ferozmente. i) Sobre Anita Malfatti, Menotti del Picchia, autor de Juca Mulato, escreve:

H duas espcies de artistas. Uma composta dos que vem normalmente as coisas e, em consequncia, disso fazem arte pura, guardando os eternos ritmos da vida, e adotados para a concretizao das emoes estticas, os processos clssicos dos grandes mestres. (...) A outra espcie formada pelos que vem anormalmente a natureza e interpretam-na luz de teorias efmeras, sob a sugesto estrbica de escolas rebeldes, surgidas c e l como furnculos da cultura excessiva. So produtos do cansao e do sadismo de todos os perodos de decadncia: so frutos de fins de estao, bichados ao nascedouro.

01. (FGV) Ao retornar da Europa, em 1912, entusiasmado com as idias do ......................, em especial naquilo que se refere Arte e Literatura, ....................... passa a preconizar que ambas devem adequar-se era da velocidade das locomotivas, dos aeroplanos, dos automveis, era das mquinas, enfim, ao desenvolvimento tecnolgico e que, para isso, era necessrio romper com o passado, com a tradio. Mais tarde, entra em contato com outras propostas vanguardistas europias, de que surgiro outros movimentos por ele liderados, como o Movimento ............................ Preenche corretamente as lacunas a alternativa:a) Dadasmo Plnio Salgado Verde-amarelo. nalista. b) Concretismo Manuel Bandeira Regioc) Futurismo Oswald de Andrade And) Cubismo Ronald de Carvalho Conse) Surrealismo Mrio de Andrade Nativista. trutivista. tropofgico.

Caiu no vestibular

a) Anita Malfatti realiza sua primeira exposio de pintura. Recm-chegada da Alemanha, ela tambm exibe traos do Expressionismo. b) A exposio de Anita recebe alguns elogios da crtica, mas nada de teor significativo. 1915

1919

Anita foi chefe de vanguarda na arrancada inicial do movimento modernista da pintura de So Paulo. Sua arte mereceu a honra consagradora do martrio: foi recebida a pedradas.

a) Manuel Bandeira publica o livro de poemas Carnaval, contendo poemas de versos livres.

a) Anita Malfatti viaja para os Estados Unidos, onde conhece de perto o Cubismo.

b) Lus de Montalvor, poeta portugus (18911974), junto com Ronald de Carvalho, organizam a revista Orpheu, que desencadeia o Modernismo em Portugal. c) Oswald de Andrade torna o jornal O Pirralho um veculo de apoio s tendncias culturais emergentes.

b) Oswald de Andrade, Di Cavalcnti e Menotti del Picchia descobrem o escultor Victor Brecheret, recm-chegado de Roma. O escultor adere ao grupo dos articulistas da Semana de Arte Moderna. 1920 a) A imprensa comea a veicular artigos atacando o academicismo e o passadismo. b) H um grupo articulando a renovao das artes brasileiras: Oswald de Andrade, Mrio de Andrade, Menotti del Picchia, Cndido Mota Filho e Agenor Barata. 1921

02. (Desafio da TV) As obras expostas a seguir foram todas publicadas, por coincidncia, em 1917. Qual delas pertence ao autor do poema Os Sapos, declamado na Semana de Arte Moderna?a) A cinza das horas c) Juca Mulato d) Ns b) H uma gota de sangue em cada poema e) A flauta de P

1917

a) Mrio de Andrade e Oswald de Andrade, em funo das afinidades culturais, tornam-se amigos.

03. (Desafio do Rdio) Autor consagrado desde 1902, membro da Academia Brasileira de Letras, apoiou os jovens que, em 1922, se dispuseram a fazer uma revoluo nas artes brasileiras.a) Monteiro Lobato c) Lima Barreto e) Olavo Bilac d) Graa Aranha b) Euclides da Cunha

b) Mrio de Andrade publica sua primeira obra: H uma gota de sangue em cada poema (poesia ainda parnasiana sobre a Primeira Guerra Mundial). c) Guilherme de Almeida, ainda sob a gide parnasiana, publica seu primeiro livro: Ns.

a) Mrio e Oswald de Andrade vo ao Rio de Janeiro em busca de apoio para o movimento modernista. Conseguem as adeses de Manuel Bandeira, Ronald de Carvalho, Ribeiro Couto, lvaro Moreira, Renato de Almeida, Villa-Lobos e Srgio Buarque de Holanda. b) Nos meses de agosto e setembro, Mrio de Andrade publica, no Jornal do Comrcio, uma srie de artigos chamada Mestres do Passado, em que analisa a poesia parnasiana de Alberto de Oliveira, Raimundo Correia, Olavo Bilac, Vicente de Carvalho e Francisca Jlia todos com

04. Apenas uma obra no se vincula ao Parnasianismo. Qual?a) H uma gota de sangue em cada poema b) O Caador de Esmeraldas c) Carnaval d) A cinza das horas e) Juca Mulato

d) Manuel Bandeira estria na literatura com a obra A Cinza das Horas (poesia parnasiana). e) Menotti del Picchia lana seu primeiro li-

c) Em outubro, Graa Aranha, escritor consagrado, membro da Academia Brasileira de Letras e diplomata, retorna da Europa, onde tinha vivido desde 1900. Influenciado pelas vanguardas europias, Graa Aranha une-se aos jovens que articulam a Semana de Arte Moderna. d) Villa-Lobos, maestro e compositor, recebe a visita de Graa Aranha e Ronald de Carvalho, que o convidam a participar de um evento em So Paulo para a divulgao das idias modernistas. O maestro gosta do projeto, mas alega falta de dinheiro para ir a So Paulo.

slida reputao junto ao pblico.

DIA 15 DE FEVEREIRO (quarta-feira)

sobre esttica, tambm sob vaias do pblico presente.

a) Guiomar Novaes, admirada pianista, aproveita um intervalo e executa alguns clssicos consagrados. aplaudida pelo pblico. b) Menotti del Picchia profere uma conferncia sobre esttica e arte, ilustrada por um nmero de dana e por vaias e relinchos do pblico pagante. Eis um trecho do discurso de Menotti:

Mal Secreto

Se a clera que espuma, a dor que mora Nalma, e destri cada iluso que nasce, Tudo o que punge, tudo o que devora O corao, no rosto se estampasse;

Raimundo Correia

Se se pudesse o esprito que chora Ver atravs da mscara da face, Quanta gente, talvez, que inveja agora Nos causa, ento piedade nos causasse! Quanta gente que ri, talvez, consigo Guarda um atroz, recndito inimigo, Como invisvel chaga cancerosa! Quanta gente que ri, talvez existe, Cuja ventura nica consiste Em parecer aos outros venturosa!

e) O grupo ganha a adeso de Paulo Prado, intelectual rico de So Paulo que resolve financiar a aventura dos jovens modernistas. Graas ajuda dele, Villa-Lobos pode deslocar-se, junto com outros instrumentistas, do Rio para So Paulo.

2. A SEMANA DE ARTE MODERNA

f) A articulao final da Semana de Arte Moderna acontece durante as reunies na manso da famlia Prado (Paulo era filho do mais importante fazendeiro do caf do sculo XIX).

1. PREFERNCIA PELO SONETO Os poetas do Parnasianismo elegem o soneto (2 quartetos e 2 tercetos) como composio ideal para o desafio da sntese. Qualquer temtica escolhida tem de virar arte e ser esgotada em 14 versos.

2. PRIMEIRA ESTROFE O uso do se coloca a idia da primeira estrofe em perspectiva de hiptese. O poeta questiona o que aconteceria se a clera (que mora na alma e capaz de destruir cada iluso que nasce) estivesse estampada no rosto do ser humano. Os versos so decasslabos; as rimas so pobres (ocorrem entre palavras de mesma classe gramatical).

a) Finanas A Semana de Arte Moderna s realizada graas colaborao financeira encabeada pelo jornalista Ren Thiollier: ele consegue 847 mil ris junto aos fazendeiros e exportadores de caf, tendo Paulo Prado como primeiro da lista. Tambm apiam o movimento o presidente do Estado de So Paulo e o prefeito. b) Aluguel do Teatro Municipal O Teatro Municipal de So Paulo, fundado em 1913, alugado para o evento. c) Trs dias de tumulto Dentro da Semana, os trs dias de agitao so 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922. Em cada dia, os jovens enfocam um tema diferente. DIA 13 DE FEVEREIRO (segunda-feira)

DIA 17 DE FEVEREIRO (sexta-feira)

c) Ronald de Carvalho l o poema Os Sapos, de Manuel Bandeira, que, radicado no Rio de Janeiro, no pode comparecer ao evento (piorara da tuberculose). A leitura do poema acompanhada de vaias, berros, latidos. Mesmo sob um barulho ensurdecedor, Ronald declama o texto.

Queremos luz, ar, ventiladores, aeroplanos, reivindicaes obreiras, idealismos, motores, chamins de fbricas, sangue, velocidade, sonho na nossa arte. E que o rufo do automvel, nos trilhos de dois versos, espante da poesia o ltimo deus homrico que ficou, anacronicamente, a dormir e a sonhar, na era do jazz-band e do cinema, com a flauta dos pastores da Arcdia e os seios divinos de Helena. [...] e o cu parece um imenso cartaz eltrico que Deus arrumou no alto, para fazer o eterno racismo de sua onipotncia. [...] cultivar o helenismo como fora dinmica do nosso sculo colocar o corpo seco, enrolado em bandas, de um Ramss ou de um Amnsis, a governar uma repblica democrtica, onde h fraudes eleitorais e greves anarquistas.

3. SEGUNDA ESTROFE A estratgia da hiptese continua. Se fosse possvel ver o esprito que sofre por meio da mscara da face, muita gente que nos causa inveja talvez passasse a nos causar piedade. como se a face do ser humano fosse apenas uma mscara a encobrir o que realmente somos por dentro.

4. TERCEIRA ESTROFE O riso, sinal universal de felicidade, contestado. Quem exibe sorriso no rosto pode estar chorando por dentro, como se a capacidade de fingir fosse inerente ao ser humano. 5. QUARTA ESTROFE A capacidade de fingir chega ao pice: para muita gente, a nica felicidade consiste em parecer feliz para os outros. A rima (consigo/inimigo) rica.

