134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

  • View
    219

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    1/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    DIARIO DE

    PALESTRAS DE 5MINUTOS SOBRESAUDE,

    SEGURANÇA,QUALIDADE E

    MEIO AMBIENTE

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    2/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    INDÍCE

    PALESTRA 01 - POEIRAPALESTRA 02 - ÓCULOS DE SEGURANÇA

    PALESTRA 03 - MINI PERNEIRAPALESTRA 04 - AR COMPRIMIDOPALESTRA 05 - PROTEÇÃO RESPIRATÓRIAPALESTRA 06 - CONDIÇES PERIGOSAS !MAÇARICOS"PALESTRA 0# - E$EITOS DO RUÍDO NO SISTEMA AUDITI%OPALESTRA 0& - O CONTROLE DO RUÍDO'PALESTRA 0( - A ILUMINAÇÃO NO MEIO AMBIENTE'PALESTRA 10 - AERODISPERSÓIDES NO MEIO AMBIENTE PALESTRA 11 -LE%ANTAMENTO DE PESO E TRANS' DE OB)ETOS MANUALMENTEPALESTRA 12 - CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL - TQCPALESTRA 13 - %APORES EM TO*ICOLOGIAPALESTRA 14 - LE%ANTAMENTO DE PESO E TRANS' DE OB)ETOS MANUALMENTE

    PALESTRA 15 - TRANSPORTE E ELE%AÇÃO DE CARGASPALESTRA 16 - MANUSEIO+TRANSPORTE+ARMAENAGEM DE PRODUTOSQUÍMICOSPALESTRA 1# - %APORES - AGENTE QUÍMICOPALESTRA 1& - GASES EM TO*ICOLOGIAPALESTRA 1( - ATI%IDADE $ÍSICAPALESTRA 20 POEIRA - .IGIENE INDUSTRIALPALESTRA 21 - RUÍDOPALESTRA 22 - LEGISLAÇÃO AMBIENTALPALESTRA 23 - UNIDADES DE CONSER%AÇÃOPALESTRA 24 - RECICLAGEM DE RESÍDUOSPALESTRA 25 - RESÍDUOS INDUSTRIAIS

    PALESTRA 26 - PRODUTOS E CLIENTESPALESTRA 2# - PRODUTI%IDADE E SOBRE%I%/NCIAPALESTRA 2& - SEGURANÇA NO LAR PALESTRA 2( - DIAS DE DESCANSOPALESTRA 30 - PRESENTES DE NATALPALESTRA 31 - PRESENTES DE NATALPALESTRA 32 - CUIDADOS COM A PELEPALESTRA 33 - LIMPEA DAS MÃOSPALESTRA 34 - A SADEPALESTRA 35 - COLUNA %ERTEBRALPALESTRA 36 - PROTEÇÃO DOS PULMESPALESTRA 3# - .O)E NÃO O MESMO QUE ONTEMPALESTRA 3& - TODOS DE%EMOS PREOCUPAR-NOS PELA PRE%' DE ACIDENTESPALESTRA 3( - OS INCIDENTES SÃO AD%ERT/NCIAPALESTRA 40 - NINGUM DESE)A CULPAR NINGUMPALESTRA 41 - O$ICINA LIMPA UMA O$ICINA SEGURAPALESTRA 42 - ARRUMAÇÃO, LIMPEA E ORDENAÇÃO SO BONS .ABITOS'PALESTRA 43 - $IQUE ATENTO A %IDRO QUEBRADOPALESTRA 44 - PREPARAÇÃO DE REAS SEGURASPALESTRA 45 - ESTE)A ALERTA AOS RISCOS COM BATERIASPALESTRA 46 - LUBRI$ICAÇÃO E REPAROSPALESTRA 4# - ACIDENTES PODEM ACONTECER EM QUALQUER LUGAR PALESTRA 4& - IGNIÇÃO ESPONTNEA

    PALESTRA 4( - RECIPIENTE LÍQUIDOS IN$LAM%EISPALESTRA 50 - SOL%ENTES IN$LAM%EIS COMO MANUSEAR PALESTRA 51 - COMO PODEMOS PRE%ENIR INC/NDIOPALESTRA 52 - PROCEDIMENTOS CORRETOS PARA REABASTECIMENTO

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    3/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.PALESTRA 53 - DE MANEIRAS PARA CON%I%ER COM GASOLINA

    PALESTRA 54 - LIMPEA DE TAMBORESPALESTRA 55 - POEIRA E*PLOSI%APALESTRA 56 - RECIPIENTES DE SEGURANÇA

    PALESTRA 5# - $U)A DE INC/NDIOS''' ONDE QUER QUE %OC/ ESTE)APALESTRA 5& - E A RESPEITO DE PEQUENOS $ERIMENTOSPALESTRA 5( - PRIMEIROS SOCORROS PARA OS OL.OSPALESTRA 60 - ESTE)A PREPARADO PARA SAL%AR UMA %IDA COM PRIMEIROSSOCORROS EM CASOS DE ESTADO DE C.OQUEPALESTRA 61 - E*POSIÇÃO A SUBSTNCIAS POTENCIALMENTE PRE)UDICIAIS SADE OU PERIGOSASPALESTRA 62 - ARE)E OS GASES DE E*AUSTÃOPALESTRA 63 - SOL%ENTES COMUNSPALESTRA 64 - CIDOSPALESTRA 65 - ATERRAMENTOS POR PRECAUÇÃOPALESTRA 66 - CABOS DE E*TENSÃO

    PALESTRA 6# - C.OQUE ELTRICOPALESTRA 6& - EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃOPALESTRA 6( - PROTEÇÃO DAS MÃOSPALESTRA #0 - PROTEÇÃO PARA OS OL.OSPALESTRA #1 - COMPETIÇÃO PARA CABEÇAS DURASPALESTRA #2 - O %ALOR DO CAPACETE DE SEGURANÇA ) $OI APRO%ADOPALESTRA #3 - LESES NAS COSTASPALESTRA #4 - MANUSEIE CARGAS COM SEGURANÇAPALESTRA #5 - CARRIN.OS DE MÃOPALESTRA #6 - EMPIL.ADEIRAS - AS MULAS DE CARGA DO TRABAL.OPALESTRA ## - IÇAMENTO MECNICO E OUTROS EQUIPAMENTOS MOTORIADOSPALESTRA #& - DICAS DE SEGURANÇA PARA OPERAÇÃO COM GUINDASTE MÓ%EL

    PALESTRA #( - SEGURANÇA COM CABOS DE AÇOPALESTRA &0 - PRTICAS DE SEGURANÇA NA UTILIAÇÃO DE ESCADASPALESTRA &1 - PENSE EM SEGURANÇA QUANDO USAR ANDAIMESPALESTRA &2 - SEGURANÇA COM MQUINAS OPERATRIES EM O$ICINASPALESTRA &3 - O ESMERILPALESTRA &4 - SEGURANÇA COM PRENSA+$URADEIRA PARA METALPALESTRA &5 - DICAS SOBRE $ERRAMENTASPALESTRA &6 - C.A%ES DE $ENDA - $ERRAMENTA MAIS SU)EITA A ABUSOSPALESTRA - USE OS MARTELOS COM SEGURANÇAPALESTRA && - PRE%ENÇÃO DE ACIDENTES COM C.A%ES DE BOCAPALESTRA &( - PORQUE INSPECIONAR $ERRAMENTAS E EQUIPAMENTOSPALESTRA (0 - REGRAS DE SEGURANÇA PARA $ERRAMENTAS ELTRICASPALESTRA (1 - SEGURANÇA COM $ACASPALESTRA (2 - $URADEIRAS ELTRICAS PORTTEISPALESTRA (3 - SEGURANÇA COM GS COMPRIMIDOPALESTRA (4 - O O*IG/NIOPALESTRA (5 - O ACETILENOPALESTRA (6 - SOL%ENTES ORGNICOSPALESTRA (# - O RUÍDO7 %AMOS NOS PROTEGER PALESTRA (& - A IN$LU/NCIA DO CALOR NO TRABAL.OPALESTRA (( - REAÇES EMOCIONAIS AO ACIDENTE DO TRABAL.O'PALESTRA 100 - CRIANÇAS NO TRNSITOPALESTRA 101 - L'E'R' L89:89 ;

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    4/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 106 - DICAS DE SEGURANÇA PARA DIRIGIR EM DIAS C.U%OSOS'PALESTRA 10# - OS DE%ERES DO MOTORISTAPALESTRA 10& - A CURIOSIDADE E*CESSI%A'

    PALESTRA 10( - TRNSITO UM DESA$IO NO DIA A DIA'PALESTRA 110 - O PAPEL INTIMIDATI%O DA LEI'PALESTRA 111 - A RESPONSABILIDADE DE CADA UM NA PRE%ENÇÃO DEACIDENTES'PALESTRA 112 - $RIAS'PALESTRA 113 - NÃO DEI*E QUE O ACIDENTE'ESTRAGUE SUA $ESTA'PALESTRA 114 - COMO AGIR NUM NE%OEIROPALESTRA 115 - MANEIRA CORRETA DE TRABAL.AR SENTADO'PALESTRA 116 - COMO DIRIGIR UM CARRO USANDO O $REIO CORRETAMENTE'PALESTRA 11# - POSTURA CORPORAL'PALESTRA 11& - POSTURA COMPORTAMENTAL $ATOR BSICO NA SEGURANÇAINDUSTRIAL

    PALESTRA 11( - COMO DIRIGIR BICICLETAS'PALESTRA 120 - RESPEITO SINALIAÇÃO'PALESTRA 121 - QUANTO CUSTA UM ACIDENTEPALESTRA 122 - INCIDENTES, QUASE-ACIDENTES, SUSTO'PALESTRA 123 - LEI NR' 01 - MOTORISTA PRUDENTE'PALESTRA 124 - UM AMIGO QUE NÃO QUERO PERDER'PALESTRA 125 - A ATITUDE E O A)USTAMENTO NO POSTO DE TRABAL.O'PALESTRA 126 - CORRIDA MATINAL'PALESTRA 12# - MEDIDAS PRE%ENTI%AS CONTRA INC/NDIO $LORESTAL'PALESTRA 12& - ECOLOGIA DO TRABAL.O'PALESTRA 12( - MENOR NO %OLANTE7PALESTRA 130 - PROTEGENDO AS MÃOS'

    PALESTRA 131 - A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E OS EPI9'PALESTRA 132 - TRABAL.ADORES MAIS SEGUROS'PALESTRA 133 - TEMPO DE 5S'PALESTRA 134 - PADRES MÍNIMOS DE SEGURANÇA'

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    5/104

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    6/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 01 - POEIRA

    ) p; * constitu0do por part0culas geradas mecanicamente, resultantes de operações tais como<manuseio de min*rios, limpe5a, abrasiva, corte e polimento de peças(A maior porcentagem de part0culas arrastadas pelo ar, $orma de p;, tem menos de = m0cron>m0cron - mil*sima parte do mil0metro?( Devemos ter presentes &ue as part0culas de taman#oin$erior a microns, são as &ue o$erecem maior risco, por constitu0rem a c#amada $raçãorespir.vel, as de maior taman#o sedimentam e não são comumente inaladas() p; inorg/nico de maior import/ncia do ponto de vista da sa1de ocupacional * a s0lica livrecristali5ada, &ue * ac#ada em grandes &uantidades na crosta terrestre $ormando parte deroc#as, min*rios, areias, etc((@m ambiente de trabal#o poeirento pode produ5ir uma situação de risco aos trabal#adoresexpostos e, considerando os e$eitos da poeira sobre o organismo #umano a medicina esegurança do trabal#o recomenda a eliminação deste risco atuando em tr8s pontos<= - Sobre o $oco de geração< com o ob%etivo de impedir sua $ormação, com emprego dem*todos 1midos, enclausuramento do processo, ventilação local exaustora e manutenção( >ex(despoeiramento da sinteri5ação?( - Sobre o meio pelo &ual se di$unde< para impedir &ue se estenda e atin%a n0veis perigososno ambiente de trabal#o, limpe5a, ventilação geral exaustora ou diluidora, aumento dedist/ncia entre o $oco e receptor( >ex( vedação do pr*dio de britagem e peneiramento deco&ue?(

