(48-27)CIMENTO

  • View
    18

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of (48-27)CIMENTO

CIMENTO

ENG ROBERTO JOS FALCO BAUER

CIMENTO PORTLANDO CIMENTO PORTLAND UM MATERIAL PULVERULENTO, CONSTITUDO DE SILICATOS E ALUMINATOS DE CLCIO.

ESTES SILICATOS E ALUMINATOS COMPLEXOS AO SEREM MISTURADOS COM GUA, HIDRATAM-SE E PRODUZEM O ENDURECIMENTO DA NATA, ARGAMASSA OU CONCRETO, QUE PODE ENTO OFERECER RESISTNCIA MECNICA.

HIDRATAO DO CIMENTO

FORMAO DE AGULHAS/CRISTAIS

FORMAO DE GEL

CIMENTOCONSTITUINTES DO CIMENTO PORTLAND CONSTITUDO EXCLUSIVAMENTE A BASE DE

CLNQUER COM UMA PEQUENA ADIO DE CONTROLADOR DE PEGA, GERALMENTE SULFATO DE CLCIO (GESSO).

CIMENTOCIMENTOS COMPOSTOS CIMENTO PORTLAND + ADIES PERMITIDO ADIES, DESDE QUE OBEDECENDO AO

TIPO DE ADIO E AOS RESPECTIVOS PERCENTUAIS ESTABELECIDOS EM NORMA (ABNT).

ADIES AO CIMENTO PORTLANDCP II-F

CLNQUER

ADIES

FILERCP II-E ou CP III ESCRIA CP II-Z ou CPIV

+

CP I ou CP V

+

GESSO

POZOLANA

CIMENTO PORTLANDCONSTITUINTES PRINCIPAIS ( ~ 90% DA COMPOSIO) C3S (SILICATO TRICLCICO) C2S (SILICATO DICLCICO) C3A (ALUMINATO TRICLCICO) C4AF (FERRO ALUMINATO TETRACLCICO) 42 a 60% 14 a 35% 06 a 13% 05 a 10%

CIMENTO PORTLANDCONSTITUINTES SECUNDRIOS CaO MgO CAL LIVRE MAGNSIO LIVRE

SO3 K2O (XIDO DE POTSSIO)Na2O (XIDO DE SDIO)

SULFATO

LCALIS

CIMENTO PORTLANDPROPRIEDADES Resistncia baixa idade Resistncia em idades posteriores CONSTITUINTES C3 S C2S PRINCIPAIS C3 A C4AF

BBM M

F

BF

FF

BL

Velocidade de hidrataoQuantidade de calor gerada na hidratao Resistncia guas agressivas

RG

RM

L

M

B

F

F

B BOA

F FRACA

M MDIA

L LENTA R -RPIDA G - GRANDE

ZAMPIERI, 1989

CONSTITUINTES SECUNDRIOSCAL LIVRE, XIDO DE MAGNSIO E SULFATO DE CLCIO LIVRES GERAM EXPANSO HIDRATAO LENTA OU RETARDADA, OU REAO COM

COMPOSTOS PRESENTES NO CIMENTO ENDURECIDO APS MESES OU ANOS.

CONSTITUINTES SECUNDRIOSCOMPOSTOS ALCALINOS PODEM INFLUIR NEGATIVAMENTE NA DURABILIDADE DO CONCRETO ATRAVS DA REAO LCALIS-AGREGADO. AGREGADOS REATIVOS NATUREZA SILICOSA CONSTITUIDOS EM PARTE POR SLICA HIDRATADA AMORFA (OPALAS, CALCEDNIAS).

NESTES CASOS TEOR DE LCALIS 0,6%.

FABRICAO DO CIMENTO PORTLANDMATERIAS PRIMASCALCRIO (ROCHA CALCRIA) ARGILOSO (ARGILA, ARDSIAS, ETC)

PROCESSO DE FABRICAO123456EXTRAO DAS MATRIAS PRIMAS BRITAGEM MOAGEM E MISTURA FORNO (QUEIMA) ADIO(ES) E MOAGEM ESTOCAGEM

DOCUMENTAO FOTOGRFICA FBRICA DE CIMENTO MATERIAL EXTRADO DA APOSTILA DA UFPR MATERIAIS DE CONSTRUO AGLOMERANTES (TC-30)

PROFESSOR JOS DE A. FREITAS JR.

