AGU BRASIL N 51

  • View
    215

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

O Informativo AGU Brasil é uma publicação digital semanal voltada para o público interno.

Text of AGU BRASIL N 51

  • VECTOR DESIGN ILLUSTRATION

    watercolor

    Proteja o meio ambiente, acesse a verso digital: issuu.com/agubrasil

    PARTICIPE

    25/04/2016 N 51

    Eleies para comisso GDAA-GDACE

    BRASIL

    Como funciona a Comisso?

    Temos uma rotina padronizada de acompanhamento dessas demandas de grati cao de

    desempenho. Em geral, ofertamos

    propostas de acordo j na fase de contestao e mo-nitoramos os casos em que iremos recorrer ou no. Para as demandas em fase de re-curso, procuramos os escri-trios de advocacia visando a autocomposio, atravs de sesses de negociao, ou mesmo, mutires de con-ciliaoAndr Luiz Vieira de MoraisAdvogado da Unio PU/CE

    A comisso atua como uma instn-cia recursal nos casos em que o servidor no con-

    corda com a ava-liao de sua che a

    imediata. A instituio garan-te que o servidor possa ser avaliado tambm por uma Comisso, especialmente criada para este m, possi-bilitando que eventuais in-justias ou mesmo questes pessoais entre o avaliador e o avaliado sejam revistas. A Comisso possibilita, ainda, que o servidor se manifes-te, explicite suas razes, da mesma forma em que so tambm avaliadas as razes da che a. Assim, o processo de avaliao se torna mais completo, e a imparcialidade da comisso possibilita que tanto o avaliador como o ava-liado quem satisfeitos com o resultado obtidoMariana Rodrigues Silva Melo-Procuradora Federal

    Temos uma rotina padronizada de acompanhamento

    desempenho. Em geral, ofertamos

    propostas de acordo j

    A comisso atua como uma instn-

    servidor no con-corda com a ava-

    liao de sua che a

    O processo de avaliao de de-sempenho dos servidores deste ano 2016 inicia este ms. Para quem deseja participar ativa-mente de todos as fases do procedimento, a oportunidade agora. Esto abertas as inscri-es para eleio da Comisso de Acompanhamento GDAA--GDCE, do dia 27 a 29 de abril. A novidade que o rgo cole-giado ser constitudo para atu-

    ar pelos prximos dois ciclos, que naliza em 2017.At o ci-clo anterior, as Comisses fo-ram constitudas para o perodo de um ciclo, ou seja, de julho a junho do ano subsequente.

    Esto aptos a participar do processo servidores efetivos fora do perodo de estgio probatrio e que no respondam a proces-so administrativo disciplinar. Os dois mais votados das carreiras de nvel superior e mdio sero, respectivamente, titulares e su-plentes das cadeiras reservadas a cada categoria na comisso.

    Os eleitos faro parte do co-legiado, que ter a misso de jul-gar os recursos administrativos dos servidores que no concor-

    darem com as notas obtidas na avaliao individual de desem-penho. A Comisso de Acom-panhamento participar de todas as etapas do ciclo de avaliao, integrada por um representante titular e um suplente.

    A categorias so: Gabinete do Secretrio-Geral de Admi-nistrao, que a presidir; Dire-toria de Gesto de Pessoas; da Ouvidoria da AGU, Represen-tante eleito dos servidores de nvel mdio integrantes do qua-dro de apoio tcnico adminis-trativo da AGU e representante eleito dos servidores de nvel superior integrantes do quadro de apoio tcnico-administrativo da AGU.

    O trabalho delicado por-que cada julgamento poder ter in uncia direta nos salrios. De acordo com a legislao vigente, 80% das grati caes de desempenho correspondem ao cumprimento de metas da AGU. A misso desse colegiado ser deliberar, quando necess-rio, sobre os 20% restantes, que correspondem atuao indivi-dual de cada servidor.

    O presidente da Comisso de Acompanhamento receber os recursos, designar relator e convocar reunio para delibe-rao. A comisso tem dez dias para decidir sobre os recursos e mais cinco dias para cienti car o avaliado e o avaliador.

    Comisso de acompanhamento GDAA-GDACEpassa a ser bienal

    Ser criado um cone no menu da rede intranet (redeagu.agu.gov.br), que pode ser acessado somente se o usurio esti-ver conectado em um dos computadores dos prdios da AGU. A eleio comea s 8h da segunda-feira (9) e vai at as

    19h de sexta (13).Os dois mais votados em cada cate-

    goria (nvel mdio e superior) sero ti-tulares e suplentes na comisso de ava-liao. Ser adotado como critrio de desempate o maior tempo de servio na AGU. As reunies da comisso sero presenciais. Servidores de outros estados

    que forem eleitos, portanto, sero convo-cados a participar dos encontros em Bra-slia, conforme a agenda do colegiado.

    O trabalho da comisso comea efe-tivamente somente aps o perodo de recebimento das avaliaes de desem-penho, o que deve ocorrer na metadede junho.