    B - Sobre o receptor< protegendo o trabal#ador para &ue a poeira não se penetre em seuorganismo e, orientando-os sobre os cuidados necess.rios nestas .reas, treinamento eeducação, limitação do tempo de exposição, e&uipamento de proteção individual, examesm*dicos pr*-$uncional e peri;dicos( >ex( uso ade&uado do respirador para p;s e n*voas &uedeve ser usado como complementação de medidas de controle ao n0vel de pessoal?(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    7/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 02 - ÓCULOS DE SEGURANÇA

    A proteção dos ol#os * um dos pontos importantes na prevenção de acidentes e a $inalidadesdos ;culos de segurança * proteg8-los contra part0culas s;lidas pro%etadas e ou emsuspensão()s ;culos de segurança são constitu0dos de armação em acetato de celulose cor preta, com

     protetores laterais em tela de aço inoxid.vel, #aste de acetato, lentes incolores de cristal devidro ;tico corrigido e endurecido, resistentes e altos impactos() nome o$icial do e&uipamento * ;culos de segurança, #aste convencional ou meia #aste comel.stico, e * $ornecido nos aros , E, mm(As peças de reposição deste 4PI são < #aste, proteção lateral, lentes( As unidades de trabal#oatrav*s de suas $erramentarias, estão recebendo treinamento e $erramentas para a%ustes ereparos nos ;culos(Para ser aprovado em nossa empresa, os ;culos de segurança deve ser con$eccionadosegundo as normas da AGH" e possuir o C A >certi$icado de aprovação?(Praticamente em toda .rea da usina, existe uma grande variedade de riscos &ue podem ter como conse&8ncia a lesão nos ol#os( 3 por isto, &ue os ;culos de segurança * considerado4PI b.sico, ou se%a, * indicado e de uso obrigat;rio para todo empregado ou pessoa &uetrabal#e ou transite na .rea da usina(9ecomendações sobre o uso e conservação<

    • ) ;culo deve a%ustar-se per$eitamente ao rosto, sem deixar aberturasJ• A #aste ou el.stico deve manter os ;culos $irmes no rosto, por*m sem incomodar ou

    mac#ucarJ

    • @se-se constantemente durante todo o tempo &ue permanecer no trabal#o para o &ual$or designadoJ

    • Ao colocar ou retirar não segure os ;culos apenas por uma #aste, mas pelas duas aomesmo tempoJ

    • Kimpe as lentes somente com tecido ou papel limpo e macioJ

    •  Hão deixe &ue as lentes ten#am contato com &ual&uer super$0cie, colo&ue os ;culos

    com as lentes sempre para cimaJ•  Hão o guarde ou carregue-o nos bolsos traseiros das calçasJ

    •  Hão o transporte %unto de $erramentasJ

    •  Hão o abandone %unto a $ontes de calorJ

    •  Hão deixe em local onde possa receber respingos de ;leo, graxa, .cidos, corrosivos,solventes ou &ual&uer subst/ncia &ue possa dani$ic.-loJ

    •  Hão use os ;culos com de$eitos >$alta de proteção lateral, el.stico ou #aste dani$icadaou lentes riscadas?J

    • 4m locais su%eitos a embaçamento das lentes, use o l0&uido anti-embaçante(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    8/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 03 - MINI PERNEIRA

    As mini perneiras tem por $inalidades proteger a parte in$erior da perna, o torno5elo, e odorso do p; contra riscos de acidentes de origem mec/nica ou t*rmica(9iscos de origem mec/nica< batida contra, golpes por ob%etos em movimento, golpes por ob%etos cortantes, &ueda decorrente de entrelaçamento(9iscos de origem t*rmica< exposição a temperaturas extremas, pro%eções de part0culasincandescentes, respingos de metais em $usão(A indicação da mini perneira * $eita por cargo posto e encontra-se no manual dee&uipamento de proteção individual de cada unidade de trabal#o, por*m * necess.rio &uetodos ten#am in$ormações adicionais das suas caracter0sticas t*cnicas e de alguns cuidados nautili5ação e conservação(São utili5ados dois tipos de mini perneiras, uma con$eccionada em lona pesada e a outra emraspa de couro curtido ao cromo(4xceto pelo material com &ue são con$eccionadas, as mini perneiras tem as seguintescaracter0sticas comuns<

    • a%ustagem $eita por $ec#os tipo velcro com &uatro partes para mel#or $ixaçãoJ

    •  passante de va&ueta com a%ustagem $eita em uma das extremidades com $ec#o tipovelcro, par manter a mini perneira na altura ade&uada da pernaJ

    • costuras com lin#a de algodão re$orçadaJ

    • desen#o anatLmico(

    A indicação da mini perneira de lona ou raspa * $eita em $unção do grau dos riscos existentesnos locais de trabal#o<

    • A mini perneira de lona * indicada para riscos de baixo grau, tais como< batidas levescontra peças e ob%etos não per$urantesJ contactos com arestasJ super$0cies .speras ouabravisasJ exposição ou contacto com pro%eção de respingos part0culas de metais atemperaturas baixas e m*dias(

    !ini perneira de raspa tem sua indicação para riscos mais severos tais como< impactos provocados por ob%etos cortantes ou per$urantesJ contato com peças, super$0cies e oumateriais abrasivosJ exposição ou contato com pro%eções de part0culas respingosincandescentesJ calor irradiante(9ecomendações sobre o uso e conservação

    • !anten#a a mini perneira bem a%ustada na perna, atrav*s dos $ec#os tipo velcro(

    • 4vite umidade, se mol#ada, secar . sombraJ

    •  Hão altere a mini perneira cortando o passanteJ

    •  Hão use mini perneira rasgada,

    • 7uais&uer d1vidas consultem o t*cnico de segurança do trabal#o da sua atividade(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    9/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 04 - AR COMPRIMIDO

    ) Ar comprimido * muito utili5ado nas ind1strias e pode ser considerado tão importantecomo a energia el*trica ou a mat*ria-prima( 4ntretanto por estarem comprimidos, o ar eoutros gases de uso industrial, re&uerem manipulação delicada e precauções especiais paraseu uso( Se $or mau empregado ou estiver $ora de controle ou com seus acess;rios como<Conexões, manLmetros, maçaricos, mangueiras, c#ave de conexão, não es&uecendo dav.lvula corta-c#amas, mantendo o con%unto durante ou ap;s uso, $ixado para &ue não ven#a aso$rer &uedas(Como * de con#ecimento da maioria dos &ue atuam na .rea de Segurança e sa1de do"rabal#ador, o ar comprimido, muitas ve5es * usado de $orma inade&uada ou se%a a pratica deatos inseguros pLr parte de alguns $uncion.rios, comum em .reas de muita poeira ,$uncion.rios utili5am o ar comprimido para limpar a roupa, como tamb*m nas *pocas&uentes, para se re$rescarem( Atos desta nature5a poder. acarretar s*rias conse&8ncias aa&ueles &ue pLr descon#ecimento ou ignorar os preceitos de segurança ven#a a cometer estasimprud8ncias(A > 8

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    10/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 05 - PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

    A m.scara E * indicada para proteção do trabal#ador contra poeiras incLmodas, taiscomo< Celulose >$ibras de papel?, p; de serragem, poeira de esmeril#amento, caolin, amido,alumina, cosm*ticos, carbonato de c.lcio, silicato de c.lcio, silicone, estereatos, sacarose edi;xido de tit/nio( 4stas poeiras &uando inaladas não causam danos ao sistema respirat;rio,não $ormam tecidos $ibrosos >nodulações e dep;sitos tecidos &ue recobrem as viasrespirat;rias, tornando-os r0gidos e sem elasticidade?, causando nestes tecidos apenas reaçõesal*rgicas revers0veis, não provocando doenças org/nicas >subst/ncias &ue passam atrav*s dos

     pulmões ao sangue, mas a$etando outros ;rgãos do corpo #umano? e não produ5indo e$eitost;xicos pLr serem $acilmente excretados pelo organismo, sem deixar res0duos( 4sta m.scaranão possui o certi$icado de aprovação expedido pelo !inist*rio do "rabal#o, portanto est. emdescon$ormidade com a Portaria B=NE - Horma 9egulamentadora >4PI?, não sendo

    caracteri5ada como 4PI >4&uipamento de Proteção Individual?(Assim $ica terminantemente proibido o uso da m.scara E em .reas onde #. poeirast;xicas, tais como< $erro, s0lica livre cristali5ada, mangan8s e $umos de solda(A exposição cont0nua a estas poeiras e $umos sem a devida proteção, provocar. danosirrevers0veis ao sistema respirat;rio, podendo a$etar outros ;rgãos do corpo :umano()s respiradores sem manutenções ou se%a descart.veis, utili5ados pela [email protected]!IC são<

    • &&00 - Indicado para poeiras t;xicas - Fabricante B!

    • &&01 - Indicado para poeiras t;xicas e $umos de solda - $abricante B!

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    11/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 06 - CONDIÇES PERIGOSAS NO USO DE MAÇARICOS

    Antes de &ual&uer coisa, vamos de$inir o instrumento de trabal#o con#ecido pelo nome+maçarico("rata-se de um aparel#o no &ual se processa a mistura sob determinada pressão de um g.scomburente com outro combust0vel(Depois de in$lamada, esta mistura produ5 uma c#ama, com uma temperaturaaproximadamente de B( graus cent0grados, portanto, capas de $undir os metais &ue nãoconten#am mais de =,O de carbono( Qamos con#ecer esses gases(

    ACETILENO - 3 um g.s incolor de c#eiro caracter0stico e altamente combust0vel( Suanotação &u0mica * C:( 3 um composto inst.vel, su%eito a violentas explosões &uando sedecompõe( PLr esse motivo, este g.s não deve ser comprimido, &uando puro, para suportar 

     pressões superiores a =Kb(Pol( 4m determinadas condições, &uando em contato com a prata, merc1rio e cobre, pode provocar explosões(PRECAUÇES NO MANUSEIO DOS CILINDROS'

    •  Hunca deixar os cilindros de Acetileno diretamente sob o solJ• )s cilindros deverão ser arma5enados em locais ade&uados e segurosJ

    • 4vitar os c#o&ues, &uedas ou golpes com os cilindros de AcetilenoJ

    •  Hão utili5ar &ual&uer peça ou tubo de cobre ou latão, para a circulação doAcetilenoJ

    • @sar sempre um regulador de Acetileno, ligado 6 v.lvula do cilindro, se%a &ual $or 6aplicação dada ao g.s(

    E$EITOS

    ) acetileno * um g.s anest*sico, não venenoso( Suas concentrações muito altas em ambientes$ec#ados su$ocarão o ser #umano, em virtude da exclusão do oxig8nio()s trabal#os em altas estruturas, onde as vertigens podem ocasionar, &uedas, com gravesconse&8ncias, deve-se ter o cuidado de não respirar muito o acetileno(O*IG/NIO - 3 um g.s comburente, incolor e ins0pido, seu s0mbolo * ) e seu peso * B(Conv*m mencionar &ue, no ar, o oxig8nio entra na proporção de = e o nitrog8nio com&uase NO( 4m pe&uenas &uantidades, existem ainda, na composição do ar, os c#amadosgases raros, são eles< :*lio, RenLnio, ArgLnio e o CriptLnio(PRECAUÇES GERAIS<

    •  Hunca utili5e oxig8nio em aparel#os para os &uais se%a necess.rio o ar comprimidoJ

    • 4vite &ual&uer contato de ;leo ou graxa, com &ual&uer parte do cilindro, da rede,reguladores ou dos seus acess;rios( ) ;leo ou a graxa pode $ormar compostos e&ueimar violentamente, na presença do oxig8nio(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    12/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    • Ao ligar diretamente o maçarico e observar<