As rimas so ricas (ocorrem entre palavras de classes diferentes).

b) Nem a reputao de membro da Academia Brasileira de Letras, nem a idade (54 anos) evitam as vaias do pblico pelos ataques do veterano ao academicismo.

a) O evento inaugurado s 8 horas da noite, com uma exposio de artes plsticas no saguo do teatro. Graa Aranha faz uma conferncia com o ttulo de A Emoo Esttica na Arte Moderna.

a) Noite totalmente dedicada msica. H um longo recital de Villa-Lobos, com a participao de Ernani Braga, Alfredo Gomes, Paulina dAmbrsio, Lima Viana, Maria Emma, Luclia Villa-Lobos, Pedro Vieira e Anto Soares.

b) O Teatro Municipal est com menos da metade da lotao. H uma certa tranqilidade no ambiente. c) Um momento de constrangimento e vaias: Villa-Lobos apresenta-se de casaca, mas com um p calado com um sapato e outro com um chinelo. O compositor tem um calo inflamado. Os protestos ao figurino do regente so inmeros. Um espectador da primeira fila abriu um guarda-chuva preto. d) A noite encerra-se com a reafirmao dos trs objetivos bsicos do movimento: 1. Reivindicar o direito permanente pesquisa esttica, atualizao da arte brasileira, estabilizao de uma conscincia criadora nacional. 2. Reagir contra o helenismo de Coelho Neto, contra o purismo de Rui Barbosa, contra o academicismo de modo geral. 3. Substituir o pieguismo literrio de mtrica rgida e sentimentos catalogados pela linguagem coloquial, pela livre expresso, pela valorizao da realidade nacional, pela exaltao da psique moderna.

c) No saguo do teatro, esto expostas pinturas de Anita Malfatti, Di Cavalcnti, John Graz, Zina Aita, J. F. de Almeida Prado e Vicente do Rego Monteiro. H tambm esculturas de Brecheret e projetos de arquitetura de Antnio Moya e Georg Przirembel. d) A conferncia de Graa Aranha ilustrada por musicais regidos por Ernani Braga e por declamaes de poemas feitas por Ronald de Carvalho e Guilherme de Almeida.

6. PESSIMISMO Raimundo Correia contamina muitos leitores com sonetos pessimistas. Em Mal Secreto, levanta a hiptese de que somos fingidores, de que exibimos uma felicidade que no condiz com nossas condies interiores.

A rima (existe/consiste) pobre.

e) Na segunda parte do evento, Ronald de Carvalho profere a conferncia A Pintura e a Escultura Moderna no Brasil, ilustrada por msicas de Ernani Braga e de VillaLobos. f) Oswald de Andrade l um poema de sua autoria sob vaias intensas. g) Mrio de Andrade profere um discurso

4

QumicaProfessor Pedro CAMPELO Aula 152

1. FUNES ORGNICAS Funes orgnicas so grupos de compostos orgnicos que tm estrutura qumica semelhante e, conseqentemente, comportamento qumico similar. 2. HIDROCARBONETOS Em Qumica, um hidrocarboneto um composto qumico constitudo essencialmente por tomos de carbono e de hidrognio. Os hidrocarbonetos naturais so compostos qumicos constitudos apenas por tomos de carbono (C) e de hidrognio (H), aos quais se podem juntar tomos de oxignio (O), azoto ou nitrognio (N) e enxofre (S), dando origem a diferentes compostos de outros grupos funcionais. So conhecidos alguns milhares de hidrocarbonetos. As diferentes caractersticas fsicas so uma conseqncia das diferentes composies moleculares. Contudo todos os hidrocarbonetos apresentam uma propriedade comum: oxidam-se facilmente liberando calor. Os hidrocarbonetos naturais formam-se a grandes presses no interior da terra (abaixo de 150 km de profundidade) e so trazidos para zonas de menor presso atravs de processos geolgicos, em que podem formar acumulaes comerciais (petrleo, gs natural, carvo etc). As molculas de hidrocarbonetos, sobretudo as mais complexas, possuem alta estabilidade termodinmica. Apenas o metano, que a molcula mais simples (CH4), pode formarse em condies de presso e de temperatura mais baixas. Os demais hidrocarbonetos no so formados espontaneamente nas camadas superficiais da terra. 2.1. Quanto forma das cadeias carbnicas, os hidrocarbonetos podem ser divididos, em:

Funes orgnicas I hidrocarbonetos

de pedra") ou leo mineral, enquanto hidrocarbonetos geolgicos gasosos so chamados de gs natural. Todos so importantes fontes de combustvel. Hidrocarbonetos so de grande importncia econmica porque constituem a maioria dos combustveis minerais (carvo, petrleo,gs natural etc.) e biocombustveis como os plsticos, as ceras, os solventes e os leos. Na poluio urbana, esses compostos juntamente com o NOx e a luz solar contribuem para a formao do oznio troposfrico. 2.5. HIDROCARBONETOS AROMTICOS Hidrocarbonetos aromticos so geralmente compostos caracterizados por apresentar como cadeia principal um ou vrios anis benznicos, sendo a "aromaticidade" melhor definida como uma "dificuldade" das ligaes duplas de um composto reagirem em reaes tpicas de alcenos, devido a uma deslocalizao destas na molcula.Existem poucos hidrocarbonetos que possuem aromaticidade alm do benzeno e dos compostos relacionados (anis fundidos). A aromaticidade tambm ocorre em outras cadeias cclicas. O furano, por exemplo, um composto aromtico em que o anel formado por 4 tomos de carbono e um de oxignio. Quando apresentam um s grupamento, o nome desse precede o nome da cadeia principal (ver benzeno). Quando apresentar mais de um grupamento, a numerao deve comear por um dos carbonos ramificados e prosseguir de tal forma que os grupamentos estejam nos carbonos de menor nmero possvel. Uma nomenclatura tpica : orto, meta e para (posies 1,2/1,3/1,4 respectivamente). Esses compostos apresentam uma nomenclatura particular, que no segue as regras utilizadas na nomenclatura dos outros hidrocarbonetos. Alm disso, no existe uma frmula geral para todos os aromticos.

01. (Cesgranrio 90) Assinale a nica afirmativa correta, com relao ao composto que apresenta a estrutura a seguir:

O composto:

02. (Cesgranrio 95) A qualidade de uma gasolina pode ser expressa pelo seu ndice de octanagem. Uma gasolina de octanagem 80 significa que ela se comporta, no motor, como uma mistura contendo 80% de isooctano e 20% de heptano. Observe a estrutura do isooctano:

a) um alqueno; b) apresenta um radical n-propila ligado ao carbono 4; c) apresenta 2 radicais propila; d) apresenta 3 radicais etila; e) apresenta 2 radicais etila.

3. NOMENCLATURA IUPAC Nomenclatura IUPAC um sistema de nomeao de compostos qumicos e de se descrever a cincia qumica em geral. Ela desenvolvida e mantida atual atravs da Unio Internacional de Qumica Pura e Aplicada (cuja sigla, em Ingls, IUPAC). 3.1. OBJETIVOS DA NOMENCLATURA QUMICA A funo primria da nomenclatura qumica garantir que a pessoa que escuta ou l um nome qumico est livre de ambigidades para o composto qumico a que se refere: cada nome deve referir-se a uma nica substncia. considerado menos importante garantir que cada substncia deva ter um nome nico, embora o nmero aceitvel de nomes seja limitado. A forma de nomenclatura a ser utilizada depende do pblico-alvo: no existe uma nica forma correta, mas apenas formas diferentes que so mais ou menos apropriadas para diferentes circunstncias.

De acordo com a nomenclatura IUPAC, esse hidrocarboneto o:a) b) c) d) e) iso propil pentano. n propil pentano. 2,4,4 trimetil pentano. 2,2,4 trimetil pentano. trimetil isopentano.

2.1.1. Hidrocarbonetos alifticos: neles, a cadeia carbnica acclica (ou seja, aberta), sendo subdividos em: alcanos; alcenos; alcinos e alcadienos. 2.1.2. Hidrocarbonetos cclicos: possuem pelo menos uma cadeia carbnica fechada, subdivididos em: cicloalcanos ou ciclanos; cicloalcenos ou ciclenos; cicloalcinos ou ciclinos; aromticos, que possuem, pelo menos, um anel aromtico (anel benznico) alm de suas outras ligaes. 2.2. Quanto ao tipo de ligao entre os carbonos, os hidrocarbonetos podem ainda ser divididos, didaticamente, em:

03. (ITA 2002) A massa de um certo hidrocarboneto igual a 2,60 g. As concentraes, em porcentagem em massa, de carbono e de hidrognio neste hidrocarboneto so iguais a 82,7% e 17,3%, respectivamente. A frmula molecular do hidrocarboneto 04. (Mackenzie 96) Sobre o composto, cuja frmula estrutural dada a seguir, fazem-se as afirmaes: I. um alceno. II. Possui trs ramificaes diferentes entre si, ligadas cadeia principal. III. Apesar de ter frmula molecular C11H22, no um hidrocarboneto. IV. Possui, no total, quatro carbonos tercirios.a) CH4. d) C3H8. b) C2H4. e) C4H10. c) C2H6.

2.3. FRMULAS GERAIS O nmero de tomos de hidrognio em hidrocarbonetos pode ser determinado, se o nmero de tomos de carbono for conhecido, utilizando as seguintes equaes: Alcanos: CnH2n+2 Alcenos: CnH2n Alcinos: CnH2n2 Ciclanos: CnH2n Ciclenos: CnH2n2 2.4. HIDROCARBONETOS E COMBUSTVEIS Hidrocarbonetos lquidos geologicamente extrados so chamados de petrleo (literalmente "leo

2.2.1. Hidrocarbonetos saturados, englobando alcanos e cicloalcanos, que no possuem ligaes dupla, tripla ou aromtica; 2.2.2. Hidrocarbonetos insaturados, que possuem uma ou mais ligaes dupla ou tripla entre tomos de carbono (entre eles, os alcenos, alcadienos e cicloalcenos - com ligao dupla; alcinos - com ligaes tripla -; e aromticos)

4. NOME DE HIDROCARBONETOS Hidrocarbonetos alifticos saturados alcanos H3CCH2CH2CH2CH2CH2CH2CH3 octano cicloalcanos

Hidrocarboretos etilnicos, etnicos, olefinas, alquenos ou alcenos. Mono alquenos

ciclopentano

So corretas:

3-metilnon-2-eno

a) I e IV, somente. c) II e III, somente. e) III e IV, somente.

b) I, II, III e IV. d) II e IV, somente.

