A classificacao biologica

  • View
    95

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of A classificacao biologica

  • 1. A CLASSIFICAO BIOLGICAProf. Regis Romero

2. BIODIVERSIDADEQUANTAS ESPCIES EXISTEM? 3. QUANTAS ESPCIES POR DESCOBRIR? 4. TAXONOMIA E SISTEMTICA Cincias que se ocupam daclassificao dos seres vivos,formando grupos de acordo comcritrios pr-estabelecidos. A parte da Biologia que identifica,nomeia e classifica os seres vivos a Taxonomia (taxis = arranjo,ordem; nomo = lei), e a queestuda as relaes evolutivasentre eles a Sistemtica. 5. CLASSIFICAES PRTICAS Agrupamentos de seresvivos de acordo com seuinteresse ou utilidadepara o homem. Persistem at hoje. Venenosos ou no,comestveis ou no,... 6. CLASSIFICAES RACIONAIS Agrupamento dos seres vivos de acordo com ascaractersticas que apresentam. Podem ser artificiais, naturais ou verticais. 7. CLASSIFICAO ARTIFICAL Baseia-se em poucos critrios arbitrrios. Algumas se baseavam na morfologia externa(forma), outras no habitat (aqutico, terrestre eareo) e at na sua utilidade (teis, nocivos eindiferentes). Formam grupos muito heterogneos. 8. CLASSIFICAES ARTIFICIAIS Iniciada pelos gregos no sc. IV a. C. Aristteles: usou o tipo de ambiente. Animais areos,aquticos e terrestres. Teofrasto: plantas de acordo com o tamanho. Ervas,arbustos e rvores. Santo Agostinho: Animais teis, nocivos e inteis aohomem. 9. Sc. XIV: necessidade de critrios mais bemdefinidos para a classificao biolgica. Carl von Linne ou Lineu: 1735, Systema Naturae. Principal critrio: comparao por morfologia semelhanas e diferenas anatmicas e estruturaisentre os seres vivos. 10. CLASSIFICAO NATURAL Baseia-se em aspectos evolutivos, como aanatomia, a fisiologia, a gentica, odesenvolvimento embrionrio, .... Essa classificao permite estabelecer afilognese (filo = raa, gnese = origem) oufilogenia, ou seja, a possvel sequncia em queos seres vivos surgiram, tentando mostrar ahistria evolutiva de cada grupo e o grau deparentesco evolutivo entre os diversos grupos. 11. CLASSIFICAO VERTICAL Baseia-se nasrelaes evolutivasentre os organismos,considerando o fatortempo. So dinmicas. 12. CLASSIFICAO E PARENTESCOEVOLUTIVO O reconhecimento de que as espcies vivasevoluram a partir de outros organismos maisremotos colocou um novo desafio - agrupar osorganismos em categorias que representemafinidades evolutivas. O co e o lobo esto evolutivamente maisprximos pois partilham o mesmo gnero e,consequentemente, todos os grupos superioresao gnero. 13. TAXONOMIA MODERNASISTEMA BINOMINAL DE LINEU O naturalista sueco Karl von Linne (Lineu) (1707-1778) foiquem desenvolveu as bases reais para a classificao enomenclatura modernas. Ele publicou duas obras valiosas para a sistemtica animal evegetal, usadas nas escolas at o final do sculo XIX: SpeciesPlantarum (1753), onde catalogou as plantas, considerandoapenas a constituio da flor; e Systema naturae (10 edio,1758), onde catalogou e descreveu animais, levando em contasuas semelhanas estruturais. Lineu desenvolveu um sistema de classificao artificial, poisacreditava que o nmero de espcies era fixo. 14. Nosso atual sistema de classificao baseadono trabalho de Lineu, mas vem sendo desdeaquela poca frequentemente reorganizada, emfuno de um sistema mais natural, firmementebaseado na Teoria da Evoluo. Os grupos hierrquicos estabelecidos por Lineuainda hoje so usados. 15. CATEGORIAS TAXONMICAS A Taxonomia est baseada numa gradao, queengloba grupos de seres vivos comcaractersticas cada vez mais gerais, se partimosdo particular. As categorias taxonmicas esto ordenadas deforma hierrquica e procuram medir um maiorgrau de parentesco evolutivo existente entre osseres vivos de cada uma delas. 16. O CONCEITO DE ESPCIE A unidade de classificao biolgica atualmente a espcie, que pode ser assim definida: Espcie um conjunto de indivduos que,apresentando caractersticas semelhantes, tantoentre si quanto entre seus ascendentes edescendentes, podem cruzar-se naturalmente,produzindo descendentes frteis ereprodutivamente isolados de outros grupos deseres vivos. Os indivduos da mesma espcie partilham omesmo fundo gentico. 17. OS SETE GRUPOS BSICOS DECLASSIFICAO Espcies com caractersticas em comum constituemum gnero; estes constituiro uma famlia; estasformaro uma ordem. As ordens com caractersticas coincidentes formarouma classe; e o conjunto destas, o filo, ramo oudiviso. O conjunto dos filos forma, finalmente o reino. Temos, ento, sete categorias taxonmicasfundamentais, que, em ordem decrescente degrandeza, esto conceituadas no quadro a seguir. 18. CATEGORIAS TAXONMICAS 19. medida que so acrescentadas novasdescries sistemticas (fruto da intensapesquisa biolgica ocorrida no sculo XX), h anecessidade de novas divises, criando-se,assim, categorias adicionais, como subfilo,superclasse, subclasse, superordem, subordem,superfamlia, subfamlia, tribo, subgnero esubespcies. 20. A CLASSIFICAO ATUAL 21. EVOLUO DOS SISTEMAS DECLASSIFICAOSc. IV a.C ao sc. XVIII d.C. 1899 d.C. 22. 