    Se #. &ual&uer va5amento de oxig8nio e acetileno, no maçarico, reguladores, v.lvula#idr.ulica, mangueira e v.lvula de retençãoJ

    J )bservar a tabela progressiva de regulagens como padrão, pelas $.bricas de

    maçaricosJ Mamais utili5ar o oxig8nio para re$rigerar o ambiente de trabal#o( PLr ser altamentecomburente, isto *, pLr ativar a combustão, altas concentrações poderão ocasionar combustão, seguida de explosão(

    O RETROCESSO DA C.AMA) manuseio incorreto do maçarico pode causar o retrocesso da c#ama( 4sta se apaga com umestalo( Principais causas<a? - "o&ue do bico do maçarico na peçaJ

     b? - ) super a&uecimento do bico do maçaricoJc? - @tili5ação de pressões inade&uadasJd? - Gico mal apertadoJe? - Su%eira na sede do bico do maçarico$? - Qa5amentoJ7uando o motivo do retrocesso tiver sido determinado e eliminado o seu agente, o maçarico

     poder. ser aceso novamente, pela maneira usual(ENGOLIMENTO DA C.AMA) engolimento da c#ama, ocorre, &uando a c#ama &ueima de volta para dentro do maçarico,comumente com um silvo agudo(N< 9< 8

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    13/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 0# - E$EITOS DO RUÍDO NO .OMEM E SOBRE O SISTEMAAUDITI%O

    A conse&8ncia mais evidente * a [email protected], &ue depende de alguns $atores, como<Intensidade, tipo de ru0do-cont0nuo, intermitente ou impacto, sua &ualidade >sons agudos?>são mais pre%udiciais &ue os graves?, susceptibilidade individual, tempo de exposição e aidade( A surde5 pode ser dividida em tr8s grupos &ue são<

    • "empor.ria,

    • Permanente,

    • "rauma ac1stico,

    A 9H=8 @8;

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    14/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 0& - O CONTROLE DO RUÍDO

    A regra b.sica para garantir de &ue não #aver. se&elas >Perda Auditiva? * redu5ir aexposição e o ideal no processo de controle * redu5ir o HPS - H0vel de Pressão SonoraJ a umvalor no &ual não se provo&ue o descon$orto( ) m*todo mais recomendado, desde &ue seapresentem condições de viabilidade, * o de controle na $onte, seguido do controle na via detransmissão no tra%eto entre a $onte de origem e o atingido e a proteção individual()s protetores auditivos >4PITs?, como dispositivos &ue di$icultam a passagem do som,

     podem ser do tipo PLUG ou do tipo CONC.A()s do tipo ;KH são colocados no canal auditivo e podem ser descart.veis ou pr*-moldados(4stes necessitam de uma correta colocação no canal auditivo, t8m &ue observar umadimensão ade&uada e não podem $erir o canal e re&uerem um a%uste per$eito, mantendo umarigorosa #igiene, para &ue não ven#a a levar su%eira para a .rea interna do ouvido, &ue

     posteriormente causar. in$ecções no aparel#o auditivo( )s do tipo

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    15/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 0( - A ILUMINAÇÃO NO MEIO AMBIENTE

    A $onte luminosa mais importante para o meio ambiente * o sol, por&ue ele emite lu5 e calor,essencial a vida #umana, vegetal e animal( Se esta iluminação $altar, com certe5a ser.interrompido o processo de $otoss0ntese nas plantas, ir. modi$icar o comportamento dosanimais como tamb*m dos seres #umanos( Pois a $otoss0ntese * um processo &ue combinamaterial &u0mico em produtos org/nicos &ue servem para sustentar as plantas e animais,tendo a import/ncia, em dar in0cio a cadeia alimentar, na &ual * baseada toda a vida superior inclusive os seres #umanos(A $alta ou excesso de iluminação pode mudar o nosso comportamento, a$etar. nossa visão,nos proporcionando a ocorr8ncia de acidentes, ansiedade e doenças("emos &ue estar trabal#ando em um ambiente em &ue o 0ndice de iluminação se%a ade&uado,

     para execução de nossas atividades, evitando assim a $adiga visual(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    16/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 10 - AERODISPERSÓIDES NO MEIO AMBIENTE

    Aerodispers;ides são part0culas ou got0culas extremamente pe&uenas em suspensão naatmos$era ou ambiente de trabal#o, &ue são transportados pela corrente de ar, estas sãogeradas pela ruptura mec/nica de s;lidos como minerais ou vegetais pulveri5ados a &uec#amamos de poeira( como tamb*m os materiais l0&uidos &ue originam os vaporesdecorrentes da evaporação de .gua, combust0veis e outras subst/ncias vol.teis(4 estes são considerados poluentes do ar ou ambiente de trabal#o, com exceção do vapor da.gua pura, &ue $ormam as nuvens( )s demais aerodispers;ides são caracteri5ados poluentesdevido as suas caracter0sticas $0sicas e &u0micas, &ue os $a5em nocivos a sa1de e bem estar dos seres vivos e ecossistemas(A poeira, por exemplo, * um poluente nocivo a sa1de, por&ue pode provocar doenças

    respirat;rias e al*rgicas, tanto nos #omens &uanto nos animais(7uanto aos gases, vapores, podem causar doenças, alergia e intoxicação, nos #omens,animais e at* plantas, &ue .s ve5es indu5indo a morte precoce(4stes aerodispers;ides podem ser detectados e &uanti$icados &uando presentes na atmos$era,atrav*s do c#eiro, odor, per$ume ou atrav*s de aparel#os &ue coletam amostras em suspensão(

     Hunca entre em um ambiente $ec#ado, onde são arma5enados produtos &u0micos, pois aconcentração de aerodispers;ides poder. ser o su$icientemente letal(

    PALESTRA 11 - LE%ANTAMENTO DE PESO E TRANSPORTE DE OB)ETOSMANUALMENTE 

    Kevante o peso de maneira correta( !anten#a suas costas ereta, $irme os m1sculosabdominais e $aça suas pernas receberem a maior parte do peso a ser erguido(

    ) es$orço * na Para levantar Ugcoluna vertebral manten#a a coluna

    verticalKembre-se de &ue o #omem não * guindaste( Peça sempre auxilio, nos transportes emanuseios pesados(Suas mãos não são alavancas3 importante transportar materiais compridos sempre no mesmo ombro para evitar descompasso(

    Ao transportar materiais de grande extensão, cuidado para não atingir outros empregados &uese deslo&uem em sentido contrario(Colocar o material no mesmo ombro

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    17/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.Cuidado ao manusear peças com rebarbasJ use sempre luvas nos transportes manuseio dessetipo de peças(

    QUALIDADEPALESTRA 12 - CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL - TQC

    [email protected] empresa #onesta, s; pode sobreviver dentro de uma sociedade se $or para contribuir  para a satis$ação das necessidades das pessoas(  Qicente Falconi Campos,

    ) "7C * um sistema administrativo aper$eiçoamento no Mapão a partir de id*ias de doisamericanos &ue l. estiveram logo ap;s o t*rmino da a 'uerra !undial(As )rgani5ações :umanas >escolas, empresas, #ospitais, clubes, etc(? são meios destinados asatis$a5er as necessidades das pessoas(Controlar uma +)rgani5ação #umana signi$ica identi$icar &uais $oram os resultados nãoalcançados >$ora de controle?J analisa-los, veri$icando &uais $oram 6s causas de agir sobreessas causas para mel#orar os resultados para todos(4ntão, devemos medir os resultados para saber se esse ob%etivo $oi atingido ou não<= - !edir a &ualidade dos produtos ou serviços( - As reclamações dos clientes >produtos ou serviços com de$eito?(B - Custo dos produtos ou serviços( - )s atrasos na entrega dos produtos( - moral dos $uncion.rios &ue produ5em >absente0smo, acidentes, turnover n0vel salarial,crescimento pro$issional etc(?("7C * o controle exercido por todas as pessoas para a satis$ação das necessidades de todas as

     pessoas(Portanto, se o ob%etivo $inal de uma empresa * satis$a5er as necessidades de todas as pessoas(

    )b%etivo das empresas<P4SS)AS !4I)S [email protected]"AD)Clientes 7ualidade Satis$ação das necessidades4mpregados Crescimento do ser #umano das pessoasAcionistas Produtividade >lucro?Qi5in#os Contribuição Social >impostos?

    SADEPALESTRA 13 - %APORES EM TO*ICOLOGIA

    3 a $ase gasosa de uma subst/ncia, &ue em condições normais de temperatura e pressão *s;lida ou l0&uida(E8;K

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    18/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.As boas condições de ordem, limpe5a e asseio geral, ocupam uma posição c#ave num sistemade proteção ocupacional(

    SEGURANÇAPALESTRA 14 - LE%ANTAMENTO DE PESO E TRANSPORTE DE

    OB)ETOS MANUALMENTE

    Ao levantar um volume, agac#ar-se o mais perto poss0vel do mesmo(4vitar os pontos &ue podem causar lesões >esmagamento ou corte?(!anter a espin#a >coluna vertebral? reta e na vertical()s braços devem estar o mais pr;ximo poss0vel do corpo(9espirar $undo e segurar o ar nos pulmões durante o levantamento(Kevantar o volume pouco a pouco, esticando as pernas(

    PALESTRA 15 - TRANSPORTE E ELE%AÇÃO DE CARGAS

     Hão permaneça embaixo das cargas suspensas(• Inspecione sempre materiais, e&uipamentos e utens0lios de transportes(

    • @se sempre cabos e estropos de aço em boas condições de utili5ação(

    • Antes do içamento da peça, o pessoal de transporte deve inspecionar toda a amarraçãoda mesma para evitarem imprevistos(

    • @se sempre pedaços de madeira para evitar cantos vivos nos cabos e estropos de aço e,se poss0vel, amarre calços de madeira(

    • Certi$i&ue-se de &ue o ganc#o do guindaste não est. excessivamente aberto e sem atrava de segurança(

    SADETO*ICOLOGIAPALESTRA 16 - MANUSEIO + TRANSPORTE + ARMAENAGEM DE PRODUTOSQUÍMICOS

    De acordo com as Hormas 9egulamentadoras do !inist*rio do "rabal#o, a caracter0stica$undamental de um agente &u0mico, pertencente a um determinado produto &u0mico, est. notempo de exposição a &ue o empregado $ica submetido ao agente &u0mico e ao limite m.ximoou toler/ncia em &ue este não produ5 &ual&uer dano 6 sa1de do empregado("odo produto &u0mico dever. tra5er no lado externo de sua embalagem suas caracter0sticas

    $0sicas e &u0micas, bem como o cuidado com o seu manuseio, a maneira correta detransport.-lo e principalmente como deve ser arma5enado e tamb*m o &ue $a5er em caso deintoxicação com o produto( Devemos diluir o produto nas &uantidades recomendadas e usar os 4PITs recomendados("odo produto com &ualidade deve conter em sua embalagem todos estes dados( Produtos&u0micos sem &ual&uer identi$icação externa não deve ser manipulado nem como teste ( Suaidenti$icação deve ser completa , clara e ob%etiva(+7uando não con#ecemos a subst/ncia &u0mica não devemos manuse.-la, pois nãosaberemos agir &uando esta subst/ncia estiver pre%udicando nosso organismo(

    SADEPALESTRA 1# - %APORES - AGENTE QUÍMICO

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    19/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.)s +vapores se comportam de maneira di$erente, tanto no &ue di5 respeito do per0odo de

     perman8ncia no ar, &uanto 6s possibilidades de ingresso no organismo em relação aos+gases(A principal via de ingressos * a respirat;ria, %. &ue o pulmão tem de E a O m de super$0ciealveolar, &ue * onde ocorre a troca de subst/ncias atrav*s da respiração( 4sta grandesuper$0cie $acilita a absorção de gases e vapores, os &uais podem passar ao sangue, para

    serem distribu0dos a outras regiões do organismo() vapor * conceituado como sendo a $ase gasosa de uma subst/ncia, &ue a cent0grados eN mm#g * l0&uida ou s;lida( Como exemplos citaremos os vapores de .gua, vapores degasolina , vapores de na$talina, etc(((Desta maneira, os vapores como os gases podem ser classi$icados ou divididos em irritantes,anest*sicos e aspirantes( 4sta classi$icação baseia-se no e$eito mais importante, maissigni$icativo sobre o organismo( Assim sendo as recomendações para o uso de 4PITs paragases vale para vapores(