5

Alenos butadieno1,2 ou metil aleno H2C=C=CHCH3 Ciclenos

Separa-se a cadeia de carbonos mais longa na

estrutura; tal cadeia constituir a base do nome em funo do nmero de tomos de carbono que procede (3: propano, 4: butano, nonano, 10: decano, 11: undecano etc...) 5: pentano, 6: hexano, 7: heptano, 8: octano, 9:

01. (Mackenzie 97) Dentre os diversos componentes da gasolina, encontra-se o isoctano, tambm chamado de 2, 2, 4 trimetilpentano, que:a) apresenta dois carbonos secundrios em sua estrutura. b) ismero de cadeia do 3,4 dimetilhexano. c) por combusto total, forma unicamente gs carbnico. d) um hidrocarboneto alqunico. e) possui cadeia carbnica aliftica, saturada e normal.

ciclodienos

ciclopenteno 1,3-ciclopentadieno

Numera-se seqencialmente a cadeia de carbono partindo-se de uma extremidade; a ga as ramificaes (uma ligao ou mais com possvel. extremidade a ser escolhida aquela que traoutro tomo de carbono) com o menor nmero

Hidrocarbonetos acetilenicos ou alquinos: pentino2 H3CCCCH2CH3 Hidrocarbonetos aromticos

02. (Mackenzie 98) As afirmaes a seguir referem-se substncia de frmula estrutural mostrada na figura adiante.

O benzeno e seus derivados:

benzeno

tolueno

Nomear as ramificaes de forma anloga cadeia principal, substituindo pelo sufixo -ano etc...) com o sufixo -il (assim, 1: metil, 2:etil, 3: propil reagupar as ramificaes em ordem alfabtica indicar a multiplicidade atravs de prefixo (di-, tri-, tetra- etc...). e, se aparecer mais de uma mesma frmula, 3 grupos CH3: tri-metil-

I. 4-etil-3-isopropil-2,4-dimetil-2-hexeno o seu nome oficial (I.U.P .A.C.). II. Sua cadeia carbnica aberta, insaturada, homognea e ramificada. III. Apresenta somente ligaes do tipo sigma sp3-sp3 e sigma s-sp3. IV. um alcino (ou alquino). Das afirmaes feitas, so corretas apenas: 03. (Mackenzie 99) A borracha natural um lquido branco e leitoso, extrado da seringueira, conhecido como ltex. O monmero que origina a borracha natural o metil-1, 3-butadienoa) I e II. d) II e IV. b) II e III. e) I, II e III. c) I e III.

tolueno

o-xileno

m-xileno

O nome ser constitudo pela lista de ramificacadeia principal, seguido pela cadeia principal. alfabtica.

es precedentes pelo nmero de tomos da Os substituintes devem seguir em ordem

04. (PUCMG 97) Os compostos isopentano, neopentano e isobutano apresentam o seguinte nmero de carbonos, respectivamente: 05. (PUCMG 97) Dada a cadeia carbnicaa) 5, 5, 4 d) 6, 4, 5 b) 6, 6, 4 e) 6, 6, 5 c) 5, 6, 4

a) um hidrocarboneto de cadeia saturada e ramificada. b) um hidrocarboneto aromtico. c) tem frmula molecular C4H5. d) apresenta dois carbonos tercirios, um carbono secundrio e dois carbonos primrios. e) um hidrocarboneto insaturado de frmula molecular C5H8.

, do qual correto afirmar que:

5. ALCANOS Os alcanos, tambm chamados parafinas, so hidrocarbonetos alifticos saturados, de frmula geral CnH2n+2. Estes se apresentam em cadeias lineares ou ramificadas. Os alcanos lineares so designados, na nomenclatura oficial, atravs de prefixos, geralmente gregos, seguidos do sufixo "ano". Nos alcanos , os tomos de carbono usam quatro orbitais hbridos, equivalentes sp, para se ligar tetraedricamente a quatro outros tomos (carbono ou hidrognio).

p-xileno

trimetilbenzeno

Curiosidade: o 2,2,4 trimetilpentano usado para definir um combustvel de octanagem igual a 100. Propriedades Propriedades fsicas

Alcanos so praticamente insolveis em gua. Alcanos so menos densos que a gua. Pontos de fuso e ebulio dos alcanos geralo comprimento da cadeia carbnica principal. mente aumentam com o peso molecular e com alcanos so gasosos; do C5H12 at C17H36, slidos.

Sistema IUPAC O nome de todos os alcanos termina com -ano. Alcanos de cadeia normal com oito ou menos carbonos so nomeados conforme a seguinte tabela, que tambm d o nome do radical alcoila, alquila ou, ainda, alquilo (em Portugal), formado pelo destacamento de uma ligao de hidrognio. Deve-se trocar a terminao em il ou -ila, (dos nomes apresentados para -ilo, de modo a obter o nome dos radicais em Portugus de Portugal). Para uma lista mais completa, veja Lista de alcanos.

Em condies normais, do CH4 at C4H10, eles so lquidos; e, depois de C18H38, eles so As molculas de alcanos podem ligar-se entre si por fora de Van der Waals. Estas foras tamanho das molculas aumenta.

tornam-se mais interessantes medida que o Propriedades qumicas Alcanos possuem baixa reatividade porque as

ligaes simples CH e CC so relativamente estveis, difceis de quebrar e so apolares. Eles no reagem com cidos, bases, metais ou dos principais componentes) no reage com origem do termo parafinas (do Latim agentes oxidantes. Pode parecer surpreencido sulfrico concentrado, metal sdio ou para+affinis, que significa "pouca afinidade").

verifica-se que a soma das posies dos carbonos na numerao da cadeia :a) 4 d) 10 b) 6 e) 12 c) 8

Veja aqui estruturas tridimensionais interativas de alguns alcanos de cadeia reta. Alcanos ramificados so nomeados como segue: Exemplo:

dente, mas o petrleo (em que o octano um manganato de potssio. Essa neutralidade a

6

GeografiaProfessor HABDEL Jafar Aula 153

O problema do crescimento demogrfico hoje no consiste s no fato de que a cada ano existe um acrscimo de quase 80 milhes de pessoas no planeta que consomem recursos. O fato bsico que povos diferentes produzem padres demogrficos diferentes alguns crescendo depressa, outros estagnados e outros ainda em declnio absoluto (Kennedy, Paul. Preparando para o sculo XXI. Rio de Janeiro, Campus, 1993).

Teoria demogrfica

Em 12 de outubro de 1999, a populao mundial chegou cifra dos 6 bilhes. Se levarmos em considerao que, no incio da Era Crist, esse nmero atingia pouco mais de 250 milhes, isso representa um crescimento fantstico. verdade que ocorreram ritmos diferentes de crescimento da populao mundial nos ltimos dois mil anos. Houve momentos de crescimento mais acelerado e outros de crescimento moderado.

* Estimativa da ONU. Fonte: L'tat du Monde 2000. Paris.

Dois momentos foram excepcionalmente importantes. O primeiro perdurou entre os sculos XVIII e XIX e coincidiu com a consolidao do sistema capitalista de produo e a Revoluo Industrial. O segundo comeou na segunda metade do sculo XX e ainda est em curso. O certo que foi o bastante para provocar o surgimento de tericos que se debruaram sobre o problema e propuseram solues. Crescimento populacional nos sculos XVIII e XIX Nos pases que se industrializavam na Europa do sculo XVIII, perceberam-se mudanas no quadro socioeconmico. O aumento na produo de alimentos, a migrao campo-cidade, a ocorrncia de uma revoluo mdico-sanitria contriburam, sobremaneira, para uma reduo dos ndices de mortalidade. Como as taxas de natalidade eram altas, o resultado foi uma

acelerao do crescimento demogrfico. Simultaneamente, os salrios eram baixos, a jornada de trabalho era extrema (14 a 16 horas por dia) e a maioria das pessoas que chegavam do campo no tinham acesso a moradias dignas. Esse momento de intensa evoluo tecnolgica e de crescimento econmico foi um marco de intensa explorao da classe operria. De um lado, a riqueza, concentrada nas mos de poucos. De outro, a extrema pobreza na qual vivia a maioria da populao. Era preciso buscar explicao e soluo para esse dilema. Foi ento que Thomas Robert Maltus, no livro Enssay on the Principle of Population, publicado em 1798, interessou-se pelas leis da populao. Ele concluiu que o crescimento populacional excedia capacidade da terra de produzir alimentos. Essa teoria baseava-se na lei dos rendimentos decrescentes, segundo a qual o ingresso de trabalhadores no processo de produo no representa um proporcional aumento da produo de alimentos. Isso aconteceria porque a disponibilidade de terra para o cultivo e a criao permaneceria a mesma. A soluo estaria numa restrio moral aos nascimentos. [...] proibir o casamento entre pessoas muito jovens; limitar o nmero de filhos entre as populaes mais pobres; elevar o preo das mercadorias e reduzir os salrios, a fim de pressionar os mais humildes a ter uma prole mais numerosa. (MOREIRA, Igor. O espao geogrfico: Geografia geral e do Brasil. p. 134, So Paulo: tica, 2002. "De outro lado, apontava os controles sociais positivos como capazes de realizar a reduo do crescimento vegetativo. Aumentar a mortalidade por meio do estmulo s guerras, ao retorno de doenas que dizimariam um nmero muito grande da populao e da extino da ajuda social aos carentes seria, para Malthus, um caminho seguro para o equilbrio populacional. Ele admitia "... que as barreiras naturais que impedem o crescimento da populao animal atuavam igualmente nas populaes humanas. Assim, a misria seria uma espcie de vingana da natureza contra os homens que teimavam em se multiplicar" (Garret Hardin, Evoluo e controle da natalidade. p.17.). Apesar de encontrar eco entre certos estudiosos, o malthusianismo foi superado, em razo de alguns erros e exageros cometidos por Malthus. O tempo mostrou que tanto a populao quanto a produo de alimentos experimentaram crescimento completamente diferente do previsto por ele. Em geral, as taxas de crescimento demogrfico diminuem com o aumento do nvel de vida das populaes. A agricultura evoluiu e passou a produzir mais com o desenvolvimento tecnolgico. A maior parte das terras agricultveis disponveis no planeta est nas mos de poucos. Nos pases subdesenvolvidos, os principais produtos exportados so os alimentcios, justamente os que faltam na mesa da maioria de suas populaes. Acelerao demogrfica nos sculos XX e XXI Aps a Segunda Guerra Mundial, a humanidade assistiu ao mais espetacular crescimento demogrfico. A populao mundial salta de dois para seis bilhes em apenas 50 anos. Muitos dos avanos tecnolgicos na fabricao de medicamentos e tratamentos mdico-hospitalares chegaram aos pases subdesenvolvidos. A agricultura e a pecuria foram sendo modernizadas. A industrializao passou a ser um processo de

01. (UFPE) Leia atentamente o texto a seguir. A populao, sem limitaes, aumenta em proporo geomtrica. Os meios de subsistncia aumentam em proporo aritmtica. Um pequeno conhecimento dos nmeros mostrar a imensidade do primeiro poder em comparao com o segundo. Pela lei de nossa natureza que torna o alimento necessrio vida do homem, os efeitos dessas foras desiguais devem ser mantidos em p de igualdade". O texto acima refere-se a uma concepo:a) b) c) d) e) neoliberal. neomarxista. possibilista. marxista-leninista. malthusiana.

