“Acho que os sentimentos se perdem nas palavras ... 2 “Acho que os sentimentos se perdem nas

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of “Acho que os sentimentos se perdem nas palavras ... 2 “Acho...

0

1

2

Acho que os sentimentos se perdem nas palavras. Todos deveriam ser transformados em aes,

em aes que tragam resultados.

Florence Nightingale

3

AGRADECIMENTOS

Aps todo este caminho percorrido e no trminus do percurso deixo os meus sinceros e profundos

agradecimentos a quem acreditou nesta minha luta pessoal e profissional, na minha fora, na

perseverana do dia-a-dia to necessria, e a quem esteve em sintonia comigo na resilincia

mantida para ultrapassar cada obstculo.

Professora Doutora Irene Santos, orientadora deste trabalho, e Professora Cassilda Sarroeira,

co-orientadora por todo o apoio, disponibilidade, orientao e rigor cientfico dado nesta fase final

deste percurso do Mestrado.

Professora Doutora Rosrio Machado, orientadora do estgio, ponto de partida de todo este

trabalho, por toda a disponibilidade, saber e aconselhamento dado ao longo de diversos momentos.

Enfermeira Cooperante, Enfermeira Especialista Ftima Neves pela incansvel pacincia e

orientao num estgio que se tornou to enriquecedor, por todas as oportunidades dadas, pela

integrao na Unidade de Sade Pblica Z Povinho Caldas da Rainha.

Um agradecimento sentido tambm restante equipa da Unidade de Sade Pblica Z Povinho

Caldas da Rainha pela simpatia demonstrada e pelo acolhimento nesta Unidade.

Um reconhecimento de gratido s instituies intervenientes e seus colaboradores, em especial s

Diretoras tcnicas e aos Ajudantes de Ao Direta que prestam cuidados no Servio de Apoio

Domicilirio da Associao de Desenvolvimento Social de Salir do Porto, da Associao Social e

Cultural Paradense e do Centro Social Paroquial N Sr das Mercs de Carvalhal Benfeito.

Um obrigado ao Centro de Sade de Caldas da Rainha pela disponibilidade do local onde se

Um agradecimento muito especial e sentido aos colegas de estgio Susana Alves, Bruno Vicente e

Mnica Duarte pela amizade sincera, pela cumplicidade e companheirismo, pela fora e o

incansvel apoio em todo este grande trajeto. Convosco a caminhada tornou-se menos penosa.

Por fim, e no menos importante, o mais sincero e profundo agradecimento minha famlia e

amigos, pela compreenso, apoio e motivao em especial nos momentos mais difceis, por

acreditarem que era possvel, pela fora que me deram quando a mesma me faltava.

Bem hajam!

4

ABREVIATURAS, ACRNIMOS E SIGLAS

AAD - Ajudante de Ao Direta

ACeS - Agrupamento de Centros de Sade

BLS Basic Life Suport

CHAMU Circunstncia, Histria, Alergias, Medicao, ltima refeio

CPR Cardiopulmonary resuscitation

CPR - Conselho Portugus de Ressuscitao

DAE Desfibrilhador Automtico Externo

DGS Direo Geral de Sade

Enf Enfermeira

ERC - European Resuscitation Council

f. - folha

INE Instituto Nacional de Estatstica

INEM Instituto Nacional de Emergncia Mdica

IPSS - Instituio Particular de Solidariedade Social

JBI Joanna Briggs Institute

N - Nossa

n - nmero

OE - Ordem dos Enfermeiros

OMS Organizao Mundial de Sade

PCR Paragem Cardiorrespiratria

PLS Posio Lateral de Segurana

PNSPI Plano Nacional para a Sade das Pessoas Idosas

Prof. Professora

RSL Reviso Sistemtica de Literatura

SAD - Servio de Apoio Domicilirio

SBV Suporte Bsico de Vida

SIEM - Sistema Integrado de Emergncia Mdica

Sr - Senhora

USP Unidade Sade Pblica

VMER Viatura Mdica de Emergncia e Reanimao

WHO - World Health Organization

5

RESUMO

INTERVENO COMUNITRIA: CAPACITAR A COMUNIDADE PARA SALVAR

O envelhecimento da populao um fenmeno importante que afeta as estruturas de apoio aos

idosos, assim como os seus cuidadores. Em contexto de cuidados domicilirios torna-se importante

formao til como o Suporte Bsico de Vida.

Para a compreenso desta temtica utilizou-se a Reviso Sistemtica de Literatura, com a questo

PICo: Quais as intervenes de enfermagem que promovem o aumento de conhecimentos das

AAD em SBV, no agir em situaes de PCR, no idoso, nos cuidados domicilirios?, que evidenciou

a importncia da formao e treino em SBV na comunidade.

Tendo como base o Planeamento em Sade foi elaborado o Diagnstico de Enfermagem ameaa

linha de defesa das AAD, relacionada com stressores intrapessoais: dfice de conhecimento em

SBV e em primeiros socorros. Este levou interveno comunitria Capacitar a comunidade para

salvar sustentada na formao das AAD, tendo como resultado um ganho de conhecimentos em

mdia de 30%.