    SADEPALESTRA 1& - GASES EM TO*ICOLOGIA

     )s res0duos gasosos deverão ser eliminados dos locais de trabal#o atrav*s de m*todos,e&uipamentos ou medidas ade&uadas, sendo proibido o lançamento ou a liberação de&uais&uer contaminantes gasosos se ultrapassarem os limites de toler/ncia estabelecidos pela

     Horma regulamentadora(7uando os gases não são considerados res0duos, ou se%a, participam diretamente em algum

     processo, a toxide5 est. diretamente ligada a &uantidade de g.s existente na atmos$era(:. retenção de g.s poder. acarretar inc8ndios, explosões e intoxicações(A via pre$erencial de contaminação por gases * a via respirat;ria e por isto sua ação noorganismo * muito r.pida(

    )s gases &uando liberados em um ambiente $ec#ados tendem a ocupar todos os espaços(7uando executamos uma tare$a em &ue #. liberação de gases, devemos usar sempre o tipoade&uado de proteção para a&uele tipo de g.s()s gases em combustão são tamb*m muito perigosos, principalmente &uando provem da&ueima de in$lam.veis(

    SADEPALESTRA 1( - ATI%IDADE $ÍSICA

    3 a maneira pela &ual $a5emos com &ue nosso corpo se movimente(

    A atividade $0sica busca tornar as pessoas mais auto con$iantes, menos deprimida e com maisresist8ncia, levando a uma longevidade ou tempo de vida maior, diminuindo a morte precoce>antes dos anos?(A inatividade $a5 com &ue as pessoas morram %ovens, por problemas do coração na maioriadas ve5es( ) coração, * um m1sculo e por isso precisa estar sempre em $orma(7ual&uer pessoa pode $icar em $orma praticando uma atividade $0sica ap;s consultar umm*dico( 3 necess.rio &ue se%a praticada devagar, especialmente no in0cio, pois o corpo e amente levam certo tempo para se acostumarem 6s tensões da atividade $0sica(P9A"[email protected] 4R49CVCI)S 94'@KA9!4H"4, P4K) !4H)S D4 [email protected] A [email protected]"9)Q44S P)9 S4!AHA(

    PALESTRA 20 - POEIRA 1 - .IGIENE INDUSTRIAL

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    20/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.A poeira * de$inida como a gente &u0mico $ormado de part0culas s;lidas, produ5idas por ruptura mec/nica de s;lidos("odo p; est. constitu0do por part0culas geradas momentaneamente, resultantes de operações,tais como< moenda, per$urações, explosões, manuseio de min*rios, limpe5a abrasiva , corte e

     polimento de granitos(De todas as part0culas arrastadas pelo ar, as de maior import/ncia são a&uelas cu%o taman#o *

    in$erior a microns, pois são capa5es de atingir o interior de nossos pulmões(As part0culas superiores a microns tendem a se sedimentar e desta maneira não sãoinaladas() p; inorg/nico de maior import/ncia para a sa1de do trabal#ador * a s0lica livre, a &ualencontramos na crosta terrestre em torno de () nosso ambiente por ter umidade muito alta, a s0lica livre tende a se precipitar(

    MEIO AMBIENTEPALESTRA 21 - RUÍDO

    @m ru0do caracteri5a-se pela $alta de uni$ormidade e #armonia, por isso * classi$icado como+som desagrad.vel(3 poss0vel medir um ru0do con#ecendo o con%unto +intensidade e $re&8ncia das vibrações

     propagadas( W medida deste con%unto d.-se o nome de D4CIG4K >db? &ue * uma unidade deintensidade $isiol;gica, pois &uanti$ica as relações entre est0mulo e sensações provocadas

     pelas vibrações sonoras() controle dos n0veis de ru0dos em uma determinada .rea * espec0$ico e depende de crit*riosassociados a $atores como tipo de $onte, laXout, material constituinte dos ob%etos e deconstrução do local(7uando a eliminação do ru0do * imposs0vel, buscam-se as medidas para atenuação do

    $enLmeno, procura-se atrav*s de estudos e ações, evitar &ue o ru0do se propague no ambiente por averberação alterando-se laXout, cobrindo total ou parcialmente $ocos de ru0do oumodi$icando a composição de partes m;veis de alguns e&uipamentos(  3 importante &ue se%am con#ecidos e monitorados os n0veis de ru0do para se classi$icar .reas ambientais e ocupacionais em pr;prias ou impr;prias para a utili5ação, bem comosugerir medidas preventivas ou atenuadoras do descon$orto provocado pelo ru0do(

    MEIO AMBIENTEPALESTRA 22 - LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

    INTRODUÇÃO

    A partir da promulgação da Constituição em =OEE, ocorreram mudanças pro$undas nosistema de compet8ncias ambientais(A mat*ria +!4I) A!GI4H"4 passou a ser legislada nos planos $ederal, estadual emunicipal, alguns setores, como, por exemplo, energias nucleares, p;los petro&u0micos etransporte, ainda são de compet8ncia $ederal(

    R89;

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    21/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.As penalidades para os crimes ambientais podem variar de = a B anos de reclusão, al*m do

     pagamento de uma multa, a ser estipulada pela %ustiça(Al*m disso, a pena ao in$rator pode ser dobrada caso o crime ambiental resulte em danoirrevers0vel 6 $auna, 6 $lora e ao meio ambiente, lesão corporal grave, se a poluição $oi

     provocada por atividade industrial ou de transporte e se o crime $oi praticado durante a noite,em dia de domingo ou $eriado(

    "amb*m serão responsabili5adas as autoridades competentes &ue deixarem de promover asmedidas necess.rias para impedir a pr.tica de crimes ambientais(

    MEIO AMBIENTEPALESTRA 23 - UNIDADES DE CONSER%AÇÃO

    ) termo [email protected] de Conservação * designado tanto 6s .reas destinadas a preservação domeio ambiente como tamb*m a&uelas &ue visam a utili5ação disciplinada dos recursosnaturaisT(WA $K

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    22/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.4ste programa tra5 vantagens ecol;gicas e econLmicas, pois vai retirar do meio ambientetoda a sobra de autom;veis e reaproveitar. a mat*ria prima normalmente desperdiçada, al*mde componentes como para p.ra-c#o&ues, $reios, dutos de ar, etc(((

     Ho contexto mundial o Grasil est. longe do ideal em seus programas de reciclagem deres0duos, mas * importante &ue todos continuem na busca de alternativas parareaproveitamento da&uilo &ue %ogamos $ora(

    MEIO AMBIENTEPALESTRA 25 - RESÍDUOS INDUSTRIAISD8>?F< 8 CK99>?F< Qoc8 sabia (((2 A produção de res0duos industriais no mundo #o%e * em torno de de5enas demil#ões de toneladas por ano(7ual * a de$inição de [email protected])S [email protected]"9IAIS2Con$orme as normas estabelecidas pela Associação Grasileira de Hormas "*cnicas >AGH"?,[email protected])S SYKID)S são materiais em estado s;lido ou semi-s;lido, &ue resultam deatividade industrial, dom*stica, #ospitalar, comercial, agr0cola, de serviços e de varrição([email protected])S P49I')S)S são lodos provenientes de sistemas de tratamento de .gua, bemcomo determinados l0&uidos cu%as caracter0sticas tornem invi.vel seu lançamento na rede

     p1blica de esgotos ou rios e lagos ou exi%am tratamento atrav*s de soluções t*cnicas invi.veiseou de custo muito elevado(Como os [email protected])S são classi$icados2Con$orme sua periculosidade, &ue, em $unção de suas propriedades $0sicas, &u0micas ouin$ecto-contagiosas, podem apresentar riscos 6 sa1de p1blica ou ao meio ambiente(As classes de 9es0duos são< P49I')S)S  HZ)-IH49"4S  IH49"4S

    )s res0duos perigosos são a&ueles com caracter0sticas de in$lamabilidade, Corrosividade,9eatividade, "oxidade ou Patogenicidade()s res0duos Hão-Inertes são a&ueles com caracter0sticas de Combustão, Giodegradabilidadeou Solubilidade em .gua()s res0duos Inertes são a&ueles &ue não são decompostos prontamente(4xemplos< as roc#as, ti%olos, vidros, certos pl.sticos e borrac#as(

    QUALIDADE

    PALESTRA 26 - PRODUTOS E CLIENTESPRODUTO - 3 todo o resultado do seu trabal#o( "amb*m con#ecido como< sa0da e$eito ououtput, os produtos podem ser classi$icados em bens >materiais, e&uipamentos? ou serviços>manutenção, compras, etc(?(CLIENTE - 3 toda pessoa &ue recebe >consome? e depende do resultado do seu trabal#o() termo +Cliente * o 9ei, utili5ado pela &ualidade total, re$ere6se a de$inição de &ue

     precisamos trabal#ar com &ualidade para atendermos as necessidades de nossos clientes, &uesão &uem avaliam a &ualidade e utili5am nossos produtos(

    Para controlarmos a &ualidade de nosso produto devemos nos preocupar com ascaracter0sticas da &ualidade dos mesmos &ue são<

    [email protected] D) P9)[email protected]") - Hão ter de$eitos, ser dur.vel, não precisar demanutenção a toda #ora(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    23/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    • A"4HDI!4H") - Hão $altar ao cliente, ser entregue no pra5o e na &ualidadecombinada(

    [email protected]") - "er valor %usto de venda, ter valor mais baixo &ue o concorrente, etc(

    • !)9AK - !otivar a e&uipe &ue est. produ5indo(

    Se voc8 como cliente consegue identi$icar essas caracter0sticas nos produtos &ue usa( Qoc8est. ad&uirindo um bem ou serviço de &ualidade(Se voc8 como $ornecedor consegue o$erecer um produto com essas caracter0sticas voc8conseguiu implantar a &ualidade(

    %OC/ TRABAL.A COM QUALIDADE'

    QUALIDADEPALESTRA 2# - QUALIDADE - PRODUTI%IDADE E SOBRE%I%/NCIA3 claro &ue a implantação da 7ualidade como modelo de administração tem um ob%etivo

    $inal a alcançar, e esse * a sobreviv8ncia do negocio e do ser #umano(4 como isso $unciona &uando aplicado a uma empresa< De$inindo-se produtividade com arelação $aturamento custos &uanto mais eu vendo, &uanto mais eu redu5o meus custos>despesas?, mais produtivo eu sou( Automaticamente estou aumentando meu lucro e se issoacontece, posso investir mais(4sse desenvolvimento &ue o investimento permitiu $ar. com &ue nossa empresa torne-se maiscompetitiva no mercado(De$inindo-se competitividade como a capacidade de disputar a pre$er8ncia do cliente, &uemvende com mel#or produto com maior segurança e mel#or pra5o(Isso $ar. com &ue nossa organi5ação permaneça em atividade dando lucro e garantir. a nossasobreviv8ncia(A sobreviv8ncia como o pr;prio nome di5, re$lete a continuidade da vida(4 o &ue * a vida se não des$rutar de mel#or maneira poss0vel de momentos $eli5es, se

     poss0vel eterni5.-los(TRABAL.E COM QUALIDADE E %I%A $ELI

    L'E'R 

    ) &ue são2 K(4(9( - Kesões por es$orços 9epetitivos - são in$lamações dos m1sculos, tendõese nervos dos membros superioresin$eriores, geralmente cur.veis, &ue causam dor, perda de$orça, inc#aço e &ueda da per$ormance de trabal#o(

    [email protected] - Atividades do trabal#o &ue exi%am $orça excessiva com as mãos, posturas erradascom os membros superiores, repetitividade de um mesmo padrão de movimento( ( (