02. A evoluo demogrfica, no decorrer dos sculos XIX e XX, permite tecer vrias consideraes:

I. O relativo equilbrio entre nascimentos e mortes foi rompido nos pases desenvolvidos, j no sculo passado, e, posteriormente, nos pases subdesenvolvidos, como resultado das transformaes provocadas pelo processo de industrializao e urbanizao. II. A mortalidade no mundo subdesenvolvido declinou aps a Segunda Guerra Mundial, mas os ndices de mortalidade infantil ainda so muito elevados. III. Os ndices de esperana de vida ao nascer j so equivalentes entre os pases subdesenvolvidos industrializados e os de industrializao clssica. IV. Uma caracterstica marcante das ltimas dcadas foi a reduo do nmero de filhos nos pases desenvolvidos capitalistas e socialistas, transformao que no foi alcanada pelos "pases emergentes". So verdadeiras apenas as afirmaes:a) b) c) d) e) I e II. I e III. II e III. III e IV. II e IV.

03. (FURG) Primeira afirmativa: Somente o controle rigoroso da natalidade poder reduzir o excedente populacional. Segunda afirmativa: A Histria tem demonstrado que o melhor anticoncepcional a melhoria da qualidade de vida da populao.a) As duas afirmativas so verdadeiras, e a segunda uma justificativa da primeira. b) As duas afirmativas so verdadeiras, e a segunda no uma justificativa da primeira. c) A primeira afirmativa verdadeira, e a segunda falsa. d) A primeira afirmativa falsa, e a segunda verdadeira. e) As duas afirmativas so falsas.

7

01. (UFES) CORRETO afirmar que "transio demogrfica" refere-se ao perodo de:

02. (UFRN) A teoria reformista uma resposta aos neomalthusianos. De acordo com essa teoria, correto afirmar que:

a) alto crescimento natural, devido elevao das taxas de natalidade e de mortalidade. b) baixo crescimento natural, situado entre dois perodos de grande crescimento demogrfico. c) baixo crescimento populacional, devido s baixas taxas de natalidade e de mortalidade. d) elevado crescimento demogrfico, devido alta das taxas de natalidade e de mortalidade. e) elevado crescimento natural, situado entre dois estgios de pequeno crescimento demogrfico.

03. (UFRN) A terceira grande acelerao do crescimento populacional se manifestou, na Amrica Latina, na sia e na frica, aps a Segunda Guerra Mundial, principalmente, (ao)a) revoluo mdico-sanitria. b) avano cientfico-cultural. c) transio demogrfica. d) evoluo dos meios de comunicao.

a) as precrias condies econmicas e sociais acarretam uma reduo espontnea das taxas de natalidade. b) uma populao jovem numerosa, devido s elevadas taxas de natalidade, a causa principal do subdesenvolvimento. c) o controle da natalidade s ser possvel mediante rgidas polticas demogrficas desenvolvidas pelo Estado. d) o equilbrio da dinmica populacional se d pelo enfrentamento das questes sociais e econmicas.

04. (UFRN) As teorias demogrficas tm procurado explicar a relao existente entre crescimento populacional e desenvolvimento econmico. Segundo a Teoria Reformista,a) a poltica de controle da natalidade deve ser efetivada pelo Estado, no sentido de impedir o rpido crescimento demogrfico e o surgimento de reas superpovoadas com altos ndices de pobreza, como os que ocorrem na ndia. b) o subdesenvolvimento econmico resultante do acelerado crescimento demogrfico, sendo necessrias polticas rgidas de controle familiar, como as que vm sendo adotadas na China. c) o rpido crescimento demogrfico trar conseqncias graves sobre os ecossistemas tropicais e equatoriais, sendo necessrio o controle da natalidade como forma de garantir a preservao do patrimnio ambiental. d) a misria responsvel pelo crescimento da populao, sendo necessrias mudanas socioeconmicas que permitam a distribuio de renda e o acesso educao, sade e ao mercado de trabalho.

desenvolvimento que tambm chegara a muitos desses pases. Isso provocou uma marcha da populao em direo s cidades. Nelas, as condies de vida eram melhores. Nos pases em desenvolvimento, o crescimento demogrfico urbano resulta antes das migraes e da expanso geogrfica e espacial das cidades que do crescimento natural (excedentes dos nascimentos sobre os bitos) de sua populao. Mas a fecundidade das famlias de imigrantes e de habitantes das reas absorvidas pelas cidades freqentemente continua sendo, durante uma gerao, superior das famlias naturais do meio urbano. E, no fim desse perodo de adaptao, a diminuio da fecundidade costuma ser neutralizada pela queda da mortalidade infantil, muito mais rpida nas cidades que no campo. (AMANI, Mehdi. A exploso urbana. O Correio da Unesco. ano 20, n. 03, maro de 1992). Essa acelerao demogrfica torna-se preocupante quando se verifica que a maior parte dos que nasceram nesse perodo encontram-se no lado pobre da humanidade. Nesse momento, surgem duas correntes de pensamento sobre o problema demogrfico. Uma delas, a dos neomalthusianos, que hegemnica, advoga que a causa da pobreza e do subdesenvolvimento o excessivo crescimento demogrfico nos pases subdesenvolvidos. Essa a corrente dos que recuperam alguns dos preceitos do malthusianismo. Apontam os pobres dos pases subdesenvolvidos como os nicos culpados pela sua prpria pobreza. Como soluo, defendem o controle da natalidade, responsabilidade que conferem aos Estados. Acreditam que agindo assim diminuiriam a presso sobre recursos naturais (ecomalthusianos) e pelos parcos recursos financeiros disponveis. Esquecem-se do passado de explorao colonial. Esquecem, ou no querem admitir, que h desigualdades nas relaes comerciais internacionais. No vem que a terra, nesses pases, est concentrada nas mos de poucos. Terras que, na maioria das vezes, quando no produzem para a exportao, servem apenas para especulao. Noutra extremidade, esto os reformistas. Acreditam que somente uma melhor distribuio da renda, associada urbanizao das cidades, ao aumento do nvel de escolarizao das populaes, gerao de emprego e renda, ao acesso aos tratamentos e medicamentos e a moradias dignas que far diminuir o crescimento demogrfico e superar a condio de pobreza e subdesenvolvimento. So contrrios s teses neomalthusianas, porque tratam os problemas apenas pelas conseqncias e no pelas causas. Para os reformistas, uma populao apresenta elevados ndices de crescimento porque pobre e no o contrrio.

de base, educao, sade e urbanizao. Isso perdurou at os fins dos anos 1970, mas, a partir da, o Pas voltou a patinar e tornou-se cada vez mais concentrador de renda. Como, mesmo com retrao econmica, a populao continuou a crescer, passamos a ter, cada vez mais, marginalizados e excludos. Hoje, o que era um problema social virou um problema de segurana e vivemos o agravamento de um quadro que era excludente. Temos uma situao de confronto entre o contigente de excludos e aqueles que concentram as possibilidades. 01. Mesmo com a retrao econmica (dos anos de 1980), a populao continuou a crescer, fato que confirmou a tese dos cientistasa) neomalthusianos que atribuam ao forte crescimento vegetativo as condies de pobreza crnica da populao. b) malthusianos que, de forma alarmista, previam fortes crises de abastecimento de gneros alimentcios para a populao. c) neoliberais que defendiam a expanso irrestrita dos mercados consumidores, a partir da melhoria das condies de vida. d) pragmticos que atribuam ao Estado a obrigao de criar polticas de controle de natalidade em todo o pas. e) keynesianos que asseguravam que o Estado no teria condies de proporcionar a elevao do padro de vida da populao. (Nicolau Sevcenko. 8/10/2003, p. 38) In: "Cartacapital",

02. (Enem) Qual dos "slogans" a seguir poderia ser utilizado para defender o ponto de vista dos reformistas?

03. (Mackenzie) Segundo estimativas da ONU, em outubro deste ano, a populao mundial alcanou o total de 6 bilhes de habitantes. Tal fato colocou em evidncia os neomalthusianos, que:

a) Controle populacional j, ou pas no resistir. b) Com sade e educao, o planejamento familiar vir por opo! c) Populao controlada, pas rico! d) Basta mais gente, que o pas vai pra frente! e) Populao menor, educao melhor!

TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO (Puccamp) Urbanizao descontrolada Na verdade, o grande perodo da sociedade brasileira foi o ps-guerra, quando adotado o padro da sociedade de "bem-estar social". Esse o melhor momento tanto em termos de crescimento econmico quanto de crescimento ligado a uma poltica redistributiva. Foram abertos canais de promoo social, com investimentos pblicos em infra-estrutura, em servios 8

Exerccios

a) acreditam que as taxas de crescimento demogrfico sero reduzidas naturalmente. b) acreditam que a produo de alimentos sempre acompanhar o aumento da populao. c) so favorveis a uma melhor distribuio das riquezas mundiais como forma de conter a natalidade. d) no vem problemas no crescimento da populao mundial. e) preconizam um rgido e compulsrio controle da natalidade nos pases pobres.

MatemticaProfessor CLICIO Freire Aula 154

Aplicando-se o Teorema de Pitgoras, temos que 252=242+ x2 x=7cm Sabemos que, oposto ao maior lado, temos o maior ngulo, logo > . Da tg = 24/7 Portanto a alternativa correta a letra D. ngulos Notveis No estudo da trigonometria, os ngulos e suas reaes trigonomtricas com o tringulo retngulo so muito trabalhados. Existem alguns ngulos que so trabalhados com mais freqncia. So chamados ngulos notveis. Esses ngulos so de 30, 45 e 60. O valor do seu seno, co-seno e tangente so representados de uma forma diferente dos outros ngulos. Para demonstrarmos o valor do seno, co-seno e tangente desses ngulos, preciso relembrar algumas frmulas. Seno, co-seno e tangente so relaes trigonomtricas feitas em um tringulo retngulo. Veja: cateto adjacente cos = hipotenusa cateto oposto seno = hipotenusa cateto oposto tg = cateto adjacente Para demonstrarmos as relaes trigonomtricas no tringulo retngulo dos ngulos 30e 60, preciso obter um tringulo que tenha esses dois ngulos. Observe o tringulo eqiltero (todos os ngulos internos so iguais a 60) ABC de lado igual a x. preciso calcular o valor da sua altura. Quando traamos sua altura, o mesmo que traar a bissetriz do ngulo A e a mediatriz do lado BC .

