alerta aos servi§os de sde - saude.sp.gov.br .Usar telas em ralos do ch£o, pias ou tanques; Vedar

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of alerta aos servi§os de sde - saude.sp.gov.br .Usar telas em ralos do ch£o, pias ou...

Acidente escorpinico ou escorpionismo

Agravo:

Notificao:

Acidente escorpinico ou escorpionismo o envenenamento provocado por um escorpio quando este injeta seu veneno por meio de seu ferro.

Acidente por animal peonhento (Cdigo CID10: X29)

De acordo com a Portaria MS n 204, de 17 de fevereiro de 2016, que define a Lista Nacional

de Notificao Compulsria de Doenas e Agravos, acidente por animal peonhento deve ser notificado conforme quadro abaixo:

ALERTA AOSSERVIOS DE SADE

rea responsvel pelo agravo na Secretaria de Estado da Sade de So Paulo:

Escorpies de importncia mdica no estado de So Paulo

Diviso de Zoonoses/Centro de Vigilncia EpidemiolgicaEmail: Telefone: (11) 3066-8296Tcnico: Luciano Eloy

Os escorpies pertencem classe dos aracndeos (assim como as aranhas), predominantes nas zonas tropicais e subtropicais do mundo, tendo maior incidncia nos meses mais quentes e midos (entre outubro e maro).

dvzoo@saude.sp.gov.br

dezembro - 2018

DOENA OU AGRAVO (ORDEM ALFABTICA) Periodicidade de notificao

Imediata

(em at 24horas)

para*

Semanal*

MS SES SMS

Acidente por animal peonhento X

mailto:dvzoo@saude.sp.gov.br

No Estado de So Paulo h trs espcies causadoras de acidente em seres humanos, sendo Tityus serrulatus, T. bahiensis e T. stigmurus:

Acidentes comescorpies

Tityus serrulatus: conhecido como escorpio amarelo (Figura 1.). Possui pernas e cauda amarelo-claras e o tronco escuro. Medem at 7 cm de comprimento. responsvel pela maior parte dos acidentes.

Fig.1

Fig.2

Fig.3

Tityus bahiensis: conhecido como escorpio marrom ou preto (Figura 2). Possui o tronco escuro, pernas e cauda marrons avermelhados com manchas escuras. Possuem cerca de 7 cm de comprimento. So menos numerosos que o Tityus serrulatus em reas urbanas.

Tityus stigmurus: conhecido como escorpio amarelo do nordeste (Figura 3). Assemelha-se ao T. serrulatus nos hbitos e na colorao, porm seu tronco claro e amarelo, apresentando uma faixa escura longitudinal na parte superior, seguido de uma mancha triangular na regio frontal da carapaa.

Populao vulnervel

Os grupos de pessoas mais vulnerveis so crianas abaixo de 10 anos e idosos.

Outros grupos: trabalhadores da construo civil, de madeireiras, transportadoras e distribuidoras de

hortifrutigranjeiros, por manusear objetos e alimentos onde os escorpies podem estar alojados, alm de

pessoas que permanecem grandes perodos dentro de casa (Ex. acamados ou com restries de mobilidade)

ou nos arredores (como quintais), principalmente nas reas onde sabidamente ocorre alta infestao do

animal.

2

Primeiros socorros em caso de acidente com escorpio

O que o acidentado deve fazer:

? Limpar o local com gua e sabo

? Aplicar compressa morna no local;

? Procurar o servio de sade mais prximo

para que possa receber o tratamento o mais

rpido possvel;

? Se for possvel (com segurana e desde que

no leve muito tempo, pois a prioridade o

atendimento mdico urgente), capturar o

animal e lev-lo ao servio de sade.

O que o acidentado no deve fazer:

? No fazer torniquete ou garrote, no furar, no

cortar, no queimar, no espremer o local da picada;

? No fazer suco no local da ferida;

? No aplicar qualquer tipo de substncia sobre o

local da picada (fezes, lcool, querosene, fumo,

ervas, urina, p de caf, terra), nem fazer curativos

que fechem o local, pois isso pode favorecer a

ocorrncia de infeces;

? No ingerir bebida alcolica, lcool, querosene,

gasolina ou fumo no intuito de tirar a dor, pois alm

de no agir contra o veneno, ainda poder causar

complicaes no quadro clnico;

? No colocar gelo ou gua fria no local da picada,

pois acentua a dor.