    • Atividades dom*sticas de maior exig8ncia com as mãos(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    24/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    • Atividades esportivas &ue exi%am grande es$orço dos membros superiores(

    C)!) 4QI"A92 - Faça reve5amento nas tare$asJ procure aprender outras tare$as &ue exi%amoutros tipos de movimento(

    • Identi$i&ue tare$as, $erramentas ou situações &ue causam dolorimento e converse sobre

    elas com o m*dico do trabal#o,• @tili5e a $lexibilidade postural< levante-se de tempos em tempos, ande um pouco,

    espreguice, $aça movimentos contr.rios 6&ueles da tare$a(

    • Agindo desta $orma, voc8 estar. contribuindo para a manutenção de sua sa1de(

    [email protected] A"I"@D4S DI[9IAS ACA994"A9Z) 4! '9AHD4S!)DIFICA\]4S P49!AH4H"4S^

    PALESTRA 2& - SEGURANÇA NO LAR 

     Has $.bricas onde a ger8ncia tem consci8ncia da segurança e tem procurado transmitir estaaos trabal#adores, o 0ndice de lesões * menor &ue nos lares( 4stas são as $.bricas com bonsrecordes de segurança()s acidentes no lar geralmente resultam de perigos di.rios - coisas &ue são vistas com$acilidade e &ue são $.ceis de evitar( 4ntão, por &ue acontece2 Poucos são os pais &ue se

     preocupam em ensinar segurança aos $il#os( Provavelmente muito poucos se dão conta de&uantos acidentes acontecem no lar( 4 mesmo &ue um vi5in#o caia e &uebre um braço poucostomam isto como uma advert8ncia( 7ue deve $a5er um #omem para evitar acidentes no lar24m primeiro lugar deve levar a segurança a sua casa( "udo o &ue aprendeu no local detrabal#o deve aplic.-lo no lar( Por*m antes deve usar sua cabeça( Deve inspecionar a casa decima a baixo - cada canto(7uais são as possibilidades de acidentes2 7uem pode lesionar-se e como2 ) &ue pode se$a5er sobre cada um dos perigos2 7ue instruções de segurança terão &ue dar a cada membroda $am0lia2 7ual&uer pai ou mãe a &ue $aça estas perguntas poder. encontrar as respostas( )importante * começar( Por &ue não $a5er uma inspeção no $im de semana2As &uedas encabeçam a lista de acidentes no lar( Acontecem nas escadas, nos pisosescorregadios, com tapetes soltos, e nos degraus de $rente e de tr.s das casas( "amb*m secaem de cadeiras ou bancos nos &uais as mul#eres sobem para cravar um prego ou colocar uma cortina( "amb*m as &uedas se resultam de tropeços em ob%etos &ue deixam no solo()utro problema s*rio são as &ueimaduras( )s cabos das panelas &ue saem dos $ogões()s cabos demasiado &uentes( A gordura re&uentada &ue se incendeia, e não devemos duvidar dos &ue $umam na cama(

    "amb*m existem os perigos el*tricos, as $erramentas em m.s condições, os venenos, etc("odos esses perigos podem ser encontrados &uase &ue em &ual&uer lar( 4ncontr.-los ecorrigi-los * o mais importante( Depois de $a58-lo * &uando poderão descansar em suas casassem ter medo de lesionarem-se(

    PALESTRA 2( - DIAS DE DESCANSO

    @m acidente * algo &ue seguramente não s; arruinar. nossa diversão como tamb*m a dos&ue se encontram ao nosso redor( @m acidente nos $a5 sentir miser.veis não somente por&ue

     possa ser doloroso como tamb*m por&ue nos coloca em uma situação &ue nos mant*mali%ados das coisas &ue ter0amos plane%ado e &ue gostamos de $a5er(

    @ma coisa tem &ue recordar sempre - cada ve5 eu ou alguma outra pessoa l#es $aça umasugestão de como evitar acidentes &uando estão se divertindo, não pensem &ue estamostratando de +arruinar a $esta, senão &ue pelo contr.rio, estamos nos preocupando para &ue

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    25/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE. possam des$rutar dela( 4stamos tratando de &ue depois do $im de semana os ve%amos c#egar na segunda-$eira pela man#ã dispostos a começar as tare$as com renovadas energias(

     Hão importam todos os es$orços &ue se $açam no departamento para pLr em pr.tica asegurança, individualmente cada um poder. encontrar uma $orma de lesionar-se( Cada ve5&ue se movem, cada ve5 &ue se recol#em algo, cada ve5 &ue põem em marc#a umam.&uina, &uando camin#am pelas instalações, &uando t8m &ue $a5er algum trabal#o em

    eletricidade, voc8s podem criar pr;prios problemas(4stes problemas podem muito $acilmente arruinar-l#es todos os planos &ue ten#am paradivertir-se 6 sa0da do trabal#o, da mesma $orma &ue podem terminar com todos asliberdades &ue t8m(@ma das mel#ores $ormas de concordarmos com import/ncia &ue tem a segurança *recordando sempre &ue os acidentes não são uma diversão e &ue uma lesão não nos a%udar. a$a5er as coisas &ue nos dão satis$ação(

    PALESTRA 30 - PRESENTES DE NATAL

    A&ueles &ue $a5em os consertos necess.rios em seus lares &uando algo se &uebra, receberão$erramentas el*tricas como brocas, serras ou polidoras( 4 possivelmente alguns se lesionarãoalgum dia com essas $erramentas pLr oper.-las incorretamente, pLr não seguir as instruções(!uito pouco dos &ue trabal#am em casa com $erramentas el*tricas se preocupam em ler detal#adamente as instruções &ue as acompan#am( Cr8-se &ue por&ue a&ui, no trabal#o,mane%am $erramentas similares, não necessitam de ler as instruções( Isto * um erro, por&uecada $erramenta * $abricada de maneira di$erente e necessita ser manuseada tendo-se emconta certas caracter0sticas particulares da mesma, como rotações pLr minuto, resist8ncia aocalor, etc( PLr essas ra5ões, antes de usar uma $erramenta nova deve-se ler o $ol#eto deinstruções, e depois de #av8-lo lido deve-se guard.-lo em lugar ade&uado(

    Devido ao muito &ue custam #o%e em dia as $erramentas el*tricas, muitas pessoas asemprestam a vi5in#os, amigos ou compan#eiros de trabal#o, supondo &ue estes sabem comotrabal#ar com elas( Aconsel#o-l#es &ue sempre &ue emprestem as $erramentas a algu*m,d8em ao mesmo tempo a essa pessoa o $ol#eto de instruções( 4 &uando voc8s pedirememprestado alguma $erramenta, peçam tamb*m o $ol#eto de instruções(Seguramente, alguns de voc8s poderão vir a comprar as $erramentas &ue l#es vão presentear suas esposas ou $il#os( Heste caso, não se precipitem a comprar &ual&uer $erramenta,motivados um pouco pelo baixo custo ou por um desconto especial( !as sim, antes decomprar &ual&uer $erramenta, consultem com uma pessoa pro$issional ou um amigo &ueentenda de $erramentas el*tricas manuais( 4sta pessoa poder. l#es aconsel#ar sobre certascaracter0sticas especiais &ue dever. ter a $erramenta, para reali5ar um trabal#o mais

    satis$at;rio e para &ue voc8s não se lesionem(Procurem comprar sempre $erramentas com duplo isolamento( 4stas classes de $erramentasduram geralmente mais e são mais leves e mais seguras &ue as &ue não tem('eralmente, as $erramentas com duplo isolamento &ue tem baixa pot8ncia, tal como as$uradeiras mec/nicas manuais, v8em recobertas com um material não condutor, 6 prova derupturas( ) interruptor de ligadesliga * tamb*m não condutor, para evitar &ue o usu.rio seexpon#a a partes met.licas(Como podem voc8s identi$icar $acilmente as $erramentas com duplo isolamento2 A $ormamais simples * buscando as palavras +duplo isolamento ou +duplamente isolada, &ue veminscritas geralmente na caixa( Compram-se alguma $erramenta de $abricação europ*ia ouamericana, * poss0vel &ue no lugar dessas palavras encontrem um s0mbolo &uadrado com o

    &ual se identi$ica este duplo isolamento(4m uma $erramenta com duplo isolamento todas as partes, tanto internas como externas,começando pelo interruptor ligadesliga, estão preparadas para proteger o usu.rio( "oda a

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    26/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.$erramenta $oi desen#ada de tal $orma &ue o desgaste, a temperatura e os produtos &u0micosou contaminantes, não c#eguem a$etar as duas capas de isolamento ao mesmo tempo( As$erramentas com duplo isolamento não necessitam $ios separadores de ligação a terra, nem(tampouco necessitam o terceiro $io ou uma tampa como tr8s #astes( Isto se deve a &ue ousu.rio est. protegido, em todo momento, de todas as partes &ue poderiam produ5ir umcurto-circuito(

    Ao contr.rio do &ue muitas pessoas cr8em, as $erramentas com duplo isolamento podem deestragar tamb*m( Hão são indestrut0veis( Apesar de &ue as coberturas são $abricadas para &ueresistam a um mane%o rude, a imersão em .gua ou umidade excessiva deteriorar. oisolamento interno( @ma limpe5a $re&ente e um mane%o correto a%udar. &ue não seestraguem(Seria muito penoso &ue o presente de Hatal &ue recebam de seus entes &ueridos se convertaem uma arma de dois gumes &ue c#egue a lesionar-l#es gravemente( Para evitar isto, ten#am

     presentes estas id*ias &ue apresentamos #o%e, e dese%o a todos voc8s um Feli5 Hatal e umPr;spero Ano Hovo(

    PALESTRA 31 - PRESENTES DE NATAL ORIGINAIS E PRTICOS

    ) Hatal * tamb*m uma data dedicada a presentear( As crianças son#am %. desde meses antescom os brin&uedos ou %ogos &ue dese%am e se%am excessivamente caros, e os encontrarãodebaixo da .rvore de natal(!as não s; as crianças recebem presentes( As Festas Hatalinas são dias em &ue as pessoasadultas recebem presentes e presenteiam outras pessoas, parentes, amigos, mais &ue nen#umaoutra *poca do ano(7uero &ue me d8em exemplos de presentes &ue ten#am gan#ado as pessoas adultas em anosanteriores(>) supervisor ouvir. v.rios exemplos? Hão &uero l#es di5er &ue tudo isto * ruim,

    mas gostaria &ue este ano $i5*ssemos uma exceção a estes presentes tradicionais e presente.ssemos algo &ue verdadeiramente mani$este &ue a pessoa a &ue vamos dar o presente nos interessa realmenteJ nos interessa sua sa1de, sua integridade $0sica( "en#o acompleta segurança &ue presentes deste tipo são com $re&8ncia muito mais preciosos &ueoutros presentes &ue servem somente para satis$a5er os sentidos(Qe%o por a0 uns caras &ue parecem &uerer perguntar< A &ue presente est. se re$erindo nossosupervisor2 4stou me re$erindo a presentes &ue a gente, nossos $amiliares, amigos,necessitam mais &ue uma simples garra$a de _#isUX, um is&ueiro de ouro, etc( :. ob%etoscomo $erramentas, e&uipamentos de segurança &ue não devem $altar em nen#uma $am0lia,

     por&ue são de primeira necessidade, e &ue sem d1vida muito poucas $am0lias os possuem( :.muitas pessoas &ue morrem devido a não disporem desses e&uipamentos(