Razes trigonomtricas no tringulo retngulo Consideremos um ngulo agudo qualquer d medida , levando-se em conta os infinitos tringulos retngulos que possuem o ngulo de medida . Exemplo:

Trigonometria

01. Em cada caso, calcule sen, cos e tg dos ngulos agudos dos tringulos retngulos abaixo.

Os tringulos OAB, OCD, OEF e OGH so todos semelhantes. Logo: BA DC FE HG = = = = r1 OA OC OE OG OB OD OF OH = = = = r2 OA OC OE OG BA DC FE HG = = = = r3 OB OD OF OH Respectivamente, as razes (trigonomtricas) r1, r2, r3 so denominadas de: seno do ngulo (sen ), co-seno do ngulo (cos ) e tangente do ngulo (tg )

02. Um barco atravessa um rio de 80 m de largura, seguindo uma direo que forma 70 com a margem de partida. Qual a distncia percorrida pelo barco? Quantos metros, em relao ao ponto de partida, ele se desloca rio abaixo ?

03. A figura representa o perfil de uma escada cujos degraus tm todos a mesma extenso, alm da mesma altura. Se AB = 2 m e BCA mede 30, ento a medida da extenso de cada degrau :

Cateto oposto b sen = = Hipotenusa a Cateto adjacente c cos = = Hipotenusa a Cateto oposto b tg = = Cateto adjacente c Co-seno do ngulo agudo (cos ) a razo entre a medida do cateto adjacente a e a medida da hipotenusa. AB c cos = = ou BC a Medida do cateto adjacente a cos = medida da hipotenusa Tangente do ngulo (tg ) razo entre a medida do cateto oposto a e a medida do cateto adjacente a . AC b tg = = ou AB c Medida do cateto oposto a tg = Medida do cateto adjacente a Seno do ngulo (sen ). A razo k uma caracterstica de cada ngulo , e seu valor chamado de seno do ngulo (sen ). AC b sen = = ou BC a Medida do cateto oposto a sen = Medida da hipotenusa Exemplo: Em um tringulo retngulo, a hipotenusa mede 25cm, e um dos catetos mede 24cm. Quanto vale a tangente do maior ngulo agudo desse tringulo? a) 7/25 b) 7/24 c) 25/24 d) 24/7 e) 25/7 Soluo: Observe o tringulo abaixo.

04. Encontre o valor de x em cada caso:Para calcular a sua altura, basta aplicar o Teorema de Pitgoras no tringulo AHC: x2 = (x / 2)2 + h2 x2 = x2 / 4 + h2 4x2 4h2 + x2 = 4 4 4x2 = 4h2 + x2 4x2 x2 = 4h2 3x2 = 4h2 2 3x = h2 4 Com o valor da altura em funo de x e utilizando o tringulo retngulo AHC, podemos determinar as relaes trigonomtricas dos ngulos de 60 e de 30 no tringulo AHC. = h h=

05. Um avio levanta vo em B e sobe fazendo um ngulo constante de 15 com a horizontal. A que altura estar e qual a distncia percorrida quando alcanar a vertical que passa por uma igreja situada a 2 km do ponto de partida? Dados sen 15=0,259 e tg 15=0,268. 06. Uma escada apoiada em uma parede, num ponto distante 4m do solo, forma, com essa parede, um ngulo de 60. Qual o comprimento da escada em m?

Cateto oposto seno 60 = hipotenusa seno 60 =

seno 60 =

Cateto oposto seno 30 = hipotenusa x x.1 seno 30 = seno 30 = 2/x 2x seno 30 = 1/2

07. O tringulo ABC issceles, de vrtice A, e um de seus ngulos vale o dobro de outro. Se BC mede 3cm, determine as medidas dos lados congruentes.a) 2,1 ou 4 d) 3 ou 5 b) 2 ou 4 e) 2 ou 6 c) 2,1 ou 4,9

9

cateto adjacente cos60 = Hipotenusa x x.1 cos60= cos 60 = cos60=1/2 2/x 3x cateto oposto cos 30 = Hipotenusa cos 30 = cos 30 = cateto oposto tg 30 = cateto adjacente tg 30 = cateto oposto tg 60 = cateto adjacente tg 60 =

vamente: a) 15, 120 e c) 45, 120 e e) n.d.a. Soluo: ^ =15 A

sen ^= B

, ^= C

e AB = 7cm, so respectib) 120, 45 e

d) 120, 45 e

01. (Unimep-SP) Qual a rea do tringulo ABC da figura, na qual AB=4cm e BC=2cm?

tg 30 =

tg 60 =

Portanto ^ =15, ^= 120 e ^= 45 A B C Aplicando-se a Lei dos Senos, temos:

02. Sendo dadas as medidas dos catetos de um tringulo retngulo, 5m e 8m, calcule o valor do seno de cada ngulo agudo do tringulo.a) c) b) d)

Dizemos que 30, 45 e 60 so ngulos notveis, pois suas relaes trigonomtricas so visivelmente provadas. Veja agora a relao trigonomtrica resumida na tabela abaixo:

Logo a alternativa correta a letra D Lei dos Co-senos Podemos calcular o valor dos co-senos de qualquer tringulo fazendo uma relao entre seus lados. Essa relao chamada de lei dos cosenos. Para demonstrarmos essa lei, preciso considerar um tringulo ABC qualquer e alguns elementos desse tringulo.

03. Dado cosx=a)

e) n.d.a.

ngulo x. A seguir determine x.b) c) d)

, ache o seno do

Lei dos Senos Para encontrarmos o valor de seno em um tringulo qualquer, basta aplicar a lei dos senos. Essa lei uma relao entre os senos dos trs ngulos de um tringulo. Veja a demonstrao dessa lei abaixo: Para fazermos essa demonstrao, temos que considerar um tringulo ABC de lados a, b, c qualquer inscrito em uma circunferncia de centro O e raio R.

04. Sendo x um ngulo agudo tal que senx =4/5, determine tgx.O dimetro uma reta que parte de uma extremidade da circunferncia at outra extremidade e que passa pelo centro dessa mesma circunferncia. A circunferncia parte do ponto A ( um dos vrtices do tringulo ABC) at o ponto A (dimetro da circunferncia o seguimento de reta A A ). Baseados no teorema do ngulo inscrito, obser^ ^ AC AC vamos o ngulo = e ^ = B 2 2 ^ podendo concluir que B ,, ento sen A = sen A. O tringulo formado pelo seguimento de reta formado pelos vrtices. AAC retngulo, ento: b sen A = 2R b Como sen A = sem B, ento sen B = ou 2R 2R b = sen B a c Portanto deduzimos que: e sen A sen C Logo conclumos que: a b c = = = 2R sen A sen B sen C Essa lei quer dizer que, em qualquer tringulo, a razo entre a medida do lado e o seno do ngulo oposto constante e o valor dessa constante o dimetro da circunferncia que esse tringulo est inscrito. Exemplo: As medidas dos ngulos ^ e ^ , e do B C lado AC de um tringulo ABC em que ^ =15, A

e) n.d.a.

05. Na figura, os pontos C, D e B so colineares, e os tringulos ABD e ABC so retngulos em B. Se a medida do ngulo ADB 60 e a medida do ngulo ACB 30, ento podemos afirmar que:a) b) c) d) e) AD = DC = 2DB AD = DB AD = 2AB DB = 2AD n.d.a.

a) 2/3 d) 3

b) 4/3 e) 2

c) 5/3

06. Um tringulo isosceles tal que a medida dos ngulos de sua base 30. Se a altura relativa a essa base mede 1,5cm, o permetro desse tringulo, em centmetros, :a) d) b) e) c)

Se traarmos uma reta perpendicular que parte do ponto A at a base AB (formando o ponto H), formaremos a altura h do tringulo ABC. Essa altura divide o tringulo ABC em dois tringulos retngulos, AHC e EHB. Assim, podemos aplicar o teorema de Pitgoras nos dois tringulos AHC e EHB. Veja: AHC b2 = h2 + x2 EHB a2 = h2 + (c x)2. Unindo os dois teoremas de Pitgoras dos dois tringulos, teremos: a2= h2+ c2 2 . c . x + x2 ou a2= (h2+x2) +c2 2 . c. x Resolvendo os parnteses, teremos: a2 = b2 + c2 2 . c . x Como h2 + x2 = b2, fazendo as devidas substituies, teremos: a2 = b2 + c2 2 . c . x. Como o tringulo AHC retngulo, podemos dizer que: x = cos A ou x = b . cos A. p Fazendo a substituio de x = b . cos A em a2 = b2 + c2 2 . c . x, logo conclumos que a lei do co-seno : a2 = b2 + c2 2 . c . b . cos A A partir dessa lei, podemos encontrar outras que relacionam os co-senos de outros ngulos do tringulo. Essas leis tambm so consideradas lei dos co-senos. b2 = a2 + c2 2 . a . c . cos B c2 = a2 + b2 2 . a . b . cos C Exemplo: Num tringulo, dois lados de medidas 4cm e 8cm formam entre si um angulo de 60. Qual a medida do outro lado? Soluo: Ora, sendo x a medida do terceiro lado, teremos: x2 = 42 + 82 2.4.cos60 = 16 + 64 8.(1/2), j que cos60=1/2. x2 = 16 + 64 4 = 76 x= cm

10

FsicaProfessor Carlos Jennings

O estado de um gs caracterizado pelo valor de trs grandezas fsicas: o volume V, a presso p e a temperatura T, que so denominadas variveis de estado de um gs.

GASES So constitudos de pequenas partculas, denominadas molculas, que se movimentam desordenadamente em todas as direes e sentidos.

Estudo dos gases e Termodinmica

Aula 155

Determinada massa de gs, num estado inicial A, sofre a transformao ABC indicada no diagrama. Determine TB e VC.

Aplicao

Soluo:

01. (UELPR) A figura abaixo representa uma transformao cclica de um gs ideal.