Como prevenir acidentes por escorpio

? Manter jardins e quintais limpos;

? Evitar o acmulo de entulhos, folhas secas, lixo domstico e materiais de construo nas proximidades das

casas;

? Evitar folhagens densas (plantas ornamentais, trepadeiras, arbusto, bananeiras e outras) junto a paredes e

muros das casas;

? Manter a grama aparada;

? Limpar periodicamente os terrenos baldios vizinhos, pelo menos, numa faixa de um a dois metros junto s

casas;

? Sacudir roupas e sapatos antes de us-los, pois aranhas e escorpies podem se esconder neles e picam ao

serem comprimidos contra o corpo;

? No pr as mos em buracos, sob pedras e troncos podres. Usar calados e luvas de raspas de couro para

atividades em que seja preciso colocar a mo e pisar em buracos, entulhos e pedras;

? O escorpio apresenta hbito noturno, e assim, para evitar sua entrada nas casas, deve-se vedar as soleiras

das portas e janelas quando comear a escurecer;

? Usar telas em ralos do cho, pias ou tanques;

? Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos e vos entre o forro e as paredes, consertar rodaps

despregados, colocar saquinhos de areia nas portas, colocar telas nas janelas;

? Afastar as camas e beros das paredes;

? Evitar que roupas de cama e mosquiteiros encostem-se ao cho;

Acidentes comescorpies

3

? No pendurar roupas nas paredes;

? Acondicionar lixo domiciliar em sacos plsticos ou outros recipientes que possam ser mantidos fechados,

para evitar baratas, moscas ou outros insetos que servem de alimento para os escorpies;

? Preservar os inimigos naturais de escorpies e aranhas: aves de hbitos noturnos (coruja, joo-bobo),

lagartos, lagartixas e sapos.

O escorpio um animal originalmente de mata, mas se adaptou ao meio urbano devido

ocupao humana, que vem invadindo hbitats naturais dos escorpies e facilitando a disponibilidade de

abrigo em terrenos baldios com acmulo de entulho e lixo, e de alimento em abundncia, como baratas.

Alteraes climticas, por sua vez, tm elevado a temperatura favorecendo uma maior atividade e

reproduo desses animais e, em particular, do Tityus serrulatus, por sua caracterstica partenogentica.

A forma mais adequada de se evitar o aparecimento de escorpies nas residncias evitar o acmulo de

detritos e entulhos no terreno, principalmente aqueles que possam atrair baratas e servir de abrigo para o

escorpio. Alm disso, deve-se vedar frestas, vos e ralos que permitam a entrada desses animais.

manter os espaos pblicos limpos quanto coleta de lixo, limpeza de reas baldias (sugeira e

entulho), realizar de forma programada o manejo e o controle de escorpio e orientar a populao quanto

importncia da limpeza dos ambientes pblicos e de seus domiclios.

A populao, diante de um acidente por escorpio, deve procurar o mais rapidamente possvel o servio de

sade mais prximo, preferencialmente um pronto atendimento, pronto socorro ou hospital, ou seja, uma

estrutura que tenha condio de realizar bloqueio anestsico.

Considerando o potencial de gravidade do envenenamento escorpinico nos grupos mais vulnerveis

(principalmente crianas abaixo de 10 anos), deve ser considerada a possibilidade de transferncia rpida

do paciente de uma unidade de menor complexidade para um servio de cuidados intensivos (Unidades de

Referncia).

Veja aqui as unidades de referncia para atendimento/soroterapia ao acidentado por animal peonhento no

Estado de So Paulo:

Limpeza do ambiente

Populao:

Prefeitura:

Servio de sade para atendimento mdico de acidente por escorpio

Unidades de Referncia para atendimento/soroterapia ao acidentado

http://www.saude.sp.gov.br/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica-prof.-alexandre-vranjac/unidades-

referencia/acidentes-por-animais-peconhentos-unidades-de-atendimento

Acidentes comescorpies

4

http://www.saude.sp.gov.br/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica-prof.-alexandre-vranjac/unidades-referencia/acidentes-por-animais-peconhentos-unidades-de-atendimento

Manifestaes Clnicas

Diagnstico Diferencial

Diagnstico

Manifestaes locais (Classificao do caso leve): Dor local um sintoma que aparece em 100% dos

acidentes, logo aps a picada . Alm da dor, podem ocorrer sudorese local, parestesia, eritema, edema

discreto, piloereo (eriamento dos pelos na regio da picada).

Manifestaes sistmicas (Classificao do caso: moderado ou grave): em um intervalo de tempo no

definido (que varia de minutos a poucas horas), podem ocorrer acometimento clnico sistmico

(principalmente em crianas abaixo de 10), como sudorese profusa, agitao psicomotora, tremores,

nuseas, vmitos, sialorreia, hiper ou hipotenso arterial, arritmia cardaca, insuficincia cardaca

congestiva, edema pulmonar e choque. Crianas so o grupo de maior suscetibilidade ao envenenamento

sistmico grave.

Quando no for possvel identificar o agente causal, deve-se considerar como diagnstico diferencial de

escorpionismo o acidente por aranha do gnero Phoneutria (aranha armadeira), pois as manifestaes

clnicas locais e sistmicas so indistinguveis.

O diagnstico eminentemente clnico-epidemiolgico, no sendo empregado exame laboratorial de rotina

para confirmao do tipo de veneno circulante.

Alguns exames complementares so teis para auxlio no diagnstico e acompanhamento de pacientes com

manifestaes sistmicas (Quad