    4S")@ !4 94F49IHD) 4! C)HC94") A C)ISAS "AIS C)!)<C 8 ;=8=

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    27/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO [email protected]< 8 98H=?< Como todos %. sabem muito bem, os motoristas e passageiros &ueutili5am os cintos de segurança tem muito mais possibilidade de sair ilesos em c#o&uesautomobil0sticos( 4ste sem d1vida seria um presente de natal muito pr.tico, para um amigonosso ou inclusive para a nossa $am0lia( 4u sei &ue muitos de voc8s não possuem ve0culos,certamente terão algum dia o seu pr;prio ve0culo, como seria uma grande surpresa para suaesposa e $il#os encontrarem no autom;vel, na man#ã de natal com um cinto de segurança

     para cada um deles([email protected]@H?< Aos detectores de $umaça &ue se encontram no mercado são muitomais valiosos &ue o cão de guarda( 4 com a vantagem de &ue podem estar alerta, semdistrair-se, #oras por dia, e $uncionar com a m.xima garantia( Com um bom detector de$umaça voc8 e seus $amiliares ou a $am0lia a &uem voc8s irão presentear o detector, poderãodormir despreocupados com a segurança &ue ao menor $ogo este ir. soar o alarme(

    PALESTRA 32 - CUIDADOS COM A PELE

    4m um artigo &ue li no m8s passado sobre a pele, se di5ia &ue as en$ermidades da pele, as&uais se con#ecem pelo nome de Dermatites, multiplicou-se na segunda metade deste s*culoao aumento tão grande de produtos &u0micos nas ind1strias(A pele * um tecido muito sens0vel &ue cobre todo nosso corpo( Qivemos sem nen#umexagero, dentro de uma c.psula, nossa pele( A pele das pessoas adultas, como n;s, temextensão de mais de B m >tr8s metros &uadrados?( Apesar de $ina a pele * muito resistente(Cont*m entre dois e tr8s mil#ões de gl/ndulas de suor, as &uais despe%am ao exterior cerca deum litro por dia durante os meses &uentes(Se não tiv*ssemos a pele, não poder0amos sentir nada ao tocar ob%etos ou pessoas( A pele *uma camada misteriosa entrelaçada de delicados circuitos el*tricos, antenas, cabos,interruptores, tecidos e muitos outros mecanismos( 9ecebe um terço do sangue do corpo( A

     pele * um ;rgão vivo &ue, como uma .rvore, elimina as c*lulas >vermel#a? mortas e

    desenvolve outras novas &ue as substituem(7uando tiverem tempo, em casa, ou em &ual&uer outro lugar, pensem um pouco em tudo isto&ue l#es disse, e se convencerão &ue a pele protege o $uncionamento interno dos ;rgãos maisimportante de nosso corpo( Se a $erirmos, abrimos uma brec#a por onde pode entrar todaesp*cie de germes e v0rus &ue podem atacar nossos ;rgãos internos(3 muito importante protegermos nossa pele para &ue esta possa proteger nosso corpo( Hãodevemos expL-la a vapores irritantes e l0&uidos e a atritos de materiais &ue possam $eri-la( Amel#or $orma de conseguir isto * usando a proteção individual de &ue mel#or se a%uste aotrabal#o espec0$ico &ue reali5emos(4 não s; devemos proteg8-la a&ui, dentro da $.brica, mas tamb*m $ora( :. pessoas &ue nãose preocupam se &ueimam sua pele por exporem-se demasiadamente ao sol( S; &uando o

    m*dico l#es di5 &ue contra0ram c/ncer por terem exposto sua pele excessivamente aos raiosultravioletas do sol, * &uando começam a valori5ar sua pele, mas %. * demasiado tarde()utras pessoas não dão nen#uma import/ncia aos arran#ões, cortes ou picadas &ue so$remem sua pele( Hão se preocupam em ir 6 caixa de primeiros socorros e desin$etar essas

     pe&uenas lesões( 7ual&uer lesão, por menor &ue se%a, pode causar in$lamações graves emnosso corpo(

     Ho artigo &ue l#es mencionei no princ0pio da palestra, di5ia &ue se todos os trabal#adores domundo se lavassem com .gua e sabão depois se ter exposto em contato com algum produto&u0mico, p;s ou alguma outra subst/ncia se eliminariam mais de setenta e cinco por cento dasen$ermidades da pele &ue se contraem na ind1stria(4spero &ue estes cinco minutos &ue dedicamos ao tema de pele l#es a%ude a apreci.-la mais

    no $uturo, protegendo-a dos perigos &ue podem $eri-la( 4 ten#am sempre em mente, &ue sen;s não protegemos a pele, a pele não proteger. o interior de nosso corpo(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    28/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.PALESTRA 33 - LIMPEA DAS MÃOS

    Dermatite * um termo geral para descrever ou designar a in$lamação da pele &ue poderesultar de uma exposição a gases ou vapores irritantes no local de trabal#o( Pode-se dividir este termo geral em v.rias classes espec0$icas de dermatite(A dermatite de ;leo * causada pela obstrução e $ec#amento dos ori$0cios da pele devido ao

    ;leo e pastas( A dermatite de sensibilidade * tipo al*rgico de irritação da pele, devido a umcontato com um produto &u0mico ou devido a um grande e repetido contato( A dermatite decontato * causada por um irritante prim.rio e pode ser muito s*ria( 4ntres esses irritantes

     prim.rios se incluem< .cidos, solventes, sabões, colas, resinas, borrac#a, pl.stico e cimento(Cuidado com a gasolina ou o &uerosene^ !uita gente os usa para lavar as mãos, &ue se bemeliminam a graxa, tamb*m irritam a pele e dissolvem os ;leos naturais &ue a protegem(!uito pouca gente se d. conta do importante &ue * a pele para sobreviver( Sua principaltare$a * proteger o tecido &ue se encontra debaixo( 3 a primeira de$esa contra os germes( 4mesta de$esa os germes nos invadiriam e morrer0amos( "odavia os germes &ue penetram nocorpo atrav*s de pe&uenos cortes ou raladuras, podem criar problemas muito s*rios, este * omotivo pelo &ual * importante receber primeiros socorros &uando se so$re uma lesão na pele,não importa o &uão pe&uena se%a(

    PALESTRA 34 - A SADE

    4stou seguro &ue a maioria de voc8s go5a de bastante sa1de( Pelo menos estãosu$icientemente sãos para trabal#ar diariamente( 3 muito prov.vel &ue muitos não d8emdemasiada import/ncia 6 sa1de de &ue go5am e cr8em &ue a terão at* uma idade bastanteavançada( 4spero &ue assim se%a, ainda &ue desgraçadamente para alguns a realidade ser.di$erente( 3 poss0vel &ue alguma en$ermidade ocorra a &ual&uer momento(Algumas pessoas vivem constantemente pensando em &ue algo não est. bem com sua sa1de,

    a este se c#ama +#ipocondr0acos( Signi$ica &ue imaginam coisas &ue não são reais( Isto não* bom %. &ue a atitude mental &ue se ten#a possa a$etar a sa1de("8m-se sintomas preciosos como, por exemplo, uma dor de cabeça &ue se repete, ouindigestação, ou a sensação de sentir-se en$ermo sem ter nen#uma ra5ão espec0$ica para isso,o mel#or ser. &ue procurem um m*dico e se $açam um exame geral( Se algo realmente andamal, o mais prov.vel * &ue o m*dico consiga $a5er um diagn;stico e cur.-los( A maioria dasen$ermidades grave $a5 sentir seus sintomas antes &ue se%a demasiado tarde( "ratadas atempo, geralmente podem ser curadas(Por #ip;tese &ual&uer dor &ue ten#am tamb*m a$eta sua segurança( 3 mais di$0cil trabal#ar com segurança &uando não se sente bem - portanto terão &ue ser mais cuidadosos &ue decostume(

    7uando um se sente bem * &uando mel#or $a5 seu trabal#o( )s m1sculos trabal#am mel#or,as mãos estão mais $irmes, as mentes est. mais clara( Pode-se pensar mel#or( A maioria de n;s pode manter-nos em boas condições $0sicas com bastante $acilidade, o maisimportante * evitar os excessos de &ual&uer tipo< comer regularmenteJ dormir su$iciente eviver com moderação( Por suposto &ue todos precisamos descansar - o su$iciente para manter um e&uil0brio entre o trabal#o e as distrações(Ir trabal#ar sentindo-se cansado pode ser a causa de acidentes( 7uando se est. cansado osacidentes acontecem com mais $acilidade(A $orma em &ue tratamos a nossos compan#eiros tamb*m * importante para a segurança( Setodo o mundo se encontra de bom #umor * mais $.cil cooperar, o trabal#o se $a5 mel#or ecom mais $acilidade( Isto signi$ica &ue terão menos

     possibilidade de &ue ocorram acidentes e em conse&8ncia de &ue a gente se lesione( Por*mum s; indiv0duo de mau #umor pode criar problemas para todo o grupo(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    29/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.Cuidar da sa1de * importante( Hão #. &ue se duvidar de &ue esta não tem preço e se n;sdescuidamos podemos perd8-la $acilmente(

    PALESTRA 35 - COLUNA %ERTEBRAL

    Provavelmente todos sabem &ue não se deve levantar peso de &ual&uer maneira( Se n;s paramos a pensar por um momento nos daremos conta de &ue são os m1sculos das pernas os&ue devem $a5er o trabal#o( !as por &ue não o $a5emos sempre assim2 A resposta a este

     problema * simples( "er. &ue se praticar a nova $orma de $a58-la at* &ue se $aça na $ormacorreta( 7uando se c#egar a este ponto ainda #aver. de ter-se cuidado por um tempo eassegurar-se de &ue o novo #.bito est. dominado( )s #.bitos arraigados não se deixammodi$icar com $acilidade(As colunas $racas são um dos problemas de sa1de mais comuns, principalmente &uando osanos se acumulam( Hem todas as dores de coluna se devem ao $ato de levantar incorretamente ou levantar peso demasiado, mas provavelmente a maioria o *( As dores decoluna dão bastantes trabal#os aos m*dicos e são problemas di$0ceis de solucionar( @macoluna lesionada * poss0vel &ue nunca volte a ser tão boa como &uando estava sã( Hão *di$0cil dar-se conta por&ue uma dor de coluna &ue apenas incomoda no princ0pio podetrans$ormar-se em muito dolorosa( A medula espin#al est. rodeada de ossos, as v*rtebras &uea protegem( 4ntre cada v*rtebra tem um disco cartilaginoso muito pe&ueno &ue impede &ueas v*rtebras se atritem umas com as outras( Ao largo da coluna, os nervos saem parecidoscom as ramas de uma .rvore( Ao se $a5er muito es$orço com a coluna os m1sculos eligamentos cederão o su$iciente como para &ue um dos discos saia de seu lugar ou ao mesmocomprima algum nervo( 3 assim como se produ5 a in$lamação( 4ntão sim #. problemas(4sta explicação tem por ob%eto $a5er-l#e entender por &ue deve ser cuidadoso &uandolevantam coisas pesadas( 7ual&uer pessoa pode levantar com os m1sculos das pernas e evitar 

    desta $orma lesionar-se a coluna( A $orma de $a58-lo * muito simples( >A&ui o supervisor ou a pessoa &ue est. dando a palestra poder. $a5er uma demonstração da $orma correta delevantar?( @ma 1ltima recomendação se deve mover algo &ue * muito pesado para uma s;

     pessoa, não vacilem em pedir a%uda( As dores de coluna são muito dolorosas, sendonecess.rio, peçam a%uda(

    PALESTRA 36 - PROTEÇÃO DOS PULMES

    ) aspecto mais importante a ter em conta com respeito aos pulmões * &ue eles evitam &ue&ual&uer subst/ncia danin#a se introdu5a no sangue - subst/ncias &ue podem estar no ar &uerespiramos(