JAZIDA DE CALCRIO RIO BONITO - ITAMB

MATRIAS PRIMASCIA DE CIMENTO RIO BRANCO (VOTORANTIN)

BRITAGEM DO CALCRIO

MINA DE ARGILA

HOMOGENIZAO DO CALCRIOCALCRIO BRITADO CIA DE CIMENTO ITAMB

SADA PARA MOAGEM

CALCRIO 90%

CIA DE CIMENTO RIO BRANCO (VOTORANTIN)

MINRIO DE FERRO 0,5%

ARGILA 9,5%

MOAGEM DA FARINHA

CIA DE CIMENTO ITAMB

MOINHO DE ROLOS PARA A MOAGEM DAS MATRIAS PRIMAS

FARINHA CRUA

VISTA DE DENTRO DO FORNO

FORNO 1450C

CLNQUER

CIA DE CIMENTO RIO BRANCO (VOTORANTIN)

SILO DE ESTOCAGEM DE CLNQUER

MOINHO DE BOLAS (CLNQUER + GESSO)

SILOS DE ARMAZENAGEM DO CLNQUER MOIDO

INTERIOR DO MOINHO DE BOLAS

CIA DE CIMENTO RIO BRANCO (VOTORANTIN)

CIA DE CIMENTO ITAMB

MOAGEM DE CLNQUER + GESSO

GESSO (1,5% A 3%) MOINHO DE BOLAS

Escria

Filer

SILOS DE ARMAZENAGEM DAS ADIES

SILOS DE ARMAZENAGEM DO CLNQUER MOIDO

ENSACADEIRA AUTOMTICA

TRANSPORTE AT EXPEDIO

TRANSPORTE A GRANEL RODOVIRIO

DISTRIBUIO A GRANEL

TRANSPORTE A GRANEL FERROVIRIO

EMBALAGEM BAG

ADIESMATERIALCLNQUER DE C.P. ESCRIA GRANULADA DE ALTO FORNO POZOLANA NATURALCINZA VOLANTE SILICOSA FILER CALCRIO SLICA ATIVA (MICROSSLICA)

CARTER CIMENTCIOPLENAMENTE HIDRULICO HIDRALICO LATENTEHIDRALICO LATENTE HIDRALICO LATENTE

AO FSICA COM LEVE AO HIDRALICA LATENTE COM C.P. AO FSICA INTENSA

ADIESESCRIA DE ALTO FORNOSUBPRODUTO DO TRATAMENTO DE MINRIO DE FERRO EM ALTO FORNO, OBTIDO SOB FORMA GRANULADA POR RESFRIAMENTO BRUSCO, CONSTITUDA EM SUA MAIOR PARTE DE SILICATOS E ALUMINATOS DE CLCIO. APS FINAMENTE MODO E EM CONTATO COM UMIDADE, O HIDRXIDO DE CLCIO CONTRIBUI COMO CATALIZADOR PARA A FORMAO DE COMPOSTOS COM PROPRIEDADES HIDRALICAS CIMENTCIAS.

ESCRIA DE ALTO FORNO

ADIESPOZOLANASSO MATERIAIS SILICOSOS OU SILICO ALUMINOSOS NATURAIS OU ARTIFICIAIS QUE FINAMENTE MODOS, E EM PRESENA DE UMIDADE SO CAPAZES DE REAGIR QUIMICAMENTE COM O HIDRXIDO DE CLCIO, A TEMPERATURA AMBIENTE, FORMANDO COMPOSTOS COM PROPRIEDADES HIDRALICAS CIMENTCIAS.