Em geral, a mudana de uma dessas variveis de estado provoca alterao em, pelo menos, uma das outras variveis, apresentando o gs uma transformao e , conseqentemente, um estado diferente do inicial. A presso 1atm e a temperatura 273K ou 0C caracterizam as condies normais de temperatura e presso, que indicamos CNTP . Para a simplificao do estudo dos gases, adotase um gs hipottico, o gs perfeito ou ideal, que segue rigorosamente as leis dos gases e mantm-se sempre no estado gasoso. Os gases reais apresentam um comportamento que se aproxima mais do gs perfeito quanto maior for sua temperatura e menor a presso. Leis das Transformaes dos Gases

Estado A (inicial) pA = 6atm VA = 2l TA = 200K

A B: a transformao isobrica. Estado B (final) pB = 6atm VB = 4l TB = ?

Clculo de TB:

Pela equao geral dos gases perfeitos:

O mdulo do trabalho realizado nos trechos AB, BC e CA, em joules, , respectivamente, de:a) 200, 100, 0 c) 0, 300, 100 e) 0, 200, 300 b) 100, 100, 100 d) 0, 200, 300

B C: a transformao isotrmica. Estado B (inicial) PB = 6atm VB = 4l TB = 400K Estado C (final) pC = 3atm VC = ? TC = TB = 400K

Clculo de VC:

02. (FAMSP) Se a energia cintica mdia das molculas de um gs aumentar e o volume permanecer constante:a) a presso do gs aumentar, e a sua temperatura permanecer constante; b) a presso permanecer constante, e a temperatura aumentar; c) a presso e a temperatura aumentaro; d) a presso diminuir, e a temperatura aumentar; e) a temperatura diminuir, e a presso permanecer constante.

Vamos estudar as transformaes em que uma das variveis mantm-se constante, variando, portanto, as outras duas. Esse estudo eminentemente experimental, e dele se concluem as leis que descrevem essas transformaes. Transformao Isotrmica toda transformao em que a temperatura mantida constante, variando apenas o volume e a presso. Lei de Boyle-Mariotte pV= constante p0V0 = pV Transformao Isobrica Lei de Gay-Lussac V/T = constante V0 /T0 = V/T A presso mantida constante.

Pela equao geral dos gases perfeitos:

TERMODINMICA

a parte da Fsica que estuda as transformaes entre calor e trabalho.

Calor e trabalho esto relacionados entre si por apresentarem, em comum, a mesma modalidade de energia.

As transformaes entre calor e trabalho sero estudadas em sistemas formados por recipientes contendo, em equilbrio trmico, uma determinada massa de gs perfeito. Exemplos: a) A gua contida num recipiente aquece-se quando o recipiente colocado prximo de uma chama. b) O ar aquece-se quando comprimido e esfriase quando se expande bruscamente. Energia Interna

03. (UCBA) Uma amostra de gs est armazenada em um recipiente fechado e rgido. A presso da amostra de 5,0atm a uma temperatura de 0C. Qual ser, aproximadamente, a presso da amostra quando sua temperatura chegar a 137C.a) 5,0atm c) 7,5atm e) 685atm b) 100atm d) 352atm

Transformao Isomtrica: Lei de Charles

04. (UnimepSP) Quinze litros de uma determinada massa gasosa encontram-se a uma presso de 8atm e temperatura de 30C. Ao sofrer uma expanso isotrmica, seu volume passa para 20l. Qual ser a nova presso? 05. (UECE) Nas transformaes isotrmicas dos gases perfeitos, incorreto afirmar que:a) No h variao de temperatura. b) A variao da energia interna do gs nula. c) No ocorre troca de calor entre o gs e o ambiente. d) O calor trocado pelo gs com o exterior igual ao trabalho realizado no mesmo processo. a) 10atm; d) 5atm; b) 6atm; c) 8atm; e) impossvel determinar.

toda transformao em que o volume mantido constante. p/T = constante p0/T0 = p/T

A energia interna de um gs perfeito est diretamente relacionada sua temperatura.

Equao Geral dos Gases Perfeitos

Quando as trs variveis de estado de uma determinada massa de gs presso, volume e temperatura apresentarem variaes, utiliza-se a equao geral dos gases, que engloba todas as transformaes vistas anteriormente. P1V1/T1 = P2V2/T2

Trabalho em um Sistema Consideremos um gs contido num cilindro provido de mbolo. Ao se expandir, o gs exerce uma fora no mbolo, que se desloca no sentido da fora.

Se t > 0 U > 0: energia interna aumenta. Se t < 0 U < 0: energia interna diminui. Se t = 0 U= 0: energia interna no varia.

Quando um sistema (gs) recebe uma determinada quantidade Q de calor, sofre um aumento U de sua energia interna e, conseqentemente, um aumento t de temperatura. Assim:

06. (UFRN) Um sistema termodinmico realiza um trabalho de 40kcal quando recebe 30kcal de calor. Nesse processo, a variao de energia interna desse sistema de:a) 10kcal d) 20kcal b) zero e) 35kcal c) 10kcal

11

O trabalho dessa fora dado por:

= pV01. (ACAFE-SC) Um gs ideal recebe calor e fornece trabalho aps uma das transformaes:a) b) c) d) e) adiabtica e isobrica. isomtrica e isotrmica. isotrmica e adiabtica. isobrica e isotrmica. isomtrica e adiabtica.

Numa expanso, o gs realiza um trabalho positivo sobre o meio exterior. Numa compresso, o deslocamento do mbolo sobre o mbolo. O trabalho resistente. trabalho negativo sobre o gs.

ou

= p(V2 V1)

A correspondncia entre essas grandezas obtrabalho e energia interna. Portanto temos:

tida fazendo-se o balano energtico entre calor,

tem sentido oposto ao da fora que o gs exerce Na compresso, o meio externo realiza um

Q = +U ou U= Q

ciado pode ser:

meiro princpio da Termodinmica, cujo enun-

Essa expresso representa analiticamente o pri-

A variao da energia interna de um sistema cados pelo sistema com o meio exterior. Balano Energtico

02. (FEI) Numa transformao de um gs perfeito, os estados final e inicial acusaram a mesma energia interna. Certamente:a) a transformao foi cclica. b) a transformao foi isomtrica. c) no houve troca de calor entre o gs e o ambiente. d) so iguais as temperaturas dos estados inicial e final. e) no houve troca de trabalho entre o gs e o meio.

igual diferena entre o calor e o trabalho tro-

Para aplicar o primeiro princpio, preciso fazer um balano energtico. Assim, temos: V > 0 Trabalho >0: o gs realiza trabalho sobre o meio. 1.a) Quando o gs: Temos as seguintes possibilidades: Recebe calor Q > 0.

03. Sobre um sistema, realiza-se um trabalho de 3000 J e, em resposta, ele fornece 1000cal de calor durante o mesmo intervalo de tempo. A variao de energia interna do sistema, durante esse processo, , aproximadamente: (considere 1,0 cal = 4,0J) 04. (UFPFRS) Um ciclo de Carnot trabalha entre duas fontes trmicas: uma quente em temperatura de 227C e uma fria em temperatura 73C. O rendimento desta mquina, em percentual, de: 05. (ENRJ) Um motor trmico recebe 1 200 calorias de uma fonte quente mantida a 227C e transfere parte dessa energia para o meio ambiente a 24C. Qual o trabalho mximo, em calorias, que se pode esperar desse motor? 06. (UNIVALISC) Uma mquina trmica opera segundo o ciclo de Carnot entre as temperaturas de 500K e 300K, recebendo 2 000J de calor da fonte quente. o calor rejeitado para a fonte fria e o trabalho realizado pela mquina, em joules, so, respectivamente:a) 500 e 1500 c) 1000 e 1000 e) 1400 e 600 b) 700 e 1300 d) 1200 e 800 a) 552 d) 987 b) 681 e) n.d.a. c) 722 a) 10 d) 50 b) 25 e) 60 c) 35 a) 1000J d) +4000J b) +2000J e) +7000J c) 4000J

V < 0 Trabalho 0 (volume aumenta). Recebe trabalho < 0 (volume diminui). No realiza nem recebe trabalho = 0

(volume constante, transformao isomtrica, 3.a) Quando o gs: tura aumenta). diminui). Q = U).

O diagrama mostra a transformao de uma massa gasosa do estado X para o estado Y. o gs. Determine o mdulo do trabalho realizado sobre Soluo:

Aplicao

Aumenta a energia interna U > 0 (temperaDiminui a energia interna U < 0 (temperatura No varia a energia interna U = 0 (temperatura constante, transformao isotrmica, Q=).

A rea A da figura numericamente igual ao trabalho. Logo:

Um sistema gasoso recebe do meio externo 200cal em forma de calor. Sabendo que = 4,2J, determine:

Aplicao

1cal

a) o trabalho trocado com o meio numa transforb) a variao da energia interna numa transforSoluo: mao isomtrica. mao isotrmica;

Primeiro Princpio da Termodinmica

De acordo com o princpio da conservao da

energia, a energia no pode ser criada nem descie em outra. O primeiro princpio da Termodinmeio exterior.

truda, mas somente transformada de uma espmica estabelece uma equivalncia entre o trabalho e o calor trocados entre um sistema e o seu Consideremos um sistema recebendo uma quantidade de calor Q, por exemplo, de 100J. Suponhamos que, desse calor recebido, 70J onde foram os 30J restantes? Esses 30J ficaram armazenados pelo sistema, aumentando sua energia interna de 30J. Esquematicamente, temos:

a) Numa expanso isotrmica, a temperatura

permanece constante (U = 0); o gs, ao receber calor, aumenta seu volume e realiza tidade de calor em joules, temos: Q = 200cal = 200 . 4,2 = 840J Logo : um trabalho positivo. Transformando a quan-

07. (UNAMA) Um motor de Carnot cujo reservatrio a baixa temperatura est a 7,0C apresenta um rendimento de 30%. A variao de temperatura, em Kelvin, da fonte quente, a fim de aumentarmos seu rendimento para 50%, ser de:a) 400 d) 560 b) 280 e) 725 c) 160

sejam usados para realizar um trabalho (). Para

b) Numa transformao isotrmica, o volume recebido transformado energia interna.

Q = + U 840 = + 0 = 840J

permanece constante (U = 0 e = 0); o calor em variao de

Q = + U 840 = 0 + U U = 840J

12

PortugusProfessor Joo BATISTA Gomes

CANO DO EXLIO

Texto

Aula 156

Minha terra tem macieiras da Califrnia onde cantam gaturamos de Veneza. Os poetas da minha terra so pretos que vivem em torres de [ametistas. Os sargentos do exrcito so monistas, [cubistas, os filsofos so polacos vendendo a [prestaes.