    )s pulmões são $ormados por mil#ões de c*lulas tão pe&uenas( S; podem ser vistas com ummicrosc;pio muito potente( ) revestimento de cada uma destas c*lulas * um $iltro muito bom( Permite &ue o oxig8nio do ar passe ao sangue( Ao mesmo tempo permite &ue o di;xidode carbono do sangue saia atrav*s da respiração(Se o oxig8nio $osse o 1nico g.s &ue pudesse passar atrav*s do sangue não #averia problemas(Sem d1vida uma grande &uantidade de vapores e gases venenosos tamb*m podem passar aosangue( Alguns deles são muitos perigosos e este * o motivo pelo &ual em muitascircunst/ncias * necess.rio usar m.scaras contra gases apesar de &ue se ten#am tomadooutras medidas para elimin.-los do ar("amb*m temos os p;s( Sempre tem p; no ar - mesmo nos lugares mais limpos( Comoresultado os pulmões se ac#am adaptados ao p; $luente, mas &uando e se * muito espesso e

    muito $ino, os pulmões não tem de$esa contra eles(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    30/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.A maioria do p; &ue se respira * exalado( ) p; $luente >solto? &ue se assenta nas passagensgrandes de ar elimina-se tossindo( 3 somente o p; muito leve &ue penetra nas c*lulas

     pe&uenas o &ue as tapa e pode causar problemas(Supon#o &ue mel#or maneira de manter limpo o ar do lugar de trabal#o * evitando &ue assubst/ncias danin#as entres neles( Isto signi$ica &ue as operações e processo &ue produ5emsubst/ncias danin#as devem estar controladas por exaustores( Sem d1vida, certas operações

    não podem ser protegidas completamente, alguns p;s e vapores $icam soltos( @ma boaventilação soluciona o problema em muitos casos, mas &uando isto não * su$iciente deverãousar-se m.scaras ou respiradores(Provavelmente seria mais correto di5er &ue os respiradores e m.scaras são protetores dos

     pulmões( ) problema * &ue muita gente não &uer us.-los( Di5em &ue l#es causa algumincLmodo - o &ue não t8m em conta * o +incLmodo &ue l#es podem causar os pulmõesc#eios de p;( 4 se este p; &ue se respira * venenoso, o problema pode ser muito s*rio() aspecto no &ual &ueremos insistir * &ue se indica-l#es um protetor, deve us.-lo( Se não o$a5em assim se estarão criando um problema muito s*rio, mais s*rio do &ue possam imaginar(As subst/ncias perigosas &ue se usam na ind1stria são analisadas e estudadas continuamente(7uando a ger8ncia recebe a in$ormaçãode &ue tem &ue usar proteção contra estas subst/ncias, imediatamente põe 6 disposição dostrabal#adores o e&uipamento correspondente( Se a 'er8ncia est. preocupada com nossasa1de, por &ue n;s2ATENÇÃO< @sem e&uipamentos de proteção respirat;ria(

    PALESTRA 3# - .O)E NÃO O MESMO QUE ONTEM

    )s trabal#os industriais são muito mais complexos cada dia, pelo &ue o conceito de prevenção de acidentes se tem desenvolvido a tal ponto &ue necessitamos con#ec8-locompletamente para poder evitar acidentes(

    "alve5 alguns de n;s ten#amos trabal#ado o tempo su$iciente na ind1stria para dar-nos contadas mudanças &ue se tem experimentado( 3 $.cil então #o%e se dar conta &ue levamos emconsideração muitos aspectos &ue antes se passava por cima(A $orma em &ue atuamos, em &ue reagimos ante determinadas situações e problemas re$leteem grande parte na $orma em &ue pensamos e na $orma em &ue concebemos a vida( 7uerodi5er, &ue se em nosso trabal#o temos cuidado, interesse, preocupação e atenção, estamosre$letindo uma atitude segura &ue * a se2 Deve adotar, manter e desenvolver, não somente notrabal#o mas em todas as atividades &ue reali5amos( Isto * muito importante por&ue a atitudede uma pessoa in$lui sobre a atitude de outras &ue a rodeiam e se essa atitude * errada, entãoa in$lu8ncia ser. negativa(A atitude positiva ante a prevenção de acidentes pode começar por uma pessoa, mas pensem

    voc8s &uanto mais e$etiva pode ser se o grupo inteiro se muda totalmente 6 cerca da $ormaçãode atitude seguras e positivas("odos n;s devemos estar cientes dos perigos &ue nos rodeiam, assim como de tudo o &ue

     podemos $a5er para corrigir as condições inseguras( Devemos sempre seguir e obedecer 6snormas de prevenção de acidentes este%a ou não presente o supervisor ou outra pessoaencarregada do grupo, %. &ue por 1ltimo e ao t*rmino se suceder algo indese%.vel o

     pre%udicado ser. o &ue cometer o erro("en#a uma atitude &ue * muito pessoal e ao mesmo tempo totalmente coletivaJ a preocupação

     pela prevenção de acidentes( Se todos adotarmos esta atitude e constantemente trabal#armos para mel#or.-la, poderemos estar seguros de &ue em anos vindouros se ver. claramente o$uturo da mesma( "alve5 nossos $il#os, no dia de man#ã, possam ol#ar atr.s e di5er &ue nos

     preocupamos e interessamos por mel#orar as coisas(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    31/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.Se algum de n;s todavia não ten#a começado a interessar-se na causa da prevenção deacidentes, * #ora de &ue ol#e o passado, o compare com os es$orços &ue se reali5am emnossos dias, se convença de &ue %. * tempo de começar(

    PALESTRA 3& - TODOS DE%EMOS NOS PREOCUPAR COM A PRE%ENÇÃO DE

    ACIDENTES

    :o%e &uero $alar-l#es sobre a responsabilidade e a prevenção de acidentes() $ato de deixar a responsabilidade de prevenir ou de corrigir alguma situação insegura aodiretor, ao pro$issional de prevenção de acidentes ou ao supervisor, signi$ica &ue se ignora o$ato de &ue cada um de n;s tem a oportunidade para $a5er da $.brica um lugar mais seguro(Assim, as inspeções de prevenção de acidentes espec0$icas e gerais são obrigação destedepartamento onde se usam um determinado e&uipamento ou m.&uinas, mas voc8s são os&ue realmente usam esses e&uipamentos ou &ue v8em outros trabal#adores us.-los(Qoc8s mesmos, outros compan#eiros de trabal#o ou at* um visitante, podem ser a pessoaacidentada(3 obrigação de todos prevenir e tratar de redu5ir ao m0nimo o n1mero de lesões( 4ste tipo deresponsabilidade inclui eliminar o perigo, in$ormar a exist8ncia do mesmo ao supervisor ou

     prevenir ao visitante( H;s somos os &ue estão $amiliari5ados com os e&uipamentos &ue se usam em nossa .rea detrabal#o, portanto depende de todos n;s 5elar pelo bom $uncionamento dos mesmos eexamin.-lo com regularidade, %. &ue essa * a 1nica maneira em &ue podemos redu5ir aslesões causadas pelas condições inseguras(7ual&uer um de n;s &ue se encontre com uma condição perigosa deve corrigi-la e se estaestiver $ora de nosso alcance, devemos in$orm.-la ao supervisor ou a outra pessoa capacitada

     para solucionar o problema( Se voc8s tiverem id*ias ou sugestões sobre certas situações de

    e&uipamentos, normas ou algo similar, devem comunicar-me para assim todos n;s %untos podermos colaborar e tomar as medidas necess.rias a $im de eliminar o problema(Pensem por um momento, como contribuiriam suas sugestões sobre prevenção de acidentes6s inspeções de segurança da .rea de trabal#o de cada um de voc8s( M. $alamos de &uem tema responsabilidade de reali5ar as inspeções de segurança e dissemos &ue depende de cada umde n;s inspecionar detal#adamente nossa .rea de trabal#o( As lesões são provocadas por distintas situações ou condições perigosas, tais como a exist8ncia de bordas cortantes,

     problemas el*tricos, exposição a produtos &u0micos, &uedas, ob%etos &ue se t8m deslocam,etc(, para enumerar s; uns tantos( As condições de perigo em cada .rea de trabal#o sãodi$erentes, por isso depende muito de voc8s por&ue são os &ue t8m maior con#ecimento 6cerca de sua .rea espec0$ica de trabal#o( 7uem deve preocupar-se pela prevenção de

    acidentes e de sentir a obrigação de redu5ir a um m0nimo as lesões2 3 responsabilidademin#a, de cada um de voc8s, en$im de todos(

    PALESTRA 3( - OS INCIDENTES SÃO AD%ERT/NCIA

    )s incidentes são uma advert8ncia de &ue algo anda mal e de &ue existe algum perigo oucondição &ue necessita ser corrigida(Ainda &ue os incidentes não provo&uem lesões, são uma advert8ncia &ue devemos levar emconta por&ue indica &ue #avia uma condição ou um erro &ue deve ser corrigido para evitar &ue se repita e c#egue a trans$ormar-se em um acidente &ue provo&ue lesões ou &ue causedanos 6 propriedade(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    32/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.

    PALESTRA 40 - NINGUM DESE)A CULPAR NINGUM

    "entamos $a5er um bom trabal#o de veri$icação nas inspeções de risco e seguimos asrecomendações &ue saem destas inspeções( "entamos $a5er um trabal#o completo deinvestigação das causas de todos os acidentes( Hão $a5emos isto para colocar algu*m na

     berlinda ou para culpar algu*m( Fa5emos isto apenas por um motivo< evitar &ue novosacidentes ocorram( Provavelmente alguns de voc8s este%am pensando< +Hen#uma

    investigação impediu o acidente &ue est. sendo investigado( Se $or isto &ue voc8s estão pensando, voc8s estão completamente certos( Por*m, boas investigações, criteriosas, nãotendenciosas podem a%udar em muito na prevenção do pr;ximo acidente( "odos os acidentessão provocados - eles não acontecem por acaso( Descobre-se a causa do acidente, podemos$a5er alguma coisa para elimin.-la e impedir &ue outro acidente como a&uele aconteça( !asse apenas dermos de ombros, se apenas dissermos< +Foi uma coisa desagrad.vel, &ue

     podemos $a5er2 4stas coisas acontecem( Foi um a5ar, então podemos estar certos de &ueoutros acidentes como a&uele acontecer.( A maioria dos acidentes apresenta mais de &ue umacausa( Por exemplo< um #omem perde o e&uil0brio e cai de uma escada( Se na investigação aconclusão teve como causas< +o $uncion.rio não teve cuidado ou +a proteção não estava nolugar estamos parando a investigação sem termo esgotado todas as possibilidades(Peguemos o caso novamente( ) #omem &ue perdeu o e&uil0brio e caiu da escada( Pergunta-se< a escada estava com de$eito2 4 se estava por&ue ela estava sendo usada2 ) #omem sabia&ue a escada estava em boas condições de uso e relato isto2 Se não sabia, ele $oi instru0docorretamente sobre como e o &ue inspecionar numa escada, ou a escada estava em boascondições, mas $oi usada de maneira inade&uada2 4la $oi colocada num corredor onde uma

     pessoa poderia esbarrar2 Se $oi, por&ue não #avia uma pessoa no p* da escada para manter as outras pessoas a$astadas2 4la poderia ter sido presa no topo2 4le tin#a taman#o correto

     para o local2 4la $oi posicionada com o /ngulo certo em relação 6 parede, ou $oi o pr;priotrabal#ador &ue $e5 algo inseguro2 4le estava subindo com algum ob%eto pesado &ue poderiater sido içado por uma corda2 Se estava, $oi dito a ele para usar uma corda2 4le segurava

    ob%etos com as mãos soltas2 4le tentou virar-se para descer a escada de costa para ela2 4letentou segurar algo &ue $oi %ogado para ele e perdeu o e&uil0brio2 4stas são, acredite ou não,apenas algumas perguntas &ue podem ser $eitas sobre um acidente muito simples( Seinvestigarmos a $undo em busca da causa ou causas $undamentais, então estamoscontribuindo para &ue possa evitar outros acidentes dessa nature5a(Acima de tudo a Segurança &uer saber se $oi totalmente uma &uestão de $alta de cuidado, ouse existiram outras condições &ue contribu0ram para provocar o acidente( A investigação deacidente &ue se%a real, s;lida, consistente, pro$unda e &ue atin%a todas as circunst/ncias &ueenvolvem o acidente * um dos mel#ores instrumentos &ue precisamos dominar para trabal#ar com segurança( "odos saem lucrando com a investigação neste departamento e lucram comas investigações $eitas em outras .reas da empresa( A mesma coisa acontece com as

    inspeções de segurança e os acompan#amentos da recomendações da segurança( 4las sãoreali5adas para e preparadas para identi$icar ou eliminar as condições de risco( "odos os maus#.bitos, todas as peças de$eituosas dos e&uipamentos, todas as incon$ormidades deverão ser relatadas ao 'erente, antes &ue algu*m se acidenta(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    33/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.Kembre-se não estamos atr.s da cabeça de ningu*m( Hão estamos &uerendo colocar ningu*mna berlinda( Apenas &ueremos impedir &ue algum de nos se mac#u&ue por um acidente(