Palavras-chave: Enfermagem Comunitria; Intervenes de Enfermagem; formao; ajudantes de

ao direta; aprendizagem; reanimao cardiopulmonar.

6

ABSTRACT

COMMUNITY INVOLVEMENT: "EMPOWERING THE COMMUNITY TO SAVE"

An ageing population is an important phenomenon that affects the support structures for the elderly,

as well as their caregivers. In the context of home care becomes important training useful as basic

life support.

For understanding this issue using a systematic review of the literature, with the PICo question: "what

are the nursing interventions that promote the increase of knowledge of the AAD in SBV in action in

situations of cardiac arrest, in the elderly, in home care?", which highlighted the importance of

education and training in CPR in the community.

Based on the Health Planning the nursing diagnosis "threat to the defense of the AAD, related to

stressores people: knowledge deficit in CPR and first aid". This led to Community intervention

"Empower the community to save" sustained in the formation of the AAD, resulting in a gain of

knowledge on average of 30%.

Keywords: Community nursing; nursing interventions; training; home health aides; learning;

cardiopulmonary resuscitation

7

NDICE

p.

RESUMO.... 5

INTRODUO................. 13

1 CONTEXTO DE ESTGIO - A UNIDADE DE SADE PBLICA Z

POVINHO ACES OESTE

NORTE....................................................................................

1.1 PERFIL DE SADE DA REGIO OESTE NORTE..

2 ENQUADRAMENTO TERICO......

2.1 O ENVELHECIMENTO E AS RESPOSTAS SOCIAIS.

2.2 SERVIO DE APOIO DOMICILIRIO.

2.3 CUIDADORES FORMAIS AJUDANTES DE AO DIRETA...

2.4 A IMPORTNCIA DA FORMAO O ENFERMEIRO ESPECIALISTA DE

ENFERMAGEM COMUNITRIA COMO AGENTE DE CAPACITAO DA

COMUNIDADE

2.5 SUPORTE BSICO DE VIDA E A MANUTENO DA CADEIA DE

SOBREVIVNCIA..

3 PLANEAMENTO EM SADE..

3.1 DIAGNSTICO DE SITUAO DO GRUPO POPULACIONAL DAS

AAD...

3.1.1 Apreciao do grupo populacional segundo o modelo terico de

Betty Neuman.

3.1.2 Diagnstico de enfermagem comunitria com base no modelo

terico de Betty Neuman.

3.1.3 Reviso Sistemtica da Literatura....

3.2 ESTABELECIMENTO DE OBJETIVOS E PRIORIZAO DOS

PROBLEMAS..

3.2.1 Indicadores e metas

3.3 SELEO DE ESTRATGIAS.

3.4 ELABORAO DE PROGRAMAS E PROJETOS - INTERVENO

COMUNITRIA CAPACITAR A COMUNIDADE PARA

SALVAR..

3.5 EXECUO DA INTERVENO....

3.6 AVALIAO DA INTERVENO....

16

17

19

19

21

23

24

25

29

29

32

34

34

38

38

40

42

42

44

8

4 OUTRAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CONTEXTO DO ESTGIO

II ....

5 ANLISE REFLEXIVA SOBRE A CONSTRUO DE COMPETNCIAS EM

ENFERMAGEM COMUNITRIA.....

6 CONCLUSO.

7 REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS...

51

53

57

9

ANEXOS

ANEXO I - Projeto de Estgio ....... 65

ANEXO II - Guio de entrevista aos informantes- chave.... 89

ANEXO III- Consentimentos informados para as entrevistas..... 92

ANEXO IV- Anlise de contedo das entrevistas.... 95

ANEXO V- Apreciao do grupo populacional das AAD 104

ANEXO VI- Apreciao do grupo populacional como cliente, segundo o Modelo de

Betty Neuman...

111

ANEXO VII - Protocolo JBI da Reviso Sistemtica da Literatura.. 120

ANEXO VIII - Planos das sesses de formao (Primeiros Socorros/ SBV). 153

ANEXO IX Cartaz de divulgao das sesses de formao 158

ANEXO X - Ficha de inscrio nas sesses de formao. 160

ANEXO XI - Folha de assiduidade nas sesses de formao 163

ANEXO XII - Ficha de avaliao de conhecimentos. 165

ANEXO XIII - Fichas de avaliao de cada sesso pelos formandos. 167

ANEXO XIV - Ficha de avaliao de cada sesso pelo formador 170

ANEXO XV - Sesso de formao com a temtica Primeiros Socorros. 172

ANEXO XVI - Sesso de formao com a temtica Suporte Bsico de Vida. 190

ANEXO XVII- Certificado de presena nas sesses de formao.. 205

ANEXO XVIII- Capa do Manual de apoio. 207

ANEXO XIX - Pster sobre as trs intervenes comunitrias complementares. 209

ANEXO XX - Publicao no Jornal das Caldas sobre a interveno comunitria... 211

ANEXO XXI - Planos das aes de sensibilizao Cuidados com o Sol. 213

10

NDICE DE FIGURAS