Murilo Mendes

04. Sobre os seguintes versos do poema, assinale a afirmativa incorreta.A gente no pode dormir com os oradores e os pernilongos. Os sururus em famlia tm por testemunha [a Gioconda.

a) A funo sinttica do onde adjunto adverbial de lugar. b) O sujeito de vivem o substantivo pretos. c) No vocbulo cantam, h dgrafo e ditongo. d) No vocbulo vivem, h ditongo. e) No vocbulo vendendo, h dois dgrafos.

so pretos que vivem em torres de [ametistas. Os sargentos do exrcito so monistas, [cubistas, os filsofos so polacos vendendo a [prestaes.

01. (FGV) A grande imprensa deixa de dizer a seu pblico leitor que o importante mesmo no satanizar o funcionrio pblico, e sim colocar a pauta do pleno emprego como pressuposto de uma reforma do sistema previdencirio.O trecho acima poderia ser pontuado de outra maneira, mantendo-se o mesmo sentido e de acordo com as regras de pontuao. Assinale a alternativa em que isso ocorra.

A gente no pode dormir com os oradores e os pernilongos. Os sururus em famlia tm por testemunha [a Gioconda. Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores so mais bonitas nossas frutas mais gostosas mas custam cem mil ris a dzia. Ai quem me dera chupar uma carambola [de verdade e ouvir um sabi com certido de idade.

01. Sobre o poema em questo, julgue as afirmativas seguintes.a. ( ) Trata-se de uma pardia ao poema homnimo de Gonalves Dias. b. ( ) Predominam, no poema, os versos heteromtricos e brancos. c. ( ) Pela disposio dos versos nas estrofes e das estrofes no papel, pode-se classific-lo como soneto. d. ( ) Na terceira estrofe, h uma anfora. e. ( ) H, no poema, exemplo de versos prosaicos.

Perscrutando o texto

05. Sobre os seguintes versos do poema, assinale a afirmativa incorreta.Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores so mais bonitas nossas frutas mais gostosas mas custam cem mil ris a dzia.

a) H, na estrofe, crtica preferncia nacional pela pintura estrangeira. b) O vocbulo sururus no leva acento grfico por ser oxtono terminado em us. c) O emprego de a gente acentua o carter popular do poema. d) O acento grfico em tm diferencial de tonicidade. e) A expresso com os oradores e os pernilongos funciona, no contexto, como adjunto adverbial de causa.

02. Sobre a primeira estrofe do poema, julgue as afirmativas seguintes.

03. Ainda sobre a primeira estrofe do poema, transcrita a seguir, assinale a afirmativa incorreta.Minha terra tem macieiras da Califrnia onde cantam gaturamos de Veneza. Os poetas da minha terra

a. ( ) Os dois primeiros versos sugerem que nossas frutas e nossos pssaros so importados. b. ( ) Dizendo que os poetas so pretos que vivem em torres de ametistas, o autor acentua o grau de sonho e fantasia em que vivem e produzem seus textos. c. ( ) H, na estrofe, duas oraes subordinadas adjetivas restritivas. d. ( ) Os verbos cantar (verso 2) e viver (verso 4) esto empregados como intransitivos. e. ( ) No segundo verso, pode-se trocar onde por que sem prejuzo gramatical.

06. Nos seguintes versos do poema:

a) Acentuando o preo das flores e das frutas, o poeta explica por que o brasileiro prefere produtos importados. b) No terceiro verso, h um zeugma. c) O vocbulo estrangeira contm dois encontros consonantais, um dgrafo e um ditongo decrescente oral. d) O vocbulo cem contm ditongo decrescente nasal. e) H, na estrofe, exemplo de orao subordinada sindtica adversativa. Ai quem me dera chupar uma carambola [de verdade e ouvir um sabi com certido de idade.

07. Sobre os seguintes versos do poema, assinale a afirmativa incorreta.Ai quem me dera chupar uma carambola [de verdade e ouvir um sabi com certido de idade.

a) H apenas uma orao subordinada. b) H oraes subordinadas coordenadas entre si. c) O me tem funo de objeto direto. d) A seqncia dera chupar uma locuo verbal. e) H duas oraes subordindas: uma desenvolvida, outra reduzida.

02. (Desafio da TV) Em que frase o pronome lhe foi empregado erradamente?

a) A grande imprensa deixa de dizer, a seu pblico leitor, que o importante mesmo no satanizar o funcionrio pblico e sim colocar a pauta do pleno emprego como pressuposto de uma reforma do sistema previdencirio. b) A grande imprensa deixa de dizer a seu pblico leitor que o importante, mesmo, no satanizar o funcionrio pblico, e sim, colocar a pauta do pleno emprego como pressuposto de uma reforma do sistema previdencirio. c) A grande imprensa deixa de dizer a seu pblico leitor que o importante mesmo no satanizar o funcionrio pblico, e, sim, colocar a pauta do pleno emprego como pressuposto de uma reforma do sistema previdencirio. d) A grande imprensa deixa de dizer a seu pblico leitor que o importante mesmo, no satanizar o funcionrio pblico, e sim colocar a pauta do pleno emprego como pressuposto de uma reforma do sistema previdencirio. e) A grande imprensa deixa de dizer a seu pblico leitor que o importante mesmo no satanizar o funcionrio pblico e, sim colocar a pauta do pleno emprego como pressuposto de uma reforma do sistema previdencirio.

03. (Desafio do Rdio) Em que frase o pronome lhe foi empregado erradamente?a) b) c) d) e) Conheo-lhe de algum lugar. Conheo-lhe toda a famlia. Em pleno dia, roubaram-lhe a canoa. Em sinal de carinho, apertei-lhe a mo. Com pacincia, ouvi-lhe as queixas.

a) Amo-lhe o carter acima de tudo. b) Por toda a vida, ser-lhe-ei muito grato. c) Ela me disse muitas coisas speras, mas eu no lhe agredi. d) Estou com ela h mais de dez anos: conheo-lhe todas as manias. e) De hoje em diante, probo-lhe tudo, at sair com os amigos.

a) O poeta insinua que o sabi, smbolo de brasilidade na poca romntica, no brasileiro. b) O vocbulo quem contm um dgrafo e um ditongo decrescente nasal. c) Os verbos chupar e ouvir esto

13

08. Opte pelo item em que a pontuao foi feita com base na norma culta da lngua escrita.a) Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores so mais bonitas; nossas frutas, mais gostosas; custam, porm, cem mil ris a dzia. b) Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores so mais bonitas; nossas frutas mais gostosas; custam porm, cem mil ris a dzia. c) Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores so mais bonitas; nossas frutas, mais gostosas; porm, custam cem mil ris a dzia. d) Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores so mais bonitas, nossas frutas mais gostosas; porm, custam cem mil ris a dzia. e) Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores so mais bonitas, nossas frutas, mais gostosas. Custam porm cem mil ris a dzia.

empregados com a mesma regncia. d) No vocbulo carambola, h dgrafo. e) O vocbulo sabi tem acento grfico para no confundir com sabia ou sbia.

Momento da dissertao1. Idia adverbial no incio

PONTUAO II Vrgula com idias adverbiais

Nascimento e morte Murilo Monteiro Mendes

MURILO MENDES

nasce em Juiz de Fora (MG), em 13 de maio de obras de Jlio Verne, Racine, Corneille e Molire. Tem oportunidade de ler Cesrio Verde, Ea, Antnio Nobre, Fialho, Camilo, Machado de Assis, Bilac, Alberto de Oliveira, Coelho Neto. Castro Alves, Alphonsus de Guimaraens. Corresponde-se com Alphonsus de Guimaraens, Olavo Rio de Janeiro Em 1920, vai para o Rio de Janeiro (GB), a chamado do irmo Jos Joaquim, da lagoa Rodrigo de Freitas, do Ministrio da qual faz grande amizade.

1901. Falece em Lisboa, em 15 de agosto de 1975. Leituras Inicia cedo suas leituras. Conhece as

Idia adverbial (adjunto ou orao) no incio do perodo (ou da orao): provoca uma vrgula cuja obrigatoriedade flexvel. O uso da vrgula, nesse caso, sinal de respeito norma culta da lngua. A falta dela no constitui erro, principalmente quando a idia adverbial formada por uma nica palavra. Julgue os perodos seguintes quanto ao uso da vrgula.

a. ( ) Na velhice, falta-nos o apoio da famlia. c. ( ) Hoje, viver tornou-se uma luta diria. d. ( ) Hoje viver tornou-se uma luta diria. f. ( ) Com o tempo o brilho da juventade esmaece. 2. Idia adverbial no meio e. ( ) Com o tempo, o brilho da juventade esmaece.

b. ( ) Na velhice, falta-nos o apoio da famlia.

engenheiro, chefe da comisso de retombamento Fazenda. No ano seguinte, no Ministrio, conhece Ismael Nri, recm-chegado da Europa e com o Contato com os modernistas Na casa do pintor

g. ( ) Quando somos jovens, tudo so flores. Idia adverbial (adjunto ou orao) no meio do perodo (ou da orao): provoca duas vrgulas cuja obrigatoriedade flexvel. Nesse caso, o uso de uma nica vrgula imperdovel. Julgue os perodos seguintes quanto ao uso da vrgula.

09. Sobre os versos seguintes, assinale o item incorreto.Eu morro sufocado em terra estrangeira. Nossas flores so mais bonitas nossas frutas mais gostosas mas custam cem mil ris a dzia.