    PALESTRA 41 - UMA O$ICINA LIMPA UMA O$ICINA SEGURA

    "odos n;s %. ouvimos alguma ve5 &ue uma o$icina limpa * uma o$icina segura( !as como podemos manter nossa o$icina limpa e segura2 3 s; uma &uestão de um pouco de atençãocom a arrumação, com cada um de n;s $a5endo sua parte( @ma $axina geral * uma boa id*ia("oda o$icina ou mesmo nossa casa precisa de uma $axina geral ocasionalmente, entretanto a+arrumação, ordenação, limpe5a, asseio e disciplina * mais &ue isso( S signi$ica limpe5a eordem< um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar( Signi$ica tamb*m recol#er elimpar tudo depois de cada tare$a( Se uma tare$a provocar muita desordem, tente manter amesma a n0vel m0nimo, tomando um pouco mais cuidado( Kixo e ;leo incendeiam $acilmente(@m inc8ndio * ruim para a empresa e para n;s( Su%eira `apenas material $ora do lugar( ) ;leo&ue derramou no c#ão tin#a um papel a cumprir na m.&uina() c#ão * apenas mais uma $onte de risco( Cubra o ;leo derramado com material absorventeou tente coletar &uando #ouver possibilidade derramamento para seu reaproveitamento( Comisto voc8 poder. evitar &ue algu*m ten#a um tombo( )bserve onde voc8 deixa $erramentas oumateriais( Hunca os colo&ue num c#assi de m.&uina ou numa peça m;vel da m.&uina( Huncaempil#e coisa em cima de arm.rios( )bserve os espaços sob as bancas e escadas, nãodeixando re$ugos e entul#os( !anten#a portas e corredores livres de obstrução para seremacessados em caso de emerg8ncia( ) verdadeiro segredo de uma o$icina limpa e segura *nunca deixar para depois o trabal#o de limpe5a, e arrumação, $a5endo-o imediatamenteen&uanto #. pouco trabal#o( Q. $a5endo a limpe5a e a coleta de coisas espal#adas &uandoconcluir uma tare$a ou &uando seu turno estiver terminando(

    PALESTRA 42 - ARRUMAÇÃO, LIMPEA E ORDENAÇÃO SÃO BONS .BITOS

    "odos os empregados t8m suas tare$as para $a5er( )s S - senso de utili5ação, ordenação,limpe5a, asseio e disciplina - $a5em parte de nossas obrigações( !as o &ue * isto a$inal2+Arrumação, limpe5a, ordenação, asseio e disciplina signi$ica manter as coisas arrumadas eordenadas, o c#ão limpo, sem papel, ;leo derramado, graxas nas paredes e assim por diante(3 a&uele empil#amento de material corretamente, m.&uinas de pe&ueno porte guardados nosseus devidos lugares, c#aves e $erramentas acomodadas nos lugares certos e limpos( A boaarrumação signi$ica ter livre acesso &uando uma emerg8ncia de primeiros socorros e ae&uipamentos de combate a inc8ndio( Signi$ica muitas coisas, mas a de$inição mais curta *<

    [email protected]! [email protected]'A9 AP9)P9IAD) PA9A CADA C)ISA 4 CADA C)ISA H) [email protected] D4QID)[email protected]'A9("odos os empregados podem a%udar no es$orço de arrumação, $a5endo o seguinte<

    • !anter pisos, corredores e .reas de trabal#o ra5oavelmente livre de itensdesnecess.rios, delimitando os locais com $aixas, inclusive corredoresJ

    • Con$inar res0duos em locais apropriadosJ

    • 'uardar todos os e&uipamentos de proteção individual em locais ade&uados(

     Hada indica mais uma .rea desorgani5ada, desarrumada e su%a do &ue os copos de papel,restos de lanc#es espal#ados pelo c#ão, sobre a mesa, em bancadas de trabal#o, em

     passarelas e assim por diante() bom resultado da +arrumação, ordenação, limpe5a, asseio e disciplina não * obtida por mutirões de limpe5a( 4la * resultado de um es$orço di.rio( Se cada empregado arrumasse

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    34/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE. pelo menos uma coisa todos os dias, os resultados seriam surpreendentes( A #ora de $a5er alimpe5a * toda #ora(@!A )FICIHA KI!PA 3 @!A )FICIHA S4'@9A("odos n;s %. ouvimos alguma ve5 &ue toda o$icina limpa * uma o$icina segura( !as como

     podemos manter nossa o$icina limpa e segura2 3 s; uma &uestão de um pouco de atençãocom a arrumação, com cada um de n;s $a5endo sua parte( @ma $axina geral * uma boa id*ia(

    "oda o$icina ou mesmo nossa casa precisa de uma $axina geral ocasionalmente, entrando a+arrumação, ordenação, limpe5a, asseio e disciplina * mais &ue isso(

    PALESTRA 43 - $IQUE ATENTO A %IDRO QUEBRADO

    9ecentemente uma mul#er trabal#ando num balcão de supermercado teve sua rotinasubitamente interrompida, &uando uma garra$a de soda caiu e estourou perto dela, sendoatingida pelos cacos onde so$reu pe&uenos cortes( @m vendedor de uma lo%a de lumin.riasdemonstrava aba%ur de louça, &uando o cliente caiu acidentalmente sobre o aba%ur so$rendocortes no pun#o( @m trabal#ador de manutenção $oi atingido no ol#o por um caco de vidro&uando uma %anela caiu(A lista de $eridos poderia continuar, passando pelo caso de uma pessoa &ue tromba com uma

     porta de vidro at* a &ueda de um copo de vidro no ban#eiro( Por*m, a #ist;ria da segurançanão termina com $erimentos( Algu*m tem &ue limpar o vidro &uebrado e esta tare$a exige omaior cuidado( )s $erimentos causados ao recol#er os cacos de vidro, ou por não recol#8-los,não costumam virar +manc#ete de %ornal+ , mas $a5em seus estragos com $re&8ncia atrav*sde cortes, $erimentos atingindo pe&uenas art*rias e posteriores in$ecções( "ome cuidado&uando lidar com cacos de vidro( Se voc8 se cortar bus&ue os primeiros socorrosimediatamente( 'arra$as ou copos &uebrados nunca devem ser colocados diretamente no lixo(Acondicione os cacos numa $ol#a de %ornal ou outro papel resistente e se poss0vel rotular com

    o di5er +cont*m vidro &uebrado( Se estiver trabal#ando com ma&uin.rio, desligue-o antes decomeçar a remoção do mesmo()s trabal#adores &ue $orem regularmente expostos a riscos de vidro &uebrado, devem usar oe&uipamento de proteção individual apropriado( 4ste e&uipamento * constitu0do de ;culos desegurança, luvas ou m.scaras, dependendo do tipo de trabal#o( As luvas e protetores de

     braços, assim como a bota de segurança são necess.rias()casionalmente, n;s mesmos &uebramos um copo de vidro( Heste caso os cacos podem ser coletados usando-se um pedaço de papelão( As part0culas menores podem ser recol#idas com$ol#as absorventes, &ue devem ser enrolados e marcadas como tendo vidro &uebrado( Huncause toal#as ou guardanapos de tecido para coletar as part0culas de vidro( ) uso de uma

     pa5in#a de lixo, de uma vassoura ou rodo de borrac#a tamb*m * um m*todo seguro para lidar 

    com esta situação( As pessoas &ue trabal#am com vidro devem ser alertadas constantemente&uanto a &uebra, mau empil#amento e caixas de$eituosas( @m $erimento s*rio ocorrer se voc8cair ou esbarrar numa caixa ou prateleira onde o vidro &uebrado possa ter sido deixado(Algum dia voc8 pode lidar ou tentar abrir recipientes de vidro &ue podem &uebrar ( Hestecaso prote%a suas mãos com toal#as grossas( Se #ouver suspeita de vidro &uebrado num localcontendo .gua, primeiramente $aça a drenagem da .gua do local para posterior remoção dovidro(Seria virtualmente imposs0vel cobrir todos os casos em &ue voc8 pode de$rontar com o

     problema do vidro &uebrado( Kembre-se, por*m, de &ue o vidro &uebrado deve ser coletado edescartado imediatamente e de uma maneira &ue se%a segura para voc8, sua $am0lia e para osoutros(

  • 8/18/2019 134 Palestras diarias de Seguran+ºa.doc

    35/104

     

    DIALOGO DIARIO SOBRE SAUDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE.PALESTRA 44 - PREPARAÇÃO DE REAS SEGURAS DE TRABAL.O

    3 imposs0vel eliminar todos os riscos . nossa volta( ) mel#or &ue podemos $a5er * eliminar alguns e minimi5ar o m.ximo poss0vel outros( @ma pessoa &ue ten#a &ue dirigir em estradasas$altadas e escorregadias em dias c#uvosos, não pode eliminar os riscos devidos . traçãode$iciente ou a m. visibilidade, mas pode minimi5.-los( 4m primeiro lugar não deve usar 

     pneus lisos, veri$icar os limpadores de p.ra-brisa se estão $uncionando bem e outrosacess;rios para uma e$ica5 operação( 7uando c#egar 6 estrada, a pessoa dever. ser cautelosa,

     procurando uma velocidade compat0vel com a&uelas condições de tr.$ego( 4la abaixar. as %anelas $re&entemente para diminuir o embaçamento( Dever. manter a dist/ncia maior deoutros ve0culos( Ho geral a pessoa dever. intensi$icar suas t.ticas de direção de$ensiva,esperando pelo pior, mas sempre procurando dar o mel#or de si para &ue não ocorramacidentes( ) &ue tudo isto tem a ver com a preparação de .reas seguras de trabal#o2 "emtudo a ver( 3 exatamente isto &ue * a preparação de .reas de trabal#o, ou se%a, a eliminaçãoou minimi5ação dos riscos( Ha verdade o programa inteiro de prevenção de acidentes *apenas isto( 4is a&ui um outro exemplo comum< @ma escada numa resid8ncia de doisandares * essencial, por ra5ões ;bvias( !uitas pessoas morrem ou $icam $eridas, todos osanos em acidentes em escadas( Haturalmente a escada não pode ser eliminada, mas os riscos

     podem ser minimi5ados( Para tanto providenciamos corrimão na altura recomendada, pisosaderentes, inclinação, &uantidade de degrau recomendado, espaçamento entre degraus ealtura dos degraus dentro das normas e iluminação apropriada( Al*m disto, devemos treinar as crianças para usar escadas com segurança, subir e descer um degrau de cada ve5, usar ocorrimão e não correr( Agora esta escada pode ser usada com segurança relativa( Suascondições de riscos $oram minimi5adas e a conscienti5ação atrav*s do treinamentoapropriado 6s crianças deve eliminar os atos inseguros( Qe%amos como estes princ0pios seaplicam em nosso trabal#o( Supon#a &ue temos um pro%eto &ue exi%a de n;s reparos eminstalações subterr/neas num cru5amento de rua movimentado( A &uebra do as$alto e a

    abertura de um buraco certamente apresentam muitos riscos &ue não podem ser eliminados(!esmo &ue se%a um trabal#o de emerg8ncia, ele deve ser iniciado( "odos os membros dae&uipe de trabal#o são respons.veis pela identi$icação e an.lise dos riscos inerentes a a&uelaatividade( "odos devem ser protegidos o m.ximo poss0vel como o p1blico externo, as

     propriedades p1blicas, os vi5in#os e cada membro da e&uipe( Como nosso trabal#o ir.inter$erir no tr.$ego de ve0culos e pedestres, temos de iniciar de$inindo nos