1969 d.C. 23. CLASSIFICAO DE WHITTAKER (1969) Baseia-se nosseguintes critrios: Organizaoestrutural. Tipo de nutrio. Interaes nosecossistemas(produtores,consumidores edecompositores). 24. CLASSIFICAO DE WHITTAKER (1979) Passou a incluir noreino Protista sereseucariontesunicelulares e algunsseres multicelularesde reduzidadiferenciao. 25. REINO MONERA compreende as bactrias e cianobactrias, osnicos procariotos. So seres auto ou heterotrficos, unicelulares. Hoje, graas Biologia Molecular, sabe-se queesse reino inclui dois grupos de organismosprocariticos bem distintos: eubactrias earqueobactrias. 26. REINO PROTOCTISTA (ANTIGAMENTECHAMADO PROTISTA) Por se tratar de um reino que rene organismoscom origens evolutivas diferentes, muitosdefendem a separao dos protoctistas emdiversos reinos, enquanto que outros defendem asua excluso. Inclui os protozorios, seres eucariticos,unicelulares e heterotrficos, e as algas, sereseucariticos, uni ou pluricelurares e autotrficosfotossintetizantes. 27. REINO FUNGI So os fungos,mofos, bolores elevedos. So eucariotos,heterotrficos porabsoro, uni oupluricelulares, masno formam tecidos. 28. REINO PLANTAE OU METHAPHYTA Compreende as plantas que so sereseucariotos, autotrficos fotossintetizantes epluricelulares. O que caracteriza este reino o fato de seusrepresentantes formarem embries, que no inciode seu desenvolvimento, retiram alimento daplanta genitora. As algas foram excludas exatamente por noformarem embries dependentes da planta-me. 29. REINO ANIMALIA OU METAZOA Compreende os animais, que so seres eucariotos,heterotrficos por ingesto e pluricelulares. Apresentam no incio do desenvolvimentoembrionrio, um estgio chamado blstula, queorigina outro estgio a gstrula que originartodos os tecidos presentes no animal adulto. 30. VRUS UMA EXCEO So acelulares, isto , eles no so clulas e noso constitudos por clulas. Constitudos por uma cpsula protica que envolveseu material gentico (DNA ou RNA). Parasitas intracelulares obrigatrios. Grupo parte, sem reino. 31. A NOMENCLATURA BINOMIAL(PRINCIPAIS REGRAS) O nome das espcies binominale escrito em itlico ou sublinhado:Homo sapiens (ser humano),Felis domesticus (gatodomstico). O primeiro termo indica o gneroe o segundo, o termo especfico,escrito com inicial minscula (serepresentar uma homenagem aalgum importante do pas ondefoi descrita a espcie, aceita-se ouso de inicial maiscula). 32. Todos os nomes cientficos devem ser escritos emlatim; se derivarem de outra lngua, devero serlatinizados. Ao aparecer pela primeira vez em um texto, deveser escrito por extenso; nas demias vezes queaparecer, o gnero pode ser abreviado. 33. A nomenclatura dasubespcie(populaes damesma espciegeograficamenteisoladas, que podem,no futuro formarnovas espcies) trinominal. 34. A designao do subgnero aparece entre ognero e o termo especfico, entre parnteses,com inicial maiscula.Ex. Aedes (Stegomya) aegypti (mosquito quetransmite os agentes causadores da febreamarela e dengue).Anopheles (Anopheles) fluminensis (mosquitostransmissores da malria no RJ) 35. Se o autor da descrio de uma espcie for mencionado,seu nome (por extenso ou abreviado) deve aparecer emseguida ao termo especfico sem pontuao; a data em eledescreveu essa espcie vem aps seu nome, precedida deuma vrgula ou entre parnteses. 36. Quando uma espcie transferida de um gnero para outro oumuda-se o gnero, o nome do autor da primeira classificao colocado entre parnteses.Ex. Atta sexdens (Lineu, 1758) Fabricius, 1804. Tm prioridade os nomes apresentados em primeiro lugar de 1758(data da 10 edio do Systema naturae de Lineu, na qual eleapresentou uma reviso das regras) para c se os autores ospublicarem em revistas cientficas seguindo todas as regras; necessrio tambm que na publicao conste uma descrio do servivo. Assim, se um pesquisador, por acidente, descrever um ser vivoj classificado, prevalecer o nome inicial. Essa regra conhecidacomo lei da prioridade. 37. O nome das famlias dos animais recebe o sufixoidae e o da subfamlia, inae.Ex. Felidae (famlia dos feldeos) e Felinae(subfamlia dos felinos) Nas plantas, utiliza-se, em geral, a terminaoaceae para a famlia e ales para a ordem.Ex. Rosaceae (famlia da roseira, maciera,...)Coniferales (ordem do pinheiro, sequias, etc.) 38. CLASSIFICAO E CLADSTICA Os conhecimentos atuais sustentam a idia deque a diversidade biolgica resultado de umprocesso evolutivo e que todas as espciescompartilham ancestrais comuns que viveram nopassado, sendo as semelhanas entre elasreflexo de sua histria evolutiva. Essa histria pode ser estudada e representadamediante um diagrama hipottico denominado decladograma. 39. A ideia central do cladismo a de que todos osgrupos de seres vivos apresentam uma ordemhierrquica, consequncia da histria evolutivados organismos. O diagrama construdo com base nasnovidades evolutivas compartilhadas pelosorganismos e deve ser construdo da maneiramais simples possvel princpio da parcimnia. 40. RVORES FILOGENTICAS So diagramas que representam as relaes depa