Ismael, renem-se intelectuais, artistas, literatos, entre outros Antnio Bento, Mrio Pedrosa, Barreto Graa Aranha, Mrio e Oswald de Andrade, chefes da revoluo modernista. Primeiro livro Tem o primeiro livro publicado em de Andrade), Poesias, por insistncia do pai. Filho. Freqentando esse meio, trava relaes com

1930 (mesmo ano de estria de Carlos Drummond Recebe o prmio Graa Aranha, com Rachel de obras, firmando-se no cenrio literrio brasileiro. universidades de Roma e de Pisa. OBRAS: 3. 2. 1. Poesias, 1930 Queiroz e Ccero Dias. Da para diante, lana novas Professor de Literatura Em 1959, instala-se em Roma, como professor de Literatura Brasileira, nas

10. Escolha a construo em que a norma culta escrita no foi respeitada.a) Minha terra tem macieiras da Califrnia onde cantam gaturamos de Veneza. b) Minha terra tem macieiras da Califrnia em que cantam gaturamos de Veneza. c) H, em minha terra, macieiras da Califrnia onde cantam gaturamos de Veneza. d) Existe, em minha terra, macieiras da Califrnia em que gaturamos de Veneza cantam. e) Em minha terra, existem macieiras da Califrnia onde gaturamos de Veneza cantam.

a) A expresso em terra estrangeira adjunto adverbial. b) O possessivo nossas tem funo de adjunto adnominal. c) O verbo custar est empregado como transitivo direto. d) Os adjetivos bonitas e gostosas tm funo de predicativo do sujeito. e) O adjetivo estrangeira tem funo de adjunto adnominal.

a. ( ) Falta-nos, na velhice, o apoio da famlia. b. ( ) Falta-nos na velhice o apoio da famlia. c. ( ) Falta-nos na velhice, o apoio da famlia.

e. ( ) Viver tornou-se hoje uma luta diria.

d. ( ) Viver tornou-se, hoje, uma luta diria.

f. ( ) Viver tornou-se hoje, uma luta diria.

g. ( ) Quando o apoio da famlia nos falta, a luta para sobreviver fica quase invencvel. Idia adverbial (adjunto ou orao) no fim do perodo (ou da orao): deve aparecer sem vrgula. Julgue os perodos seguintes quanto ao uso da vrgula.

3. Idia adverbial no fim

7. 8.

6.

5.

4.

Mundo Enigma, 1945.

As Metamorfoses, 1941.

O Visionrio, 1941

A Poesia em Pnico, 1941

Tempo e Eternidade, 1935

Histria do Brasil, 1932

Poesia e liberdade, 1947 Homo Brasiliensis O homem o nico animal que joga no bicho. Amostra da Poesia Local Tenho duas rosas na face, Nenhuma no corao. No lado direito no. No lado esquerdo da face (Histria do Brasil, 1932)

MINIANTOLOGIA

11. Escolha a construo em que a norma culta escrita no foi respeitada.a) Os poetas da minha terra so pretos que vivem em torres de ametistas. b) Os poetas da minha terra so pretos os quais vivem em torres de ametistas. c) Em minha terra, no se pode dormir por causa dos oradores e dos pernilongos. d) Em minha terra, no pode dormir-se por causa dos oradores e dos pernilongos. e) Em minha terra, no pode-se dormir por causa dos oradores e dos pernilongos.

d. ( ) Cotas raciais, de acordo com a tradio brasileira, estimulam uma definio racial mais ntida.

c. ( ) Sem-Pernas, um dia, cortara de navalha um garom de restaurante para furtar apenas um frango assado. (Jorge Amado)

b. ( ) Um dia, Sem-Pernas cortara de navalha um garom de restaurante, para furtar apenas um frango assado. (Jorge Amado)

a. ( ) Um dia, Sem-Pernas cortara de navalha um garom de restaurante para furtar apenas um frango assado. (Jorge Amado)

Costuma tambm dar alface,(Histria do Brasil, 1932)

f. ( ) Cotas raciais estimulam uma definio racial mais ntida, de acordo com a tradio brasileira.

e. ( ) Cotas raciais estimulam uma definio racial mais ntida de acordo com a tradio brasileira.

14

Gabarito do nmero anteriorAprovar n. 25

Calendrio 2008Aulas 190 a 198

DESAFIO FSICO (p. 10) 01. 77F; 02. 35X; 03. B; 04. a) 0,012cm, b) 120,228cm; 05. a) 5,003cm, b) 4,997cm; 06. 1032,29C; 07. 5280cal; 08. 0,08; 09. 6cal/C; 10. 17C; DESAFIO GEOGRFICO (p. 11) 01. C; 02. D; 03. D; 04. C; 05. B;

DESAFIO FSICO (p. 9) 01. E; 02. E; 03. C; 04. B; 05. E;

EXERCCIOS (p. 8) 01. C; 02. A; 03. E; 04. E; 05. C;

DESAFIO HISTRICO (p. 8) 01. E; 02. D; 03. C;

DESAFIO HISTRICO (p. 7) 01. B; 02. B;

EXERCCIOS (p. 6) 01. B; 02. E;

DESAFIO GRAMATICAL (p. 6) 01. A; 02. E; 03. C; 04. B;

PERSCRUTANDO O TEXTO (p. 5) 01. C; 02. C; 03. F, F, V, V e F; 04. E; 05. B; 06. V, V, F, V e F; 07. F, F, F, V e V;

EXERCCIOS (p. 4) 01. D; 02. E; 03. A;

DESAFIO QUMICO (p. 4) 01. A; 02. C; 03. A; 04. D;

DESAFIO QUMICO (p. 3) 01. C; 02. B; 03. D; 04. E;

Os sapos

O momento mais sensacional da Semanaa de Arte Moderna ocorre na segunda noite (15 de fevereiro), quando Ronald de Carvalho l um poema de Manuel Bandeira, o qual no comparecera ao teatro por motivos de sade: Os sapos. Trata-se de uma ironia corrosiva aos parnasianos, que ainda dominavam o gosto do pblico da poca. Este reage atravs de vaias, gritos, patadas, interrompendo a sesso. Mas, metaforicamente, com sua iconoclastia pesada, o poema delimita o fim de uma poca cultural. Enfunando os papos, Saem da penumbra, Aos pulos, os sapos. A luz os deslumbra. Em ronco que aterra, Berra o sapo-boi: Meu pai foi guerra No foi! Foi! - No foi!' O sapo-tanoeiro Parnasiano aguado Diz: Meu cancioneiro bem martelado*.' Vede como primo Em comer os hiatos! Que arte! E nunca rimo Os termos cognatos. O meu verso bom Frumento* sem joio. Fao rimas com Consoantes de apoio. Vai por cinqenta anos Que lhe dei a norma: Reduzi sem danos A formas a forma. Clame a sapataria Em crticas cticas: 'No h mais poesia, Mas h artes poticas...' Brada de um assomo O sapo-tanoeiro: A grande arte como Lavor de Joalheiro' Urra o sapo-boi: ' Meu pai foi rei Foi! No foi! Foi! no foi!' Enfunando: inflando. Martelado: aluso ao martelo do escultor, com quem o poeta parnasiano se comparava. Frumento: o melhor trigo. Cognatos: que tm a mesma raz.

Manuel Bandeira

DESAFIO GEOGRFICO (p. 12) 01. B; 02. B; 03. B; 04. D;

DESAFIO BIOLGICO (p. 14) 01. D; 02. B; 03. B; 04. A;

DESAFIO BIOLGICO (p. 13) 01. D; 02. E; 03. E; 04. C; 05. B;

15

LNGUA PORTUGUESA

BECHARA, Evanildo. Lies de portugus pela anlise sinttica. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1960. CEGALLA, Domingos Paschoal. Dicionrio de dvidas da lngua portuguesa. 2. impr. So Paulo: Nova Fronteira, 1996. CUNHA, Celso; CYNTRA, Lindley. Nova gramtica do portugus contemporneo 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

ALMEIDA, Napoleo Mendes de. Dicionrio de questes vernculas. 3. ed. So Paulo: tica, 1996.

REIS, Martha. Completamente Qumica: fsico-qumica. So Paulo: FTD, 2001. BIOLOGIA

SARDELLA, Antnio. Curso de Qumica: fsico-qumica. So Paulo: tica, 2000. AMABIS, Jos Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Conceitos de Biologia das clulas: origem da vida. So Paulo: Moderna, 2001.

GARCIA, Othon M. Comunicao em prosa moderna. 13. ed. Rio de Janeiro: Fundao Getlio Vargas, 1986. HOLANDA, Aurlio Buarque de. Novo dicionrio da lngua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. HISTRIA HOUAISS, Antnio. Pequeno dicionrio enciclopdico Koogan Larousse. 2. ed. Rio de Janeiro: Larousse do Brasil, 1979. ACUA, Cristbal de. Informes de jesutas en el amazonas: 16601684. Iquitos-Peru, 1986.

CARVALHO, Wanderley. Biologia em foco. Vol. nico. So Paulo: FTD, 2002. LOPES, Snia Godoy Bueno. Bio. Vol. nico. 11.a ed. So Paulo: Saraiva. 2000. FSICA MARCONDES, Ayton Csar; LAMMOGLIA, Domingos ngelo. Biologia: cincia da vida. So Paulo: Atual, 1994.

LEVINE, Robert Paul. Gentica. So Paulo: Livraria Pioneira, 1973.

ALVARENGA, Beatriz et al. Curso de Fsica. So Paulo: Harbra, 1979, 3v.

______ Novo Descobrimento do Grande Rio das Amazonas. Rio de Janeiro: Agir, 1994. CARDOSO, Ciro Flamarion S. Amrica pr-colombiana. So Paulo: Brasiliense, 1986 (Col. Tudo Histria). CARVAJAL, Gaspar de. Descobrimento do rio de Orellana. So Paulo: Nacional, 1941.

LVARES, Beatriz A. et al. Curso de Fsica. So Paulo: Scipicione, 1999, vol. 3.

BONJORNO, Jos et al. Fsica 3: de olho no vestibular. So Paulo: FTD, 1993. CARRON, Wilson et al. As Faces da Fsica. So Paulo: Moderna, 2002. Grupo de Reelaborao do Ensino de Fsica (GREF). Fsica 3: eletromagnetismo. 2.a ed. So Paulo: Edusp, 1998.

FERREIRA, Alexandre Rodrigues. (1974) Viagem Filosfica pelas capitanias do Gro-Par, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiab. Conselho Federal de Cultura, Memrias. Antropologia. MATEMTICA BIANCHINI, Edwaldo e PACCOLA, Herval. Matemtica. 2.a ed. So Paulo: Moderna, 1996. DANTE, Luiz Roberto. Matemtica: contexto e aplicaes. So Paulo: tica, 2000. QUMICA GIOVANNI, Jos Ruy et al. Matemtica. So Paulo: FTD, 1995. COVRE, Geraldo Jos. Qumica Geral: o homem e a natureza. So Paulo: FTD, 2000.

PARAN, Djalma Nunes. Fsica. Srie Novo Ensino Mdio. 4.a ed. So Paulo: tica, 2002. TIPLER, Paul A. A Fsica. Rio de Janeiro: Livros Tcnicos e Cientficos, 2000, 3v.

RAMALHO Jr., Francisco et alii. Os Fundamentos da Fsica. 8.a ed. So Paulo: Moderna, 2003.

LEMBO, Antnio. Qumica Geral: realidade e contexto. So Paulo: tica, 2000.

FELTRE, Ricardo. Qumica: fsico-qumica. Vol. 2. So Paulo: Moderna, 2000.