POZOLANA

ADIESFILERMATERIAL FINAMENTE MODO (PRATICAMENTE NA FINURA DO C.P.), QUE DEVIDO S SUAS PROPRIEDADES FSICAS, TEM EFEITO BENFICO SOBRE AS PROPRIEDADES DO CONCRETO, TAIS COMO TRABALHABILIDADE, PERMEABILIDADE, CAPILARIDADE, EXSUDAO E TENDNCIA FISSURAO. DEVE TER COMPATIBILIDADE FSICA COM C.P. A SER MISTURADO. NO DEVE AUMENTAR O CONSUMO DE GUA DE AMASSAMENTO DE CONCRETOS, A MENOS QUE SEJA UTILIZADO ADITIVO REDUTOR DE GUA.

FILER

ADIESSLICA ATIVASUBPRODUTO DA FABRICAO DE SILCIO OU DE LIGAS DE FERRO-SILCIO. O SiO QUE SE DESPRENDE NA FORMA DE GS, SE OXIDA E CONDENSA NA FORMA DE PARTCULAS ESFRICAS EXTREMAMENTE PEQUENAS. A SLICA NA FORMA DE MATERIAL VTREO MUITSSIMO REATIVA, E O PEQUENO TAMANHO DAS PARTCULAS ACELERA AS REAES COM O Ca (OH)2 PRODUZIDO NA HIDRATAO DO CIMENTO.

ADIESSLICA ATIVAAS PARTCULAS ENTRAM NO ESPAO ENTRE OS GROS DE CIMENTO, TORNANDO A PASTA MAIS COMPACTA.

MUITO FINA200 a 300 kg/m3

DENSIFICADA500 a 700 kg/ m3

TAMANHO DAS PARTCULAS:0,03m a 0,3 m

SLICA ATIVA

TIPOS DE CIMENTOCIMENTO PORTLAND COMUM (NBR 5732) COMPOSTO (NBR 11578) ALTO FORNO (NBR 5735) POZOLNICO (NBR 5736) ALTA RESISTNCIA (NBR 5733) SIGLA CPI CPI-S CP II E CPII F CPII Z CPIII CP IV CPV ARI CPV ARI RS (NBR 5737) C.P.C. C.P.C. com adio C.P. com escria C.P. com filer C.P. com pozolana

BRANCO (NBR 12989)

C.P. BRANCO ESTRUTURAL C.P. BRANCO NO ESTRUTURAL

ENSAIOS - COMENTRIOS XIDO DE MAGNSIO

NBR-5742

O XIDO DE MAGNSIO PODE EXISTIR NO CIMENTO EM DUAS FORMAS: AMORFA HIDRATA-SE FACILMENTE DURANTE A MISTURA DO CONCRETO. CRISTALINA (PERICLSIA) DE HIDRATAO LENTA, GERANDO EXPANSES NO CONCRETO APS SEU ENDURECIMENTO. PARA EVITAR OU ATENUAR SUA FORMAO CRISTALINA NO PROCESSO DE FABRICAO, O CLNQUER DEVER SOFRER RESFRIAMENTO BRUSCO, FORMANDO MAGNSIO AMORFO OU INTERMEDIRIO.

ENSAIOS - COMENTRIOSANIDRIDO SULFRICO (SO3) NBR 5745 EVENTUAL EXCESSO DE GESSO PODER PRODUZIR EXPANSES RETARDADAS NO CIMENTO (CONCRETO), PELA FORMAO DE ETRINGITA (SULFOALUMINATO DE CLCIO).

FINURAQUANTO MAIS ELEVADA FOR A FINURA DO MATERIAL REACIONANTE MAIOR SER A REAO DE HIDRATAO.

ENSAIOS COMENTRIOS

MASSA ESPECFICA NBR-6474 UM DADO NECESSRIO PARA O CLCULO PRECISO DA COMPOSIO DE UMA DOSAGEM DE CONCRETO. O VALOR MDIO PARA OS C.P. COMUM ENTORNO DE 3,0 g/cm3. APARELHO: DENSMETRO DE LE CHATELIER.

TEMPOS DE PEGA NBR 11581 FATORES QUE INFLUENCIAM NO TEMPO DE PEGA DO CIMENTO: - FINURA DO CIMENTO, COMPOSIO QUMICA, GRAU DE ENVELHECIMENTO DO CIMENTO, TEMPERATURA AMBIENTE, PROPORO DE GUA DE AMASSAMENTO. APARELHO: DE VICAT.