    Em caso de discordncia da nota possvel recorrer comisso de avaliao80% do valor da grati cao

    de nido pelo atingimento de metas institucionais como pesquisa de satisfao do site

    20% referente ao valor da avaliao individual do servidor

    Avaliaes de 6 a 10 garantem valor mximo de

    grati cao (20%)

    Fique por dentro

    Proteja o meio ambiente, acesse a verso digital:

    Eleies para comisso GDAA-GDACE

    BRASIRASIRBBBBRBBRBBRBBRBRBBRBBBBBBBBBBBBBBBBBBBInformativo semanal da Advocacia-Geral da Unio

    O processo de avaliao de desempenho inicia com a eleio da comisso

    PARA VOTAR

  • Pelo 3 ano consecutivo, a Ad-vocacia-Geral da Unio renova o compromisso com o Programa Pr-Equidade de Gnero e Raa do governo federal. A assinatura do Termo de Compromisso da 6 edio do projeto, vigente at 2017, ocorreu nesta tera-feira (19), em Braslia.

    Criado em 2006 pela Secre-taria de Polticas para Mulheres, o programa tem como objetivo mu-dar a cultura organizacional por meio da implementao de boas prticas que contribuam para um ambiente de trabalho mais iguali-trio. O projeto conta, ainda, com o apoio da Secretaria de Polticas de Promoo da Igualdade Racial e ONU Mulheres.

    A Assessora tcnica e coor-denadora do projeto na AGU, Claudinyze Avelar, explica que o programa tem alcanado resul-

    tados na AGU diante do apoio de todos os colaboradores da Instituio. Buscamos imple-mentar melhorias nas relaes institucionais, interpessoais e na ampliao do princpio constitu-cional da igualdade, explica.

    A coordenadora a rma, ainda, que as aes precisam ser constantes. Existe uma ne-cessidade de disseminao da igualdade de oportunidades e o combate discriminao entre

    homens e mulheres de todas as raas dentro do ambiente insti-tucional, a rma.

    Aes da AGU - Desde o incio do programa a Advocacia-Geral tem implementado mudanas para atender e estimular o pr-e-quidade de gnero e raa. Uma das propostas da instituio utilizar as empresas terceiriza-das como multiplicadoras do programa. Alm disso, o rgo

    projeta a criao de um banco de dados com informaes qua-litativas sobre gnero e raa na AGU para orientar o planeja-mento e a execuo de aes e programas.

    Outra ao importante foi a implementao da sala de apoio a lactante. O local foi prepara-do para que servidoras possam colher e armazenar o leite ma-terno, alm de amamentar du-rante o horrio de trabalho.

    Dizem que quem canta seus males espanta, mas tem uma turma que acha que para afastar qualquer energia negativa o melhor colo-car o corpo em movimento e dan-ar. As modalidades so diversas e fazem bem para o corpo e tam-bm para a mente. Para celebrar e explorar os vrios objetivos, dia 29 de abril o Dia Internacional da Dana.

    O servidor administrativo da Secretaria-Geral da AGU Guilher-me Pereira conta que por 17 anos pode contemplar o que a dana traz de melhor. Com o apoio de sua namorada viu a alegria e as vanta-gens de praticar a dana de salo. A primeira mudana em sua vida foi na parte social, ganhando ami-gos no decorrer das aulas.

    Alm disso, Guilherme fala que por ser uma dana com vrias expresses artsticas, a modalidade possibilitou adquirir habilidade e a lidar com as prprias inseguran-as. Aprendi a lidar melhor com

    as diferenas. A dana , antes de mais nada, um meio de autoconhe-cimento, conclui.

    Com o intuito de ir alm da diverso, a dana tem um poder

    educativo. A prtica bene cia a sade, qualidade de vida, bem-es-tar, projetos competitivos, recre-ativos, performticos e artsticos, como explica a professora de dan-

    a Juliana Castro. Com 24 anos de experincia em Braslia, ela a rma que a dana proporciona melhorias na exibilidade, fora, coordenao motora, percepo rtmica, condi-cionamento aerbico, agilidade, equilbrio e o principal, bem-estar fsico e mental.

    De acordo com a professora a modalidade atrai pessoas de todas as idades e indicada para crian-as a partir dos trs anos. Nessa idade esto passando por um pro-cesso de psicomotricidade, uma integrao das funes motoras e psquicas a partir do amadure-cimento do sistema nervoso. Ido-sos tambm podem desfrutar das aulas, complementa Juliana. Se for praticada regularmente com a intensidade adequada, a dana pode substituir outras atividades fsicas. Para Juliana, a dica bus-car o melhor para a sade e para o bem-estar sempre. preciso escolher um local adequado para a prtica da dana, com professo-res capacitados e se permitir fazer uma aula experimental. Nunca tarde para comear. Arrisque-se, conclui a pro ssional.

    DIA DA DANA

    25/04/2016 N 51

    EXPEDIENTEinformativo@agu.gov.br(61) 2026-8524Chefe da Ascom: Ado Paulo OliveiraCoordenao: Flvio Gusmo

    Edio: Uyara KamayurRedao: Letcia Helen Las do ValleProjeto gr co: Renato Menezes Diagramao: Alex Prspero e Roberto Ferreira

    Assessoria de Comunicao

    Social

    Informativo AGUBRASIL

    Novo Cdigo de Processo Civil

    CAPACITAO6 EDIO

    Programa de Gnero e Raa

    Hora de remexer o corpo

    Envie sua sugesto!Sua sugesto de pauta pode ser selecionada para publicao na prxima edio do AGU Brasil! informativo@agu.gov.br

    Foto: ickr.com/ministeriodoturismo

    Para deixar todos os advogados e servidores da AGU por dentro das mudanas do novo cdi-go de processo civi