O QUER DIZER PEGA DO CIMENTO ?

QUANDO MISTURADO COM GUA, A PASTA RESULTANTE SE CONSERVA PLSTICA POR CURTO ESPAO DE TEMPO. AO INICIAR A REAO COM A GUA, A MISTURA COMEA A ENDURECER, O QUE CHAMAMOS DE PEGA DO CIMENTO. INICIADA A PEGA A PASTA COMEA A PERDER SUA PLASTICIDADE; SE REMEXIDA NESTE PERODO, A RESISTNCIA SERIAMENTE PREJUDICADA, PORQUE FOI PERTURBADA A CRISTALIZAO.

ENSAIOS COMENTRIOS CALOR DE HIDRATAO

NBR 8809

O VALOR DE CALOR DE HIDRATAO DO CIMENTO PORTLAND A DIFERENA ENTRE OS VALORES DE CALORES DE DISSOLUO DO CIMENTO ANIDRO E DE UMA PORO SEPARADA DO MESMO, QUE TENHA SIDO PARTICULARMENTE HIDRATADA DURANTE 7 DIAS OU 28 DIAS, EXPRESSA EM CALORIAS/GRAMA.

ENSAIOS COMENTRIOS RESISTNCIA COMPRESSO

NBR-7215

A PRINCIPAL PROPRIEDADE DO CIMENTO, CUJA FUNO AGIR COMO ELEMENTO DE UNIO ENTRE OS AGREGADOS QUE COMPE O CONCRETO. O ENSAIO DE RESISTNCIA COMPRESSO AVALIA A CATEGORIA A QUE PERTENCE O CIMENTO EM ENSAIO, OU SEJA, A CIFRA QUE ACOMPANHA A DESIGNAO DO CIMENTO, POR EXEMPLO C.P.III 32. A COMPOSIO QUMICA DO CIMENTO E EM ESPECIAL SUA COMPOSIO MINERALGICA POTENCIAL, INFLUE NAS RESISTNCIAS DO MATERIAL. - RESISTNCIAS INICIAIS ELEVADAS C3S e C3A - RESISTNCIAS FINAIS (A LONGO PRAZO) C2S

ENSAIOS COMENTRIOS ESTABILIDADE DE VOLUME

NBR 11582

NA COMPOSIO DO CIMENTO PODEM ENTRAR CERTOS COMPOSTOS CAPAZES DE PROVOCAR EM PRAZOS RELATIVAMENTE LONGOS, OU SEJA, APS SEU ENDURECIMENTO, EXPANSES PERIGOSAS PARA A DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO.

ENSAIOS - COMENTRIOSENSAIOS DAS AGULHAS DE LE CHATELIER A FRIO E A QUENTE.

A FRIO EVENTUAL EXPANSO PODE EVIDENCIAR A PRESENA DE TEORES ELEVADOS DE GESSO E/OU CAL LIVRE EM GROS MAIS FACILMENTE HIDRATVEIS.A QUENTE EVENTUAL EXPANSO PODE EVIDENCIAR A PRESENA DE CAL LIVRE E UMA PARTE DE MAGNSIO LIVRE EM FORMA DE PERICLSIA.

ENSAIO A QUENTE

ENSAIO A FRIO

ENVELHECIMENTO DO CIMENTOO CIMENTO ANIDRO QUANDO EM CONTATO PROLONGADO COM O AR, A UMA DETERMINADA TEMPERATURA, COM CERTO GRAU DE UMIDADE RELATIVA VARIVEL, E UMA PEQUENA QUANTIDADE DE CO2, SOFRE UMA SRIE DE REAES QUE AFETAM DIRETAMENTE OS COMPONENTES DO CLNQUER MODO, ORIGINANDO PRODUTOIS PARCIALMENTE HIDRATADOS E CARBONATADOS, INFLUINDO NO COMPORTAMENTO TECNOLGICO DOS CONCRETOS PREPARADOS COM TAIS CIMENTOS.